Filipe II, Duque d'Orleães

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Filipe de Orleães
Duque d'Orleães
Retrato por Jean-Baptiste Santerre
Regente da França
Período 1 de setembro de 1715
a 15 de fevereiro de 1723
Monarca Luís XV
 
Esposa Francisca Maria de Bourbon
Descendência Maria Isabel de Orleães
Maria Luísa Isabel de Orleães
Luísa Adelaide de Orleães
Carlota Aglaé de Orleães
Luís, Duque de Orleães
Luísa Isabel de Orleães
Filipina Isabel de Orleães
Luísa Diana de Orleães
Casa Orleães
Nome completo
Filipe Carlos
Nascimento 2 de agosto de 1674
  Castelo de Saint-Cloud, Saint-Cloud, França
Morte 2 de dezembro de 1723 (49 anos)
  Palácio de Versalhes, Versalhes, França
Enterro Basílica de Saint-Denis,
Saint-Denis, França
Pai Filipe I, Duque de Orleães
Mãe Isabel Carlota do Palatinado
Religião Catolicismo
Assinatura Assinatura de Filipe de Orleães
Brasão

Filipe II, Duque d'Orleães (Philippe Charles; Saint-Cloud, 2 de agosto de 1674Versalhes, 2 de dezembro de 1723), foi um nobre francês, tendo sido duque d'Orleães, e Regente da França de 1715 até 1723. Sendo sua regência durante a menoridade de Luís XV a última no reino da França, ele ainda é habitualmente chamado de "o Regente" (le Regent) e seu governo de "a Regência" (la Régence).

Biografia[editar | editar código-fonte]

Juventude[editar | editar código-fonte]

Filipe de Orleães, por Hyacinthe Rigaud, em 1689.

Seu pai (conhecido na corte como Monsieur), irmão mais novo de Luís XIV, depois de enviuvar de sua primeira esposa Henriqueta Ana Stuart (conhecida como Minette), casa-se com a Princesa Palatina Isabel Carlota, sendo Filipe filho de ambos. Filipe de Orleães recebeu o título de duque de Chartres. Ele recebeu uma educação cuidadosa, especialmente em assuntos militares e diplomáticos, adequado para um segundo filho da França; no entanto, ele preferiu estudar história, filosofia, geografia e ciência. Ao contrário de seu tio e pai, ele montava mal, não sabia dançar e odiava caçar. Por outro lado, ele herdou de seu tio uma memória prodigiosa: muito jovem, ele já conhecia perfeitamente as memórias e genealogias das grandes famílias da corte; Ele também tinha muita inteligência e muita capacidade de trabalho.

O casamento[editar | editar código-fonte]

Com o nascimento dos três filhos do Grande Delfim - o duque de Borgonha em 1682, o duque de Anjou em 1683 e o duque de Berry em 1686, o duque de Chartres passou a ocupar o sexto lugar na linha de sucessão ao trono, o que deixou mínima esperança de que ele reinaria e não o colocou em boa posição ante de um possível casamento vantajoso. Além disso, a França estava em guerra com quase toda a Europa, o que tornava impossível pensar em um casamento com qualquer estrangeira.

Desde 1688, Luís XIV acalentava a ideia de o casar com Mademoiselle de Blois, uma bastarda legitimada. Este casamento conseguiria o que o Rei Sol desejava, dando o último toque político de submissão ao ramo nascente dos Orleães. Mas tanto Monsieur quanto a Princesa Palatina consideraram que essa união não era viável.

O duque de Chartres estava indeciso, enquanto seu preceptor, o abade Dubois, o encorajava. No início de 1692, Luís XIV chamou o sobrinho para explicar que, o melhor testemunho que ele podia lhe dar de afeto por ele era oferecer sua própria filha em casamento. O jovem duque, confuso, mal sabia o que responder, limitando-se a um agradecimento murmurante. A Palatina, sabendo o propósito do rei, ficou indignada, mas não se atreveu a censurá-lo, sabendo que não podia contar com o apoio do marido dela (que não enfrentou o irmão até pouco antes de sua morte, dizendo: "Sem tirar nenhum proveito deste casamento, Chartres reterá apenas vergonha e desonra"). A Palatina mostrou seu descontentamento virando as costas para o rei depois que ela se curvou e depois deu um tapa no filho na frente de toda a corte. O casamento teve lugar no dia 9 de janeiro de 1692.

