Floriano Peixoto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Floriano Vieira Peixoto)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura outros significados de Floriano Peixoto, veja Floriano Peixoto (desambiguação).
Marechal do Exército Brasileiro Coat of arms of the Brazilian Army.svg
Floriano Peixoto
2Presidente do Brasil
Período 23 de novembro de 1891
a 15 de novembro de 1894
Antecessor(a) Deodoro da Fonseca
Sucessor(a) Prudente de Morais
1.º vice-presidente do Brasil
Período 26 de fevereiro de 1891
a 23 de novembro de 1891
Sucessor(a) Manuel Vitorino
Ministro da Guerra do Brasil
Período 19 de abril de 1890
a 22 de janeiro de 1891
Antecessor(a) Eduardo Wandenkolk
Sucessor(a) Antônio Falcão da Frota
Presidente da Província de Mato Grosso
Período 13 de setembro de 1884
a 5 de outubro de 1885
Antecessor(a) Manuel Lobo d'Eça
Sucessor(a) José Ramos Ferreira
Dados pessoais
Nome completo Floriano Vieira Peixoto
Nascimento 30 de abril de 1839
Maceió, Alagoas
Morte 29 de junho de 1895 (56 anos)
Barra Mansa, Rio de Janeiro
Nacionalidade brasileiro
Cônjuge Josina Peixoto (1872–1895)
Filhos 8
Profissão militar
Assinatura Assinatura de Floriano Peixoto
Serviço militar
Serviço/ramo Exército Brasileiro
Anos de serviço 1861–1889
Graduação Marechal.gif Marechal
Batalhas/guerras

Floriano Vieira Peixoto (Maceió, 30 de abril de 1839Barra Mansa, 29 de junho de 1895) foi um militar e político brasileiro, primeiro vice-presidente e segundo presidente do Brasil, cujo governo abrange a maior parte do período da história brasileira conhecido como República da Espada.[1]

Nascido em uma família muito pobre, mudou-se para o Rio de Janeiro aos 16 anos para completar o curso secundário. Em 1858, ingressou na Escola Militar do Rio de Janeiro, declarado segundo-tenente quando da conclusão do curso, em 1861. Membro e posteriormente comandante do 1º Batalhão de Voluntários da Pátria durante a Guerra do Paraguai, participou de importantes episódios do conflito, como as batalhas de Tuiuti, Itororó, Lomas Valentinas e Angostura. Em 1870, retorna à capital e conclui o bacharelado em ciências físicas e matemáticas. Assumiu o cargo de presidente da província de Mato Grosso em 1884, ficando na posição por pouco mais de um ano. Foi um participante ativo da Proclamação da República, recusando-se a comandar a resistência imperial ao golpe de Estado republicano. Ascendendo ao posto mais alto do Exército Brasileiro em 1890, tornou-se Ministro da Guerra no mesmo ano. Eleito vice-presidente em fevereiro de 1891, torna-se presidente do Brasil em novembro do mesmo ano, face à renúncia do então presidente Deodoro da Fonseca, em meio a uma grave crise política.[2]

Seu governo foi marcado por um intenso clima de rebeliões.[1][3] Em 1892, foi publicado o Manifesto dos 13 generais, que tinha por finalidade contestar a legitimidade do governo de Floriano — constitucionalmente, ele deveria convocar novas eleições, em vez de assumir a presidência até o término do mandato de Deodoro.[4] A Segunda Revolta da Armada, resultado de diversos conflitos entre o Exército e a Marinha, e a Revolução Federalista, crise política de ideais federalistas que buscavam depor o governador gaúcho Júlio de Castilhos, eclodiram ambos em 1893. Floriano debelou estes conflitos violentamente, consolidando-se no poder, o que lhe fez ganhar a alcunha de "Marechal de Ferro".[1][3] O culto à sua personalidade, denominado florianismo, foi o primeiro fenômeno político de expressão focalizado em torno da figura de um personagem republicano no Brasil.[5] Em sua homenagem, a então cidade de Desterro foi renomeada Florianópolis.[6] Floriano morreu em 1895, um ano após deixar a presidência, vítima de uma esclerose hepática hipertrófica.

