Filipinas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Repúbliká ng̃ Pilipinas (filipino)
Republic of the Philippines (inglês)

República das Filipinas
Bandeira das Filipinas
Brasão de armas das Filipinas
Bandeira Brasão de armas
Lema: "Maka-Diyos, Maka-Tao,
Makakalikasan at Makabansa" (fi)

("Por Deus, Pelo Povo, Pela Natureza e Pelo País")

Hino nacional: "Lupang Hinirang" ("Terra Escolhida")
Gentílico: filipino(a)[1]

Localização  República das Filipinas

Capital Manila
14° 35' N 121° E
Cidade mais populosa Cidade Quezon
Língua oficial Filipino e inglês
Outros 19 idiomas regionais são reconhecidos
Governo República presidencialista
 - Presidente Noynoy Aquino
 - Vice-presidente Jejomar Binay
 - Presidente do Senado Franklin Drilon
 - Presidente da Câmara dos Representantes Feliciano Belmonte, Jr.
 - Presidente do Supremo Tribunal de Justiça Maria Lourdes Sereno
Independência da Espanha e dos Estados Unidos 
 - Declarada 12 de junho de 1898 
 - Reconhecida 4 de julho de 1946 
 - Constituição atual 2 de fevereiro de 1987 
Área  
 - Total 300.000 km² (71.º)
 - Água (%) 0,6
 Fronteira fronteira marítima com Taiwan (N), Palau (SE), Indonésia (S), e Malásia (SW)
População  
 - Estimativa de 2014 100.617.630[2] hab. (12.º)
 - Censo 2009 91,983,000 hab. 
 - Densidade 292 hab./km² (27.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2014
 - Total US$ 694,615 bilhões*[3]  
 - Per capita US$ 6 985[3]  
PIB (nominal) Estimativa de 2014
 - Total US$ 289,686 bilhões*[3]  
 - Per capita US$ 2 913[3]  
IDH (2013) 0,660 (117.º) – médio[4]
Gini (2006) 43[5]
Moeda Peso filipino (PHP)
Fuso horário (UTC+8)
 - Verão (DST) não observado (UTC+8)
Clima Tropical úmido
Org. internacionais ONU, OMC, MNA, ASEAN, União Latina, G20 (países em desenvolvimento)
Cód. ISO PHL
Cód. Internet .ph
Cód. telef. +63
Website governamental http://www.gov.ph/

Mapa  República das Filipinas

Filipinas (em filipino: Pilipinas, pronunciado: [ˌpɪlɪˈpinɐs]; em inglês: Philippines, pronunciado: [ˈfɪlɨpiːnz]), oficialmente República das Filipinas (em filipino: Repúbliká ng̃ Pilipinas; em inglês: Republic of the Philippines), são um vasto arquipélago da Insulíndia delimitado pelo Mar das Filipinas a leste, Mar de Celebes e Mar de Sulu a sul e Mar da China Meridional a oeste. O Estreito de Luzon, a norte, separa as Filipinas de Taiwan, o Estreito de Balabac, a sudoeste, é uma das fronteiras marítimas com a Malásia, e há também fronteira marítima com a Indonésia, a sul, através do Mar de Celebes, e com o Vietname, através do Mar da China Meridional. Também Palau se situa nas imediações, para sudeste. A sua capital é Manila, enquanto sua cidade mais populosa é Cidade Quezon, ambas fazendo parte da Grande Manila. O país é composto por 7.107 ilhas, que são categorizadas amplamente em três principais divisões geográficas: Luzon, Visayas e Mindanau. A sua localização, no Círculo de fogo do Pacífico, próximo da Linha do equador, faz as Filipinas propensa a terremotos e tufões, mas também dota-lo com recursos naturais abundantes e alguns dos maiores do mundo, colocando-o entre os países megadiversos. Com aproximadamente 300.000 km², as Filipinas são o 72º maior país do mundo.

Com uma população de quase 100 milhões de habitantes, as Filipinas são o sétimo país mais populoso da Ásia e o 12º mais populoso do mundo. Um adicional de 12 milhões de filipinos vivem no exterior, o que representa uma das maiores diásporas do mundo. Várias etnias e culturas se encontram em todo o arquipélago. Em tempos pré-históricos, os negritos foram alguns dos primeiros habitantes do arquipélago. Eles foram seguidos por ondas sucessivas de povos austronésios. Vários reinos e nações foram estabelecidos no território, governados pro datus, rajás, sultões ou lakans. O comércio com a China, com povos malaios, indianos e islâmicos também passou a ocorrer.

A chegada de Fernão de Magalhães, em 1521, marcou o início da colonização espanhola. Em 1543, o explorador espanhol Ruy López de Villalobos deu ao arquipélago o nome de Las Islas Filipinas, em honra de Filipe II de Espanha. Com a chegada de Miguel López de Legazpi, em 1565, o primeiro assentamento espanhol no arquipélago foi estabelecido, e as Filipinas se tornou parte do Império Espanhol por mais de 300 anos. Isso resultou na propagação do catolicismo romano, que se tornou a religião predominante no país. Durante este tempo, Manila se tornou o centro asiático do Galeão de Manila, que partia desta com destino a Acapulco, no México, consolidando a frota da prata. No fim do século XIX, ocorreu a Revolução Filipina, resultando na Primeira República do país. Contudo, a Espanha não reconheceu a independência filipina e cedeu o território aos Estados Unidos. A Guerra Filipino-Americana eclodiu pouco tempo depois, seguida por um breve período de ocupação japonesa, durante a Segunda Guerra Mundial. A soberania das Filipinas só foi reconhecida em 4 de julho de 1946, pelos Estados Unidos.

O grande tamanho da população do país e o potencial econômico a levaram a ser classificada como uma das potências regionais do Sudeste Asiático. Entretanto, o país ainda enfrenta notáveis problemas sociais, além de baixo PIB per capita e alta dívida pública. É um membro fundador da Organização das Nações Unidas (ONU), Organização Mundial do Comércio (OMC), Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) e Cúpula do Leste Asiático (CLA).

História[editar | editar código-fonte]

Primeiros povos[editar | editar código-fonte]

Muitos historiadores acreditam que as Filipinas foram colonizadas no Paleolítico, quando um povo asiático atravessou por meio de embarcações de madeira o caminho que leva à região. Descobertas mais recentes parecem indicar que as ilhas podem ter sido habitadas desde a era pleistocênica.

A primeira grande corrente migratória chegou a essa região através do sul. Acredita-se que esses imigrantes eram de origem indonésio-caucasiana, possuindo um grau de civilização mais adiantado que as tribos nativas. Posteriormente ocorreram mais duas grandes correntes migratórias. Cada nova corrente sucessivamente impeliu os habitantes originais a procurarem terra ao norte.

A corrente migratória seguinte, cujo apogeu foi no século XIV, veio do reino madjapahit e trouxe consigo a religião muçulmana.

Colonização europeia[editar | editar código-fonte]

Fernão de Magalhães, um navegador português a serviço do Rei de Espanha, durante a primeira viagem de circum-navegação, descobriu as ilhas em 1521. Ele procurava uma rota alternativa para comercializar especiarias, e chamou a região de San Lázaro. Ao chegar na Ilha de Cebu, convenceu o chefe local Humabon e outros 800 nativos a se converter ao catolicismo, posteriormente tentou a mesma ação na Ilha Mactan, liderada por Lapu-Lapu, onde faleceu em 21 de abril. No arquipélago, seus nativos possuíam uma religiosidade na qual seus deuses eram associados à natureza. O catolicismo empregado sofria concessões, ou seja, ajustes de acordo com a cultura local, facilitando assim o domínio e aceitação desta religião naquele local. Um exemplo é o fato de muitos nativos considerarem a sexta-feira um mau-presságio e os pescadores faziam oferendas aos deuses com multilações; sob o catolicismo as oferendas passaram a serem feitas na sexta-feira santa.[6]

Em 1543, uma expedição de colonização, liderada por Ruy López de Villalobos, renomeou duas ilhas (Leyete e Samar) para Filipinas, em homenagem ao rei Filipe II. Este nome passou a ser usado para o arquipélago todo.[6] Os espanhóis estabeleceram sua capital em Manila a partir de 1571, garantindo seu domínio por mais de trezentos anos.

