Fernando Torres

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para outras personalidades e usos do nome, veja Fernando Torres (desambiguação).
Fernando Torres
Fernando Torres
Torres em 2017
Informações pessoais
Nome completo Fernando José Torres Sanz
Data de nasc. 20 de março de 1984 (37 anos)
Local de nasc. Madrid, Espanha
Nacionalidade espanhol
Altura 1,86 m
destro
Apelido El Niño
Informações profissionais
Clube atual aposentado
Posição centroavante
Site oficial site
Clubes de juventude
1995–2001 Atlético de Madrid
Clubes profissionais
Anos Clubes
2001–2007
2007–2011
2011–2014
2014–2016
2015–2016
2016–2018
2018–2019
Atlético de Madrid
Liverpool
Chelsea
Milan
Atlético de Madrid (emp.)
Atlético de Madrid
Sagan Tosu
Seleção nacional
2000
2001
2001
2001
2002
2002–2003
2003–2014
Espanha Sub-15
Espanha Sub-16
Espanha Sub-17
Espanha Sub-18
Espanha Sub-19
Espanha Sub-21
Espanha

Fernando José Torres Sanz (Fuenlabrada, 20 de março de 1984) é um ex-futebolista espanhol que atuava como centroavante.

Considerado por muitos como um dos maiores atacantes da história da Seleção Espanhola, já que nos títulos principais e mais importantes da Fúria, o El Niño, como é conhecido, foi decisivo fazendo gols e dando assistências nas finais. Fernando Torres é conhecido mundialmente por ter sido um atacante rápido, com bom vigor físico e preciso em seus dribles e finalizações. Também destacava-se nos cabeceios, possuindo uma grande técnica em jogadas aéreas.

Pela Seleção Espanhola, conquistou a Euro 2008, a Copa do Mundo FIFA de 2010 e a Euro 2012. Em 2008 fixou-se como um dos principais jogadores na conquista espanhola, marcando o gol do título na final contra a Alemanha, dando o título à Fúria após 44 anos sem conquistas continentais – e também fez parte do elenco espanhol que conquistou a Copa do Mundo de 2010, disputada na África do Sul. Seu desempenho, entretanto, foi bastante prejudicado devido a uma lesão no joelho sofrida às vésperas do torneio, e Torres não conseguiu marcar nenhum gol.[1]

Já na Euro 2012 alternou entre bons e maus momentos, mas foi o artilheiro da Fúria no torneio e um dos goleadores da competição com 3 gols, sendo eleito posteriormente o artilheiro da Eurocopa de 2012 com três gols e uma assistência, ganhando assim a Bota de Ouro da Euro 2012. Ele e Juan Mata são os únicos jogadores do mundo que possuem títulos da Copa do Mundo FIFA (2010), Eurocopa (2012), Liga dos Campeões da UEFA (2011–12) e Liga Europa da UEFA (2012–13) no currículo.[2]

Infância e juventude[editar | editar código-fonte]

Fernando Torres nasceu em Fuenlabrada uma cidade que fica em Madrid, e começou a se interessar por futebol como uma criança normal, e juntou a sua primeira equipe, Parque 84, com cinco anos de idade.[3] Seu avô não era apaixonado por futebol, mas orgulhou-se de que seu neto fosse torcedor do Atlético de Madrid e, desde então, Torres desenvolveu o seu amor pelo clube madrileno.[3]

Inicialmente Torres quis ser um goleiro, mas sua família não concordou, e sugeriram que seguisse a posição de seu irmão no futebol.[4] No entanto, quando tinha sete anos, ele quebrou alguns dentes, como um resultado a sua mãe lhe disse para mudar de posição, ou não jogar mais futebol. Ele começou a jogar regularmente, portanto, como um atacante em uma clube da liga do interior do seu bairro, Mario’s Holland[3] Três anos mais tarde, ele impressionou os olheiros, e com apenas onze anos, foi para as categorias de base do Atlético de Madrid em 1995.[3]

Um fato interessante e curioso, é que o jogador disse também ter se inspirado e começado a jogar por conta da animação japonesa, Captain Tsubasa.[5] O jogador, inclusive, deixou claro que quando começou a jogar sonhava em ser o craque do desenho japonês.[6]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

