Fernanda de Castro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fernanda de Castro
Nome completo Maria Fernanda Telles de Castro de Quadros Ferro
Nascimento 8 de dezembro de 1900
Lisboa, Portugal.
Morte 19 de dezembro de 1994 (94 anos)
Lisboa, Portugal
Nacionalidade Portugal Portuguesa
Cônjuge António Ferro
Filho(s) 2: António Quadros e Fernando Manuel de Quadros Ferro
Ocupação Escritora e tradutora
Prémios Prémio do Teatro Nacional D. Maria II, 1920
Magnum opus Ao Fim da Memória (1986)

Maria Fernanda Teles de Castro de Quadros Ferro OSE (Lisboa, 8 de dezembro de 1900Lisboa, 19 de dezembro de 1994) foi uma escritora portuguesa.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Fernanda de Castro, filha de João Filipe das Dores de Quadros (Lisboa, São Julião, 4 de janeiro de 1874 - Portimão, Portimão, 7 de julho de 1943), Goês, Oficial Capitão-Tenente da Marinha, Comendador da Ordem Militar de Avis a 11 de março de 1919,[1] e de sua mulher Ana Isaura Codina Teles de Castro da Silva (Lisboa, São José, 23 de setembro de 1879 - Bolama, 9 de abril de 1914), fez os seus estudos em Portimão, Figueira da Foz e Lisboa, tendo casado em 1922 com António Ferro.

Deste casamento nasceram António Quadros, que se distinguiu como filósofo e ensaísta, e Fernando Manuel de Quadros Ferro. A sua neta, Rita Ferro também se distinguiu como escritora. O seu sobrinho-neto Jorge Quadros distinguiu-se como músico.

Foi juntamente com o marido e outros, fundadora da Sociedade de Escritores e Compositores Teatrais Portugueses, actualmente designada por Sociedade Portuguesa de Autores.

O escritor David Mourão-Ferreira, durante as comemorações dos cinquenta anos de actividade literária de Fernanda de Castro disse: "Ela foi a primeira, neste país de musas sorumbáticas e de poetas tristes, a demonstrar que o riso e a alegria também são formas de inspiração, que uma gargalhada pode estalar no tecido de um poema, que o Sol ao meio-dia, olhado de frente, não é um motivo menos nobre do que a Lua à meia-noite".

Parte da vida de Fernanda de Castro, foi dedicada à infância, tendo sido a fundadora da Associação Nacional de Parques Infantis, associação na qual teve o cargo de presidente[2].

Como escritora, dedicou-se à tradução de peças de teatro, a escrever poesia, romances, ficção e teatro.

Foi autora do argumento do bailado Lenda das Amendoeiras (Companhia Portuguesa de Bailado Verde Gaio, 1940)[3] e do argumento do filme Rapsódia Portuguesa (1959), realizado por João Mendes, documentário que esteve em competição oficial no Festival de Cannes.

Também se encontra colaboração da sua autoria nas revistas: lllustração portugueza[4] (iniciada em 1903), Contemporânea[5] [1915]-1926), Ilustração [6] (iniciada em 1926) e ainda na Mocidade Portuguesa Feminina: boletim mensal[7] (1939-1947).

A 5 de janeiro de 1940 foi feita Oficial da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada.[8]

Prémios[editar | editar código-fonte]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Náufragos (1920) (teatro)
  • Maria da Lua (1945) (romance)
  • Antemanhã (1919) (poesia)
  • Náufragos e Fim da Memória (poesia)
  • O Veneno do Sol e Sorte (1928) (ficção)
  • As aventuras de Mariazinha (literatura infantil)
  • Mariazinha em África (1926) (literatura infantil) (fruto da passagem da escritora pela Guiné Portuguesa)
  • A Princesa dos Sete Castelos (1935) (literatura infantil)
  • As Novas Aventuras de Mariazinha (1935) (literatura infantil)
  • Fim de Semana na Gorongosa (19?) (literatura juvenil)
  • Asa no Espaço (1955) (poesia)
  • Poesia I e II (1969) (poesia)
  • Urgente (1989) (poesia)
  • Fontebela(1973)
  • Ao Fim da Memória(Memórias 1906 – 1939) (1986)
  • Pedra no Lago (teatro)
  • Exílio (1952)
  • África Raiz (1966).
  • Tudo É Princípio
  • Os Cães não Mordem
  • Jardim (1928)
  • A Pedra no Lago (1943)
  • Asa no Espaço (poesia)
  • Cartas a um Poeta (tradução de Rainer Maria Rilke)
  • O Diário (tradução de Katherine Mansfield)
  • Verdade Para Cada Um (tradução de Pirandello)
  • O Novo Inquilino (tradução de Ionesco)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • FERRO, Mafalda; FERRO, Rita. Retrato de uma família: Fernanda de Castro, António Ferro, António Quadros. Lisboa: Círculo de Leitores, 1999. ISBN 972-42-1910-0
  • Nóvoa, António (dir.) (2003). Dicionário de Educadores Portugueses. Porto: Edições Asa. ISBN 978-972-4136110 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "João Filipe das Dores Quadros". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 11 de setembro de 2015 
  2. Nóvoa 2003, pp. 322-324, PEREIRA, Sara Marques s. v. «Maria Fernanda Teles de Castro e Quadros Ferro»
  3. A.A.V.V. Verde Gaio: Uma Companhia Portuguesa de Bailado (1940-1950). Lisboa: Museu Nacional do Teatro, 1999. ISBN 972-776-016-3.
  4. lllustração portugueza (1903-) [cópia digital, Hemeroteca Digital]
  5. Contemporânea [1915]-1926) (cópia digital, Hemeroteca Digital)
  6. Rita Correia (16 de Junho de 2009). «Ficha histórica: Ilustração (1926-)» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 06 de Novembro de 2014  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  7. Helena Roldão (2 de maio de 2014). «Ficha histórica: Mocidade Portuguesa Feminina : boletim mensal (1939-1947).» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 27 de Maio de 2014 
  8. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Maria Fernanda Teles de Castro de Quadros Ferro". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 11 de setembro de 2015