Figueira de Lorvão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
 Portugal Figueira de Lorvão  
—  Freguesia  —
Brasão de armas de Figueira de Lorvão
Brasão de armas
Figueira de Lorvão está localizado em: Portugal Continental
Figueira de Lorvão
Localização de Figueira de Lorvão em Portugal
Coordenadas 40° 17' 17" N 8° 21' 07" O
País  Portugal
Concelho PCV.png Penacova
Administração
 - Tipo Junta de freguesia
 - Presidente Pedro João Soares Assunção (PS)
Área
 - Total 28,32 km²
População (2011)
 - Total 2 737
    • Densidade 96,6 hab./km²
Código postal 3360-053
Orago S. João Baptista
Sítio www.jf-figueiradelorvao.pt

Figueira de Lorvão é uma freguesia portuguesa do concelho de Penacova, e Paróquia da Diocese de Coimbra, com 28,32 km² de área e 2 737 habitantes (2011). A sua densidade populacional é de 96,6 hab/km².

Dela fazem parte os seguintes lugares: Agrelo, Alagoa, Casqueira, Gavinhos, Granja, Golpilhal, Mata do Maxial, Monte Redondo, Sernelha, Telhado, Póvoa de Figueira e Figueira de Lorvão que é a sede de freguesia.[1]

Localização no Concelho de Penacova

População[editar | editar código-fonte]

População da freguesia de Figueira de Lorvão [2]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
1 721 1 790 1 958 2 062 2 094 2 167 2 014 2 392 2 397 2 448 2 397 2 529 2 597 2 840 2 737

Evolução da  População  (1864 / 2011) Grupos Etários  (2001 e 2011) Grupos Etários  (2001 e 2011)

História[editar | editar código-fonte]

Começou por se chamar freguesia de São João Baptista, sendo atribuído aos frades de Lorvão a origem do nome da localidade, tendo a maior parte do seu território passado a fazer parte do Mosteiro de Lorvão através de doações de particulares, no ano 967.

Administrativamente, chegou a pertencer ao concelho de Coimbra, tendo passado, na primeira metade do século XIX, para o concelho de Penacova. A Igreja Paroquial de Figueira de Lorvão pertencia ao convento (em Lorvão), sendo que as monjas possuíam o privilégio de ali mandar administrar sacramentos sem licença do Bispo.

Pouco se sabe sobre o nascimento da povoação e quando foi elevada a sede de freguesia, não existindo documentos sobre o assunto.

Não se sabe muito acerca da sua história, mas podem encontrar-se vestígios bastante antigos como por exemplo a casa senhorial "Casa dos Cedros". Sabe-se que a zona foi ocupada por imigrantes da Galiza que trabalhavam na agricultura para o Mosteiro de Lorvão. Por esse facto, ainda hoje as pessoas dizem palavras com sotaque galego.

Existiam pessoas chamadas de recoveiras que aceitavam encomendas de bens que iam buscar à cidade de Coimbra. Existiu também um asilo, junto à Igreja, onde hoje é o centro da aldeia, que acolhia crianças pobres.

Nos últimos duzentos anos conheceu um grande progresso e é uma das poucas freguesias em que o número de habitantes tem crescido sempre, de forma regular. Em 1757 tinha 228 fogos e, por volta de 1870, esse número tinha subido para 400, chegando a 581, em 1950.[3]

Também, na localidade de Mata do Maxial, segundo lendas, existiram Mouros e ainda há locais chamados de "Cova da Moura" , que segundo a lenda, teria um túnel secreto que ligaria a aldeia a Coimbra, também terrenos pertencentes a um Rei, que não se sabe qual exactamente, daí haver zonas como "Curral das Éguas" e "Chãs Del Rey", nomes esses de origem galega.

Mata do Maxial com nomes como “Curral das Éguas e Chã d’El Rey” será que havia ali um “Paço Real”?

A questão foi colocada nos anos cinquenta pelo Padre Manuel Marques, numa das suas crónicas no Notícias de Penacova. A ser verdade, terá existido “na zona conhecida por Paços de El-Rei que fica na linha Mata do Maxial - Monte Redondo, mesmo ao lado da antiga estrada que do Carvalhal, seguia para Lapa Ruiva, Coimbra e Souselas.”

Conta ele que ainda em rapaz subira “ao alto do cabeço” e qual não foi o seu “espanto” quando encontrou “na extensão de muitos metros quadrados, num local inteiramente rústico e ermo, por entre o mato, uma profusão enorme de cacos e telhas mouriscas partidas.” Fosse o que fosse “ali houvera em tempos idos casas ou quaisquer construções cobertas de telha”-pensou.

De salientar também que “a planura do monte é artificial, não é abaulado, mas perfeitamente nivelado, lembrando um terreno páteo bastante amplo e o xisto à vista sem terra alguma a cobri-lo.”

