Floresta paludosa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Floresta paludosa em Bauru, SP.

As florestas paludosas ou matas paludosas são um tipo de vegetação caracterizado pela presença des solos hidromórficos, ou seja, solos com alta concentração de água entre as partículas que o constituem. Apresentam biodiversidade relativamente baixa em comparação a outros tipos de vegetação brasileiros[1].

Ocorrência[editar | editar código-fonte]

Sua distribuição geográfica é ampla, podendo ser encontrada em vastas extensões do Brasil.

No interior, a floresta paludosa tem influência fluvial. São florestas paludosas ribeirinhas, sobre solo permanentemente encharcado, com fluxo constante de água superficial dentro de pequenos canais com certa orientação de drenagem, mesmo que pouco definida.[2]

Já no litoral, ocorrem as florestas paludosas de restinga (influência marinha), e as florestas paludosas de mangues (influência fluviomarinha). No litoral de São Paulo, são popularmente conhecidas por "caixetais", em virtude da predominância da árvore caixeta (Tabebuia cassinoides) e pouca variedade de flora.[3][1]

Terminologia[editar | editar código-fonte]

A terminologia usada para as formações com influência da água permanente no solo incluem:[4]

  • florestas de brejo (Torres et al., 1994; Ivanauskas et al. 1997);[5]
  • floresta de formações pioneiras (IBGE, 1993);[6]
  • florestas higrófilas (Toniato et al., 1998);[7]
  • florestas latifoliadas higrófilas com inundação quase permanente (Leitão Filho, 1982);[8]
  • floresta paludosa, que engloba as matas de brejo (Lindman, 1906, Fernandes e Bezerra, 1990);[9][10][11]
  • floresta de várzea (Bertoni e Martins, 1987).[12]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b EMBRAPA. Sistema de gestão territorial da ABAG/RP. Acesso em 19 dez. 2014.
  2. Rodrigues, R.R. Uma discussão nomenclatural das florestas ciliares. In: Rodrigues, R.R. & Leitão Filho, H. de F. (ed.) Matas Ciliares: conservação e recuperação. 3a. ed. São Paulo: EDUSP/FAPESP, 2004. p.91-99. link.
  3. Pinto Sobrinho, F. A. Aspectos florísticos de uma floresta paludosa sobre a planície costeira do rio Guaratuba, Bertioga (SP). Anais do X Congresso de Ecologia do Brasil. 16 a 22 de Setembro de 2011. São Lourenço, MG.
  4. Rodrigues, R. R. 1999. A vegetação de Piracicaba e municípios do entorno. Circular Técnica IPEF, n. 189, p. 1-17, [1].
  5. Torres, R.B.; Matthes, L.A.F.; Rodrigues, R.R. Florística e estrutura do componente arbóreo de uma mata de brejo em Campinas, SP. Revista brasileira de botânica, v.17, n.2, p.189-194, 1994.
  6. IBGE. Mapa de vegetação do Brasil. Rio de Janeiro, 1993, [2].
  7. Toniato, M.T.Z; Leitão Filho, H.F.C.; Rodrigues, R.R. Fitossociologia de um remanescente de floresta higrófila (mata de brejo) em Campinas, SP. Revista brasileira de botânica, v.21, n.2, p.197-210, 1998.
  8. Leitão Filho, H.F. Aspectos taxonômicos das florestas do Estado de São Paulo. Silvicultura em São Paulo, v.16A, parte 1, p. 197-206, 1982.
  9. Lindman, C.A.M. (1906). A Vegetação no Rio Grande do Sul (Brasil Austral). Trad. de A. Loefgren. Porto Alegre: Universal.
  10. Fernandes, A.G. & Bezerra, P. (1990). Estudo fitogeográfico do Brasil. Stylus Comunicações, Fortaleza, [3].
  11. GUIDELLI, R. V. Dinâmica da vegetação de uma floresta paludosa no município de Rio Claro - SP. 2011. 32 f. Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências de Rio Claro, 2011. link.
  12. Bertoni, J.E.; Martins, F.R. Composição florística e estrutura fitossociológica de uma floresta ripária na Reserva Estadual de Porto Ferreira, SP. Acta Botanica Brasilica, v.1, n.1, p.17-26, 1987.


Ícone de esboço Este artigo sobre geografia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.