Final da Taça dos Clubes Campeões Europeus de 1984-85

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Final da Taça dos Clubes Campeões Europeus de 1984–85
Evento Taça dos Clubes Campeões Europeus de 1984–85 (Final)
Data 29 de Maio de 1985
Local Estádio de Heysel, Bruxelas, Bélgica Bélgica
Árbitro Suíça André Daina
Público 58 000

A Final da Taça dos Clubes Campeões Europeus de 1984–85 foi uma partida de futebol da associação entre o Liverpool da Inglaterra e a Juventus da Itália em 29 de Maio de 1985 no Estádio de Heysel, em Bruxelas, na Bélgica. Foi a partida final da temporada de 1984-85 da Taça dos Clubes Campeões Europeus, a principal competição da Europa. O Liverpool era o atual campeão e iria participar da sua quinta final, tendo vencido a competição em 1977, 1978, 1981 e 1984. A Juventus estava a participar da sua terceira final da Taça dos Clubes Campeões Europeus; eles perderam nas suas duas aparições anteriores em 1973 e 1983.

Cada clube precisou passar por quatro rondas para chegar à final. Os jogos foram disputados a duas mãos, com um encontro no terreno de cada equipa. Todos os jogos da Juventus, exceto um, foram vencidos por dois gols ou mais; nas semifinais, eles venceram a equipa francesa do Bordeaux por 3-2 no total. O Liverpool também venceu a maioria dos seus jogos por mais de dois golos, exceto na segunda ronda, quando derrotou o Benfica por 3-2 no total.

A partida é amplamente lembrada pela tragédia ocorrida antes do início do jogo. Os adeptos do Liverpool violaram a cerca que separava os dois grupos de adeptos e atacaram os adeptos da Juventus. O peso resultante do excesso de pessoas fez com que um muro de contenção desabasse, matando 39 pessoas e ferindo centenas. Apesar dos apelos para o cancelamento, o jogo continuou porque se sentiu que mais problemas poderiam ocorrer. A tragédia levou a UEFA a banir os clubes Ingleses do futebol Europeu por cinco anos.

Assistido por uma multidão de 58.000 pessoas, a primeira parte acabou sem golos. A Juventus assumiu a liderança aos 56 minutos, quando Michel Platini marcou de pênalti após Gary Gillespie ter derrubado Zbigniew Boniek na área, embora a falta tenha sido cometida a quase um metro da área e o árbitro estivesse longe da ação.[1] O placar permaneceu o mesmo durante o resto da partida e a Juventus venceu por 1–0, conquistando a sua primeira vitória na Taça dos Clubes Campeões Europeus e tornou-se o primeiro clube a ganhar todos os três grandes troféus europeus (Taça dos Clubes Campeões Europeus / Liga dos Campeões da UEFA, Taça UEFA / UEFA Europa League e Taça das Taças).

Caminho para a final[editar | editar código-fonte]

Itália Juventus Fase Inglaterra Liverpool
Oponente Total 1º jogo 2º jogo Oponente Total 1º jogo 2º jogo
Finlândia Ilves 6–1 4–0 (F) 2–1 (C) Primeira fase Polónia Lech Poznań 5–0 1–0 (F) 4–0 (C)
Suíça Grasshopper 6–2 2–0 (C) 4–2 (F) Segunda fase Portugal Benfica 3–2 3–1 (C) 0–1 (F)
República Checa  Sparta de Praga 3–1 3–0 (C) 0–1 (F) Quartas de final Áustria Austria Viena 5–2 1–1 (F) 4–1 (C)
França Bordeaux 3–2 3–0 (C) 0–2 (F) Semifinal Grécia Panathinaikós 5–0 4–0 (C) 1–0 (F)

