Filhos do Éden: Paraíso Perdido

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde março de 2016). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Filhos do Éden: Paraíso Perdido
Autor(es) Eduardo Spohr
Idioma Português
País  Brasil
Assunto Anjos
Gênero Literatura fantástica
Série Filhos do Éden
Arte de capa Stephan Stölting
Editora Brasil Editora Verus
Formato Brochura
Lançamento 2015
Páginas 560
ISBN 9788576864752
Cronologia
Filhos do Éden: Anjos da Morte

Filhos do Éden: Paraíso Perdido é o terceiro e último livro da trilogia Filhos do Éden, escrito por Eduardo Spohr[1]. Na obra, o mais antigo e poderoso entre os anjos escapou do cárcere no segundo céu e pretende retomar o controle do mundo. Nesta obra, os leitores acompanham a caçada a Metatron, o Rei dos Homens sobre a Terra. Kaira, Urakin e Denyel estão de volta para enfrentar inúmeros perigos.

O livro é composto por 3 partes, com 80 capítulos, contendo um total de 560 páginas.[2][3][4][5]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

No princípio, Deus criou a luz, as galáxias e os seres vivos, partindo em seguida para o eterno descanso. Os arcanjos tomaram o controle do céu, e os sentinelas, um coro inferior de alados, assumiram a província da terra.

Relegados ao paraíso, ordenados a servir, não a governar, os arcanjos invejaram a espécie humana, então Lúcifer, a Estrela da Manhã, convenceu seu irmão - Miguel, o Príncipe dos Anjos - a destruir cada homem e cada mulher no planeta. Os sentinelas se opuseram a eles, foram perseguidos, e seu líder, Metatron, arrastado a prisão, para e lá finalmente escapar, agora que o Apocalipse se anuncia. Dos calabouços celestes surgiu o boato de que, enlouquecido, ele traçara um plano secreto, descobrindo um jeito de retomar seu santuário perdido, tornando-se o único e soberano deus sobre o mundo.

Antes da grande Batalha do Armagedon, antes que o sétimo dia encontre seu fim, dois antigos aliados, Lúcifer e Miguel, atuais adversários, se deparam com uma nova ameaça - uma que já consideravam vencida: a perpétua luta entre o sagrado e o profano, entre os arcanjos e os sentinelas, que novamente, e pela última vez, se baterão pelo domínio da terra, agora e para sempre.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.