Depois de se formar nas categorias de base do Atlético de Madrid, Torres ganhou seu primeiro título importante no juventude em 1998. O Atlético enviou uma equipe Sub-15 para competir na Copa Nike, tanto a nível nacional e europeu, para jogar com as jovens equipes do continente europeu, no qual o Atlético venceu o torneio.[3][7] Logo após a competição, ele foi eleito o melhor jogador na Europa para essa faixa etária.[7]

Atlético de Madrid[editar | editar código-fonte]

Fernando Torres sendo marcado por Daniel Carvajal e Sergio Ramos

Em 1999, com 15 anos de idade, Torres assinou seu primeiro contrato profissional com o Atlético de Madrid.[3] Ele passou seu primeiro ano jogando na equipe reserva e quando fez 16 anos foi chamado para a equipe principal, tornando-se um dos destaques.[3]

A temporada 2000–01 havia começado mal, com Torres sofrendo uma lesão que o manteve fora dos gramados até dezembro.[3] Já recuperado e sem lesões, o atacante foi para a pré-temporada e finalmente estreou no dia 27 de maio de 2001, no Vicente Calderón, contra o Leganés.[3] Uma semana depois, contra o Albacete, ele marcou seu primeiro gol pelo clube e terminou a temporada com o Atlético de Madrid caindo para a Segunda Divisão.[3]

No final da temporada 2001–02, o Atlético conquistou a Segunda Divisão e consequentemente o retorno a La Liga. A temporada foi um ruim para Torres, durante o qual ele marcou apenas seis gols em 36 jogos da na Segunda Divisão.

Já na temporada 2002–03, chamou a atenção na La Liga por marcar 12 gols em 29 jogos, mesmo com o Atlético terminando em 11º.[3]

Torres deu passos mais largos na temporada 2003–04, marcando 19 gols na Liga em 35 jogos, conseguindo ser o terceiro maior artilheiro da competição naquela temporada.[9] Ele formou uma parceria com o atacante grego Demis Nikolaidis, com quem se destacou no ataque. Com Torres atuando mais recuado, criando espaços e oportunidades no ataque, os dois juntos conseguiram marcar 26 gols. Com apenas dezenove anos, Torres foi também nomeado o capitão da equipe.[7]

O Atlético perdeu a classificação para a Copa da UEFA, mas por ter terminado a competição em 7º lugar na temporada 2003–04, classificou-se para a Copa Intertoto de 2004, dando a Torres a primeira chance de disputar uma competição europeu. Ele marcou dois gols nos dois primeiros jogos contra o Belgrado[10] e o Atlético chegou à final, mas perdeu para o Villarreal.[10]

O Chelsea acreditava que poderia contratar Torres em 2005, mas Enrique Cerezo, presidente do Atlético, disse que "eles não tinham nenhuma chance de contratá-lo."[11] Um ano depois, em janeiro de 2006, o clube estava disposto a ouvir ofertas pelo atacante, e Torres alegou que o Newcastle havia feito uma proposta.[12][13]

Após a Copa do Mundo FIFA de 2006, El Niño, que havia sido convocado pela Seleção Espanhola, admitiu que tinha rejeitado a possibilidade de jogar no Chelsea no final da temporada 2005–06.[14] Na sequência da temporada 2006–07, na qual ele marcou 14 gols na La Liga, seu o futuro no Atlético foi novamente alvo de especulações após a equipe não conseguir a classificação para a Copa da UEFA, com relatos na imprensa inglesa afirmando que Torres era o principal desejo do Liverpool.[15] Depois de muitos rumores, o Atlético de Madrid emitiu uma nota oficial afirmando: "Nós não recebemos nenhuma proposta do Liverpool ou de qualquer outro clube ou por algum jogador."

