Filipa Leal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde novembro de 2013).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Filipa Leal
Nascimento
Porto,  Portugal
Género literário Poesia, Teatro, Cinema

Filipa de Mira Godinho Grego Leal (Porto, 1979) é uma escritora, poetisa, argumentista e jornalista portuguesa.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Formou-se em jornalismo na Universidade de Westminster, em Londres, e concluiu o mestrado em Estudos Portugueses e Brasileiros na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, com uma dissertação sobre "Aspectos do cómico na poesia de Alexandre O'Neill, Adília Lopes e Jorge de Sousa Braga".

Publicou o seu primeiro livro, «lua-polaroid» (ficção), em 2003, e estreou-se na poesia no ano seguinte com «Talvez os Lírios Compreendam» (Cadernos do Campo Alegre). Seguiram-se, na editora Deriva, «A Cidade Líquida», «O Problema de Ser Norte», «A Inexistência de Eva» (finalista do Prémio Correntes d’Escritas) e «Vale Formoso» (2012). Em 2014, publicou «Adília Lopes Lopes», pela não-edições; em 2015, o manifesto "Pelos Leitores de Poesia" (ed. Abysmo) e, em 2016, «Vem à Quinta-feira», (ed. Assírio & Alvim), de novo nomeado para o Prémio Correntes.

Em 2014, escreveu a sua primeira longa-metragem de cinema, realizada por Patrícia Sequeira. JOGO DE DAMAS estreou no Lisbon & Estoril Film Festival, 2015, e nos cinemas em Janeiro de 2016. Recebeu o prémio Golden Aphrodite de Melhor Guião no Festival de Cinema do Chipre (2016) e o Prémio de Melhor Guião no International Monthly Film Festival de Copenhaga (2017).

Desde o início de 2015, faz, com Pedro Lamares, a selecção de textos literários e leituras no programa "Literatura Aqui" (RTP2) - Prémio SPA 2017 para Melhor Programa de Entretenimento.

Autora e argumentista da série MULHERES ASSIM, emitida na RTP1, 2016-2017.

Coordenou, em 2014 e 2015, com Inês Fonseca Santos, o ciclo de debates «Os Espaços em Volta», na Casa Fernando Pessoa.

Foi, durante os últimos três anos do programa, jornalista e locutora residente do Câmara Clara/ Diário Câmara Clara, da RTP2. Fez uma passagem pela Rádio Nova, foi editora do suplemento «Das Artes, Das Letras» no jornal O Primeiro de Janeiro, e da revista da Casa Fernando Pessoa. Colaborou também com a revista Os Meus Livros. Integrou o projecto LEM (Lisboa, Encruzilhada de Mundos), na Câmara Municipal de Lisboa, que levou a cabo o primeiro pavilhão de troca de livros na Feira do Livro de Lisboa.

Depois de um ano de formação no Balleteatro do Porto, começou a participar, em 2003, em recitais de poesia no Teatro do Campo Alegre (Porto), ciclo Quintas de Leitura, e desde então tem feito leituras com regularidade (Centro Cultural de Belém, Casa Fernando Pessoa, Casa da Música, Teatro São Luiz, etc.).

Tem colaborações dispersas em vários jornais e revistas (Egoísta, MeaLibra, INÙTIL, Colóquio Letras, Textos e Pretextos, Flanzine, entre outras). Está representada em antologias em Portugal (destaque para a edição de 2012 da FNAC, «O Prazer da Leitura», com o conto "Isabel") e no estrangeiro (Alemanha, Itália, Croácia, Colômbia, Galiza e Venezuela). O seu livro «A Cidade Líquida e Outras Texturas» foi publicado em Espanha, em edição bilingue, pela editorial Sequitur. Em 2016, apresentou no Hay Fest, de Cartagena das Índias, a primeira antologia de poemas de toda a sua obra, na editora colombiana Tragaluz, com tradução de Pedro Rapoula e Jerónimo Pizarro: "En los dias tristes no se habla de aves".

Em 2010, teve um dos seus poemas exposto no Metro de Varsóvia, na iniciativa «Poems on the Underground». Em 2012 e 2014, representou Portugal em Berlim – num Festival de Poesia e na Conferência dos Escritores Europeus 2014 / Long Night of European Literature, no âmbito da qual fez uma leitura dos seus poemas no Deutsches Theater. Em 2016, foi a poeta portuguesa que integrou uma instalação sonora europeia na British Library, com o poema "Hoje, também os carros dançam ".

Em 2013, depois de um curso de escrita de argumento na Faculdade de Letras do Porto, escreveu e encenou a sua primeira curta de teatro. «Morrer na Praia» estreou em Lisboa, no Teatro Rápido, e passou pelo Teatro do Campo Alegre, no Porto. Em 2014, encenou «A Inexistência de Eva», e a sua segunda micro-peça de teatro, «Cama de Gato», integrou o Festival de Curtas dos Primeiros Sintomas, no Cais do Sodré, com encenação de Pedro Lamares. Escreveu ainda a sua primeira longa de teatro (musical infantil) - “A Volta ao Mundo em 60 Minutos” - para a Elenco Produções, que esteve em cena no Teatro Municipal de Vila do Conde, no CAE (Figueira da Foz) e no Europarque (Santa Maria da Feira), com 16.484 espectadores em oito dias.

Em 2007, o jornal EXPRESSO colocou-a entre as 27 novas promessas portuguesas, e em 2010, na lista de 10 talentos para a próxima década.

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

Poesia[editar | editar código-fonte]

Ficção[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Fontes[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.