Fita vermelha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde junho de 2012).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A corda vermelha ou fita vermelha (red string, red ribbon ou red tape em inglês) é uma espécie de amuleto/talismã popularmente associado ao Judaísmo e a Cabala, usado para afastar o infortúnio provocado por um mau-olhado (עין הרע em hebraico). Em yiddish a fita vermelha é chamada de roite bindele.

A corda vermelha em si normalmente é feita a partir de fio de vermelha fino. Ela é usada (normalmente amarrada) como uma espécie de pulseira no pulso esquerdo do utente (o lado de recebimento).

Algumas dessas cordas vermelhas são trazidas de Israel em grande quantidade em torno do túmulo da matriarca bíblica Raquel, perto de Belém. Considera-se que as grandes potências de "boa sorte" dê proteção divina àqueles que a usarem. A maioria dos rabinos não incentivam o uso desta fita.

Tempos contemporâneos[editar | editar código-fonte]

Houve um ressurgimento contemporâneo da corda vermelha no pós-1980, período de Intifadas em Israel. Talvez ela seja melhor entendida como um tipo de folclore criado em condições de angústia pessoal e stress.

O fio vermelho se tornou popular com muitas celebridades, incluindo muitos não-judeus. Liderados por Madonna, aqueles que tomaram a usá-las são: Michael Jackson, Rosie O'Donnell, Ashton Kutcher, Britney Spears, David Beckham, Avril Lavigne, Zac Efron, Vanessa Hudgens, Lauren Conrad, Anthony Kiedis, Márcia Goldschmidt, Pitty e Ariana Grande

Variadas fitas vermelhas[editar | editar código-fonte]