Liverpool[editar | editar código-fonte]

Torres em sua primeira temporada pelo Liverpool

No dia 2 de julho de 2007, foi divulgado na imprensa que Torres estaria voltando de jatinho para Madrid após ter uma negociação bem encaminhada com o Liverpool.[16][17] No dia seguinte, o atacante passou nos exames médicos do clube inglês e foi anunciado que teria uma despedida em Madrid, no dia 4 de julho, para que ele se despedisse dos torcedores.[18] Torres foi contratado por cerca de 36 milhões de euros; o valor da transferência era, até então, o mais alto pago na história do Liverpool[16], mas foi superado posteriormente pela contratação de Andy Carroll.

Sua primeira temporada no Liverpool foi a de 2007–08. Fez sua estreia contra o Aston Villa, na vitória por 2 a 1, em 11 de agosto de 2007. Estreou na Liga dos Campeões quatro dias depois, numa vitória por 1 a 0 sobre o Toulouse, saindo do banco e entrando aos 79 minutos. Seu primeiro gol na Premier League veio em sua estreia no Anfield Road, em 19 de agosto, aos 16 minutos do empate por 1 a 1 frente ao Chelsea. Seu primeiro hat-trick veio em uma vitória por 4 a 2 sobre o Reading, pela Copa da Liga Inglesa, em setembro, com todos os seus gols marcados no segundo tempo. Seu primeiro gol na Liga dos Campeões veio em sua terceira partida na competição, quando o Liverpool derrotou o Porto por 4 a 1, com Torres marcando duas vezes.

Já em sua primeira temporada no clube, Torres fez história na Premier League; foi o artilheiro do Liverpool, marcando 24 gols, e quebrou o recorde do jogador estrangeiro a marcar mais gols em sua temporada de estreia na liga, que pertencia a Ruud van Nistelrooy.[19]

Antes do início da temporada 2009–10, Torres aceitou uma renovação de contrato com o Liverpool, que ele assinou em 14 de agosto. Entretanto, ainda durante esta temporada, o espanhol mostrou-se insatisfeito no clube, chegando a pedir a diretoria que aceitasse propostas para sua transferência. Finalizou assim sua passagem pelo Liverpool, onde jogou um total de 142 jogos e marcou 81 gols, sendo 65 deles pela Premier League.

Chelsea[editar | editar código-fonte]

Após diversas tentativas de contratação de Fernando Torres pelo Chelsea, os Blues finalmente conseguiram no dia 31 de janeiro de 2011, último dia da janela de transferências do inverno europeu, quando pagaram uma quantia recorde de 58 milhões de euros por um contrato de cinco temporadas. O valor da transferência ultrapassou o recorde britânico, que era de Robinho, e transformou Fernando Torres na maior contratação da história do Reino Unido e a sexta maior da história do futebol. Tornou-se assim, o jogador espanhol mais caro, e ao mesmo tempo o Chelsea tornou-se o clube inglês que pagou mais dinheiro por um jogador de futebol.

Fernando Torres na final do Mundial de Clubes da FIFA, contra o Corinthians

Estreou pelo Chelsea exatamente contra seu ex-clube, o Liverpool, em 6 de fevereiro. Torres não marcou gol em sua primeira partida, mas foi o principal personagem dela, sendo vaiado várias vezes pela torcida adversária, que levou até faixas ao estádio criticando sua saída do clube. O Chelsea acabou derrotado por 1 a 0, gol do português Raul Meireles. Após passar as treze primeiras partidas pelo Chelsea sem marcar nenhum gol, seu primeiro tento finalmente veio em 23 de abril de 2011, o segundo da vitória por 3 a 0 sobre o West Ham United.[20] Mesmo vivendo uma fase difícil em sua carreira devido à falta de gols, Torres permanece entre os titulares na grande maioria das partidas, atuando numa posição um pouco mais recuada em relação ao Liverpool, quase como um segundo atacante. O espanhol teve uma de suas melhores atuações pelos Blues numa partida contra o Bayer Leverkusen, válida pela Liga dos Campeões. Torres foi o autor de duas assistências para os gols de Juan Mata e David Luiz.

No dia 24 de abril de 2012, teve seu dia de glória no Chelsea. O atacante marcou nos acréscimos contra o Barcelona, em pleno Camp Nou, um gol que garantiu o empate em 2 a 2 e a classificação para a final da Liga dos Campeões.[21] Já no dia 29 de abril, fez seu primeiro hat-trick pelos Blues.

