Floresta Fóssil de Gilboa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2015). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A Floresta Fóssil de Gilboa, Nova York, EUA, é chamada de a floresta mais antiga da Terra.[1] Localizada próxima à Barragem de Gilboa, uma pequena cidade no oeste do Condado de Schoharie, no estado de Nova York, a região contém troncos fossilizados do período Devoniano, que ocorreu há cerca de 380 milhões de anos. Os fósseis, alguns dos poucos restantes deste tipo no mundo, são os restos de algumas das primeiras florestas terrestres. O local é de grande interesse e valor para paleobotânicos desde 1920 quando a cidade de Nova York começou o projeto de águas para abastecer a cidade e começou a escavar a barragem. As escavações descobriram uma grande área com grandes troncos compondo uma floresta fóssil, alguns expostos no site da barragem e no Museu do Estado de Nova York, em Albany.

Fósseis de Gilboa

No mundo do Devoniano, Gilboa estava localizada na margem de um grande mar. Era um mundo tropical situado, aproximadamente, ao sul da linha do equador, onde hoje é a parte sul de Nova York e o oeste da Pensilvânia. Plantas arbóreas cresciam junto às margens, onde recebia chuva e vento e, ocasionalmente, tempestades que derrubavam e enterravam os troncos. Este processo acabava por preservar a forma original da planta.

História[editar | editar código-fonte]

Ninguém sabia da existência da floresta fossilizada até que em 1850 um naturalista amador encontrou um molde de arenito com um tronco fossilizado do Devoniano em Schoharie Creek, perto de Gilboa, após uma grande enchente. As amostras foram enviadas para o Canadá onde foram descritos e ilustrado por John W. Dawson, da Universidade McGill. Era a primeira descoberta de troncos fossilizados documentada na América do Norte.[2]

Até 2007, as copas das árvores e sua morfologia geral eram desconhecidos. William Stein, professor associado de ciências biológicas na Universidade Binghamton e seus colegas do Museu do Estado de Nova York em Albany, Nova Iorque e Universidade de Cardiff no Reino Unido descobriram uma árvore intacta com mais de 8 metros de altura e com um sistema de ramos frondosos, mas sem folhas, resultando em uma forma que lembra a do xaxim ou da palmeira.[3] Estes resultados ajudaram a determinar que Eospermatopteris pertence à classe das cladoxylopsida, que eram grandes plantas vasculares com uma morfologia espetacular para o seu tempo. Uma das razões para os cientistas serem tão fascinados por essas árvores é que elas fizeram parte da arborização original da superfície do planeta. Esse processo trouxe grandes impactos para o clima global, para o ciclo do carbono e definiu como os organismos evoluiriam nestes ecossistemas.

O Devoniano apresenta-se como um período de transição de um mundo predominantemente marinho para um mundo com terrestre. As plantas começaram a evoluíram e se espalharam pela superfície, alterando o clima para sempre. O planeta se oxigenou devido a evapotranspiração das vegetação. Dr. Berry, da Universidade de Cardiff, na Escola de Ciência da Terra, Oceânicas e Planetárias disse: "Este foi também um momento significativo na história do planeta. A ascensão das florestas removeu uma grande quantidade de dióxido de carbono da atmosfera. Isso fez com que as temperaturas do planeta caíssem, tornando-o muito semelhante à sua condição atual."

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Cientistas descobrem fósseis da floresta mais antiga do planeta». Veja. 2 de março de 2012. Consultado em 15 de Junho de 2015 
  2. «THE GILBOA FOSSILS». Museu de Gilboa. 2 de março de 2012. Consultado em 15 de Junho de 2015 
  3. Stein, WE; Mannolini, F; Hernick, LV; Landing, E; Berry, CM (19 de abril de 2007). «Giant cladoxylopsid trees resolve the enigma of the Earth's earliest forest stumps at Gilboa.». Nature. 446 (7138): 904–7. PMID 17443185. doi:10.1038/nature05705 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  1. Staff Writers, Binghamton, NY (SPX) Apr 23, 2007, Mystery Of Oldest Trees Unraveled
  2. Geoff Ryan (718/595-6600), September 25, 2000, Rare Fossil Trees To Be Moved To New Site In Gilboa [1]
  3. Staff Writers, Cardiff. NY (SPX) Apr 20,2007, Mystery of Fossilized Trees Is Solved
  4. Michael Hill, Albany, NY (AP) June 3, 2007, Fossilized tree found in N.Y. [2]
  5. Rachel Coker, Binghamton Univ.,NY April 19, 2007, Volume 28, No.27., Faculty member helps unravel mystery of Earth's oldest forest [3]
  6. Maria Guimarães, São Paulo (SP) Agosto, 2013. Revista Pesquisa FAPESP - É pau, é pedra
  7. Carvalho, Ismar de Souza. Paleontologia. Volume 1, 2ª Edição. Rio de Janeiro: Editora Interciência, 2004. 1119pp. ISBN 85-7193-107-0
  8. Paleocast, por Dave Marshall - 1º outubro, 2012 Episode 4 The fossil forests of Gilboa

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Floresta Fóssil de Gilboa