As Filipinas foram um importante entreposto comercial espanhol na Ásia, especialmente pelo comércio de tecidos e especiarias. No século XVII, os espanhóis construíram várias escolas, uma delas foi a Universidade de Santo Tomás (1611). O fim da rota comercial se deu em 1815, quando a Espanha ficou enfraquecida com a seguida perda do México e a guerra com os Estados Unidos.[6]

Durante o século XVIII, a região foi atacada por piratas chineses e havia a preocupação com a ocupação por colonizadores holandeses, portugueses e ingleses; tendo entre 1762 e 1764 a capital sido dominada pelos britânicos.

Domínio estadunidense e independência[editar | editar código-fonte]

O herói nacional das Filipinas, o linguista, escritor, artista, médico e cientista José Rizal iniciou um movimento de reforma. Ao mesmo tempo, uma sociedade secreta chamada Katipunan, chefiada por Andrés Bonifácio, começou a revolução, dando aos espanhóis a desculpa que precisavam para executar Rizal, que se encontrava em exílio em Dapitan, Mindanao (sul do país). Ele foi trazido a Manila para julgamento e condenado à morte, embora não se tenha prova de sua participação na revolta.

Sua morte, porém, estimulou ainda mais essa revolução, levando o General Emílio Aguinaldo a declarar no dia 12 de Junho de 1898 a independência do país e proclamar a primeira República das Filipinas.

Apesar de uma resistência com os moradores, as Filipinas acabaram sob domínio dos Estados Unidos, sendo explorado o comércio e mantidos centros educacionais sustentados por protestantes. Os novos ocupantes com o tempo passaram a serem bem recebidos. Mesmo assim, o catolicismo predominou. Em 4 de julho de 1946, a Independência do arquipélago foi reconhecida pelos governo norte-americano, apesar da influência ter se mantido: os filipinos lutaram a favor dos norte-americanos nas guerras da Coreia e do Vietnã e a predominância da língua inglesa (tendo significativa presença da língua espanhola e outras nativas).[6]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Imagem de satélite das Filipinas.

As Filipinas são um arquipélago de 7107 ilhas com uma área terrestre total de cerca de 300 mil km², localizadas entre as longitudes 116° 40' e 126° 34' E e as latitudes 4° 40' e 21° 10' N, entre Taiwan, a norte, o Mar das Filipinas a leste, o Mar de Celebes, a sul e o Mar da China Meridional a oeste. As ilhas costumam ser divididas em três grupos: Luzon, a norte, Visayas, no centro e Mindanao, no Sul. O movimentado porto de Manila, em Luzon (a maior ilha), é a capital do país e a sua segunda maior cidade, depois de Cidade Quezon.[7]

O clima é quente, húmido e tropical. A temperatura média anual ronda os 26,5 °C. Os filipinos costumam falar de três estações: o Tag-init ou Tag-araw (a estação quente, ou verão, que dura de Março a Maio), o Tag-ulan (a estação chuvosa entre Junho e Novembro) e o Tag-lamig (a estação fria, de Dezembro a Fevereiro).

A maior parte das acidentadas ilhas estava originalmente coberta por florestas húmidas. A origem das ilhas é vulcânica. O ponto mais elevado é o monte Apo em Mindanao, com 2954 m. Muitos dos vulcões do país, como o Pinatubo, estão activos. O país está também integrado na região de tufões do Pacífico ocidental e é atingido por uma média de 19 tufões por ano. Grande parte das ilhas encontra-se numa placa tectónica encravada entre as placas Euroasiática e do Pacífico - a Placa das Filipinas.

Biodiversidade[editar | editar código-fonte]

O Carlito syrichta, conhecido localmente como mawmag, um dos menores mamíferos do mundo.

Suas florestas tropicais e seus extensos litorais tornam as Filipinas o lar de uma grande variedade de pássaros, plantas, animais e criaturas marinhas.[8] O arquipélago asiático é considerado um dos dez países megadiversos do mundo.[9] [10] [11] Cerca de 1.100 espécies de vertebrados terrestres podem ser encontrados nas Filipinas, incluindo mais de 100 espécies de mamíferos e 170 espécies de aves que são endêmicas da região.[12] As Filipinas têm uma das mais altas taxas de descoberta de novas espécies de seres vivos do mundo, com dezesseis novas espécies de mamíferos descobertas nos últimos dez anos. Devido a isso, a taxa de endemismo no país subiu e provavelmente vai continuar a subir.[13]

Não há grandes predadores no território filipino, com exceção de cobras, como pítons, crocodilos-de-água-salgada e aves de rapina, como a águia-das-filipinas, considerada o pássaro nacional e que os cientistas sugerem ser a maior águia do mundo.[14] [15] O maior crocodilo em cativeiro, conhecido localmente como "Lolong", foi capturado no sul da ilha de Mindanao.[16] [17]

Outros animais nativos incluem o musang, o dugongo e o mawmag, associado com Bohol. Com cerca de 13.500 espécies de plantas no país, sendo que 3.200 são exclusivas das ilhas,[12] as florestas tropicais filipinas apresentam uma grande variedade, incluindo muitos tipos raros de orquídeas e raflésias.[18] [19]

Clima[editar | editar código-fonte]

Tufão Haiyan (conhecida localmente como Yolanda) em seu pico de intensidade.

As Filipinas têm um clima tropical marítimo que é geralmente quente e úmido. Há três estações: tag-init ou tag-araw, a estação seca e quente (ou verão) de março a maio; tag-ulan, a estação chuvosa, de junho a novembro; e tag-lamig, a estação fria e seca, de dezembro a fevereiro. A monção sudoeste (de maio a outubro) é conhecido como o Habagat e os ventos secos da monção nordeste (de novembro a abril), como Amihan.Crocodilo-de-água-salgada As temperaturas variam geralmente de 21 °C a 32 °C, embora possa ficar mais frio ou mais quente dependendo da época do ano. O mês mais frio é janeiro; o mais quente é maio.[7] [20]

A temperatura média anual é de cerca de 26,6 °C.[21] Ao considerar a temperatura, a localização em termos de latitude e longitude não é um fator significativo. Seja no extremo norte, sul, leste ou oeste do país, as temperaturas ao nível do mar tendem a ser as mesmas. Altitude geralmente tem mais impacto. A temperatura média anual da cidade de Baguio, a uma altitude de 1.500 metros acima do nível do mar, é de 18,3 °C, o que a torna um destino popular durante os verões quentes do país.[21]

Localizada no chamado "anel de tufões", a maioria das ilhas enfrentam chuvas torrenciais anuais e trovoadas de julho a outubro,[22] com cerca de dezenove tufões no território marítimo do país em um ano típico, sendo que oito ou nove chegam a terra firme.[23] [24] [25] A média de precipitação anual é de até 5000 milímetros na costa leste montanhosa, mas inferior a 1000 milímetros em alguns dos vales.[22]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Densidade populacional por província (2009).

A população das Filipinas aumentou cerca de 28 milhões de pessoas entre 1990 e 2008, um crescimento de 45% nesse período.[26] O primeiro censo oficial foi realizado em 1877 e registrou uma população de 5 567 685 habitantes.[27]

Estima-se que metade da população resida na ilha de Luzon. A taxa de crescimento populacional foi de 3,21% entre 1995 e 2000, mas diminuiu para cerca de 1,95% para o período 2005-2010 e continua a ser uma questão controversa.[28] [29] A idade média da população é de 22,7 anos, sendo que 60,9% tem entre 15 e 64 anos de idade.[30] A expectativa de vida ao nascer é de 71,94 anos, sendo 75,03 anos para as mulheres e 68,99 anos para os homens.[31]

Desde a liberalização das leis de imigração dos Estados Unidos em 1965, o número de pessoas nos Estados Unidos que tem ascendência filipina tem crescido substancialmente. Em 2007, havia uma estimativa de 12 milhões de filipinos vivendo no exterior.[32]

De acordo com as estimativas oficiais, as Filipinas atingiram 100 milhões de habitantes em 27 de julho de 2014, tornando-se o 12º país a alcançar este número.[2]

Cidades mais populosas[editar | editar código-fonte]

