Floresta ombrófila densa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde fevereiro de 2008). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.
Floresta ombrófila perenifólia.

Floresta ombrófila densa (também chamada floresta tropical pluvial) é um tipo de vegetação caracterizado como mata perenifólia (ou sempre verde) cujo dossel é de até 50 m, com árvores emergentes de até 40 m de altura. Possui densa vegetação arbustiva, composta por samambaias, arborescentes, bromélias e palmeiras. As trepadeiras e epífitas (bromélias e orquídeas), bem como os cactos e as samambaias também são muito abundantes. Nas áreas úmidas - às vezes, temporariamente encharcadas, antes da degradação promovida pela ação antrópica -, ocorriam figueiras, jerivás (palmeira) e palmitos (Euterpe edulis).

O termo "floresta ombrófila densa", criado por Ellemberg & Mueller-Dombois (1967)[1] substituiu o termo "pluvial" (de origem latina) por "ombrófila" (de origem grega), ambos com o mesmo significado: "amigo das chuvas". Sua principal característica ecológica reside nos ambientes ombrófilos, relacionada com os índices termo-pluviométricos mais elevados da região litorânea e da Amazônia. A precipitação bem distribuída durante o ano, determina uma situação bioecológica praticamente sem período seco (0 a 60 dias no ano).

Pela classificação de Ellemberg & Mueller-Dombois (1967) sabemos que este tipo de vegetação é uma:

  • classe de formação: floresta
    • subclasse de formação: ombrófila - de clima com no máximo 4 meses secos no ano
      • subgrupo de formação: densa - fisionomia

No Brasil, ocorre tanto na região da Amazônia quanto na Mata Atlântica (na qual também é chamada "mata de encosta",[2]).

Tipos[editar | editar código-fonte]

Tem cinco divisões, com fisionomias diferentes, de acordo com o IBGE (2012):[3]

  1. floresta ombrófila densa aluvial: mata ciliar, tanto no rio Amazonas como em outras bacias hidrográficas em todo o Brasil
  2. floresta ombrófila densa das terras baixas: geralmente costeira, ocorre da Bahia até o Rio Grande do Sul com formação florística diversa da encontrada nos estados mais ao sul
  3. floresta ombrófila densa submontana: de solo mais seco, apresenta dossel de alto porte, até 50 m na Amazônia e 30 no resto do país
  4. floresta ombrófila densa montana: dossel uniforme de cerca de 20 m, ocorre de 600 a 2000 m na Amazônia e 500 a 1500 m no resto do país
  5. floresta ombrófila densa altomontana: mata nebular

Referências

  1. Ellenberg, H. & D. Mueller-Dombois. 1967. Tentative physiognomic-ecological classification of plant formations of the Earth [based on a discussion draft of the UNESCO working group on vegetation classification and mapping.] Berichte des Geobotanischen Institutes der Eidg. Techn. Hochschule, Stiftung Rübel, Zürich 37 (1965-1966): 21—55, [1].
  2. Floresta Atlântica (ecossistemas do Brasil)
  3. IBGE (2012). Manual Técnico da Vegetação Brasileira. 2a ed. Rio de Janeiro: IBGE. Disponível em: [2].

Ver também[editar | editar código-fonte]