Fita de São Jorge

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A fita de São Jorge (amarrada). O padrão é pensado para simbolizar fogo e pólvora. Acredita-se também que seja derivado das cores do brasão imperial russo original (águia negra sobre um fundo dourado).

A fita de São Jorge (também conhecida como Fita Georgiana) é um símbolo amplamente reconhecido da memória do povo soviético que lutou na Grande Guerra Patriótica, Segunda Guerra Mundial. A fita é composta por um padrão bicolor preto e laranja, com três faixas pretas e duas laranjas. Aparece como um componente de muitas altas condecorações militares concedidas pelo Império Russo e pela atual Federação Russa.

As listras significam o fogo e o nevoeiro da guerra. Embora o símbolo esteja relacionado principalmente à Segunda Guerra Mundial, recentemente se tornou mais associado ao nacionalismo russo. O símbolo foi promovido pelo Estado russo pós-soviético como uma maneira de unificar as pessoas, lembrando e respeitando aqueles que lutaram.

Também foi promovido em 2005 como uma resposta à Revolução Laranja liberal na Ucrânia.[1] [2] Naquele ano, a mídia estatal russa, junto a organizações de jovens, lançaram a campanha antes das comemorações do memorial da Segunda Guerra Mundial.[1]

A fita foi associada a unidades que receberam as honras coletivas da Guarda durante o conflito, devido ao uso do esquema de cores na medalha da vitória da Grande Guerra Patriótica concedida a todos os funcionários, civis ou militares, que se esforçaram na guerra. Na Rússia, a fita de São Jorge também é usada pelos civis como símbolo patriótico e como símbolo de apoio público ao governo russo, especialmente a partir de 2014.[3] Na Ucrânia e nos estados bálticos (Estônia, Letônia e Lituânia), o símbolo se tornou amplamente associado ao sentimento nacionalista e separatista russo.[4]

História[editar | editar código-fonte]

A fita georgiana surgiu como parte da Ordem de São Jorge, estabelecida em 1769 como a mais alta decoração militar da Rússia Imperial (e restabelecida em 1998 por decreto presidencial assinado pelo então presidente da Rússia, Boris Yeltsin). Embora a Ordem de São Jorge normalmente não fosse um prêmio coletivo, a faixa às vezes era concedida a regimentos e unidades que funcionavam brilhantemente durante a guerra e constituíam parte integrante de algumas honras coletivas de batalha (como estandartes e galhardetes). Quando não receberam a Ordem completa, alguns oficiais ilustres receberam espadas cerimoniais, adornadas com a fita georgiana.[5]

"Gold Sword for Bravery" - Prêmio do Império Russo por bravura

Em 1806, bandeiras distintas da Geórgia foram introduzidas como uma nova honra de batalha concedida aos regimentos meritórios da Guarda e da Guarda Leib. A lança em que estas bandeiras foram montadas foi encimada pela cruz de São Jorge e adornada com fitas georgianas de 4,44 cm de largura. Ele permaneceu como o mais alto prêmio militar coletivo do Exército Imperial Russo até a Revolução de 1917. Vale a pena notar que a versão czarista era amarela e negra, não laranja e preta como a versão soviética revivida.[6]

Acredita-se que o simbolismo do laranja e do preto (ou amarelo e preto) represente fogo e pólvora da guerra, ou a morte e ressurreição de São Jorge, ou as cores do brasão imperial russo original (águia negra sobre um fundo dourado).[6] Outra teoria é a de que é, na verdade, de origem alemã, derivada dos padrões e/ou listra negra encontrados na heráldica da Casa da Ascânia, da qual Catarina II se originou, ou no condado de Ballenstedt, o antigo patrimônio da casa.[7]

O título da Guarda Soviética foi introduzido pela primeira vez em 18 de setembro de 1941, de acordo com a decisão da Sede do Supremo Comandante Supremo (em russo: Ставка Верховного Главнокомандующего) e pelo despacho nº 308 do Comissário do Povo de Defesa para os distintos serviços durante a Ofensiva de Yelnya. As divisões 100ª, 127ª, 153ª e 161ª de Rifle foram renomeadas para as 1ª, 2ª, 3ª e 4ª Divisões de Guardas, respectivamente. As unidades e formações nomeadas para o título da Guarda Soviética receberam uma bandeira especial de Guardas de acordo com a decisão do Presidium do Soviete Supremo da União Soviética. Em 21 de maio de 1942, o Presidium do Soviete Supremo da URSS introduziu fileiras de Guardas e emblemas de Guardas para serem usados no lado direito do peito. Ambos incluíram o padrão de fita georgiano. Em junho de 1943, eles introduziram os Guardas Vermelhos para as forças terrestres e em fevereiro de 1944 - para as forças navais. Fitas georgianas adornavam as bandeiras exatamente como no século XIX.[6]

Presidentes da Rússia, China e Quirguistão com fitas de São Jorge durante a Parada do Dia da Vitória de Moscou em 2015
Membros da União antissoviética colaboracionista da juventude russa usam a fita de São Jorge em uma manifestação em Bobruisk (hoje Bielorrússia), 1943

Estabelecida em 8 de novembro de 1943, a Ordem da Glória foi uma ordem da União Soviética. Era concedido a oficiais não comissionados e aos oficiais das forças armadas, bem como aos tenentes juniores da força aérea, por bravura em face do inimigo. A fita da Ordem era de cor laranja com três listras pretas - a mesma que a da Cruz de São Jorge.