A Grande Manila é a mais populosa das 12 áreas metropolitanas das Filipinas e a 11ª mais populosa do mundo. Segundo o censo de 2007, a região tinha uma população de 11.553.427 habitantes, o que compreende 13% da população nacional.[33] Ao incluir os subúrbios de províncias adjacentes (como Bulacan, Cavite, Laguna e Rizal), a população da Grande Manila chega a 21 milhões de pessoas.[33] [34]


Grupos étnicos[editar | editar código-fonte]

De acordo com o censo de 2000, 28,1% dos filipinos são Tagalog, 13,1% Cebuano, 9% Ilocano, 7,6% Bisaya/Binisaya, 7,5% hiligaynon, 6% bikol, 3,4% Waray e 25,3% declaram-se como "outra etnia",[35] que pode ser dividida ainda mais para identificar grupos não-tribais mais distintos, como os Moros, Kapampangan, Pangasinense, Ibanag e o Ivatan.[36] Há também os povos indígenas como o Igorot, o Lumad, o Mangyan, o Bajau e as tribos de Palawan.[37] Negritos, como a Aeta e os Ati, são considerados um dos primeiros habitantes das ilhas.[38]

Os filipinos pertencem a vários grupos étnicos asiáticos classificados lingüisticamente como parte dos austronésios ou malaio-polinésios.[37] Acredita-se que milhares de anos atrás, povos aborígenes de Taiwan, de língua austronésicas, migraram para as Filipinas a partir de Taiwan, levando consigo o conhecimento de agricultura, eventualmente substituindo parte dos conhecimentos anteriores dos Negrito, que até então eram desempenhados unicamente nos grupos de ilhas.[39]

As Filipinas também abrigam comunidades de imigrantes de diversos lugares, como China, Espanha, México, Estados Unidos, Índia, Coreia do Sul e Japão.[40] [41] [42] Duas minorias não-indígenas importantes são os chineses e os espanhóis. Os chineses, em sua maioria, são descendentes de imigrantes de Fujian, vindos ao país a partir de 1898. Embora não haja um número oficial, estima-se que 18 milhões de filipinos possuam ascendência chinesa parcial, decorrentes de pré-migrantes do período chinês colonial.[43]

Ao menos um terço da população de Luzon, bem como de algumas regiões de Visayas e Zamboanga, tem ascendência hispânica - a partir de diversos pontos de origem, que vão desde a América Latina até a Espanha.[44] Outras minorias não-indígenas importantes são indianos, anglo-americanos e coreanos. Descendentes de casais mistos são conhecidos como mestiços.[45]

Religiões[editar | editar código-fonte]

No país, há uma separação constitucional entre igreja e estado. Como resultado da influência cultural espanhola, as Filipinas é um dos dois países da Ásia predominantemente católicos, sendo o outro Timor-Leste. Mais de 90% da população é cristã. Em 2011, estimou-se que 75,5 milhões de filipinos, ou cerca de 80% da população, professavam o catolicismo.[46] [47] O Instituto Nacional de Estatística constatou que 2,45% da população nas Filipinas é afiliada com a Iglesia ni Cristo, tornando-se a terceira maior religião nas Filipinas e o segundo maior grupo cristão no país.[48] [49] O restante pertence a outras denominações cristãs, como A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (mórmons), as Testemunhas de Jeová, o Reino de Jesus Cristo, Membros da Igreja de Deus Internacional e uma variedade de confissões protestantes, como a Igreja Independente Filipina, Igreja Adventista do Sétimo Dia e a Igreja Unida de Cristo nas Filipinas.[50] [51] Algumas fontes mostram que o cristianismo é seguido por 85% da população do país.[52]

É um dos dois países do mundo que proíbe o divórcio, o outro é a República de Malta.[53]

De acordo com a Comissão Nacional de Filipinos Muçulmanos (NCMF), a partir de 2012 os muçulmanos eram compostos por 11% da população, a maioria dos quais vivem em partes de Mindanao, Palawan, e o Arquipélago de Sulu - uma área conhecida como Bangsamoro.[54] [55] [56] Alguns migraram para áreas urbanas e rurais em diferentes partes do país. A maioria dos filipinos muçulmanos praticam o islamismo sunita.[57] Há registros de alguns muçulmanos ahmadiyya no país.[58]

Religiões tradicionais filipinas são praticadas por um número estimado de 2% da população,[49] [59] compostos de muitos grupos indígenas e tribais. Estas religiões são muitas vezes sincretizadas com o cristianismo e o islamismo. O animismo e o xamanismo continuam presentes, através do albularyo, do babaylan e do hilot. O Budismo é praticado por 1% da população,[49] [59] e a partir de 2010, juntamente com o taoísmo e a religião tradicional chinesa, era dominante nas comunidades chinesas.[55] Não há menor número de seguidores do hinduísmo, siquismo, judaísmo e Fé bahá'í.[60] Cerca de 1% a 11% da população é não-religiosa.[49] [59] [61] [62]

Governo e política[editar | editar código-fonte]

Complexo Batasang Pambansa, na Cidade Quezon, sede da Câmara dos Deputados.

As Filipinas têm um governo democrático, sob a forma de uma república constitucional com um sistema presidencial.[63] O país é governado como um Estado unitário, com a excepção da Região Autônoma do Mindanau Muçulmano, que é em grande parte livre do governo nacional. Houve tentativas de mudar o sistema política do país para o federalismo, unicameralismo e parlamentarismo desde a administração Ramos.[64] [65]

O presidente tem a função de ser o chefe de Estado, chefe de governo e o comandante-em-chefe das forças armadas do país. Ele é eleito por voto popular para um único mandato de seis anos, durante o qual ele ou ela nomeia e preside o gabinete.[7] O congresso bicameral é composto pelo senado, que serve como a câmara alta, com membros eleitos para um mandato de seis anos, e pela Câmara dos Deputados, a câmara baixa, com membros eleitos para um mandato de três anos. Os senadores são eleitos em geral, enquanto que os deputados são eleitos pelos distritos legislativos e através de representação setorial.[7] O poder judicial é exercido pelo Supremo Tribunal de Justiça, composto por um Chefe de Justiça como seu presidente e quatorze juízes associados, os quais são nomeados pelo presidente através de candidaturas apresentadas pelo Conselho Judicial.[7]

Relações internacionais[editar | editar código-fonte]

O presidente Benigno Aquino III na cúpula da ASEAN em 2010.

As relações internacionais das Filipinas estão baseadas no comércio com outras nações e no bem-estar dos 11 milhões de filipinos que vivem no exterior.[66] Como um fundador e membro ativo da Organização das Nações Unidas, o país foi eleito várias vezes como membro temporário do Conselho de Segurança. O país é um participante ativo no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, bem como em missões de paz, particularmente no Timor-Leste.[67] [68] [69]

Além de membro das Nações Unidas, o país também é fundador e membro ativo da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), uma organização destinada a reforçar as relações e promover o crescimento econômico e cultural entre os países da região do Sudeste Asiático.[70] A Filipinas já receberam várias cúpulas e são um contribuinte ativo para a direção das políticas do bloco.[71]

O governo filipino valoriza as suas relações com os Estados Unidos. O país apoiou os norte-americanos durante a Guerra Fria e a Guerra ao Terror e é um principal aliado extra-OTAN.[66]

Forças armadas[editar | editar código-fonte]

As Forças Armadas das Filipinas são responsáveis pela segurança nacional e são composto de três ramos: a Força Aérea, o Exército e da Marinha Filipina (incluindo o Corpo de Fuzileiros Navais).[72] [73] [74] Atualmente, a adesão às forças armadas é voluntária, no entanto, de acordo com o artigo II da Constituição das Filipinas, a conscrição pode ser possível.[75] A segurança civil é tratado pela Polícia Nacional das Filipinas no âmbito do Ministério do Interior e da Administração Local.[76] [77]

As Filipinas tem sido um aliado dos Estados Unidos desde a Segunda Guerra Mundial. Um tratado de defesa mútua entre os dois países foi assinado em 1951. O país apoiou as políticas norte-americanas durante a Guerra Fria e participou das guerras da Coreia e do Vietnã. Após a início da Guerra ao Terror, as Filipinas fizeram parte da coalizão internacional que deu apoio aos Estados Unidos no Iraque.[78]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Províncias[editar | editar código-fonte]

As Filipinas estão organizadas numa hierarquia de unidades de governo local, em que a província é a unidade primária. As províncias subdividem-se em cidades e municípios que, por sua vez, se compõem de "barangays", que são as menores unidades de governo. Em 2002, havia 79 províncias.