Torres começou a mostrar porque o presidente do Chelsea o contratou por 58 milhões de euros, um dinheiro que estava sendo questionado pelo fato do atacante não conseguir marcar gols com o treinador André Villas-Boas.[22] No entanto, o jogador terminou a temporada 2011–12 com 48 jogos oficias pelo Chelsea, tendo marcado 11 gols e distribuído 11 assistências. Dos 11 gols marcados, metade foram com o técnico Roberto Di Matteo.[23]

O ano de Fernando El Niño Torres foi salvo pela conquista da Copa da Inglaterra, em que o Chelsea venceu o Liverpool por 2 a 1, além da conquista da Liga dos Campeões sobre o Bayern de Munique por 4 a 3, nos pênaltis.[24] Nenhum clube de Londres havia concretizado esse feito até então.

2012–13[editar | editar código-fonte]

Fernando Torres em jogo contra o Utrecht

Após a saída do ídolo marfinense Didier Drogba, Torres ganhou definitivamente a posição de titular e teve um ótimo começo de temporada, tendo balançado as redes na Supercopa da UEFA e nos dois primeiros jogos do Chelsea na Premier League. Fez também gols importantes durante a fase de grupos da Liga dos Campeões, mas não conseguiu evitar a eliminação do Chelsea ainda na fase de grupos. Já na semifinal do Mundial de Clubes, conseguiu marcar um gol e ajudou na vitória sobre o Monterrey, do México, por 3 a 1.

Em compensação, foi apontado pela imprensa e por torcedores como o principal responsável pela derrota do Chelsea para o Corinthians na final do Mundial de Clubes da FIFA, em dezembro de 2012. Torres teve inúmeras e fáceis oportunidades de marcar gols durante a partida, mas mostrou incapacidade nos momentos de definição e que a sua forma física e técnica não são mais as mesmas de anos atrás; isso fez com que o seu prestígio caísse de forma vertiginosa no clube e entre os torcedores.[25]

Torres ainda conseguiria a redenção com a torcida sendo artilheiro da campanha vitoriosa do Chelsea na Liga Europa da UEFA, na qual o clube sagrou-se campeão pela primeira vez. Na estreia do clube, Torres fez um gol de cabeça e ajudou na vitória sobre o Lyon por 5 a 0. No jogo da volta ele marcou o primeiro gol da vitória por 2 a 1 em Stamford Bridge.

Nas quartas de final marcou dois gols na vitória do Chelsea por 3 a 1 sobre o Rubin Kazan, no Stamford Bridge, e também marcou um gol no jogo na Rússia, ajudando o time a se classificar para a semifinal da Liga Europa.[26] Na semifinal, Torres voltou a ser decisivo ao marcar o único gol da vitória sobre o Basel por 1 a 0 no Stamford Bridge, resultado que garantiu o Chelsea na final da competição. Na final Torres fez o primeiro gol, ajudando o Chelsea a derrotar o Benfica por 2 a 1 em Amesterdão.[27] Com a conquista da Liga Europa de 2012–13, Torres encerrou a temporada com 22 gols marcados.

Milan[editar | editar código-fonte]

No dia 29 de agosto de 2014, foi emprestado ao Milan por duas temporadas.[28] Fez sua estreia pelo Milan num jogo contra um dos maiores rivais do time rossonero, a Juventus, entrando como substituto na segunda etapa do jogo. Marcou seu primeiro gol pelo time em 23 de setembro, num jogo contra o Empoli, partida válida pela Serie A. No dia 27 de dezembro, rescindiu contrato com o Chelsea, sendo repassado em definitivo ao Milan.[29]

Retorno ao Atlético[editar | editar código-fonte]

O Atlético de Madrid anunciou, no dia 29 de dezembro de 2014, a contratação de Fernando Torres por empréstimo junto ao Milan (recentemente o jogador havia sido repassado em definitivo aos rossoneros pelo Chelsea).[30] Na transação, o ponta-direita italiano Alessio Cerci, que foi contratado em 2014 pelo Atlético, foi emprestado ao Milan.