“Mais tarde – conta Manuel Marques - vim a saber que se chamava Chafariz a uma localidade contígua aos Paços de El-Rei e que para o lado oposto, na vertente voltada para o referido lugar da Mata do Maxial, se denominava Curral das Éguas.”

Foi então que lhe veio veio à mente a ideia de que seria algo mais: “No cimo daquele monte com despenhadeiro para nascente e sul – topografia escolhida pelos castelos medievais – era possível que ali tivesse construído uma Pousada algum dos Reis de Portugal.”

Tratar-se ia dos Paços de El- Rei? Para Manuel do Freixo (pseudónimo com que assinava a crónica Casos & Coisas) as dúvidas acabaram quando, certo dia leu “o treslado do Foral que demarcava o Couto de Monte Redondo, do tempo de El Rei D. Manuel, salvo erro.” O original está na Torre do Tombo no chamado Livro dos Pregos. É que – recorda - “lá se dizia que a linha demarcatória das terras do referido Couto, saindo do marco de Agrelo para a crasta de Botão passava junto dos Paços que tem El-Rei ao lado de Monte Redondo”.

Economia[editar | editar código-fonte]

A agricultura familiar é uma das principais fontes de rendimento da população, com destaque para a cultura da vinha e da oliveira. A floresta, com destaque para o pinheiro bravo, o eucalipto e a acácia, representa também um importante recurso económico. A pecuária, ao nível da produção caseira, é ainda um complemento para os agregados familiares.

No sector secundário predominam as pequenas empresas de construção e obras públicas, dando emprego a uma percentagem importante da população.

O sector terciário caracteriza-se essencialmente pelos serviços, existindo algum comércio.

A proximidade à sede de concelho, Penacova, e à cidade de Coimbra, permite que muitas pessoas aí trabalhem nas mais diversas áreas, o que é facilitado pelas boas vias de comunicação.[3]

Caracterização Física[editar | editar código-fonte]

Figueira de Lorvão situa-se a apenas 5 km de Penacova, sede de concelho. É delimitada a Norte pela freguesia de Sazes do Lorvão, a Sul por Lorvão, a Este por Penacova, a Oeste por Souselas e Botão e a Sudoeste por Brasfemes.

Possui paisagens bastante bonitas, com montanhas de altitude média, sendo de destacar a existência de vários locais acolhedores, onde se podem apreciar as paisagens.[3]

Património e Serviços[editar | editar código-fonte]

Em termos de património, na freguesia de Figueira de Lorvão existe:

  • Igreja Matriz de Figueira de Lorvão
  • Estátua do Imaculado Coração de Maria (na Serra de Gavinhos)
  • Núcleo de moinhos de vento de Gavinhos (um dos quais ainda em funcionamento)
  • Ruínas de alguns fornos de Cal (na zona de Sernelha)
  • Parque de merendas (na Serra de Gavinhos)
  • Azenhas "Moinhos de água" (Carvalhal da Mata do Maxial)

Existem também vários serviços, com destaque para a escola EB1 de Figueira de Lorvão e a Extensão de Saúde.[3]

Moinhos de Gavinhos[editar | editar código-fonte]

São um dos ex-libris de Figueira de Lorvão e motivo de orgulho das gentes desta terra. No local, pode apreciar-se uma lindíssima paisagem para a Serra do Buçaco (a norte) e para a Serra da Aveleira (a Sudoeste). O complexo contém 14 moinhos de vento, dos quais 3 estão em condições de funcionamento, mas apenas um é realmente utilizado pelo único moleiro ainda em actividade.

Os moinhos de vento fazem parte da cultura do concelho de Penacova. Há muitos anos representavam uma importante fonte de riqueza e subsistência da população.

Perto do local existe também um pequeno campo de futebol, mesas de piquenique, uma torneira, grelhadores, um bar aberto apenas aos fins de semana e um parque infantil.

Deste complexo avista-se ainda outro complexo de moinhos, na Portela de Oliveira (já na Serra do Buçaco).

Colectividades e Instituições[editar | editar código-fonte]

A freguesia tem um forte espírito associativo, atestado pela existência de várias associações. Destacam-se as seguintes:

  • APPACDM (Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental)
  • Centro de Bem Estar Social da Freguesia de Figueira de Lorvão
  • Associação de Agricultores e Filantrópica do Lugar de Figueira de Lorvão
  • Grupo Folclórico Danças e Cantares de Agrêlo
  • União FC
  • Associação de Agricultores e Melhoramentos de Gavinhos
  • Centro Popular de Trabalhadores de Sernelha
  • Centro Social e Cultural da Granja
  • Grupo Desportivo Cultural e Recreativo de Telhado
  • Grupo “ Mensageiros da Alegria”
  • Juventude Desportiva de Monte Redondo[3]
  • Associação de Moradores da Mata do Maxial

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]