Fernando Marroni

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fernando Marroni
Nome completo Fernando Stephan Marroni
Nascimento 31 de julho de 1956 (61 anos)
Pelotas
Nacionalidade brasileira
Ocupação político

Fernando Stephan Marroni (Pelotas, 31 de julho de 1956) é um político brasileiro, filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT). Foi prefeito de Pelotas e Deputado Federal.

Engenheiro eletricista formado pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), é também servidor da universidade. É casado com a psicóloga e deputada estadual pelo Rio Grande do Sul Miriam Marroni, sendo pai de duas filhas (Camila e Otávia) e avô de uma neta (Maria Eduarda).

Marroni iniciou sua trajetória política nos anos 80 na Associação dos Funcionários da Universidade Federal de Pelotas (Asufpel), que presidiu entre 1987 e 1991. Em 1989 assumiu a direção nacional da Federação dos Trabalhadores das Universidades Brasileiras (Fasubra).

Em 1992 concorreu a vereador pelo PT em Pelotas. Em 1998, foi o quarto deputado federal mais votado pelo partido no Rio Grande do Sul, com 47 mil votos. Em 2000 trocou a Câmara dos Deputados pela prefeitura de Pelotas. Depois de não obter a reeleição à prefeitura, concorreu novamente à Câmara dos Deputados (2006) e, com 70 mil votos, ficou na primeira suplência, assumindo o mandato em janeiro de 2009.

Em 2010, Fernando Marroni foi reeleito deputado federal com 87 mil votos, entrando para a história como o candidato a deputado mais votado de Pelotas em todos os tempos.[1]

No ano de 2012 concorreu novamente ao posto de prefeito na eleição municipal de Pelotas. No primeiro turno obteve 28,54% dos votos, passando à disputa do segundo turno com o candidato do PSDB, Eduardo Leite (39,89% dos votos).[2] No segundo turno Marroni conquistou 42,85% dos votos válidos (83.079), perdendo a eleição para Leite, que ficou com 57,15% (110.823 votos).

Em 2014 foi eleito como Deputado Federal, contudo por decisão do TSE em 2015 ele passou a ser primeiro suplente do PT, perdendo o cargo para José Otávio Germano (PP). A mudança ocorreu pelo fato de o TSE ter validado os 45.559 votos do candidato a deputado federal Claudio Janta (SD), que faz parte da mesma coligação de Germano, alterando o quociente eleitoral, que determina o número de votos para cada cadeira na Câmara.[3]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.