Em sua apresentação ao Atlético de Madrid, Torres foi recepcionado no estádio Vicente Calderón por 45 mil torcedores celebrando a volta do atacante aos colchoneros.

Torres fez sua reestreia pelo Atlético de Madrid em 7 de janeiro de 2015, numa partida contra o Real Madrid, válida pela Copa do Rei e já deixou seu primeiro gol em seu retorno pelo Atlético, ajudando sua equipe a vencer pelo placar de 2 a 1 e eliminar o rival.

Fez mais um no duelo contra a Juventus pela fase de grupos da Liga dos Campeões da UEFA, empatando a partida em 1 a 1 e garantindo o Atlético na primeira posição do grupo. Fez outro gol na derrota frente ao Barcelona por 3 a 2 nas quartas de final da Copa do Rei, que eliminou o Atlético da competição.

Durante toda a temporada 2014–15, a torcida esteve satisfeita com o desempenho de Torres. Ele que foi por muitas vezes utilizado como substituto direto do croata Mario Mandžukić, e, às vezes, como titular ao lado do mesmo. Torres encerou a temporada com 26 partidas jogadas e sete gols marcados.

Na temporada 2015–16, com a saída de Mandžukić, Torres foi mais bem utilizado e formou dupla de ataque com o francês Antoine Griezmann, sendo um dos responsáveis por colocar o Atlético na final da Liga dos Campeões. Além disso, marcou 12 gols e distribuiu muitas assistências.

No dia 21 de junho de 2016, o clube espanhol assegurou sua contratação definitiva por um período de um ano.[31]

Após a derrota para o favorito Real Madrid, na final da Liga dos Campeões, Torres deixou claro o seu desejo de conquistar um título de expressão pelo Atlético de Madrid.

No dia 2 de março de 2017, Fernando Torres sofreu acidente no gramado, na partida contra o Deportivo La Coruña, pelo Campeonato Espanhol. A situação preocupou os companheiros de time e os rivais. O jogador sofreu entrada forte por trás, caiu desmaiado e, de imediato, outros atletas prestaram socorro. De ambulância, ele foi levado ao Hospital Modelo de La Coruña.[32]

Cerca de uma hora depois do fim da partida, o Atlético de Madrid usou o Twitter para dar "boas informações". "Torres realizou exames craniais e cervicais. Não há alterações e nem lesões traumáticas. Consciente e orientado, passou a noite em observação por protocolo médico", informou o clube.[33]

No dia 21 de maio de 2018, o jogador faz sua última partida pelo Atlético de Madrid pela última rodada do Campeonato Espanhol, marcando dois gols contra o Eibar e garantindo o empate do Atlético em 2 a 2.[34]

Sagan Tosu e aposentadoria[editar | editar código-fonte]

No dia 15 de julho de 2018, foi anunciado no Sagan Tosu, do Japão.

Após atuar por apenas uma temporada na equipe da J-League, Torres anunciou, no seu Instagram, sua aposentadoria para agosto de 2019.[35] Sua última partida oficial foi no dia 23 de agosto, contra o Vissel Kobe.[36]

Retorno ao futebol[editar | editar código-fonte]

Após ter se aposentado em 2019, Fernando Torres anunciou em sua conta no Instagram, no dia 25 de maio de 2021, que retornaria aos gramados e que anunciaria seu novo clube no dia 28 do mesmo mês.[37][38][39]

Seleção Nacional[editar | editar código-fonte]

Torres na Euro 2012 contra a França

Após ter representado a Espanha em todas as categorias de base, estreou pela Seleção Espanhola principal em 2003, num amistoso contra Portugal.

Desde então, disputou cinco grandes competições: Euro 2004, Copa do Mundo FIFA de 2006, Euro 2008, Copa do Mundo FIFA de 2010, Euro 2012 e Copa do Mundo FIFA de 2014.

