Flinders Petrie

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde Junho de 2008). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Flinders Petrie
Nascimento 3 de junho de 1853
Charlton
Morte 28 de julho de 1942 (89 anos)
Jerusalém
Cidadania Reino Unido
Ocupação egiptólogo, arqueólogo
Prêmios membro da Royal Society
Empregador University College London
Religião Anglicanismo

Sir William Matthew Flinders Petrie (Charlton, 3 de junho de 1853Jerusalém, Mandato Britânico da Palestina, 28 de julho de 1942) foi um arqueólogo e egiptólogo britânico nascido em Charlton, próximo a Greenwich, Londres, um pioneiro de metodologia sistemática em arqueologia que inventou um método para reconstituir a seqüência de acontecimentos históricos em culturas antigas.[1]

Neto de Capitão Matthew Flinders, explorador das costas de Austrália, e filho de um agrimensor, foi educado em casa pelos próprios pais e que tiveram grande influência na sua carreira. Depois de inspecionar monumentos pré-históricos britânicos, inclusive Stonehenge, viajou para o Egito (1880) para inspecionar a grande pirâmide de Gizé e desenvolver escavações em vários locais arqueológicos, como Abidos e Amarna. Depois de realizar um expressivo trabalho nas pirâmides e templos de ´Giza, e ser conhecido especialmente pelas escavações em Memfis e Tebas (1881), nos montes de Tanis e Naucratis, foi recomendado ao Egypt Exploration Fund, hoje Egypt Exploration Society, para suceder o arqueólogo Edouard Naville. Voltou ao Egito (1884) para começar suas escavações e unindo estilos de cerâmica com períodos, ele criou um método novo por estabelecer a cronologia de um local. Foi o primeiro Edwards Professor de Egyptian Archaeology and Philology na University College, Londres (1892-1933). Esta cadeira tinha sido fundada por Amélia Edwards, seu grande suporte de admiração. Ele continuou escavando no Egito depois de se tornar professor, enquanto treinava futuros e grandes arqueólogos. Vendeu a sua grande coleção de antiguidades egípcias (1913) para a University College, Londres, hoje no Petrie Museum of Egyptian Archaeology. Foi nomeado Cavaleiro (1923) por seus serviços prestados a arqueologia britânica e egiptologia e deixou o Egito pela Palestina (1926), onde escavou uma série de locais de fronteira entre o Egito e Canaã. Foi autor de mais de 100 livros e um pioneiro no ensino da arqueologia e morreu em Jerusalém (1942) e enterrado no cemitério protestante de Monte Zion.

Referências