Filipe Melo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre pianista português. Para político, veja Filipe Melo (político).
Filipe Melo
Informação geral
Origem Lisboa
País Portugal Portugal
Ocupação(ões) Músico, realizador de cinema e autor de banda desenhada
Instrumento(s) Piano

Filipe Melo (Lisboa, 1977) é um pianista, realizador de cinema e autor de banda desenhada português.[1]

Música[editar | editar código-fonte]

Estudou no Hot Clube de Portugal e no Berklee College of Music, em Boston. Foi vencedor do prémio Villas-Boas da Câmara de Cascais, do "Outstanding Musicianship Award" da Berklee e do prémio revelação do site JazzPortugal. Estudou piano com Joanne Brackeen e Ray Santisi e composição e orquestração com Alejandro Erlich Oliva.


Tornou-se também professor, arranjador e orquestrador, tendo trabalhado ou tocado com músicos e grupos como Benny Golson, Seamus Blake, John Ellis, Jorge Rossy, António Zambujo, Old Jerusalem, Deolinda, The Legendary Tigerman, Sérgio Godinho, Ana Bacalhau, Peter Bernstein, Omer Avital, Camané, Carlos do Carmo, Donald Harrison Jr., Jesse Davis, Sheila Jordan, Paulinho Braga, Swingle Singers, Martin Taylor, Perico Sambeat, Herb Geller, Orquestra de Jazz do Hotclube, Orquestra Metropolitana, Orquestra Sinfónica Portuguesa, entre muitos outros. Actualmente, é professor na Escola Superior de Música de Lisboa.

Cinema[editar | editar código-fonte]

Foi o criador de vários projectos de culto: "I´ll See You in My Dreams", curta metragem vencedora do Fantasporto, do Méliès d´Or e de outros 12 prémios internacionais e "Um Mundo Catita", a primeira série de ficção produzida pela RTP2 (6 episódios). Realizou dois videoclips para a banda Moonspell e vários spots para festivais de cinema.

Em 2018, regressou ao cinema ao realizar uma curta metragem intitulada "Sleepwalk", baseada na BD com o mesmo nome. Em 2021, escreveu e realizou a curta metragem "O Lobo Solitário", que vence o prémio do público no festival de Curtas de Vila do Conde e o prémio Sophia da Academia Portuguesa de Cinema.

Escreve, com Bruno Nogueira e Nuno Markl, "Uma Nêspera no C", um podcast que dá origem a uma série de espectáculos ao vivo. Com a mesma equipa e Salvador Martinha, co-escreve "Princípio, Meio e Fim" para a SIC.

Banda desenhada[editar | editar código-fonte]

Edita pela Companhia das Letras em Portugal, mas tem os seus livros publicados pela Top Shelf (IDW) e pela Dark Horse Comics nos EUA.
 Em 2012 é convidado a escrever para a Dark Horse Presents, uma antologia comemorativa dos 25 anos da Dark Horse Comics, ao lado de Frank Miller e Mike Mignola. É autor da trilogia As Aventuras de Dog Mendonça e Pizzaboy. Os seus livros de banda desenhada contam com prefácios dos lendários realizadores John Landis, George A. Romero, Lloyd Kaufman e Tobe Hooper, e estão editados em vários países (França, Polónia, Brasil, EUA, etc.). Estes livros deram ainda origem a um jogo de computador.

Em 2016, também em parceria com o desenhador Juan Cavia, edita "Os Vampiros", um livro que conta a história de um grupo de comandos na Guerra Colonial. Em 2017, colabora na nona edição da revista Granta Portugal, com edição de Carlos Vaz Marques, com uma história intitulada "Sleepwalk" sobre o tema Comer, Beber.

Em 2020, edita "Balada para Sophie", com o qual fica nomeado para quatro Prémios Eisner, incluindo melhor argumento.

Ano Título Editora
2009 As Incríveis Aventuras de Dog Mendonça e Pizzaboy Tinta-da-China / Dark Horse Comics
2011 As Extraordinárias Aventuras de Dog Mendonça e Pizzaboy II - Apocalipse Tinta-da-China / Dark Horse Comics
2013 As Fantásticas Aventuras de Dog Mendonça e Pizzaboy III - Requiem Tinta-da-China / Dark Horse Comics
2016 Os Contos Inéditos de Dog Mendonça e Pizzaboy Tinta-da-China / Dark Horse Comics
2016 Os Vampiros Companhia das Letras
2017 Comer/Beber Companhia das Letras / Paquet
2020 Balada para Sophie Companhia das Letras / Top Shelf (IDW)

Prémios e Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

Em 2018, foi distinguido com a medalha de mérito cultural do Município de Tondela. [2]

Na edição de 2004 do Fantasporto, curta produzida por ele, intitulada I´ll See You in My Dreams, ganhou o prémio de Melhor Curta Metragem. [3][4]

Com a curta metragem intitulada Sleepwalk, ganhou em 2019, o Prémio Sophia Melhor Curta-Metragem de Ficção, atribuído pela Academia Portuguesa de Cinema. [5] Em 2022, recebe o segundo Sophia pela Curta-Metragem O Lobo Solitário.

Recebeu, em 2019, o Troféu de Honra do festival Amadora BD. [6]

Balada para Sophie, novela gráfica publicada em 2020, ganhou o prémio de Melhor Banda Desenhada de Autor Português do festival AmadoraBD de 2021. [7]

A convite de Bernardo Pires de Lima, é um dos membros do primeiro Grupo de Reflexão sobre o Futuro de Portugal (GRFP), um conjunto de cidadãos que tem como único objetivo debater, em exclusivo com o Presidente da República, as grandes tendências da globalização com impactos diretos e indiretos em Portugal.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. www.insomniamagazine.com, Filipe Melo: Setenta e Sete Ofícios.
  2. «Tondela reconheceu o mérito em Dia do Município | Jornal Via Rápida Press». Consultado em 19 de maio de 2022 
  3. «Fantasporto 2004 – Reportagem & Vencedores | RDB | www.ruadebaixo.com». www.ruadebaixo.com. Consultado em 19 de maio de 2022 
  4. «Fantasporto 2004». www.cinedie.com. Consultado em 19 de maio de 2022 
  5. «Prémios Sophia: "Raiva" foi considerado o melhor filme, António-Pedro Vasconcelos o melhor realizador». Jornal Expresso. Consultado em 19 de maio de 2022 
  6. Melo, Filipe; Cavia, Juan (3 de março de 2022). Os vampiros (em espanhol). [S.l.]: Penguin Random House Grupo Editorial Portugal 
  7. Lusa, Agência. «AmadoraBD elege "Balada para Sophie" como a melhor BD de autor português». Observador. Consultado em 19 de maio de 2022 

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]