Cine PE

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Festival do Recife)
Cine PE
Logotipo
Descrição Excelência em realizações cinematográficas
Local Recife
 Pernambuco
País  Brasil
Primeira cerimónia 10 de janeiro de 1997 (25 anos)
Sítio oficial

O Cine PE – Festival Audiovisual, informalmente conhecido como Cine Pernambuco e Festival do Recife, é um festival de cinema brasileiro suportado pelo Ministério da Cultura que acontece desde 1997 no Recife, capital do estado de Pernambuco.[1]

O festival é um dos mais tradicionais do cinema brasieliro e premia, anualmente, os profissionais que se destacam na indústria cinematográfica do Brasil, na produção de curtas e longas metragens; também premia atrizes e atores, e homenageia um grande convidado a cada edição com o Troféu Calunga.

Em 2018, a grande homenagem da cerimônia foi para a atriz Cássia Kiss.[2] Em 2019, a hoemagem foi para a grande atriz Drica Moraes.

Em 2020, devido a pandemia de COVID-19, as mostras de filmes não foram realizadas em salas de cinema, como tradicionalmente. A direção do festival organizou as mostras em modelo drive-in, onde os telespectadores assistem ao telão dentro de seus carros. O evento ocorreu entre 24 e 30 de agosto de 2020.[3] A edição ainda contou com transmissão online e pelas redes sociais.

História e regulamento[editar | editar código-fonte]

Teatro Guararapes, em Olinda, onde foram realizadas algumas edições do festival.

O Cine PE é um festival audiovisual que promove uma ampla programação, plural e de dimensão internacional, contemplando a realização de mostras competitivas de curtas e longas-metragens, nos formatos 35 mm e digital, sem distinções nos processos de avaliação. Tais mostras são realizadas todo ano e, em período específico, em Pernambuco. O festival se organiza com as seguintes mostras de filmes:

  • A "Mostra Pernambuco de Curtas-Metragens", que é constituída apenas por filmes pernambucanos (na produção, co-produção ou direção), sendo estabelecidas as categorias de ficção, animação ou documentário, onde são eleitas as premiações de: MELHOR FILME, MELHOR DIREÇÃO, MELHOR ROTEIRO, MELHOR FOTOGRAFIA, MELHOR MONTAGEM, MELHOR EDIÇÃO DE SOM, MELHOR DIREÇÃO DE ARTE, MELHOR TRILHA SONORA, MELHOR ATOR E MELHOR ATRIZ (totalizando 10 prêmios), através de júri oficial do festival.[4]
  • A "Mostra Nacional de Curtas-Metragens", constituída por filmes brasileiros (na produção, co-produção ou direção), sendo estabelecidas as categorias de ficção, animação ou documentário, onde são eleitas as premiações de: MELHOR FILME, MELHOR DIREÇÃO, MELHOR ROTEIRO, MELHOR FOTOGRAFIA, MELHOR MONTAGEM, MELHOR EDIÇÃO DE SOM, MELHOR DIREÇÃO DE ARTE, MELHOR TRILHA SONORA, MELHOR ATOR E MELHOR ATRIZ (totalizando 10 prêmios), através de júri oficial do Festival.[4]
  • "Mostra Competitiva de Longas-Metragens Nacionais", que é constituída por longas-metragens brasileiros, (na produção, co-produção ou direção), podendo haver co-produção internacional, sendo estabelecidas as categorias de ficção, animação ou documentário, sujeitos as premiações de: MELHOR FILME, MELHOR DIREÇÃO, MELHOR ROTEIRO, MELHOR FOTOGRAFIA, MELHOR MONTAGEM, MELHOR EDIÇÃO DE SOM, MELHOR TRILHA SONORA, MELHOR DIREÇÃO DE ARTE, MELHOR ATOR , MELHOR ATRIZ, MELHOR ATOR COADJUVANTE E MELHOR ATRIZ COADJUVANTE (totalizando 12 prêmios), através de júri oficial do Festival.[4]

O evento, considerado um dos mais populares do gênero do Brasil, exibiu até 2007 mais de 400 filmes entre curtas e longa-metragens.[5][6] Até o ano de 2020, em 24 edições, o festival já atingiu um público de 404.700 mil pessoas; contabilizando 686 horas de exibição de produções audiovisuais e mais de 7 mil filmes inscritos.[7]

Seu diretor e idealizador é o economista e produtor cultural pernambucano Alfredo Bertini, que foi Secretário do Audiovisual no governo de Michel Temer.[8] Em 2015, quando chegou à sua 19ª edição, retornou ao Cinema São Luiz, no Recife.

Premiação[editar | editar código-fonte]

Estatueta do Troféu Calunga.

A premiação concedida aos vencedores do festival é o Troféu Calunga.[9] A Calunga representa uma boneca que é carregada por uma sarcedotisa de cultos afro-brasileiros, durante a apresentação do Maracatu. Estudiosos dizem quem ela faz parte de cerimônias religiosas, onde recebe o nome de uma princesa e representa uma divinidade, expressando um objeto de força e proteção.[10] Desde 2020, o troféu foi renovado e passou a chamar-se Calunga de Ouro. Tal troféu é uma criação da artista plástica Juliana Notari.[10]

Categorias premiadas[editar | editar código-fonte]

Mostra Nacional de Longa Metragem:

Mostra Pernambuco de Curtas Metragem:

  • Melhor Filme
  • Melhor Atriz
  • Melhor Ator
  • Melhor Direção
  • Melhor Roteiro
  • Melhor Montagem
  • Melhor Fotografia
  • Melhor Edição de Som
  • Melhor Direção de Arte
  • Melhor Trilha Sonora

Mostra Nacional de Curtas Metragem:

  • Melhor Filme
  • Melhor Atriz
  • Melhor Ator
  • Melhor Direção
  • Melhor Roteiro
  • Melhor Montagem
  • Melhor Fotografia
  • Melhor Edição de Som
  • Melhor Direção de Arte
  • Melhor Trilha Sonora

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]