As províncias encontram-se agrupadas em 17 regiões administrativas, onde os diversos ministérios estabelecem escritórios regionais, mas não têm um governo local separado, com exceção da Região Autónoma Muçulmana de Mindanau (Autonomous Region in Muslim Mindanao ou ARMM) e Cordillera.

Por sua vez, várias regiões são juntas em grupos de ilhas:

  • Luzon (Regiões I a V + RCN + RAC)
  • Visayas (Regiões VI a VIII) e
  • Mindanao (Regiões IX a XIII + RAMM)

Ph administrative map blank.png

Economia[editar | editar código-fonte]

Centro financeiro de Makati, na Grande Manila, o principal do país

A economia das Filipinas é a 39ª maior do mundo, com um produto interno bruto (PIB) nominal estimado em 289.6 bilhões de dólares.[3] As exportações primárias do país incluem semicondutores e produtos eletrônicos, equipamentos de transporte, vestuário, produtos de cobre, produtos de petróleo, óleo de coco e frutas.[30] Os principais parceiros comerciais incluem os Estados Unidos, Japão, China, Singapura, Coreia do Sul, Países Baixos, Hong Kong, Alemanha, Taiwan e Tailândia. A sua unidade de moeda é o peso filipino (₱ ou PHP).[30]

Um país recém-industrializado, as Filipinas fizeram a transição de uma economia baseada na agricultura para uma economia com maior ênfase nos serviços e na manufatura. Da força de trabalho total do país de cerca de 40,813 milhões de pessoas,[30] o setor agrícola emprega cerca de 32% e é responsável por 14% do PIB. O setor industrial emprega cerca de 14% da força de trabalho e responde por 30% do PIB. Enquanto isso, o 47% dos trabalhadores envolvidos no setor de serviços são responsáveis ​​por 56% do PIB filipino.[79] [80]

Após a Segunda Guerra Mundial, as Filipinas foram por um tempo consideradas como o segundo país mais rico da Ásia Oriental, ao lado apenas do Japão.[66] [81] [82] Em 1960, o desempenho econômico começou a ser ultrapassado. A economia estagnou sob a ditadura do presidente Ferdinand Marcos, visto que o regime fez uma má gestão econômica e criou volatilidade política.[66] [82] O país sofreu com o crescimento econômico lento e crises de recessão econômica. Somente na década de 1990 com um programa de liberalização econômica que a economia começou a se recuperar.[66] [82]

A crise financeira asiática de 1997 afetou a economia, o que resultou em um declínio prolongado do valor do peso filipino e quedas no mercado de ações, mas houve sinais de progresso desde então. Em 2004, a economia experimentou 6,4% de crescimento do PIB e de 7,1% em 2007, seu ritmo mais rápido de crescimento em três décadas.[83] [84] O crescimento médio anual do PIB per capita no período entre 1966 e 2007 ainda está em 1,45%, em comparação com uma média de 5,96% para o Leste da Ásia e região do Pacífico como um todo. Além disso, a renda de 45% da população filipina ainda permanece em menos de 2 dólares por dia.[85] [86] [87]

Gráfico dos principais produtos exportados pelas Filipinas (em inglês).

A economia depende muito das remessas que os filipinos que vivem no exterior mandam para o país, o que chega a superar o investimento estrangeiro direto como uma fonte de moeda estrangeira. As remessas atingiram o pico em 2010, representando 10,4% do PIB nacional.[88] O desenvolvimento regional é desigual, sendo que a ilha de Luzon concentra a maior parte do crescimento econômico (especialmente na área da Grande Manila), em detrimento das outras regiões.[89] [90] O governo, no entanto, tenta tomar algumas medidas para distribuir melhor o crescimento econômico, através da promoção de investimentos em outras áreas do país. Apesar das limitações, as indústrias de serviços, como o turismo, têm sido identificadas como áreas com algumas das melhores oportunidades de crescimento para o país.[80] [91]

O Goldman Sachs incluiu o país em sua lista das economias chamdas de "Próximos Onze",[92] [93] mas a China e a Índia surgiram como seus principais concorrentes econômicos.[94] O Goldman Sachs estima que, até o ano de 2050, as Filipinas serão a 20ª maior economia do mundo.[95] O HSBC também projeta que a economia local irá se tornar a 16ª maior do mundo, a quinta maior economia da Ásia e a maior economia da região do Sudeste Asiático até o ano de 2050.[96] [97] [98] O país é membro do Banco Mundial, do Fundo Monetário Internacional (FMI), da Organização Mundial do Comércio (OMC), do Banco Asiático de Desenvolvimento, entre outros grupos e instituições.[30]

Turismo[editar | editar código-fonte]

El Nido, local conhecido por suas praias e formações rochosas.

O setor de viagens e turismo é um dos principais contribuintes para a economia filipina, contribuindo com 7,1% de participação no PIB[99] e empregando 1.226.500 pessoas, o que representou 3,2% do total de empregos no país em 2013.[100] A indústria turística local havia crescido 4,8 bilhões de dólares em 2013.[101]

Cerca de 2,5 milhões de visitantes internacionais chegaram ao país de janeiro a junho de 2014, uma alta de 2,22% em relação ao mesmo período de 2013. Coreia do Sul, China e Japão foram responsáveis ​​por 58,78%, enquanto que a América respondeu por 19,28% e a Europa por 10,64%.[102] O Departamento de Turismo tem a responsabilidade pela gerir e promover o setor do turismo.

Como um arquipélago constituído por 7.107 ilhas, as Filipinas tem várias praias, cavernas e outras formações rochosas. As atrações turísticas do país incluem as praias de areia branca de Boracay, considerada a melhor ilha do mundo pela Travel + Leisure, em 2012.[103]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Transportes[editar | editar código-fonte]

Um microônibus e um ônibus, formas comuns de transporte público nas Filipinas.

A infraestrutura do transporte nas Filipinas é relativamente subdesenvolvida. Isto é, em parte, devido ao terreno montanhoso e a geografia dispersa das ilhas, mas também se deve a um resultado de menor investimento do governo em infraestrutura. Em 2013, cerca de 3% do Produto Intertno Bruto (PIB) era investido no desenvolvimento de infraestrutura, que foi menor do que a de alguns de seus países vizinhos.[104] [105] Há 213.151 quilômetros de estradas nas Filipinas, com 25,56% das estradas sendo pavimentadas.[106] Ônibus, jeepneys, táxis e triciclos motorizados são comumente disponíveis nas principais cidades e vilas. Em 2007, havia cerca de 5.530.000 veículos registrados, com uma taxa média anual de 4,55% de aumento no registro de veículos.[107]

A Autoridade de Aviação Civil das Filipinas tem a responsabilidade da gestão dos aeroportos e da implementação de políticas sobre o transporte aéreo seguro,[108] [109] com 85 aeroportos públicos que estão atualmente em operação.[109] O Aeroporto Internacional Ninoy Aquino serve a área metropolitana de Manila, juntamento com o Aeroporto Internacional Clark. A Philippine Airlines - a mais antiga companhia aérea comercial da Ásia que ainda opera sob o seu nome original - e a Cebu Pacific (a principal companhia aérea de baixo custo) são as principais companhias aéreas que servem a maioria dos destinos domésticos e internacionais do país.[110] [111] [112]

Estradas e rodovias consistem em uma rede de estradas nacionais e provinciais, vias expressas, avenidas secundárias e estradas municipais, abrangendo uma extensão de 205.497 quilômetros.[113] As vias expressas e rodovias do país são, na sua maioria, localizados na ilha de Luzon, incluindo a estrada Pan-filipina, que liga as ilhas de Luzon, Samar, Leyte e Mindanau.[114] [115] No norte do país, há as rodovias de Norte Luzon, Sul Luzon e a Subic-Clark-Tarlac.