Ele não conseguiu marcar gols pela Espanha na UEFA Euro 2004, mas posteriormente fez três na Copa do Mundo de 2006. Já em 2008, na final da Euro contra a Alemanha, foi decisivo ao marcar o gol do título na vitória da Seleção Espanhola, após 44 anos de jejum da Fúria.[40]

Em sua segunda Copa do Mundo, a de 2010, fez parte do elenco[41] campeão da Seleção Espanhola, mas não marcou nenhum gol no Mundial. A queda em seu desempenho estava diretamente ligada a uma grave lesão que havia sofrido às vésperas do torneio, chegando a ser reserva em algumas partidas.[1]

Após conquistar a Liga dos Campeões de 2011–12 pelo Chelsea durante a pior temporada de sua carreira, El Niño foi convocado para a Euro 2012 ao lado de Juan Mata, seu colega de time e Seleção.[42][43]

Durante a Euro 2012, Fernando Torres teria a chance de fazer pela Seleção o que ele não havia feito no Chelsea até então, mas foi reserva em muitas partidas. Entretanto, sempre entrava em campo por volta dos 70 e 80 minutos de jogo. Com três gols marcados, foi um dos artilheiros da competição e um dos personagens de mais um título importante para a Espanha.[44]

Em 2013, Fernando Torres disputou a Copa das Confederações no Brasil. Começou a competição no banco de reservas, mas conseguiu fazer quatro gols na goleada de 10 a 0 contra o Taiti.[45] Depois, vindo do banco contra a Nigéria, marcou o gol que acendeu a Fúria.[46] Manteve a titularidade após este jogo e foi titular até a final contra o Brasil, onde a sua Seleção foi derrotada por 3 a 0 para os donos de casa.[47] Por fim, El Niño foi o artilheiro do torneio com cinco gols, empatado com Fred e superando Neymar (melhor jogador da competição).[48] Torres ficou com a chuteira de ouro por tem ficado menos minutos em campo.

Foi convocado para disputar a Copa do Mundo de 2014, no Brasil.[49] Mesmo com o fracasso da Seleção Espanhola na competição, que foi eliminada ainda na primeira fase, Torres conseguiu marcar um gol na única partida que jogou na competição, ajudando a Espanha a conquistar sua única vitória na competição, um 3 a 0 sobre a Austrália.[50]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Filho mais novo de José Torres e Flori Sanz, Fernando Torres tem dois irmãos, Israel (nascido em 1977) e Maria Paz (nascida em 1976). No dia 27 de maio de 2009, casou-se com Olalla Domínguez, com quem mantinha um relacionamento desde 2001. Com ela teve três filhos, Nora, que é a filha primogênita do casal, Leo e Elsa.

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Atualizadas até 20 de maio de 2018.

Clubes[editar | editar código-fonte]

Equipe Temporada Campeonato
nacional
Copa
nacional
Competições
continentais
Outros
torneios
Total
Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols
Atlético de Madrid 2000–01 4 1 2 0 6 1
2001–02 36 6 1 1 37 7
2002–03 29 13 3 1 32 14
2003–04 35 19 5 2 40 21
2004–05 38 16 6 2 5 2 49 20
2005–06 36 13 4 0 40 13
2006–07 36 14 4 1 40 15
2014–15 19 3 4 3 3 0 26 6
2015–16 30 11 2 0 12 1 44 12
2016–17 31 8 9 1 5 1 1 0 46 10
2017–18 27 5 6 3 12 2 5 2 50 12
Total 321 109 46 14 37 6 6 2 410 131
Liverpool 2007–08 33 24 2 3 11 6 46 33
2008–09 24 14 5 1 9 2 38 17
2009–10 22 18 2 0 8 4 32 22
2010–11 23 9 1 0 2 0 26 9
Total 102 65 10 4 30 12 6 2 142 81
Chelsea 2010–11 14 1 4 0 18 1
2011–12 32 6 7 2 10 3 49 11
2012–13 36 8 9 3 16 9 3 2 64 22
2013–14 28 5 3 1 10 5 41 11
Total 110 20 19 6 40 17 3 2 172 45
Milan 2014–15 10 1 10 1
Total 10 1 10 1
Total na carreira 543 195 75 24 107 34 9 4 734 258

Seleção[editar | editar código-fonte]

Ano
Jogos Gols
2003 3 0
2004 11 1
2005 12 8
2006 13 5
2007 6 1
2008 13 3
2009 13 5
2010 11 3
2011 9 1
2012 10 4
2013 5 5
2014 4 2
Total 110 38

