Flâneur

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Paulo Gavarni, Le Flâneur, 1842

Flâneur (pronunciado: [flɑnœʁ]), do substantivo francês flâneur, significa "errante", "vadio", "caminhante" ou "observador". Flânerie é o ato de passear. Flâneur é um quase-sinônimo é boulevardier.

O flâneur era, antes de tudo, um tipo literário do século 19, na França, essencial para qualquer imagem das ruas de Paris. A palavra carregava um conjunto rico de significados correlatos: o homem do lazer, o malandro, a explorador urbano, o conhecedor da rua. Foi Walter Benjamin, baseando-se na poesia de Charles Baudelaire, que fez dessa figura um objeto de interesse acadêmicos no século 20, como um emblemático arquétipo da experiência moderna.[1] Seguindo Benjamin, o flâneur tornou-se um símbolo importante para estudiosos, artistas e escritores.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Charles Baudelaire

Os termos associados à flânerie datam do século 16 ou 17, denotando passear ou vagabundear, em marcha lenta, muitas vezes, com a conotação de gastar tempo. Mas foi no século 19 que um rico conjunto de significados e definições que cercam a noção do flâneur foi criado.[2]

O flâneur foi definido em um longo artigo no Grand dictionnaire universel du XIXe siècle (no 8º volume, 1872). Là, o flâneur foi descrito em termos ambivalentes, tanto como curiosidade quanto preguiça, e apresentou-se uma taxonomia de flânerieflâneurs das avenidas, dos parques, das arcadas, de cafés, além dos flâneurs estúpidos e inteligentes.[3]

Depois disso, o termo assumiu um rico conjunto de significados. Sainte-Beuve escreveu que flâner "é o oposto de não fazer nada". Honoré de Balzac descreveu a flânerie como "a gastronomia do olho".[4] Anaïs Bazin, escreveu que "o único, o verdadeiro soberano de Paris é o flâneur". Victor Fournel, no Ce qu'on voit dans les rues de Paris (O que se vê nas ruas de Paris, 1867), dedicou um capítulo à "arte da flânerie". Para Fournel, não havia nada de preguiça flânerie. Era, sim, uma maneira de compreender a rica variedade da paisagem da cidade.[5]

Na década de 1860, no meio da reconstrução de Paris, sob Napoleão III e o Barão Haussmann, Charles Baudelaire apresentou um memorável retrato do flâneur como o artista-poeta da metrópole moderna:

A multidão é seu universo, como o ar é o dos pássaros, como a água, o dos peixes. Sua paixão e profissão é desposar a multidão. Para o perfeito flâneur, para o observador apaixonado, é um imenso júbilo fixar residência no numeroso, no ondulante, no movimento, no fugidio e no infinito. Estar fora de casa, e contudo sentir-se em casa onde quer que se encontre; ver o mundo, estar no centro do mundo e permanecer oculto ao mundo, eis alguns dos pequenos prazeres desses espíritos independentes, apaixonados, imparciais que a linguagem não pode definir senão toscamente.
Charles Baudelaire
, "O pintor do mundo moderno", orifinalmente publicado em Le Figaro, in 1863. Trecho copiado de Dayane da Silva Nascimento, "Olhares sobre o moderno: a metrópole nas visões de Charles Baudelaire e João do Rio".

Baseando-se em Fournel e em sua análise da poesia de Baudelaire, Walter Benjamin descreveu o flâneur como a figura essencial do espectador urbano moderno, um detetive amador e investigador da cidade. Mais do que isso, seu flâneur era um sinal da alienação da cidade e do capitalismo. Para Benjamin, o flâneur , conheceu o seu fim com o triunfo do capitalismo de consumo.[6]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Gregory Shaya, "The Flâneur, the Badaud, and the Making of a Mass Public in France, circa 1860–1910", American Historical Review 109 (2004), par 10.
  2. Turcot, Laurent (2008). Le promeneur à Paris au XVIIIe siècle. Paris: Gallimard. pp. 10–43. ISBN 2070783669.
  3. "Grand dictionnaire universel", vol. 8, v. flâneur e flânerie.
  4. Flâneurs and the "Gastronomy of the Eye" em Future Lab
  5. Victor Fournel, Ce qu'on voit dans les rues de Paris, p. 268.
  6. Walter Benjamin, Charles Baudelaire: A Lyric Poet in the Era of High Capitalism.