Origem e carreira político-militar[editar | editar código-fonte]

Floriano Vieira Peixoto nasceu no engenho de Riacho Grande, em Ipioca, distrito da cidade de Maceió, no dia 30 de abril de 1839, um dos dez filhos de Manuel Vieira de Araújo Peixoto e de Ana Joaquina de Albuquerque Peixoto.[7][8] De família pobre, foi entregue, ainda recém-nascido, ao padrinho e tio, o coronel José Vieira de Araújo Peixoto, por quem foi criado. José tinha melhores condições financeiras para criá-lo, sendo um senhor de engenho local e influente político provincial. Estudou em regime de internato no Colégio Espírito Santo, em Maceió, até completar os estudos primários. Aos 16 anos, em 1855, mudou-se para o Rio de Janeiro para fazer os estudos secundários no Colégio São Pedro de Alcântara.[2][9]

O ingresso na carreira militar se deu dois anos depois, em 1º de maio de 1857, quando assentou praça como soldado voluntário no 1º Batalhão de Artilharia a Pé. No ano seguinte, aos 19 anos de idade, matriculou-se na Escola Militar do Rio de Janeiro, concluindo o curso em 1861, declarado segundo-tenente e integrando o Corpo de Artilharia. Com a eclosão da Guerra do Paraguai, Floriano foi para o Rio Grande do Sul em maio de 1865 juntamente com o 1º Batalhão de Voluntários da Pátria, denominação dada às unidades militares criadas em 1865 pelo Império do Brasil para reforçar o efetivo das forças militares do Exército Brasileiro na guerra.[10][11] Participou, até o fim do conflito, das batalhas mais importantes da guerra, tais como as de Tuiuti, Itororó, Lomas Valentinas e Angostura. Ao término da guerra, foi promovido a tenente-coronel em 9 de abril de 1870.[2]

O então coronel Floriano Peixoto em 1881, ano em deixou o comando do Arsenal de Guerra de Pernambuco.[2]

Retornou à capital em 1870 para completar seu bacharelado em ciências físicas e matemáticas, concluindo a disciplina de mineralogia, única que restava para concluir o curso. Dois anos depois, em 11 de maio, casou-se com a filha de seu pai adotivo Josina Vieira Peixoto, no engenho de Itamaracá, perto de Murici, Alagoas, com quem viria a ter oito filhos.[2][12]

Em 18 de abril de 1874 foi promovido a coronel e nomeado comandante do 3.º Regimento de Artilharia a Cavalo, posto que ocupou até 1878. Comandou o Arsenal de Guerra de Pernambuco de 1879 a 1881, cuja missão era inspecionar as unidades militares da região Nordeste.[2]

No dia 13 de setembro de 1884, Floriano foi nomeado comandante das armas e presidente da província de Mato Grosso, com apoio do Partido Liberal, sucedendo ao Marechal Manuel de Almeida Lobo d'Eça. Ficou cerca de um ano no cargo, e, durante seu governo, apoiou a indústria extrativa do mate e adotou uma política de repressão a índios que ameaçavam Cuiabá. Quando o Barão de Cotegipe, do Partido Conservador, torna-se Presidente do Conselho de Ministros, em 1885, este nomeia José Joaquim Ramos Ferreira, então vice-presidente da província, como sucessor de Floriano.[1][2]

No dia da Proclamação da República, encarregado da segurança do ministério do Visconde de Ouro Preto, Floriano se recusou a atacar os revoltosos e assim justificou sua insubordinação, respondendo ao Visconde de Ouro Preto:

Sim, mas lá (no Paraguai) tínhamos em frente inimigos e aqui somos todos brasileiros!
Floriano Peixoto.[13]

Em seguida, aderindo ao movimento republicano, Floriano Peixoto deu voz de prisão ao chefe de governo, Visconde de Ouro Preto.