O transporte ferroviário nas Filipinas desempenha um papel vital na locomoção de passageiros e cargas, bem como em viagens de longa distância. A rede ferroviária no país, inclui o Mass Rapid Transit Manila (LRT-1 e LRT-2) e o Manila Metro Rail Transit System (MRT-3), que serve a área metropolitana da capital do país.[116] [117] A Philippine National Railways serve a ilha de Luzon, e a Panay Railways serve a ilha de Panay.[118] Três tipos de sistemas de trem estão atualmente em desenvolvimento: a Automated Guideway Transit - um trem elétrico totalmente automatizado,[119] [120] [121] um sistema de ônibus biarticulado e um trem em escala total de passageiros.[122] [123] [124] [125]

Como um arquipélago, viagens inter-ilhas via embarcação são muitas vezes necessárias. Os portos mais movimentados são o de Manila, Cebu, Iloilo, Davao, Cagayan de Oro e Zamboanga.[126] As companhias de navegação 2GO e Sulpicio Lines realizam o transporte hidroviário na região de Manila, sendo responsáveis por ligar a cidade a várias vilas e outras cidades próximas. A Strong Republic Nautical Highway (SRNH), um conjunto integrado de segmentos rodoviários e rotas aquaviárias, foi criado em 2003, cobrindo 17 cidades filipinas e possuindo 571 quilômetros de extensão.[127] O Pasig River Ferry Service é o único serviço de transporte que cruza o rio Pasig, com rotas que englobam Manila, Makati, Mandaluyong, Pasig e Marikina.[128] [129]

Ciência e tecnologia[editar | editar código-fonte]

As Filipinas têm prosseguido com os esforços em melhorar o campo da ciência e da tecnologia. O Departamento de Ciência e Tecnologia é a agência responsável pelo desenvolvimento da coordenação de projetos de ciência relacionadas à tecnologia nas Filipinas.[130] O Cientista Nacional das Filipinas é um prêmio do governo do país dado a pessoas que contribuíram para o campo da ciência tecnológica na nação. Cientistas filipinos notáveis ​​incluem Maria Orosa, uma tecnóloga de alimentos famosa por seus produtos alimentares formulados, como nip calamansi, soyalac e o ketchup de banana.[131]

Cientistas filipinos notáveis incluem Fe del Mundo, um pediatra cujo trabalho pioneiro em pediatria como uma prática médica ativa durou oito décadas,[132] Paulo Campos, um médico que foi apelidado como "O Pai da Medicina Nuclear nas Filipinas" por suas contribuições no campo da medicina nuclear,[133] e Ramon Barba, um inventor e horticultor conhecido por seu método para induzir mais flores em árvores de manga.[134]

Em julho de 1996, o país adquiriu o seu primeiro satélite do país, o Palapa (satélite)Palapa B-2P, comprado da empresa indonésia Pasifik Satelit Nusantara, e transferido para um novo slot orbital em 1 de agosto de 1996, sendo rebatizado para Mabuhay.[135] O Agila -2 foi o primeiro satélite filipino não-adquirido, lançado em 19 de agosto de 1997.[136] Instituições de pesquisa notáveis estão sediadas no país, entre estas o Instituto Internacional de Pesquisa do Arroz, uma organização de pesquisa e formação internacional independente criada em 1960, com foco no desenvolvimento de novas variedades de arroz e técnicas de manejo da cultura do arroz para ajudar a agricultura do país.[137] [138] [139]

Comunicações[editar | editar código-fonte]

Torres de comunicação em Zamboanga.

As Filipinas possui um sofisticado setor de telefonia celular e uma alta concentração de usuários. As mensagens de texto é uma forma popular de comunicação e, em 2007, o país enviou uma média de um bilhão de SMS de mensagens por dia. Mais de cinco milhões de usuários de telefonia móvel também usam seus celulares diariamente, fazendo do país um líder entre as nações em desenvolvimento na prestação de transações financeiras através de redes celulares.[140] A Philippine Long Distance Telephone Company é a maior provedora de telecomunicações no país, além de ser uma das maiores empresas nas Filipinas.[141]

A Comissão Nacional de Telecomunicações é o órgão responsável pela fiscalização, julgamento e controle sobre todos os serviços de telecomunicações em todo o país.[142] Há aproximadamente 383 estações de rádio AM e 659 estações de rádio FM, além de 297 canais de televisão aberta e 873 canais de televisão a cabo.[143] Estimativas de usuários de internet nas Filipinas variam amplamente, com números entre um mínimo de 2,5 milhões até 33 milhões de usuários.[144] [145]

Cultura[editar | editar código-fonte]

A cultura das Filipinas é uma combinação de culturas orientais e ocidentais. O país apresenta aspectos encontrados em outras nações asiáticas com uma herança cultural malaia, mas a sua cultura também apresenta uma quantidade significativa de influências espanholas e norte-americanas. Festas tradicionais, conhecidas como barrio fiestas (festas de bairro), são realizadas para comemorar os dias de festas de santos padroeiros populares.[146]

Os festivais Moriones e Sinulog são um dos mais bem conhecidos. Estas celebrações comunitárias são períodos para festa, música e dança. Algumas tradições, no entanto, estão mudando ou gradualmente sendo esquecidas devido à modernização. A "Bayanihan Philippine National Folk Dance Company" foi elogiada por preservar muitas das várias danças folclóricas tradicionais encontradas em todas as Filipinas. Eles são famosos por suas performances icônicas de danças locais, como o tinikling e singkil, que tanto caracterizam o uso de confronto varas de bambu.[147]

Culinária[editar | editar código-fonte]

Pratos típicos da culinária filipina.

A culinária filipina tem se modificado ao longo de vários séculos, desde as suas origens malaio-polinésia até se tornar uma cozinha misturada com elementos latino-americanos, chineses, americanos e outras influências asiáticas, que foram adaptadas aos ingredientes locais, criando, assim, pratos distintamente filipinos. Os pratos variam, desde os muito simples, como uma refeição de peixe frito com sal e arroz, aos mais elaborados, como as paellas e cocidos criados para festas. Pratos populares incluem lechón, adobo filipino, sinigang, kare-kare, tapa, crispy pata, pancit, lumpia e halo-halo. Alguns ingredientes locais comuns usados na culinária são o calamondins, cocos, saba (uma espécie de bananeira), manga e molho de peixe. A cozinha não é tão picante como as de seus países vizinhos.[148]

Ao contrário de muitos povos asiáticos, os filipinos usam talheres ocidentais nas refeições. No entanto, possivelmente devido ao arroz ser o alimento básico primário e a popularidade de um grande número de guisados e pratos principais com caldo em culinária filipino, o principal emparelhamento de utensílios visto na mesa dos filipinos é o garfo e colher, e não garfo e faca.[149] A maneira tradicional de comer com as mãos, conhecida como Kamayan, é vista com mais freqüência em áreas menos urbanizadas.[150] [151]

Esportes[editar | editar código-fonte]

Um jogo de basquete da PBA em Pasay.

Vários esportes e passatempos são populares no país, como basquete, boxe, briga de galos, voleibol, futebol, badminton, karatê, taekwondo, bilhar, boliche, xadrez e sipa. Motocross, ciclismo e montanhismo também estão se tornando populares. O basquetebol é jogado em níveis amadores e profissionais e é considerado o esporte mais popular nas Filipinas.[152] [153] Em 2010, Manny Pacquiao foi batizado de "lutador da década" para os anos 2000 pela Boxing Writers Association of America (BBWAA), pelo Conselho Mundial de Boxe (WBC) e pela Organização Mundial de Boxe (WBO).[154] A arte marcial nacional é a eskrima.[155]

