Finitismo temporal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O finitismo temporal é a doutrina de que o tempo é finito no passado. A filosofia de Aristóteles, expressa em obras como sua Física, sustentava que, embora o espaço fosse finito, sendo que o vazio existiria apenas além da esfera mais externa dos céus, o tempo era infinito. Isto causou problemas para filósofos medievais islâmicos, judeus e cristãos, que não conseguiram conciliar a concepção aristotélica do eterno com a história da criação no Gênesis.[1]

Referências

  1. Feldman 1967, pp. 113-37.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Feldman, Seymour (1967). «Gersonides' Proofs for the Creation of the Universe». Proceedings of the American Academy for Jewish Research. 35: 113–37. doi:10.2307/3622478 
Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.