Filípico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o general de mesmo nome, veja Filípico (general). Para outras pessoas de mesmo nome, veja Bardanes.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde agosto de 2012)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Filípico
Imperador bizantino
Solidus-Philippicus-sb1447.3.jpg
Moeda de Filípico (FILIPICUS), em comemoração de suas vitórias (VICTORIA AVGU).
Reinado 711 - 713
Antecessor(a) Justiniano II
Sucessor(a) Anastácio II
 
Morte 713

Filípico (em grego: Φιλιππικός), foi imperador do Império Bizantino de 711 a 713. Seu nome original era Bardanes (em grego: Βαρδάνης; em armênio/arménio: Վարդան; transl.: Vardan), e era filho do patrício Nicéforo, de origem arménia, reinando durante um período conhecido como "Anarquia de vinte anos".

História[editar | editar código-fonte]

Ao apoiar-se no partido Monotelista, demonstrou ter pretensões ao trono no início da primeira grande revolta contra Justiniano II. Esta levou a que fosse exilado para Cefalônia por Tibério III, e em seguida ao seu desterro, por ordem de Justiniano, para Quérson. Aqui Bardanes, tendo tomado o nome de Filípico, conseguiu incitar os cidadãos à revolta com o auxílio dos Cazares. Os rebeldes conseguiram entrar em Constantinopla e Justiniano fugiu (vindo a ser assassinado mais tarde). Filípico então tomou o poder. Uma vez no trono, esse general arménio negligenciou os assuntos militares, em prol da política religiosa.

Concílio de Constantinopla de 712[editar | editar código-fonte]

Um dos seus primeiros actos como imperador foi depôr o patriarca de Constantinopla, contrário ao monotelismo, Ciro, a favor de João VI, membro da sua seita, e convocar um conciliábulo de bispos orientais, o qual aboliu os cânones do Terceiro Concílio de Constantinopla (sexto concílio ecuménico). Em reacção, a Igreja de Roma recusou-se a reconhecer a legitimidade do imperador e do seu patriarca. Entretanto Tervel da Bulgária saqueou a Trácia até às portas de Constantinopla em 712. Quando Filípico transferiu um exército do thema Opsiciano para defender os Balcãs, o califa omíada Al-Walid I começou a fazer incursões através das defesas enfraquecidas da Ásia Menor.

Em finais de maio de 713 as tropas opsicianas revoltaram-se. Alguns dos seus oficiais penetraram no palácio imperial e cegaram Filípico a 3 de Junho de 713. Foi sucedido pelo seu secretário Artémio, que reinou como Anastácio II.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • The Oxford Dictionary of Byzantium, Oxford University Press, 1991.
Precedido por
Justiniano II
Imperador bizantino
711 — 713
Sucedido por
Anastácio II