Filípico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o general de mesmo nome, veja Filípico (general). Para outras pessoas de mesmo nome, veja Bardanes.
Filípico
Imperador dos Romanos
Solidus-Philippicus-sb1447.3.jpg
Moeda de Filípico (FILIPICUS), em comemoração de suas vitórias (VICTORIA AVGU).
Reinado 711 - 713
Antecessor(a) Justiniano II
Sucessor(a) Anastácio II
Morte 713

Filípico (em grego: Φιλιππικός), foi imperador do Império Bizantino de 711 a 713. Seu nome original era Bardanes (em grego: Βαρδάνης; em armênio/arménio: Վարդան; transl.: Vardan), e era filho do patrício Nicéforo, de origem arménia, reinando durante um período conhecido como "Anarquia de vinte anos".

História[editar | editar código-fonte]

Ao apoiar-se no partido Monotelista, demonstrou ter pretensões ao trono no início da primeira grande revolta contra Justiniano II. Esta levou a que fosse exilado para Cefalônia por Tibério III, e em seguida ao seu desterro, por ordem de Justiniano, ao Quersoneso. Aqui Bardanes, tendo tomado o nome de Filípico, conseguiu incitar os cidadãos à revolta com o auxílio dos Cazares. Os rebeldes conseguiram entrar em Constantinopla e Justiniano fugiu (vindo a ser assassinado mais tarde). Filípico então tomou o poder. Uma vez no trono, esse general arménio negligenciou os assuntos militares, em prol da política religiosa.

Concílio de Constantinopla de 712[editar | editar código-fonte]

Um dos seus primeiros actos como imperador foi depôr o patriarca de Constantinopla, contrário ao monotelismo, Ciro, a favor de João VI, membro da sua seita, e convocar um conciliábulo de bispos orientais, o qual aboliu os cânones do Terceiro Concílio de Constantinopla (sexto concílio ecuménico). Em reacção, a Igreja de Roma recusou-se a reconhecer a legitimidade do imperador e do seu patriarca. Entretanto Tervel da Bulgária saqueou a Trácia até às portas de Constantinopla em 712. Quando Filípico transferiu um exército do Tema Opsiciano para defender os Balcãs, o califa omíada Ualide I começou a fazer incursões através das defesas enfraquecidas da Ásia Menor.

Em finais de maio de 713 as tropas opsicianas revoltaram-se. Alguns dos seus oficiais penetraram no palácio imperial e cegaram Filípico a 3 de Junho de 713. Foi sucedido pelo seu secretário Artémio, que reinou como Anastácio II.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • The Oxford Dictionary of Byzantium, Oxford University Press, 1991.
Precedido por
Justiniano II
Imperador bizantino
711 — 713
Sucedido por
Anastácio II