Tragédia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Tragédia de Heysel

A zona neutra atribuida aos adeptos belgas foi ocupada em grande parte pelos adeptos da Juventus, muitos dos quais eram da comunidade italiana local.[2] A zona neutra estava na seção Z, no mesmo lado onde estavam os adeptos do Liverpool. Os dois grupos, portanto, ficaram a metros de distância, separados apenas por uma cerca de arame. Por volta das 19h, objectos começaram a ser lançados entre os dois conjuntos de adeptos; como o estádio estava desmoronando, os adeptos podiam pegar em pedras e atirá-las através da divisão.[3]

O lançamento tornou-se mais intenso à medida que o pontapé inicial se aproximava. Momentos depois, um grupo de fãs do Liverpool invadiu a seção Z, fazendo com que os adeptos recuassem. Como eles não tinham para onde ir, eles moveram-se em direção à parede lateral do perímetro. À medida que mais pessoas se moviam contra a parede, ela desabou,[4] o que resultou em 39 mortes e ferimentos para 600 pessoas.[5] Do outro lado do campo, os fãs da Juventus começaram a revoltar-se em retaliação aos eventos da seção Z. Eles avançaram pelo campo em direção aos adeptos do Liverpool mas parados pela polícia. O confronto resultante durou duas horas e ainda estava em andamento quando a partida começou.[6]

O Jogo[editar | editar código-fonte]

Resumo[editar | editar código-fonte]

A partida foi atrasada por mais de uma hora como resultado da tragédia, mas foi jogada porque os oficiais sentiram que abandonar a partida resultaria em mais violência.[7] Aos dois minutos de jogo, o zagueiro do Liverpool Mark Lawrenson foi substituído por Gary Gillespie depois que Lawrenson sofreu uma recorrência de uma lesão no ombro.[1] A Juventus posicionou Zbigniew Boniek no lado direito do campo e Massimo Briaschi no esquerdo. O plano da Juventus era usar o ritmo de Briaschi para ameaçar o lateral do Liverpool, Phil Neal.[8] A primeira oportunidade da Juventus veio aos 30 minutos, quando Antonio Cabrini, avançou da lateral-esquerda, mas o seu remate foi defendido pelo guarda-redes do Liverpool, Bruce Grobbelaar. Liverpool respondeu imediatamente - John Wark recebeu um passe em profundidae de Ronnie Whelan, mas o seu remate foi salvo pelo guarda-redes da Juventus Stefano Tacconi. Minutos depois, o Liverpool teve outra oportunidade, mas o remate de Whelan foi desviado por Tacconi para cima da baliza da Juventus.[8]

A cinco minutos do intervalo, a Juventus conquistou um livre. Boniek, que havia ultrapassado três jogadores do Liverpool numa corrida, foi derrubado fora da área do Liverpool por Wark, que recebeu um cartão amarelo pela falta. O livre resultante não deu em nada e, ao intervalo, o resultado era de 0-0.[8] Quase imediatamente após o reinício, o Liverpool perdeu outro jogador por causa de uma lesão. Paul Walsh esticou-se para alcançar um passe de Neal, agravou uma distensão estomacal e foi substituído por Craig Johnston. A Juventus estava melhor na partida, e aos 56 minutos conquistou um pênalti. Depois de receber uma bola longa de Platini,[1] Boniek novamente saiu disparado para o centro da defesa do Liverpool e foi derrubado por Gillespie. O Liverpool acreditava que a falta tinha sido fora da área, mas o árbitro suíço, a cerca de 25 jardas (22.86 m.) atrás da bola,[8] assinalou o penálti . Michel Platini marcou o penálti subsequente para dar à Juventus uma vantagem de 1-0.[1]

O Liverpool tentou encontrar um caminho de volta para a partida. A 16 minutos do fim, Whelan foi derrubado na área da Juventus por Massimo Bonini, mas o árbitro decidiu que não era falta. O Liverpool criou mais oportunidades perto do final da partida; Tacconi defendeu um remate de Whelan. Wark e Steve Nicol viram os seus cabeceamentos passarem longe da baliza da Juventus.[8] Nenhum outro golo foi marcado e o resultado final foi 1–0 para a Juventus, que ganhou a sua primeira Taça dos Clubes Campeões Europeus e tornou-se o primeiro clube a vencer as três competições sazonais da UEFA, (Taça dos Clubes Campeões Europeus / Liga dos Campeões da UEFA, Taça UEFA / UEFA Europa League e Taça das Taças).[9]