As Filipinas participam dos Jogos Olímpicos de Verão desde 1924 e foram o primeiro país do Sudeste da Ásia a competir e a ganhar uma medalha olímpica.[156] O país tinha competido em todos os Jogos Olímpicos de Verão desde então, exceto quando eles participaram do boicote liderado pelos Estados Unidos aos Jogos Olímpicos de Verão de 1980.[157] As Filipinas também são o primeiro país tropical a competir nos Jogos Olímpicos de Inverno.[158]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Portal da Língua Portuguesa, Dicionário de Gentílicos e Topónimos das Filipinas
  2. a b Philippine population officially hits 100 million Rappler.
  3. a b c d e Fundo Monetário Internacional (FMI): World Economic Outlook Database (Outubro de 2014). Visitado em 29 de outubro de 2014.
  4. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD): Human Development Report 2014 (em inglês) (24 de julho de 2014). Visitado em 2 de agosto de 2014.
  5. CIA World Factbook, Lista de Países por Coeficiente de Gini (em inglês)
  6. a b c d Cordeiro, Tiago. (Junho 2013). "Católicos no Coração da Ásia". Aventuras na História (119): 50-55. São Paulo: Editora Abril.
  7. a b c d e General Information (September 21, 2014).. (older version – as it existed in 2009 – during the presidency of Gloria Macapagal Arroyo), The Official Government Portal of the Republic of the Philippines.
  8. "Natural Resources and Environment in the Philippines". (n.d.). eTravel Pilipinas. Acessado em 22 de janeiro de 2009.
  9. Chanco, Boo.. "The Philippines Environment: A Warning", December 7, 1998. Retrieved February 15, 2010 from gbgm-umc.org.
  10. Williams, Jann, Cassia Read, Tony Norton, Steve Dovers, Mark Burgman, Wendy Proctor, and Heather Anderson.. (2001). "Biodiversity Theme Report: The Meaning, Significance and Implications of Biodiversity (continued)". CSIRO on behalf of the Australian Government Department of the Environment and Heritage.
  11. Carpenter, Kent E. and Victor G. Springer.. (April 2005). "The center of the center of marine shore fish biodiversity: the Philippine Islands". Environmental Biology of Fishes 74 (2): 467–480. Springer Netherlands. DOI:10.1007/s10641-004-3154-4.
  12. a b Rowthorn, Chris and Greg Bloom.. Philippines. 9th ed. [S.l.]: Lonely Planet, 2006. p. 52. ISBN 1-74104-289-5
  13. Biological diversity in the Philippines Eoearth.org. Visitado em 4 de maio de 2013.
  14. Tabaranza, Blas R., Jr. (17 de janeiro de 2005). The largest eagle in the world Haribon Foundation. Visitado em 23 de setembro de 2012.
  15. (em inglês) {{{assessores}}} ({{{ano}}}). {{{título}}}. 2006 IUCN Red List of Threatened Species. IUCN 2006. Acesso a {{{data}}}.
  16. "Lolong" holds world record as largest croc in the world Protected Areas and Wildlife Bureau (17 de novembro de 2011). Visitado em 23 de junho de 2012.
  17. Britton, Adam (12 de novembro de 2011). Accurate length measurement for Lolong Croc Blog. Visitado em 23 de junho de 2012.
  18. Hub of Life: Species Diversity in the Philippines Foundation for the Philippine Environment (18 de fevereiro de 2014). Visitado em 21 de setembro de 2014.
  19. Taguinod, Fioro. (20 de novembro de 2008). "Rare flower species found only in northern Philippines". GMA News. Acessado em 14 de dezembro de 2009.
  20. Lonely Planet. (n.d.). Philippines: When to go & weather. Retrieved January 23, 2009.
  21. a b Philippine Atmospheric, Geophysical and Astronomical Services Administration. (n.d.). Climate of the Philippines. Visitado em 24 de abril de 2010.
  22. a b Library of CongressFederal Research Division. (March 2006). Country Profile: Philippines. Acessado em 17 de dezembro de 2009.
  23. Economics of the Philippine Milkfish Resource System. [S.l.]: The United Nations University, 1982. ISBN 92-808-0346-8 Página visitada em May 14, 2009.
  24. Philippine Atmospheric, Geophysical and Astronomical Services Administration (PAGASA).. (Janeiro de 2009). "Member Report to the ESCAP/WMO Typhoon Committee, 41st Session".
  25. Monthly Typhoon Tracking Charts. (2010). Acessado em 24 de abril de 2010 a partir do National Institute of Informatics, Kitamoto Laboratory, Digital Typhoon Website.
  26. CO2 Emissions from Fuel Combustion Population 1971–2008 (pdf page 86); page 86 of the pdf, IEA (OECD/ World Bank) (original population ref OECD/ World Bank e.g. in IEA Key World Energy Statistics 2010 page 57)
  27. Republic of the Philippines. National Statistical Coordination Board. Population of the Philippines Census Years 1799 to 2007. Acessado em 11 de dezembro de 2009.
  28. Republic of the Philippines. National Statistics Office. (2008). Official population count reveals... Visitado em 17 de abril de 2008. Cópia arquivada em 10 de setembro de 2012.
  29. Bishops threaten civil disobedience over RH bill GMA News (29 de setembro de 2010). Visitado em 16 de outubro de 2010.
  30. a b c d e East & Southeast Asia :: Philippines The World Factbook Central Intelligence Agency (28 de outubro de 2009). Visitado em 7 de novembro de 2009.
  31. Central Intelligence Agency. Field Listing :: Life expectancy at birth Washington, D.C.: Author. Visitado em 11 de dezembro de 2009.
  32. Global Pinoys to rally at Chinese consulates – The Philippine Star » News » Headlines. The Philippine Star (27 de abril de 2012). Acesado em 4 de julho de 2012.
  33. a b Republic of the Philippines. National Statistics Office. (Abril de 2008). Total Population and Annual Population Growth Rates by Region: Population Censuses 1995, 2000, and 2007. Visitado em 4 de abril de 2010. Cópia arquivada em July 16, 2012.
  34. Demographia. (Julho de 2010). Demographia World Urban Areas (World Agglomerations) Population & Projections (Edition 6.1). Acessado em 29 de março de 2011.
  35. Republic of the Philippines. National Statistics Office.. The Philippines in Figures 2009. [S.l.: s.n.], 2009. Página visitada em December 23, 2009.
  36. Philippines (em inglês) Encyclopedia Britannica. Visitado em 18 de abril de 2015.
  37. a b Lewis, M. Paul, Gary F. Simons, and Charles D. Fennig (eds.). (2015). [1]. Ethnologue: Languages of the World (18th ed.). Dallas, Tex.: SIL International. Retrieved April 13, 2015.
  38. ETHNICITY, REGIONALISM, AND LANGUAGE: Philippines Table of Contents - Historical Development of Ethnic Identities (em inglês) Country Studies. Visitado em 18 de abril de 2015.
  39. Capelli. (2001). "A Predominantly Indigenous Paternal Heritage for the Austronesian-Speaking Peoples of Insular South Asia and Oceania". American Journal of Human Genetics 68 (2): 432–443. DOI:10.1086/318205. PMID 11170891.
  40. Indian Dating and Matchmaking in Philippines - Indian Matrimonials (em inglês) Future Scopes. Visitado em 18 de abril de 2015.
  41. Ancient Japanese pottery in Boljoon town (em inglês) Inquirer (30 de maio de 2011). Visitado em 18 de abril de 2015.
  42. The Art of War (em inglês) Asia Pacific Universe. Visitado em 18 de abril de 2015.
  43. Chinese lunar new year might become national holiday in Philippines too (em inglês) Xinhuanet News (23 de agosto de 2009). Visitado em 18 de abril de 2015.
  44. Jagor, Fëdor, et al. (1870). The Former Philippines thru Foreign Eyes: People and Prospects of the Philippines (em inglês) Authorama. Visitado em 18 de abril de 2015.
  45. [http://www.seasite.niu.edu/Tagalog/Tagalog_Homepage99/impacts_of_spanish_rule_in_the_p.htm The Impact of Spanish Rule in the Philippines] (em inglês) Northern Illinois University, Center for Southeast Asian Studies, SEAsite Project (2009). Visitado em 18 de abril de 2015.
  46. Filipino Catholic population expanding, say Church officials (em inglês) Inquirer. Visitado em 13 de julho de 2015.