Após a Proclamação da República, assumiu a vice-presidência de Deodoro da Fonseca durante o Governo Provisório, sendo depois eleito vice-presidente constitucional e assumiu a presidência da república em 23 de novembro de 1891, com a renúncia do marechal Deodoro. O êxito dos planos de Deodoro dependia da unidade das Forças Armadas o que não ocorria na gestão anterior.

Presidência da República[editar | editar código-fonte]

Resultado do manifesto político assinado por 13 generais: reformas e promoções em penca.

O marechal Floriano encarnava uma visão da República não identificada com as forças econômicas dominantes. Pensava construir um governo estável, centralizado, nacionalista, baseado sobretudo no exército e na mocidade das escolas civis e militares ("República da Espada"). Essa visão chocava-se com a da chamada "República dos Fazendeiros", liberal e descentralizada, que via com suspeitas o reforço do Exército e as manifestações da população urbana do Rio de Janeiro. Mas, ao contrário do que se poderia prever, houve na presidência de Floriano um acordo tácito entre o presidente e o PRP (Partido Republicano Paulista). As razões básicas para isso foram os riscos, alguns reais, outros imaginários, que corria o regime republicano. A elite política de São Paulo via na figura de Floriano a possibilidade mais segura de garantir a sobrevivência da República, a partir do poder central. Floriano, por sua vez, percebia que sem o PRP não teria base política para governar. Seu governo teve grande oposição de setores conservadores, como a publicação do Manifesto dos 13 generais. A alcunha de "Marechal de Ferro" devia-se à sua atuação enérgica e ditatorial, pois agiu com determinação ao debelar as sucessivas rebeliões que marcaram os primeiros anos da República do Brasil. Recebeu também o título de "Consolidador da República".

Marechal Floriano Peixoto, ca. 1891.

Entre as revoltas ocorridas durante seu período, destacam-se duas Revoltas da Armada no Rio de Janeiro, chefiadas pelo almirante Saldanha da Gama, e a Revolução Federalista no Rio Grande do Sul.[14] A vitória de Floriano sobre essa segunda revolta gerou a ainda controversa mudança de nome da cidade de Nossa Senhora do Desterro, para Florianópolis ("Cidade Floriana") em Santa Catarina.

Em seu governo determinou a reabertura do Congresso e, entre outras medidas econômicas em decorrência dos efeitos causados pela crise financeira gerada pelo estouro da bolha financeira do encilhamento, o controle sobre o preço dos gêneros alimentícios de primeira necessidade e os aluguéis.[15]

Apesar da constituição versar no artigo 42 novas eleições quando o presidente renunciasse antes de dois anos, Floriano permaneceu em seu cargo, alegando que a própria constituição abria uma exceção, ao determinar que a exigência só se aplicava a presidentes eleitos diretamente pelo povo, assumindo assim o papel de consolidador da República.

Floriano Peixoto entregou o poder em 15 de novembro de 1894 a Prudente de Morais, falecendo um ano depois, em sua fazenda. Deixou um testamento político:

" [....] A mim me chamais o consolidador da República. Consolidador da obra grandiosa de Benjamin Constant e Deodoro são o exército nacional e uma parte da armada, que a Lei e às instituições se conservaram fiéis. 

Consolidador da República é a guarda nacional, são os corpos de polícia da Capital e do estado do Rio, batendo-se com inexcedível heroísmo e selando com o seu sangue as instituições proclamadas pela Revolução de 15 de novembro.

Consolidador da República é a mocidade das escolas civis e militares derramando o seu sangue generoso para com ele escrever a página mais brilhante da história das nossas lutas.

Consolidador da República, finalmente, é o grande e glorioso partido republicano, que, tomando a forma de batalhões patrióticos, praticou tais e tantos feitos de bravura, que serão ouvidos sempre com admiração e respeito pelas gerações vindouras.

São esses os heróis para os quais a Pátria deve volver os olhos, agradecida.

À frente de elementos tão valiosos, não duvidei, um momento sequer , do nosso triunfo, e, pedindo conselhos a inspiração e a experiência e procurando amparo no sentimento da grande responsabilidade que trazia sobre os ombros tive a felicidade de poder guiar os nossos no caminho da vitória. [....] " – Floriano Peixoto.

