Festival de Música Popular Brasileira 1966

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O Festival de Música Popular Brasileira de 1966 foi a segunda edição do Festival de MPB organizado pela TV Record, com apoio jornalístico da extinta revista paulista Intervalo e transmissão simultânea da recém-criada TV Globo Rio de Janeiro, sediada na Guanabara, e da também extinta TV Paulista, conforme registra o disco musical gravado pela direção do canal 7 paulista, com as principais canções do evento. Aconteceu entre 27 de setembro e 10 de outubro de 1966, com todos os eventos sendo realizados no Teatro Record Consolação, em São Paulo.[1]

Formato[editar | editar código-fonte]

Todas as 2635 canções inscritas foram ouvidas por um corpo de cinco jurados (composto por César Mariano, Júlio Medaglia, Raul Duarte, Roberto Corte Real e Roberto Freire, que mais tarde comporiam também o juri da parte televisionada), que foi responsável por eleger 36 canções.

As 36 selecionadas foram dividas em três eliminatórias (27 e 28 de setembro e 1 de outubro), onde um júri composto por 12 membros iria pontuar as canções e, as quatro com maior pontuação de cada eliminatória avançaram à final. Lembrando que as canções classificadas eram reapresentadas ao final de cada eliminatória.

Na finalíssima, as 12 canções eram avaliadas novamente pelo mesmo júri das eliminatórias. Ao final, a premiação aconteceu da seguinte forma:

Prêmio
1º Lugar Cr$ 20 milhões
2º Lugar Cr$ 10 milhões
3º Lugar Cr$ 5 milhões
4º Lugar Cr$ 3 milhões
5º Lugar Cr$ 2 milhões

Além destes, ainda era conferida uma viagem à Itália como prêmio de melhor letra. Como duas canções empataram em primeiro lugar, os organizadores acabaram dando 15 milhões de cruzeiros para cada.[1]

Júri[editar | editar código-fonte]

O corpo de jurados foi composto por 12 membros que representassem um equilíbrio entre as facções políticas e musicais a concurso. O júri acabou sendo composto da seguinte forma:[1]

Alberto Medauar
jornalista
César Mariano
pianista
Denis Brean
jornalista e compositor
Franco Paulino
crítico musical
Júlio Medaglia
maestro
Luís Guedes
jornalista
Mário Lago
compositor
Paulo Vanzolini
compositor
Raul Duarte
jornalista
Roberto Corte Real
jornalista
Roberto Freire
escritor e jornalista
Sílvio Túlio Cardoso
jornalista

Finalíssima[editar | editar código-fonte]

A finalíssima aconteceu dia 10 de outubro de 1966, no Teatro Record Consolação, em São Paulo.[2]

Ordem Interpretes Canção Autores Resultado
01 Jair Rodrigues "Disparada" Geraldo Vandré
02 MPB4 "Canção de Não Cantar" Sérgio Bittencourt
03 Elza Soares "De Amor Ou Paz" Adualto Santos Panamá
04 Jair Rodrigues "Canção para Maria" Paulinho da Viola e Capinam
05 Leny Eversong "Lá Vem O Bloco" Carlos Lira e G. Guarnieri -
06 Chico Buarque e Nara Leão "A Banda" Chico Buarque
07 Maísa "Amor, Paz" Vera Brasil e Maísa -
08 Elis Regina "Ensaio Geral" Gilberto Gil
09 Elis Regina "Jogo de Roda" Edu Lobo e Rui Guerra -
10 Roberto Carlos "Flor Maior" Célio Borges Pereira -
11 Maria Odete "Um Dia" Caetano Veloso -
12 Nara Leão "O Homem" Millôr Fernandes -

Referências

  1. a b c MELLO, Zuza Homem de. A ERA DOS FESTIVAIS: UMA PARÁBOLA. Editora 34. 2003
  2. Correio da Manhã de 5 de Outubro de 1966 - Festival encerra dia 10