  47. Título não preenchido, favor adicionar (em inglês) sws.org.ph. Visitado em 13 de julho de 2015.
  48. Philippines in Figures National Statistics Office (2014). Visitado em 13 de julho de 2015.
  49. a b c d Philippines, CIA Factbook
  50. Philippines - LDS Statistics and Church Facts - Total Church Membership www.mormonnewsroom.org.
  51. Republic of the Philippines. National Statistics Office. (February 18, 2003). 2000 Census: Additional Three Persons Per Minute. Visitado em January 9, 2008. Cópia arquivada em June 10, 2012.
  52. CHRISTIANITY IN THE PHILIPPINES niu.edu.
  53. No país onde o divórcio é proibido, o adultério é castigado com prisão Revista Veja (21 de fevereiro de 2012). Visitado em 13 de julho de 2015.
  54. Welcome to NCMF Comissão Nacional de Filipinos Muçulmanos (NCMF).
  55. a b U.S. Department of State. (2010). Philippines: International Religious Freedom Report 2010. Acessado em 13 de julho de 2015, "Islamismo e religiões minoritárias costituem de 5 a 9% do total da população das Filipinas"
  56. RP closer to becoming observer-state in Organization of Islamic Conference. (May 29, 2009). The Philippine Star. Acessado em 13 de julho de 2015, "Oito milhões de filipinos muçulmanos, representando 10 por cento da população total das Filipinas...".
  57. McAmis, Robert Day. Malay Muslims: The History and Challenge of Resurgent Islam in Southeast Asia. [S.l.]: Wm. B. Eerdmans Publishing, 2002. 18–24, 53–61 p. ISBN 0-8028-4945-8 Página visitada em January 7, 2010.
  58. R Michael Feener, Terenjit Sevea. Islamic Connections: Muslim Societies in South and Southeast Asia (em inglês).
  59. a b c Pew Research Center's Religion & Public Life Project: Philippines. Pew Research Center. 2010.
  60. The Largest Baha'i Communities. (30 de setembro de 2005). Acessado em 13 de julho de 2015.
  61. https://worldview.gallup.com/default.aspx
  62. 図録▽世界各国の宗教 ttcn.ne.jp.
  63. Country description US State Department Website US State Department Website (Janeiro de 2012). Visitado em 24 de janeiro de 2012. "The Philippines is an emerging economy with a democratic system of government."
  64. Robles, Alan C.. (Julho–Agosto de 2008). "Civil service reform: Whose service?". D+C 49: 285–289. Internationale Weiterbildung und Entwicklung [InWEnt].
  65. Bigornia, Amante. (17 de setembro de 1997). The 'consultations' on Charter change. Visitado em 13 de dezembro de 2009.
  66. a b c d e U.S. Department of State. Bureau of East Asian and Pacific Affairs. (Outubro de 2009). Background Note: Philippines. Visitado em 18 de dezembro de 2009.
  67. Permanent Mission of the Republic of the Philippines to the United Nations. [c. 2008]. About Us. Retrieved August 13, 2010.
  68. Permanent Mission of the Republic of the Philippines to the United Nations. [c. 2008]. The Philippines and the UN Security Council. Retrieved January 12, 2008.
  69. Conselho de Segurança das Nações Unidas. (25 de outubro de 1999). Resolution 1272 [S-RES-1272(1999)]. Retrieved March 21, 2010.
  70. Bangkok Declaration. (8 de agosto de 1967). Acessado em 20 de dezembro de 2009.
  71. Arquivado em dezembro 17, 2007 no Wayback Machine. (1999). 3rd ASEAN Informal Summit. Archived from the original on December 17, 2007. Retrieved December 13, 2009.
  72. Shoulder Ranks (Officers) The Philippine Army. Visitado em 23 de setembro de 2014.
  73. Philippine Military Rank Insignia Globalsecurity.org. Visitado em 23 de setembro de 2014.
  74. AFP Organization. Visitado em 3 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 19 de abril de 2008.
  75. The Philippine Constitution.
  76. "Department of the Interior and Local Government Act of 1990". Lawphil.net. Acessado em 30 de janeiro de 2014.
  77. Republic Act No. 6975 The LAWPHiL Project. Visitado em 31 de dezembro de 2012.
  78. The White House. (27 de março de 2003). Coalition Members. Visitado em 18 de dezembro de 2009.
  79. Republic of the Philippines. National Statistical Coordination Board. Third Quarter 2009 Gross National Product and Gross Domestic Product by Industrial Origin. Visitado em 11 de dezembro de 2009.
  80. a b Republic of the Philippines. National Statistics Office. (Outubro de 2009). Quickstat (PDF). Visitado em 11 de dezembro de 2009. Cópia arquivada em 11 de julho de 2012.
  81. The Filipina sisterhood. (20 de dezembro de 2001). The Economist. Retrieved November 9, 2009.
  82. a b c Ure, John. Telecommunications Development in Asia. [S.l.]: Hong Kong University Press, 2008. 301–302 p. ISBN 978-962-209-903-6
  83. Philippines International Monetary Fund. Visitado em April 20, 2012.
  84. Felix, Rocel. (25 de janeiro de 2008). 2007 GDP seen growing at fastest rate in 30 years. The Philippine Daily Inquirer. Acessado em 29 de maio de 2010.
  85. United Nations Development Programme.. (2009). "Table G: Human development and index trends, Table I: Human and income poverty".
  86. Reddel, Paul (27 de maio de 2009). Infrastructure & Public-Private Partnerships in East Asia and the Philippines [PowerPoint slides]. Presentation in Manila to the American Foreign Chambers of Commerce of the Philippines. Acessado em 13 de fevereiro de 2010.
  87. Report for Selected Countries and Subjects Imf.org (14 de setembro de 2006). Visitado em 23 de outubro de 2011.
  88. OFW remittances to increase by 8.5% in 2014—Standard Chartered Philippine Daily Inquirer (13 de janeiro de 2014). Visitado em 21 de setembro de 2014.
  89. Why PH improves in competitiveness ranking Rappler (22 de agosto de 2013). Visitado em 21 de setembro de 2014.
  90. Poverty and regional development imbalance Philippine Daily Inquirer (5 de março de 2014). Visitado em 21 de setembro de 2014.
  91. Llorito, David. (10 de maio de 2006). Help wanted for Philippines outsourcing Asia Times. Visitado em 11 de dezembro de 2009.
  92. Beyond the Brics: A Look at the 'Next 11' (Abril de 2007). Visitado em 21 de setembro de 2014.
  93. Armstrong, Aristidi (21 de abril de 2013). Move over BRICS, the "Next Eleven" has emerged Economics Student Society of Australia. Visitado em 21 de setembro de 2014.
  94. Olchondra, Riza T. (October 2, 2006). As India gets too costly, BPOs turn to Philippines. The Philippine Daily Inquirer. Retrieved December 16, 2009.
  95. GOLDMAN: Here's What Global GDP Will Look Like In 2050 Business Insider (19 de novembro de 2012). Visitado em 21 de setembro de 2014.
  96. Platt, Eric (13 de janeiro de 2012). These Economies Will Dominate The World In 2050 Business Insider. Visitado em 21 de setembro de 2014.
  97. Fajardo, Fernando (29 de fevereiro de 2012). The Philippines in 2050 Philippine Daily Inquirer. Visitado em 21 des etembro de 2014.
  98. Kevin Voigt (12 de janeiro de 2012). World's top economies in 2050 will be... CNN. (archived from the original on August 14, 2012)
  99. Philippines – Travel & Tourism Total Contribution to GDP – Travel & Tourism Total Contribution to GDP – % share. Visitado em 19 de setembro de 2014.
  100. Travel and tourism to contribute P490B or 3.8% to 2014 PHL output, says council GMA News and Current Affairs (19 de março de 2014). Visitado em 19 de setembro de 2014.
  101. Philippines' tourism sector bullish on 2015 Asean integration AsiaOne News (6 de setembro de 2014). Visitado em 19 de setembro de 2014.
  102. INTERNATIONAL TOURIST ARRIVALS and RECEIPTS FOR JANUARY TO JUNE 2014. Visitado em 19 de setembro de 2014.
  103. "BORACAY 2012 WORLD'S BEST ISLAND", 11 de julho de 2012.
  104. ARANGKADA PHILIPPINES 2010: A BUSINESS PERSPECTIVE – Infrastructure (em inglês) (21 de setembro de 2014). Visitado em 12 de abril de 2015.
  105. Larano, Cris (3 de junho de 2014). Philippines Bets on Better Infrastructure The Wall Street Journal. Visitado em 12 de abril de 2015.
