Floresta Nacional Mário Xavier

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A Floresta Nacional Mário Xavier está localizada no estado do Rio de Janeiro, no município de Seropédica. Foi legalmente criada em 1986 pelo Decreto Federal nº 93369 e abrange uma área de aproximadamente 493 hectares. Abriga em seus limites o fragmento florestal nativo mais significativo do município, ameaçado constantemente pelos incêndios e pelo pastoreio sem controle. É administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Tem uma parte de sua área derrubada, devido a construção do Arco Metropolitano, onde durante as obras foram interrompidas devido ao Habitat natural da quase extinta especie Physalaemus soaresi, tambem conhecida como rãzinha

"Como pesquisador brasileiro, parabenizo aqui

o IBAMA por sua preocupação com as espécies vulneráveis ameaçadas de extinção. Uma espécie de perereca, de rã ou de sapo pode conter informações valiosíssimas para salvar a vida de muita gente e a sua proteção e conservação é sempre muito mais importante para o ser humano do que um viaduto, um túnel, uma estrada. Nesta oportunidade, venho alertar as autoridades sobre o problema de extinção de uma espécie de rã que pode vir a acontecer aqui no estado do Rio de janeiro, mais precisamente em Seropédica. Na Floresta Nacional Engenheiro Mario Xavier ou FLONAMAX. Trata-se de uma área florestada não muito extensa mas representativa da vegetação que outrora ocorria nas margens do Rio Guandu, e que abriga uma significativa fauna. Lá ocorrem cerca de 30 espécies diferentes de anfíbios, inclusive uma pequena rã que eu descobri e batizei com o nome de Physalaemus soaresi. Esse anfíbio tem uma voz muito característica e que pode ser ouvida a uma centena de metros. Contudo nem eu nem outros pesquisadores em anfíbios já conseguimos ouvir seu canto em qualquer outro local. Por sua ocorrência em área tão restrita, a espécie em questão é considerada muito ameaçada e figura como tal nos livros atuais sobre espécies ameaçadas de extinção, no estadual, no nacional e no Internacional. Pelas nossas leis, ela já não pode mais ser capturada por ninguém, nem mesmo por mim que descobri e batizei a espécie. O problema é que o projeto do Arco Metropolitano do Rio de Janeiro, incluído no PAC, pretende passar exatamente sobre o FLONAMAX acabando com a flora e a fauna nativa da região, fazendo desaparecer pra sempre o Physalaemus soaresii...’

Muito Obrigado.]"[1]

Antes, desde 1945, era conhecida pela alcunha de Horto Florestal de Santa Cruz, gerenciado pelo Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal. É a única reserva ambiental da sua categoria no estado do Rio de Janeiro, vinculada hoje à administração do Parque Nacional da Serra dos Órgãos.

A Flona Mario Xavier é situada em extensa planície conhecida como Baixada de Sepetiba, próximo à área de contato entre a planície litorânea e os planos do interior. Apresenta relevo suave e quase plano, com ondulações tipo "meia laranjas".

Integra a Bacia Hidrográfica do Rio Guandu. É atravessada por dois córregos perenes: Valão da Draga e Vala dos Bois, sendo os dois contaminados por moradias próximas

Neste mesmo local, localiza-se a CETAS, Centro de Triagem de Animais Silvestres do Ibama

Referências

  1. «Rural Semanal» (PDF). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro 
Ícone de esboço Este artigo sobre Unidades de Conservação da Natureza é um esboço relacionado ao Projeto Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.