Uma das medalhas mais honrosas da União Soviética, a medalha "Pela vitória sobre a Alemanha" (em russo: а победу над Германией, Za pobedu nad Germaniyey) também apresenta listras de São Jorge. Foi concedido a todos os soldados e oficiais que participaram das campanhas da Frente Oriental, e foi o primeiro prêmio a ser universalmente concedido a todos os veteranos, em sua maior parte, logo após o fim da guerra. Depois da guerra pela Medalha do Jubileu "Quarenta Anos de Vitória na Grande Guerra Patriótica 1941-1945" 1945-1985.

A fita - junto com a bandeira tricolor russa e a bandeira da Marinha Russa - também foi usada pelo Exército de Libertação da Rússia anti-soviética que lutou ao lado da Alemanha nazista durante a Segunda Guerra Mundial.[1]

Ação 2005 Georgievskaya Lenta[editar | editar código-fonte]

Em 2005, na comemoração do 60º aniversário do Dia da Vitória, dia 9 de maio, a agência de notícias RIA Novosti e uma organização juvenil cívica lançaram uma campanha que pedia aos voluntários que distribuíssem fitas nas ruas antes do Dia da Vitória.[1][5] Desde então, a fita é usada por civis na Rússia e em outras antigas repúblicas da União Soviética como um ato de comemoração e recordação.[5] Para a nomeação das fitas a forma diminutiva é usada: georgiyevskaya lentochka, "pequena fita de Jorge" (em russo: георгиевская ленточка).[5] Desde 2005, a fita é distribuída todos os anos em toda a Rússia e em todo o mundo na preparação para 9 de maio e é nesse dia amplamente vista em pulsos, lapelas e carros.[2][5] O lema que acompanha é "Nós nos lembramos, estamos orgulhosos!"[5]

Yulia Latynina e outros jornalistas especulam que o governo russo introduziu a fita como uma resposta de relações públicas à Revolução Laranja na Ucrânia, em 2004, na qual os manifestantes adotaram fitas laranja como símbolo.[1][2]

Uso durante a crise ucraniana[editar | editar código-fonte]

Durante os protestos pró-russos na Ucrânia em 2014 foi usado pelos ativistas antimaidanos e pela população pró-russa da Ucrânia (especialmente nas regiões sudeste) como um símbolo do sentimento pró-russo e separatista.[8][9] A fita também é usada por membros do grupo paramilitar da Milícia Popular de Donbass. Ativistas Euromaidan começaram a fazer referência depreciativa à Faixa de São Jorge como o "Laço do Colorado", pois as cores da fita coincidem com as cores de um besouro da batata do Colorado.[9][10] Com o passar do tempo, o termo "Colorado" tem se tornado um insulto étnico para os russos.[11]

Em abril de 2014, os veteranos de Kirovohrad proibiram o símbolo das celebrações do Dia da Vitória "para evitar provocações entre os ativistas de diferentes movimentos". Em vez disso, apenas símbolos do estado ucraniano seriam usados.[12]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e Goncharova, Olena (7 de maio de 2015). «Ukraine breaks from Russia in commemorating victory (em inglês)» 🔗. Kyiv Post. Consultado em 20 de setembro de 2018 
  2. a b c «Russia awash with symbols of WW2 victory (em inglês)» 🔗. BBC News. 8 de maio de 2015. Consultado em 20 de setembro de 2018 
  3. Kashin, Oleg (1 de maio de 2015). «Hunting swastikas in Russia (em inglês)» 🔗. OpenDemocracy.net. Consultado em 20 de setembro de 2018 
  4. Karney, Ihar; Sindelar, Daisy (7 de maio de 2015). «For Victory Day, Post-Soviets Show Their Colors – Just Not Orange And Black (em inglês)» 🔗. Radio Free Europe/Radio Liberty. Consultado em 20 de setembro de 2018 
  5. a b c d e f Korolev, Anatoly (11 de junho de 2007). «National symbolism in Russia: the old and the new (em inglês)» 🔗. RIA Novosti. Consultado em 20 de setembro de 2018 
  6. a b c Rudevich, Alexei (25 de abril de 2014). «Что нужно знать о георгиевской ленте (em russo)» 🔗. Consultado em 20 de setembro de 2018 
  7. Rudevich, Alexei (8 de maio de 2017). «Георгиевская ленточка: победа прихоти над культурой (em russo)» 🔗. Consultado em 20 de setembro de 2018 
  8. Bigg, Claire (6 de maio de 2014). «Kyiv Ditches Separatist-Linked Ribbon As WWII Symbol (em inglês)» 🔗. Radio Free Europe/Radio Liberty. Consultado em 30 de novembro de 2018 
  9. a b Sindelar, Daisy (28 de abril de 2014). «What's Orange and Black and Bugging Ukraine? (em inglês)» 🔗. Radio Free Europe/Radio Liberty. Consultado em 30 de novembro de 2018 
    Ukraine’s Reins Weaken as Chaos Spreads (em inglês), The New York Times (4 de maio de 2014)
    Lyashko in Lviv poured green (em inglês), Ukrayinska Pravda (18 de junho de 2014)
  10. Komsomolets, Moskovskij (30 de março de 2014). «Активистка Майдана: "Это я сожгла три колорадские ленты" (em russo)» 🔗. Consultado em 30 de novembro de 2018 
  11. "Talking Smack About Ukrainians and Russians" (em inglês), The Moscow Times, Acessado em 30 de novembro de 2018
  12. «Кировоградские ветераны отказались от георгиевских лент на 9 мая : Новости УНИАН (em russo)» 🔗. Unian.net. 23 de abril de 2014. Consultado em 30 de novembro de 2018