Descendência[editar | editar código-fonte]

Este casamento de conveniência não foi muito feliz. Filipe, que se tornou duque de Orleães em 1701 após a morte de seu pai, chamava sua esposa de "Madame Lúcifer". Tiveram oito filhas e um filho:

  1. Maria Isabel de Orleães, "Mademoiselle de Valois" (17 de dezembro de 1693 - 17 de outubro de 1694);
  2. Maria Luísa Isabel de Orleães (20 de agosto de 1695 - 21 de julho de 1719), casou-se em 1710 com Carlos de França, Duque de Berry;
  3. Luísa Adelaide de Orleães (13 de agosto de 1698 - 10 de fevereiro de 1743), "Mademoiselle de Orleães";
  4. Carlota Aglaé de Orleães (20 de outubro de 1700 - 19 de janeiro de 1761), "Mademoiselle de Valois', casou-se em 1720 com Francisco III d’Este, Duque de Módena;
  5. Luís de Orleães, duque de Chartres, Duque de Orleães (1723), chamado de "o Piedoso" (4 de agosto de 1703 - 4 de fevereiro de 1752);
  6. Luísa Isabel de Orleães (11 de dezembro de 1709 - 16 de junho de 1742), "Mademoiselle de Montpensier", casou-se em 1722 com o rei Luís I de Espanha;
  7. Filipina Isabel de Orleães (18 de dezembro de 1714 - 21 de maio de 1734), "Mademoiselle de Beaujolais';
  8. Luísa Diana de Orleães (27 de junho de 1716 - 26 de setembro de 1736), "Mademoiselle de Chartres", casou-se em 1732 com Luís Francisco de Bourbon, Príncipe de Conti.

Ele também teve amantes e vários filhos bastardos:

A Regência[editar | editar código-fonte]

Filipe d'Orleães, Regente da França

Após a morte de Luís XIV, o duque de Orleães conseguiu que o Parlamento cancelasse o testamento (setembro de 1715) e o nomeasse como regente único com plenos poderes até maioridade de Luís XV, o que lhe permitiu reorganizar o Conselho ao seu gosto, manejar o Parlamento (polissinodia) e seduzir os franceses com uma nova política: a paz seria restaurada. Apoiou os jansenistas e abandonou a causa dos Stuart, tentou melhorar as finanças e a economia com a audácia de John Law. Inicialmente, reduziu os impostos, demitiu 25.000 soldados e estabeleceu a Câmara de Justiça para processar suspeitos de enriquecimento financeiro. Mas as medidas draconianas que usava contra os banqueiros criaram problemas, não sendo um economista experiente, ele provou ser bastante fraco contra as operações arriscadas do banqueiro John Law, cujo fracasso levou a um desfalque no tesouro francês. Invertendo as políticas do seu tio Luís XIV, formou uma aliança com a Inglaterra, a Áustria e os Países Baixos e travou uma guerra vitoriosa contra a Espanha, lançando as bases a paz no continente europeu. Filipe promoveu a educação, permitindo a abertura da Sorbonne ao povo (antes era frequentada exclusivamente por nobres) e abrindo a biblioteca real ao público. No entanto, ele ainda é lembrado hoje pela corrupção moral que trouxe para Versalhes e pelo escândalo bancário de John Law. Segundo as canções satíricas da época, o regente era amante de sua filha Maria Luísa Isabel de Orleães, Duquesa de Berry, e é creditada com a paternidade de repetidas gestações que a princesa escondeu em 1716, 1717 e 1719. Principal protagonista das orgias da Regência, a Duquesa de Berry era conhecida por seu apetite sexual. Ela escolheu seus amantes em todos os níveis da escala social. Ela morre aos vinte e três anos com a saúde arruinada depois de um laborioso aborto no Palácio de Luxemburgo.

O artista e colecionador[editar | editar código-fonte]

Filipe de Orleães era aficionado por música. Ele recebeu aulas do compositor Antoine Forqueray, e compôs duas óperas: Hypermnestre e Penthée; Além disso, pintou e fez gravuras nas quais provou ter um grande talento (fez as ilustrações de uma edição de Daphnis e Chloe) e comprou, para sua coroa de regente, o diamante considerado o mais bonito da Europa.

Ele também foi um dos grandes colecionadores de pinturas de sua época e, de fato, a Coleção Orleães é considerada a mais importante já reunida na Europa por um patrono que não era rei.

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Filipe II, Duque d'Orleães
  • Jean Meyer, Le Régent, Ramsay, 1985, ASIN 2859564047;
  • Jean-Christian Petitfils, Le régent, Paris, Fayard, 1996, ISBN 2-213-01738-7;
  • Michel Antoine, Louis XV, Hachette, (coll. « Pluriel »), 1997, ISBN 2-01-278860-2.


Filipe II, Duque d'Orleães
Casa d'Orleães
Ramo da Casa de Capeto
2 de agosto de 16742 de dezembro de 1723
Precedida por
Filipe I
Coat of Arms of the Duke of Orléans (Orden of the Golden Fleece).svg
Duque d'Orleães
9 de junho de 1701 – 2 de dezembro de 1723
Sucedida por
Luís