Filipa Leal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde novembro de 2013).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Filipa Leal
Nascimento 1979 (40 anos)
Porto, Portugal Portugal
Género literário Poesia, Teatro, Cinema

Filipa de Mira Godinho Grego Leal (Porto, 1979) é uma escritora, poetisa, argumentista e jornalista portuguesa.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Formou-se em jornalismo na Universidade de Westminster, em Londres, e concluiu o mestrado em Estudos Portugueses e Brasileiros na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, com uma dissertação sobre "Aspectos do cómico na poesia de Alexandre O'Neill, Adília Lopes e Jorge de Sousa Braga".

Publicou o seu primeiro livro, «lua-polaroid» (ficção), em 2003, e estreou-se na poesia no ano seguinte com «Talvez os Lírios Compreendam» (Cadernos do Campo Alegre). Seguiram-se, na editora Deriva, «A Cidade Líquida», «O Problema de Ser Norte», «A Inexistência de Eva» (finalista do Prémio Correntes d’Escritas) e «Vale Formoso» (2012). Em 2014, publicou «Adília Lopes Lopes», pela não-edições; em 2015, o manifesto "Pelos Leitores de Poesia" (ed. Abysmo) e, em 2016, «Vem à Quinta-feira», (ed. Assírio & Alvim), de novo nomeado para o Prémio Correntes.

Em 2014, escreveu a sua primeira longa-metragem de cinema, realizada por Patrícia Sequeira. JOGO DE DAMAS estreou no Lisbon & Estoril Film Festival, 2015, e nos cinemas em Janeiro de 2016. Recebeu o prémio Golden Aphrodite de Melhor Guião no Festival de Cinema do Chipre (2016) e o Prémio de Melhor Guião no International Monthly Film Festival de Copenhaga (2017).

Desde o início de 2015, faz, com Pedro Lamares, a selecção de textos literários e leituras no programa "Literatura Aqui" (RTP2) - Prémio SPA 2017 para Melhor Programa de Entretenimento.

Autora e argumentista da série MULHERES ASSIM, emitida na RTP1, 2016-2017.

Coordenou, em 2014 e 2015, com Inês Fonseca Santos, o ciclo de debates «Os Espaços em Volta», na Casa Fernando Pessoa.

Foi, durante os últimos três anos do programa, jornalista e locutora residente do Câmara Clara/ Diário Câmara Clara, da RTP2. Fez uma passagem pela Rádio Nova, foi editora do suplemento «Das Artes, Das Letras» no jornal O Primeiro de Janeiro, e da revista da Casa Fernando Pessoa. Colaborou também com a revista Os Meus Livros. Integrou o projecto LEM (Lisboa, Encruzilhada de Mundos), na Câmara Municipal de Lisboa, que levou a cabo o primeiro pavilhão de troca de livros na Feira do Livro de Lisboa.

Depois de um ano de formação no Balleteatro do Porto, começou a participar, em 2003, em recitais de poesia no Teatro do Campo Alegre (Porto), ciclo Quintas de Leitura, e desde então tem feito leituras com regularidade (Centro Cultural de Belém, Casa Fernando Pessoa, Casa da Música, Teatro São Luiz, etc.).

Tem colaborações dispersas em vários jornais e revistas (Egoísta, MeaLibra, INÙTIL, Colóquio Letras, Textos e Pretextos, Flanzine, entre outras). Está representada em antologias em Portugal (destaque para a edição de 2012 da FNAC, «O Prazer da Leitura», com o conto "Isabel") e no estrangeiro (Alemanha, Itália, Croácia, Colômbia, Galiza e Venezuela). O seu livro «A Cidade Líquida e Outras Texturas» foi publicado em Espanha, em edição bilingue, pela editorial Sequitur. Em 2016, apresentou no Hay Fest, de Cartagena das Índias, a primeira antologia de poemas de toda a sua obra, na editora colombiana Tragaluz, com tradução de Pedro Rapoula e Jerónimo Pizarro: "En los dias tristes no se habla de aves".

Em 2010, teve um dos seus poemas exposto no Metro de Varsóvia, na iniciativa «Poems on the Underground». Em 2012 e 2014, representou Portugal em Berlim – num Festival de Poesia e na Conferência dos Escritores Europeus 2014 / Long Night of European Literature, no âmbito da qual fez uma leitura dos seus poemas no Deutsches Theater. Em 2016, foi a poeta portuguesa que integrou uma instalação sonora europeia na British Library, com o poema "Hoje, também os carros dançam ".

Em 2013, depois de um curso de escrita de argumento na Faculdade de Letras do Porto, escreveu e encenou a sua primeira curta de teatro. «Morrer na Praia» estreou em Lisboa, no Teatro Rápido, e passou pelo Teatro do Campo Alegre, no Porto. Em 2014, encenou «A Inexistência de Eva», e a sua segunda micro-peça de teatro, «Cama de Gato», integrou o Festival de Curtas dos Primeiros Sintomas, no Cais do Sodré, com encenação de Pedro Lamares. Escreveu ainda a sua primeira longa de teatro (musical infantil) - “A Volta ao Mundo em 60 Minutos” - para a Elenco Produções, que esteve em cena no Teatro Municipal de Vila do Conde, no CAE (Figueira da Foz) e no Europarque (Santa Maria da Feira), com 16.484 espectadores em oito dias.

Em 2007, o jornal EXPRESSO colocou-a entre as 27 novas promessas portuguesas, e em 2010, na lista de 10 talentos para a próxima década.

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

Poesia[editar | editar código-fonte]

Ficção[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Fontes[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.