Flora Encantada

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Flora Encantada
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero Aventura
Infanto-juvenil
Educativo
Estado Finalizada
País de origem  Brasil
Idioma original (em português)
Produção
Roteirista(s) Mariana Caltabiano
Fabiana Igrejas
Adriana Avellar
Luiz Carlos Góes
Rodrigo Murat
Sérgio Melo
Cristiane Dantas
Elenco Angélica
Fernanda Lobo
Leonardo Miggiorin
Exibição
Emissora de televisão original Brasil Rede Globo
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 11 de outubro de 1999 - 17 de março de 2000
Cronologia
Caça Talentos
Bambuluá
Programas relacionados Angel Mix

Flora Encantada é uma novela brasileira infantil que estreou no dia 11 de outubro de 1999, e era transmitida às 10:30 na Rede Globo.[1]

O programa era exibido dentro do "Angel Mix", programa apresentado por Angélica, que interpretava a protagonista da série.

Foi reexibida pelo Canal Viva de 14 de abril de 2014 a 10 de fevereiro de 2015, substituindo Caça-Talentos e sendo substituída por Sandy & Junior, ao 12h30.

Produção[editar | editar código-fonte]

A produção se tratava de uma novelinha ecológica que transmitia noções de cidadania, preservação da natureza, qualidade de vida, cidadania e solidariedade.

A implantação e supervisão da série estavam a cargo da Diretoria de Desenvolvimento de Projetos, sob o comando de Roberto de Oliveira, e fazia parte de um projeto da Rede Globo para criar produtos nacionais de meia hora de duração, que buscassem o equilíbrio entre divertimento e educação, era o chamado Edutaintment. O programa contava com oito bonecos confeccionados e manipulados pela equipe de Quiá Rodrigues e Renato Spinelli. Divertidos e coloridos, os bonecos encantaram não apenas pela aparência (foram bem confeccionados pelos autores dos bonecos do extinto TV Colosso) mas também por suas manias e peculiaridades.

Os cenários, criados por Fumi Hashimoto, apresentavam três ambientes diferentes: a floresta, a sede da reserva e a casa da bruxa Gana Ganância. Tudo fazia referencia aos desenhos animados e aos elementos de pop art, o que deu um visual diferenciado ao programa.

Quando estreou, Flora Encantada apresentava duas a três histórias curtas e independentes por dia, seguindo o formato dos desenhos animados. A partir de 21 de fevereiro de 2000, no entanto, as histórias passaram a ser semanais, acelerando o ritmo do programa. Apesar disso no mês seguinte o programa deixou de ser exibido em março de 2000.

Enredo[editar | editar código-fonte]

A trama de Flora Encantada centrava na personagem Flora, vivida por Angélica, uma menina que herda do avô uma reserva ecológica localizada no meio de uma grande cidade. Para defender sua reserva dos impulsos destrutivos da bruxa Gana Ganância (Fernanda Lobo) e seus aliados, Flora conta com a ajuda de seus amigos que eram o adolescente Gafa (Leonardo Miggiorin) e o índio Mirim (Cambiro), que tinha um apelo especialíssimo: era um indiozinho de verdade, de 9 anos de idade, vindo de uma reserva guarani no Espírito Santo. Eles unem forças a fim de preservar sua floresta.

Além desses, o programa contava com os bonecos Tanachata, uma tanajura estressada; Toupeira, que usa um chapéu de escavador de mina; Joaninja, uma joaninha mensageira; Flores Cantoras, três flores que cantam provérbios; e Traça & Papa, uma dupla de traças, auxiliares de Gana Ganância. Com o tempo, outros bonecos entraram na trama como o macaco Bananico e o Morcegão.

O infantil reservava ainda um espaço para a participação de convidados.

Elenco[2][editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Ana Lee (10 de outubro de 1999). «Angélica estréia novelinha ecológica». Folha de S. Paulo. Consultado em 23 de junho de 2015. 
  2. «Flora Encantada». Teledramaturgia 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]