Filipina Isabel de Orleães

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde dezembro de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Filipina Isabel
Mademoiselle de Beaujolais
Retrato por Jean-Marc Nattier, 1731
Casa Orleães
Nome completo
Filipina Isabel Carlota
Nascimento 18 de dezembro de 1714
  Palácio de Versalhes, Versalhes, França
Morte 21 de maio de 1734 (19 anos)
  Castelo de Bagnolet, Paris, França
Enterro Val-de-Grâce, Paris, França
22 de maio de 1734
Pai Filipe II, Duque de Orleães
Mãe Francisca Maria de Bourbon
Religião Catolicismo Romano

Filipina Isabel Carlota de Orleães (em francês: Philippine Élisabeth Charlotte d'Orléans, Versalhes, 18 de dezembro de 1714Paris, 21 de maio de 1734). Era filha de Filipe II, Duque de Orleães e Francisca Maria de Bourbon, filha legitimada de Luís XIV de França com sua favorita, Madame de Montespan. Enquanto membro da Casa de Bourbon e da Casa de Orleães, Filipina Isabel tinha o direto ao tratamento de Princesa de sangue.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filipina nasceu no Palácio de Versalhes, era a quinta filha sobrevivente de Filipe II, Duque de Orleães e Francisca Maria de Bourbon, uma filha legitimada de Luís XIV de França com sua favorita Madame de Montespan. Filipina era conhecida como Mademoiselle de Beaujolais. Ela foi educada com a irmã mais nova Luísa Diana de Orleães em um convento durante o período em que seu pai era Regente da França.

Sua avó paterna Isabel Carlota do Palatinado tornou-se muito próxima a ela e a visitava quase todos os dias no Palais Royal. Sua avó materna, Madame de Montespan morreu sete anos antes de seu nascimento.

Possível casamento[editar | editar código-fonte]

Infante Carlos, Jean Ranc, 1724.

Desde 1721, o rei Filipe negociava com Filipe II, Duque d'Orleães, regente de França, três possíveis casamentos entre França e Espanha que melhorariam a tensa relação entre os dois reinos. O jovem Luís XV de França casaria com a infanta Mariana Vitória de Bourbon, na altura com três anos de idade, que se tornaria rainha de França, o meio-irmão de Carlos, Luís, casaria com a quarta filha do regente, a princesa Luísa Isabel de Orleães. Carlos ficaria noivo de Filipina Isabel, quinta filha do duque de Orleães.

Em 1726, Carlos conheceu Filipina Isabel pela primeira vez; Isabel Farnésio escreveu mais tarde ao regente e à sua esposa sobre este encontro:

À duquesa de Orleães escreveu:

O relacionamento com sua irmã, que nunca foi bom, tornou-se mais delicado, devido à Filipina estar ganhando toda a atenção da corte espanhola por sua beleza e inteligência, algo que nunca aconteceu com Luísa Isabel. Seu compromisso com Carlos foi mais tarde dissolvido, então ela foi chamada de volta à França em 1728.

A partida de Filipina foi vista como um caso triste, ao contrário da de sua irmã mais velha, Luísa Isabel, que nunca foi popular na corte. A rainha Viúva e a Mademoiselle de Beaujolais chegaram à fronteira da França, ao pé das montanhas dos Pireneus, em Saint-Jean-Pied-de-Port. Em seguida, eles viajaram e, apesar do que se esperava, as duas meninas não conseguiram entrar na cidade de Bayona porque seu primo e Primeiro-ministro, Luís Henrique, Duque de Bourbon, não mandaram ordens para garantir hospedagem para elas. Sua mãe foi obrigada a enviar ordens para fazer uma série de salas no Château de Vincennes, onde chegaram em junho.

Quando seu antigo noivo se tornou o Duque de Parma em 1731, as esperanças de Filipinas e sua mãe foram revividas ao pensar que um casamento ainda era possível. Sua mãe aproximou-se do marquês de Bissy, que era o embaixador da França em Parma. As informações que a Duquesa-leiga de Orléans obteve foi que ele tinha sido fiel e que tinha atendido um anel que lhe foi concedido pelas filipinas. Com o encorajamento da duquesa de Orléans, de Bissy foi ao próprio Charles e lhe perguntou o que pensava sobre uma possível re-união do jovem casal. O novo duque soberano disse que queria se casar com uma jovem filipina e disse ao ministro Parmese que usasse qualquer medida possível para garantir a mão do seu amor. O ministro disse mais tarde que não podia consentir em ajudar até ver que não havia hostilidade no lado da Espanha.

Em 1733, eclodiu a Guerra de Sucessão da Polônia e causou mudanças nas relações internacionais. Esta guerra mais tarde tornou Charles o governante do Reino das Duas Sicílias. Apesar disso, Filipina não viu o dia em que seu amor se tornaria o Rei; enquanto vivia silenciosamente na residência favorita de sua mãe, o Château de Bagnolet em Bagnolet, morreu de varíola aos dezenove anos de idade. Após sua morte, o escritor francês Matthieu Marais escreveu ao presidente Bouhier:

Filipina Isabel foi enterrada no convento de Val-de-Grâce em Paris um dia depois de sua morte.

Títulos e estilos[editar | editar código-fonte]

Genealogia[editar | editar código-fonte]

Os antepassados de Filipina Isabel de Orleães
Filipina Isabel de Orleães Pai:
Filipe II, Duque de Orleães
Avô paterno:
Filipe I, Duque de Orleães
Bisavô paterno:
Luís XIII de França
Bisavó paterna:
Ana de Áustria
Avó paterna:
Isabel Carlota do Palatinado
Bisavô paterno:
Carlos I Luís, Eleitor Palatino
Bisavó paterna:
Carlota de Hesse-Cassel
Mãe:
Francisca Maria de Bourbon
Avô materno:
Luís XIV de França
Bisavô materno:
Luís XIII de França
Bisavó materna:
Ana de Áustria
Avó materna:
Francisca Atenas
Bisavô materno:
Gabriel de Rochechouart
Bisavó materna:
Diane de Grandseigne

Notas e referências

  1. Williams, Hugh Noel, Unruly daughters; a romance of the house of Orléans, 1913
  2. Mémoires intéressants sur les premières années du règne de Louis XV by Matthieu Marais[falta página]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Filipina Isabel de Orleães