Detalhes[editar | editar código-fonte]

29 de maio de 1985 Juventus Itália 1–0 Inglaterra Liverpool Heysel, Bruxelas

Platini Gol marcado aos 56 minutos de jogo 56' Público: 59.000
Árbitro: Suíça André Daina
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Juventus
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Liverpool
GK 1 Itália Stefano Tacconi
RB 2 Itália Luciano Favero
LB 3 Itália Antonio Cabrini
CM 4 San Marino Massimo Bonini
CB 5 Itália Sergio Brio
SW 6 Itália Gaetano Scirea (c)
RW 7 Itália Massimo Briaschi Substituído após 84 minutos de jogo 84'
CM 8 Itália Marco Tardelli
CF 9 Itália Paolo Rossi Substituído após 89 minutos de jogo 89'
AM 10 França Michel Platini
SS 11 Polónia Zbigniew Boniek
Reservas:
GK 12 Itália Luciano Bodini
DF 13 Itália Nicola Caricola
MF 14 Itália Cesare Prandelli Entrou em campo após 84 minutos 84'
MF 15 Itália Bruno Limido
MF 16 Itália Beniamino Vignola  Entrou em campo após 89 minutos 89'
Treinador:
Itália Giovanni Trapattoni
Juventus-Liverpool 1985-05-29.svg
GK 1 Zimbabwe Bruce Grobbelaar
RB 2 Inglaterra Phil Neal (c)
LB 3 República da Irlanda Jim Beglin
CB 4 República da Irlanda Mark Lawrenson Substituído após 4 minutos de jogo 4'
RM 5 Escócia Steve Nicol
CB 6 Escócia Alan Hansen
CF 7 Escócia Kenny Dalglish
CM 8 República da Irlanda Ronnie Whelan
CF 9 País de Gales Ian Rush
LW 10 Inglaterra Paul Walsh Substituído após 46 minutos de jogo 46'
CM 11 Escócia John Wark Penalizado com cartão amarelo após 38 minutos 38'
Reservas:
DF 12 Escócia Gary Gillespie Entrou em campo após 4 minutos 4'
GK 13 Inglaterra Chris Pile
MF 14 Inglaterra Sammy Lee
MF 15 Dinamarca Jan Mølby
MF 16 Inglaterra Craig Johnston Entrou em campo após 46 minutos 46'
Treinador:
Inglaterra Joe Fagan

Veja também[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. a b c d Lacey, David (29 de Maio de 1985). «Liverpool fade into background». The Guardian. Londres: Guardian News and Media. Consultado em 12 de Abril de 2012 
  2. Hutchings,Nawrat (1995, p. 202)
  3. «The Heysel disaster». BBC News. 29 de maio de 2000. Consultado em 11 de Agosto de 2020 
  4. «1985: Fans die in Heysel rioting». BBC News. 29 de Maio de 1985. Consultado em 3 de Janeiro de 2012 
  5. Hussey, Andrew (3 de Abril de 2005). «Lost lives that saved a sport». The Observer. Consultado em 11 de Agosto de 2020 
  6. «The Heysel Stadium Tragedy». BBC. 30 de abril de 2002. Consultado em 11 de Agosto de 2020 
  7. Graham (1985, p. 55)
  8. a b c d e Miller, David (30 de Maio de 1985). «No winners on night for weeping». The Times. Consultado em 12 de Agosto de 2020 
  9. «1991/92: Ajax complete clean sweep». UEFA.com. União das Associações Europeias de Futebol (UEFA). 1 de Junho de 1992. Consultado em 12 de Agosto de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]