Títulos[editar | editar código-fonte]

Atlético de Madrid
Chelsea
Milan
Seleção Espanhola

Prêmios individuais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Herói da Euro, Fernando Torres vira peso morto na Copa». Terra. 7 de julho de 2010. Consultado em 15 de julho de 2021 
  2. «Dupla espanhola do Chelsea consegue feito inédito no futebol». O GLOBO. 15 de maio de 2013. Consultado em 7 de março de 2020 
  3. a b c d e f g h i j k «Biografia - F9T.com». Consultado em 15 de novembro de 2009 
  4. «Torres garante que seria um grande goleiro - Marca.com». Consultado em 17 de abril de 2008 
  5. «Discípulo de Tsubasa, Fernando Torres ganhou o melhor presente na chegada ao Japão». Trivela. 18 de julho de 2018. Consultado em 15 de julho de 2021 
  6. «Torres valoriza Mundial e lembra paixão por "Tsubasa"». Terra. 11 de dezembro de 2012. Consultado em 15 de julho de 2021 
  7. a b c «Torres vai ser o novo Deus ou apenas um outro Fernando? - Guardian». Consultado em 4 de julho de 2007 
  8. "Os Craques da Copa 2006 - Fernando Torres", Placar número 1292, março de 2006, Editora Abril, págs. 36-37
  9. «Artiheiros da La Liga 2003-04 - ESPN Soccernet». Consultado em 24 de maio de 2009 
  10. a b «Copa Intertoto da UEFA de 2004 - Rec.Sport.Soccer Statistics Foundation». Consultado em 24 de maio de 2009 
  11. «Atlético avisa Chelsea sem chances com Torres - BBC Sport». Consultado em 28 de junho de 2005 
  12. «Atlético disposto a vender Torres - BBC Sport». Consultado em 24 de janeiro de 2006 
  13. «Newcastle me deseja, afirma Torres - BBC Sport». Consultado em 16 de março de 2006 
  14. «Villa lisonjeado com proposta do Chelsea - Sky Sports». Consultado em 24 de maio de 2009 
  15. «Torres é dos Red`s, avo número um - icLiverpool». Consultado em 20 de junho de 2007 
  16. a b «Liverpool completa transferência de Torres - BBC Sports». Consultado em 4 de julho de 2007 
  17. «Torres' £27m negocia com Liverpool - Telegraph». Consultado em 2 de março de 2009 
  18. «Recorde de transferência do Liverpool - Guardian». Consultado em 4 de julho de 2007 
  19. «Torres marca e quebra o recorde - Liverpool FC - Brasil». Consultado em 24 de maio de 2009 
  20. "Niño Torres desencanta, e Chelsea vence West Ham"[ligação inativa]
  21. «Autor do gol de empate, Fernando Torres confirma fama de 'carrasco' do Barcelona». ESPN.com.br. 24 de abril de 2012. Consultado em 15 de julho de 2021 
  22. «Villas-Boas defende Fernando Torres no Chelsea». Trivela. 19 de novembro de 2011. Consultado em 15 de julho de 2021 
  23. «Torres agora é um jogador feliz, afirma Di Matteo». Trivela. 30 de março de 2012. Consultado em 15 de julho de 2021 
  24. Tiago Leme e Lucas Borges (19 de maio de 2012). «VÍDEO: Nos pênaltis, Chelsea vence Bayern, cala Munique e é campeão da Champions pela primeira vez». ESPN.com.br. Consultado em 15 de julho de 2021 
  25. «Ingleses destacam "fim do mundo" do Chelsea e erros de Torres». Terra. 16 de dezembro de 2012. Consultado em 15 de julho de 2021 
  26. Igor Junio (4 de abril de 2013). «Com dois gols de Torres, Chelsea vence Rubin Kazan e abre vantagem». VAVEL.com. Consultado em 11 de agosto de 2019 
  27. Leandro Stein (15 de maio de 2013). «Chelsea fatura a Liga Europa e tem a paz para se reconstruir». Trivela. Consultado em 15 de julho de 2021 
  28. «Torres é apresentado no Milan e diz que objetivo é retornar à Champions». GloboEsporte.com. 2 de setembro de 2014. Consultado em 15 de julho de 2019 
