Filistinismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O poeta e crítico cultural britânico Matthew Arnold adaptou a palavra alemã Philister para o inglês como a palavra filisteu para indicar anti-intelectualismo.

Nos campos da filosofia e estética, o termo pejorativo filistinismo descreve "os costumes, os hábitos e o caráter, ou o modo de pensar de um filisteu", que se manifesta como uma atitude anti-intelectual, que socialmente subestima e despreza a arte, o belo, o intelecto e a espiritualidade.[1] O filisteu é uma pessoa de mente presunçosa, limitada, que possui uma moralidade convencional, cujos pontos de vista materialistas e gostos indicam falta e indiferença dos valores culturais e estéticos.[2]

Desde o Século XIX, a denotação contemporânea de filistinismo, como o comportamento de quem é "ignorante, mal-comportado, desprovido de cultura, ou da apreciação artística, e preocupado apenas com valores materialistas" deriva de Matthew Arnold, que adaptou para o inglês a palavra alemã Philister, usado por estudantes universitários nas relações antagônicas com os habitantes da cidade de Jena, na Alemanha, onde em 1689, uma briga resultou em várias mortes.

Na sequência, o clérigo da universidade referiu-se ao antagonismo habitante vs. estudante com um sermão admoestatório "Os Filisteus vêm Sobre Ti", elaborado a partir do Livro dos Juízes (Cap. 16, 'Sansão contra os Filisteus'), do Tanakh e do Velho Testamento.[3] Em Word Research and Word History, o filólogo Friedrich Kluge disse que a palavra filisteu originalmente tinha um significado positivo, ao identificar um homem alto e forte, tal como Golias; posteriormente, o significado foi alterado para identificar os "guardas da cidade".[4]

História[editar | editar código-fonte]

Conforme o uso alemão, estudantes universitários aplicam o termo Philister (Filisteu) para descrever uma pessoa que não foi formada na universidade; no contexto social alemão, o termo identifica o homem (Philister) e a mulher (Philisterin) que não pertencem ao conjunto social da universidade.[1]

Em inglês, como um termo descritivo do anti-intelectualismo, a palavra filisteu — a pessoa deficiente na cultura das artes liberais, era corrente o uso britânico na década de 1820, que descrevia o burguês, o comerciante de classe média da Era Vitoriana (1837-1901), cuja riqueza tornava-os indiferentes à cultura. Em Culture and Anarchy: An Essay in Political and Social Criticism (1869), Matthew Arnold disse:

Agora, o uso da cultura é o que nos ajuda, pela forma de que padrão espiritual de perfeição, considerar a riqueza tão somente como maquinário, mas realmente perceber e sentir que é assim. Se não fosse por esse efeito expurgatório em nossas mentes pela cultura, o mundo todo, o futuro, assim como o presente, inevitavelmente pertenceriam aos Filisteus. As pessoas que creem que nossa maior grandeza e bem-estar são providos por nossas riqueza e quem mais dá suas vidas e pensamentos para tornar-se rico, são justamente as pessoas que chamamos de Filisteus. A cultura diz: “Considerem estas pessoas, então, sua maneira de viver, seus hábitos, seus modos, o tom de suas vozes; observem-nos atentamente; observem a literatura que eles leem, as coisas que lhes dão prazer, as palavras que saem de suas bocas, os pensamentos que mobiliam suas mentes; qualquer quantia de riqueza vale com a condição de se tornar como essas pessoas que a têm?”
— Culture and Anarchy (1869) pp. 28–29.

Usos[editar | editar código-fonte]

As denotações e conotações dos termos filistinismo e filisteu evoluíram para descrever de forma consistente a pessoa rude que é hostil à arte, à alta cultura e ao intelectualismo, e que, em seu lugar, prefere viver dentro do materialismo econômico e do consumo conspícuo, considerando-os como as principais atividades humanas.

Século XVII

Enquanto envolvido em uma ação judicial, o escritor e poeta Jonathan Swift (1667-1745), na gíria da sua época, descreveu um rude oficial de justiça como um filisteu, alguém que é considerado um inimigo impiedoso.[1]

Século XVIII

O polímata Johann Wolfgang von Goethe (1749-1832) descreveu a personalidade filisteia, indagando:

Que é um filisteu? Uma tripa oca, cheia de medo e esperança, da qual Deus terá misericórdia!

Na peça do estilo comédia de costumes, Os Rivais (1775), Richard Brinsley Sheridan (1751-1816) identifica um violento aristocrata como 'o filisteu sanguinário, Sir Lucius O'Trigger'.

Século XIX

O filósofo Friedrich Nietzsche (1844-1900), identificou o filisteu como uma pessoa que, por falta de verdadeira unidade, só pode definir estilo no negativo.

Século XX
  • No romance Der Ewige Spießer (O Eterno Filisteu, 1930), o escritor austro-húngaro Ödön von Horváth (1901-1938) ridicularizou a grosseria cultural do filisteu e sua limitada visão de mundo. O filisteu da história é um empresário fracassado, um vendedor de carros usados, que aspira a uma vida de riqueza e ostentação; para concretizar esse desejo, ele procura satisfazer uma mulher rica que vai apoiá-lo, e então embarca numa viagem de trem de Munique para Barcelona para buscá-la na Feira Mundial.
  • Nas Lectures on Russian Literature (1981), no ensaio 'Philistines e Philistinism' o escritor Vladimir Nabokov (1899-1977) descreve o homem e a mulher filisteus:
Uma pessoa adulta cujos interesses são materialistas e comuns, vulgares, baseados no lugar-comum e cuja mentalidade é formada por ideias-padrão, baseadas nas convenções sociais de seu tempo e de sua sociedade. Disse pessoa "adulta" porque a criança ou o adolescente que podem se parecer com pequenos filisteus são apenas pequenos papagaios a imitar o comportamento dos "vulgaristas" adultos e é mais fácil ser um papagaio que uma garça branca. “Vulgarista” é mais ou menos sinônimo de “filisteu”: a ênfase em "vulgarista" não está tanto no convencionalismo de um filisteu, como na vulgaridade de algumas de suas noções convencionais. Eu poderia também usar os termos “polido” e “burguês”. "Polido" implica a vulgaridade refinada, pior do que a simples rudeza. Arrotar diante de alguém pode ser rude, mas dizer “desculpe-me” após um arroto é polido, e assim pior que vulgar. O termo burguês eu uso seguindo Flaubert e não Marx. Burguês, no sentido empregado por Flaubert, é um estado da mente, não do bolso. Um burguês é um filisteu convencido, um vulgarista dignificado... falando em geral, o filistinismo pressupoes um certo estágio avançado de civilização, onde, ao longo das eras, certas tradições amontoaram-se e começaram a feder.[5]
  • Nas Lectures about Litterature (1982), ao falar do romance Madame Bovary (1856), sobre a esposa burguesa de um médico do interior, Nabokov disse que o filistinismo manifesta-se na atitude puritana demonstrada pelo homem ou pela mulher que acusa uma obra de arte de ser obscena.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Webster's New Twentieth Century Dictionary of the English Language – Integral (1951), p. 1260
  2. Colégio Edição: Webster's New World Dictionary of the American Language (1962), p. 1099
  3. Benét do Leitor da Enciclopédia Terceira Edição (1987), p. 759
  4. Friedrich Kluge, Wortforschung und Wortgeschichte
  5. Nabokov, Lectures on Russian Literature, essay Philistines and Philistinism
  6. Nabokov, Palestras sobre Literatura, palestra sobre Madame Bovary

Ligações externas[editar | editar código-fonte]