Fiat Tagliero

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fiat Tagliero
Estilo dominante Futurismo
Engenheiro Giuseppe Pettazzi
Inauguração 1938
Restauro 2003
Proprietário atual Royal Dutch Shell
Função atual Posto de abastecimento
Geografia
País Eritreia
Cidade Asmara
Coordenadas 15° 19' 42" N 38° 55' 33" E

O Fiat Tagliero é um posto de abastecimento em estilo futurista concluído em 1938, localizado em Asmara, capital da Eritreia, e projetado pelo engenheiro italiano Giuseppe Pettazzi,[1] como um aceno arquitetônico à fábrica da Fiat Lingotto em Turim.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Embora o edifício tenha sido concebido desde o início como um simples posto de gasolina, Pettazzi o projetou de acordo com formas futuristas que lembram a forma de um avião.[1] Giovanni Tagliero foi o diretor da fábrica local da FIAT, que viveu na Eritreia até 1974.

O edifício consiste em uma torre central, que incorpora o escritório e a loja, de cujos lados existem duas consolas de 15 metros de extensão.[3] As asas são feitas de concreto armado e não são sustentadas estruturalmente. De acordo com as leis em vigor na Itália (e, portanto, também na Eritreia, na época colônia italiana) em 1930, as asas deveriam ter sido apoiadas; nos desenhos técnicos do edifício, descobertos em 2001, existem de fato os pilares de madeira de apoio.[1] No dia anterior à sua inauguração, os trabalhadores que haviam completado as consolas se recusaram a remover os suportes usados ​​durante a fase de construção, temendo que as estruturas entrassem em colapso, de modo que Pettazzi tivesse que ameaçar o fabricante com um revólver para convencê-lo.[4]

Após oitenta anos, o edifício, entre os mais famosos da capital eritreia,[2][5] ainda está estruturalmente sólido; não sendo danificado durante os numerosos conflitos que atingiram o Chifre da África no século XX, como a Campanha da África Oriental na Segunda Guerra Mundial e a Guerra de Independência da Eritreia. Em 2003, uma restauração foi realizada. Como ativo nacional de valor histórico, o edifício, de propriedade da Royal Dutch Shell, foi classificado pelas autoridades da Eritreia na categoria I; nenhuma de suas partes pode ser modificada de maneira alguma,[6] embora o interior tenha sido mortificado ao longo dos anos por paredes que dividem o ambiente em algumas salas pequenas. É um dos edifícios Art Deco que deram à cidade de Asmara a aprovação da UNESCO para ser um Patrimônio Mundial em julho de 2017.[7]

Importância[editar | editar código-fonte]

O edifício inspirou várias iniciativas artísticas e culturais na Eritreia, na Itália e no resto do mundo.[8][9] Entre os exemplos mais marcantes do contraste entre primitivismo e modernismo na época de sua construção, ao longo dos anos, inspirou muitas arquiteturas na capital. Essa influência, combinada com o estilo e a tecnologia aplicada a ela, ajudou a cunhar o apelido de "nave espacial colonial".[10] Suas formas inspiraram elementos de decoração e uma exposição realizada em Milão em 2010, onde o edifício foi escolhido como um ícone do colonialismo italiano na Eritreia em uma retrospectiva fotográfica que destacava precisamente a relação, agora esquecida, entre o Itália e a então colônia africana.[11]

O edifício é definido como um símbolo de vanguarda tecnológica. Entre a população, existe a crença de que o arquiteto Giuseppe Pettazzi foi "enviado" para a província africana porque era muito avançado e, portanto, "desconfortável" para o regime fascista na época no poder na Itália.[2]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Media relacionados com Fiat Tagliero no Wikimedia Commons

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c Denison, Edward (2007). Eritrea. Chalfont St Peter: Bradt Travel Guides. ISBN 978-1-84162-171-5 
  2. a b c «The legend of Fiat Tagliero». Ministry of Information (em inglês). Consultado em 8 de julho de 2020 
  3. «Eritrea: una destinazione non per tutti.». African for Africa (em italiano). Consultado em 8 de julho de 2020 
  4. Rossi, Gianluca (2009). Renzo Martinelli, inviato de La Nazione: il resoconto del viaggio in Africa agli albori del colonialismo fascista (em italiano). Scandicci: Firenze Atheneum. OCLC 955662250 
  5. «Asmara». Sapere (em italiano). Consultado em 8 de julho de 2020 
  6. «Datum Antique: Giuseppe Pettazzi's Fiat Tagliero Building |». Archidatum. Consultado em 8 de julho de 2020 
  7. «Asmara: A Modernist African City». UNESCO (em inglês). Consultado em 8 de julho de 2020 
  8. «The world's most spectacular gas station». Jalopnik (em inglês). Consultado em 8 de julho de 2020 
  9. «Eritrea: Asmara Africa's Beautiful Modernist City». BBC. Consultado em 8 de julho de 2020 
  10. Ceresoli, Alessandro (19 de agosto de 2014). «Ritorno al futuro». web.archive.org. Flash Art. Consultado em 8 de julho de 2020 
  11. «Suggestioni (e sensi di colpa) coloniali - la Repubblica.it». Archivio - la Repubblica.it (em italiano). Consultado em 8 de julho de 2020