  29. «Escala rumo ao Atlético: Chelsea anuncia venda de Torres para o Milan». GloboEsporte.com. 27 de dezembro de 2014. Consultado em 15 de julho de 2021 
  30. «Fernando Torres vuelve a casa». Site A.Madrid (em espanhol). 29 de dezembro de 2014. Consultado em 29 de Dezembro de 2014 
  31. «Fernando Torres assinará por mais um ano com Atlético de Madri, diz rádio». UOL. 20 de junho de 2016. Consultado em 15 de julho de 2021 
  32. «Fernando Torres sai desacordado, mas exame não aponta lesões traumáticas». GloboEsporte.com. 2 de março de 2017. Consultado em 15 de julho de 2021 
  33. «Fernando Torres sai desacordado, mas exame não aponta lesões traumáticas». GloboEsporte.com. 2 de março de 2017. Consultado em 11 de agosto de 2019 
  34. «Atlético de Madrid empata com Eibar na despedida com gols de Fernando Torres pela La Liga». ESPN.com.br. 20 de maio de 2018. Consultado em 15 de julho de 2021 
  35. «Campeão mundial em 2010 com a Espanha, Fernando Torres anuncia despedida dos gramados». GloboEsporte.com. 21 de junho de 2019. Consultado em 15 de julho de 2021 
  36. «A emocionada despedida de Fernando Torres: «Agradeço ao futebol por me ter feito tão feliz»». Record. 23 de agosto de 2019. Consultado em 15 de julho de 2021 
  37. «Fernando Torres anuncia retorno ao futebol com mensagem emotiva: 'Só entendo a vida de uma forma: jogando'». ESPN.com.br. 25 de maio de 2021. Consultado em 15 de julho de 2021 
  38. «Aos 37 anos, espanhol Fernando Torres anuncia volta aos gramados». Gazeta Esportiva. 25 de maio de 2021. Consultado em 15 de julho de 2021 
  39. «Fernando Torres agita mundo do futebol com anúncio nas redes sociais (Espanha)». A Bola. 25 de maio de 2021. Consultado em 15 de julho de 2021 
  40. «Espanha é campeã da Eurocopa 2008 com gol de Fernando Torres». Estadão. 29 de junho de 2008. Consultado em 15 de julho de 2021 
  41. «Lista de convocados da seleção da Espanha». Terra. Consultado em 15 de julho de 2021 
  42. «Del Bosque anuncia lista da Espanha para Euro: 5 do Real e 7 do Barcelona». GloboEsporte.com. 27 de maio de 2012. Consultado em 15 de julho de 2021 
  43. «Espanha anuncia lista final de convocados para o Euro 2012». Trivela. 27 de maio de 2012. Consultado em 15 de julho de 2021 
  44. «Fernando Torres leva vantagem nos critérios de desempate e acaba como artilheiro da Euro». UOL. 2 de julho de 2012. Consultado em 15 de julho de 2021 
  45. «Vaiada, Espanha goleia por 10 a 0, mas Taiti faz a festa da torcida e também 'vence' no Maracanã». ESPN.com.br. 20 de junho de 2013. Consultado em 15 de julho de 2021 
  46. «Não foi desta vez: Nigéria assusta, mas Espanha vence e pega a Itália». GloboEsporte.com. 23 de junho de 2013. Consultado em 15 de julho de 2021 
  47. «Brasil massacra temida Espanha e ganha o tetra». ESPN.com.br. 30 de junho de 2013. Consultado em 15 de julho de 2021 
  48. «Fred e Fernando Torres são os artilheiros da Copa das Confederações». Terra. 30 de junho de 2013. Consultado em 15 de julho de 2021 
  49. «OFICIAL: Estos son los 23 que nos representarán en Brasil» (em espanhol). sefutbol. 31 de maio de 2014 
  50. Leandro Miranda (23 de junho de 2014). «Vaiada e ironizada, Espanha encerra era de ouro com vitória». Terra. Consultado em 15 de julho de 2021 
  51. «2002: Fernando Torres». UEFA 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Fernando Torres