  106. East & Southeast Asia: Philippines (em inglês) The CIA World Factbook – Philippines. Visitado em 12 de abril de 2015.
  107. Number of motor vehicles registered - Comparative, Annual 2005; 2006; 2007 (em inglês) Governo das Filipinas. Visitado em 12 de abril de 2015.
  108. Republic Act No, 9447 (em inglês) Civil Aviation Authority of the Philippines. Visitado em 12 de abril de 2015.
  109. a b Manual of Standards for Aerodromes (em inglês) Civil Aviation Authority of the Philippines. Visitado em 12 de abril de 2015.
  110. About PAL Philippineairlines.com (4 de maio de 2013). Visitado em 12 de abril de 2015.
  111. Department of Transportation - Airports Division. Philippine Air Lines Hawaii Aviation. Visitado em 12 de abril de 2015.
  112. . [S.l.: s.n.]. ISBN 1-902339-12-6
  113. Road Infrastructure Development in the Philippines (PDF) (em inglês) Republic of the Philippines: Department of Public Works and Highways (6 de outubro de 2014). Visitado em 12 de abril de 2015.
  114. Philippines Transportation (23 de agosto de 2014). Visitado em 12 de abril de 2015.
  115. Linking the Philippine Islands, Through the highway of the Sea (PDF) (em inglês) Asia Foundation (23 de agosto de 2014). Visitado em 12 de abril de 2015.
  116. The LRT Line 1 System (em inglês) Light Rail Transit Authority. Visitado em 13 de abril de 2015.
  117. About Us – MRT3 Stations Metro Rail Transit. Visitado em 13 de abril de 2015.About Us – Background (em inglês) Metro Rail Transit. Visitado em 13 de abril de 2015.
  118. Brief history of PNR Philippine National Railways. Visitado em 13 de abril de 2015. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2009.
  119. DoST to develop electric-powered monorail for mass transport Notícias Yahoo. Visitado em 13 de abril de 2015.
  120. Regidor, Anna Kristine. UPD monorail project begins (em inglês) University of the Philippines Diliman. Visitado em 13 de abril de 2015.
  121. Usman, Edd K. (27 de fevereiro de 2014). Bigger Automated Guideway Train ready for testing Manila Bulletin. Visitado em 13 de abril de 2015.
  122. BUS O TREN? DOST's road train rolls off to vehicle test (em inglês) Interaksyon (12 de setembro de 2014). Visitado em 13 de abril de 2015.
  123. Hybrid electric road train to be road-tested this month (em inglês) Manila Bulletin (13 de setembro de 2014). Visitado em 13 de abril de 2015.
  124. Roadworthiness tests for hybrid train to start next month (em inglês) The Philippine Star (14 de setembro de 2014). Visitado em 13 de abril de 2015.
  125. PH pushes for heavy industries (em inglês) Manila Bulletin (15 de dezembro de 2013). Visitado em 13 de abril de 2015.
  126. Transportation in the Philippines (em inglês) Asian Info. Visitado em 13 de abril de 2015.
  127. Strong Republic Nautical Highway (em inglês) KGMA. Visitado em 13 de abril de 2015.
  128. Gov't revives Pasig River ferry service (em inglês) GMA Network (14 de fevereiro de 2007). Visitado em 13 de abril de 2015.
  129. MMDA to reopen Pasig River ferry system on April 28; offers free ride (em inglês) Philippine Information Agency (25 de abril de 2014). Visitado em 13 de abril de 2015.
  130. The DOST in Brief (em inglês). Visitado em 13 de abril de 2015.
  131. Roces, Alejandro R. (29 de novembro de 2007). Maria Ylagan Orosa The Philippine Star. Visitado em 13 de abril de 2015.
  132. Engel, KeriLynn. Fe del Mundo, first female student at Harvard Medical School (em inglês) Amazing Wome History. Visitado em 13 de abril de 2015.
  133. Sabater, Madel R. (5 de junho de 2007). National Scientist Dr. Paulo Campos passes away at 85 Manila Bulletin. Visitado em 13 de abril de 2015. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2007.
  134. Sabater, Madel (12 de agosto de 2014). Dr Ramon Barba: Science 'against all odds' (em inglês) Rappler. Visitado em 13 de abril de 2015.
  135. Mabuhay acquires Indon satellite;sets new orbit (em inglês) Manila Standard (25 de julho de 1996). Visitado em 13 de abril de 2015.
  136. McDowwel, Jonathan. Launch Log (em inglês). Visitado em 13 de abril de 2015.
  137. An adventure in applied science: A history of the International Rice Research Institute (em inglês). Visitado em 13 de abril de 2015.
  138. International Rice Research Institute on Google maps (em inglês). Visitado em 13 de abril de 2015.
  139. IRRI website: About IRRI (em inglês) International Rice Research Institute. Visitado em 13 de abril de 2015.
  140. Francisco, Rosemarie (3 de abril de 2008). Filipinos sent 1 billion text messages daily in 2007 (em inglês) Infotech. Visitado em 13 de abril de 2015.
  141. PLDT-Philippine Long Distance Telephone (em inglês) Revista Forbes (9 de março de 2008). Visitado em 13 de abril de 2015.
  142. LAWS, RULES & REGULATIONS (em inglês) National Telecommunications Commission. Visitado em 14 de abril de 2015.
  143. Republic of the Philippines. National Telecommunications Commission. [c. 2010]. Broadcast(AM,FM,TV,CATV) – Number of Broadcast and CATV Stations by Region (em inglês). Visitado em 14 de abril de 2015. Cópia arquivada em 28 de junho de 2010.
  144. Republic of the Philippines. National Telecommunications Commission. [c. 2010]. Internet Service Providers – Internet Service (em inglês). Visitado em 14 de abril de 2015. Cópia arquivada em 25 de janeiro de 2009.
  145. [http://www.internetworldstats.com/asia/ph.htm Philippines Internet Usage Stats and Marketing Report] (em inglês) Internet World Stats (2000-2011). Visitado em 14 de abril de 2015.
  146. Baringer, Sally E. [c. 2006]. "The Philippines". In Countries and Their Cultures. Advameg Inc. Retrieved December 20, 2009 from www.everyculture.com.
  147. Rowthorn, Chris and Greg Bloom.. Philippines. 9th ed. [S.l.]: Lonely Planet, 2006. p. 44. ISBN 1-74104-289-5
  148. Zialcita, Fernando Nakpil.. Authentic Though not Exotic: Essays on Filipino Identity. Quezon City: Ateneo de Manila University Press, 2005. p. 281. ISBN 971-550-479-5
  149. Rowthorn, Chris and Greg Bloom.. Philippines. 9th ed. [S.l.: s.n.], 2006. ISBN 1-74104-289-5
  150. Zibart, Eve.. The Ethnic Food Lover's Companion: Understanding the Cuisines of the World. [S.l.]: Menasha Ridge Press, 2001. p. 277. ISBN 0-89732-372-6
  151. Conde, Carlos H. (31 de maio de 2005). Jollibee stings McDonald's in Philippines. Visitado em 27 de dezembro de 2014.
  152. "Billiard Congress of America: Hall of Fame Inductees". (2009). Retrieved December 20, 2009 from the Billiard Congress of America Website.
  153. Mga Kilalang Pilipino [Known Filipinos]. (n.d.) (in Filipino). Tagalog at NIU. Retrieved April 25, 2010 from the Northern Illinois University, Center for Southeast Asian Studies, SEAsite Project.
  154. Himmer, Alastair. "Pacquiao named fighter of the decade", Reuters, 5 de junho de 2010.
  155. Republic of the Philippines. (Approved: December 11, 2009). An Act Declaring Arnis as the National Martial Art and Sport of the Philippines. Retrieved February 18, 2010 from the Senate of the Philippines Website.
  156. The Games of the VIII Olympiad: Official Report (part 1, page 91) (em french) la84foundation.org French Olympic Committee (July 28, 2012). Visitado em 28 de julho de 2012.
  157. Smothers, Ronald. "OLYMPICS;Bitterness Lingering Over Carter's Boycott", The New York Times, 19 de julho de 1996.
  158. The Official Report of XIth Winter Olympic Games, Sapporo 1972. [S.l.]: The Organizing Committee for the Sapporo Olympic Winter Games, 1973. 32, 145, 447 p. Página visitada em 31 de janeiro de 2008.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Filipinas


Flag map of the Philippines.svg Filipinas
História • Política • Subdivisões • Geografia • Economia • Demografia • Cultura • Turismo • Portal • Imagens