A Vigência do Estado de Sítio[editar | editar código-fonte]

Sua face em uma moeda de 2000 réis de 1939.
Quadro do Marechal Floriano Peixoto por Rosalvo Ribeiro. Palácio Floriano Peixoto em Maceió.

Consta que Floriano Peixoto lançou uma ditadura de salvação nacional.[15] Seu governo era de orientação nacionalista e centralizadora. Demitiu todos os governadores que apoiaram Deodoro da Fonseca. Na chamada Segunda Revolta da Armada agiu de forma contundente, vencendo-a de maneira implacável, ao contrário de Deodoro.[14]

Em abril de 1892 decretou estado de sítio, após manifestações e divulgação de manifestos na Capital Federal. Prendeu golpistas e desterrou outros para a Amazônia. Quando Rui Barbosa ingressou com habeas corpus no Supremo Tribunal Federal em favor dos detidos, Floriano Peixoto ameaçou os ministros da Suprema Corte: "Se os juízes concederem habeas corpus aos políticos, eu não sei quem amanhã lhes dará o habeas corpus de que, por sua vez, necessitarão". O STF negou o habeas corpus por dez votos a um.[16]

A segunda Revolta da Armada[editar | editar código-fonte]

Floriano Peixoto e a Revolta da Armada numa ilustração de Angelo Agostini.

Aconteceu em 1893, desta vez contra o presidente, marechal Floriano Peixoto. Esta também foi chefiada pelo almirante Custódio de Melo, depois substituído pelo almirante Saldanha da Gama. Floriano não cedeu às ameaças; assim, o almirante ordena o bombardeio da capital brasileira. No ano seguinte Floriano e o exército brasileiro obtiveram apoio da marinha de guerra norte-americana no rompimento do bloqueio naval imposto pela marinha brasileira.[14] Assim, o movimento desencadeado pela marinha de guerra brasileira no Rio de Janeiro terminou em 1894, com a derrota e fuga dos revoltosos para Buenos Aires.

Marechal de Ferro[editar | editar código-fonte]

Floriano Peixoto, em seus três anos de governo como presidente, enfrentou a Revolução Federalista no Rio Grande do Sul, iniciada em fevereiro de 1893. Ao atacá-la, apoiou Júlio Prates de Castilhos[15]. O apelido de "Marechal de Ferro" se popularizou devido à força com que o presidente suprimiu tanto a Revolução Federalista, que ocorreu na cidade de Desterro (atual Florianópolis), como a Segunda Revolta da Armada.[17]

O culto à personalidade de Floriano – o florianismo – foi o precursor dos demais "ismos" da política do Brasil: o getulismo, o lacerdismo, o ademarismo, o janismo, o brizolismo, o malufismo e o lulismo.[15]

Representações na cultura[editar | editar código-fonte]

Funeral do Marechal Floriano Peixoto, em 6 de julho de 1895 (fotografia de Marc Ferrez, publicada em Le Monde Illustré, nº 2.001, 03/08/1895.)

Floriano Peixoto já foi retratado como personagem no cinema e na televisão, interpretado por Cláudio Cavalcanti na minissérie República (1989) e Othon Bastos no filme Policarpo Quaresma, Herói do Brasil (1998), baseado no romance Triste Fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto. Também teve sua efígie impressa nas notas de Cr$ 100 (cem cruzeiros) colocadas em circulação no Brasil entre 1970 e 1980.

A cidade de Desterro foi renomeada para fazer uma homenagem a Floriano Peixoto, virando Florianópolis.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons

Referências

  1. a b c d «Floriano Vieira Peixoto, Marechal». Biblioteca Virtual da Presidência. Consultado em 5 de fevereiro de 2015. 
  2. a b c d e f g «PEIXOTO, Floriano» (PDF). Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 11 de abril de 2018.  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "CPDOC" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  3. a b «História - 1891 - Floriano Peixoto». Folha de S.Paulo. Consultado em 11 de abril de 2018. 
  4. «Constituição Brasileira de 1891». Seção II – Do Poder Executivo – Capítulo I – Do Presidente e do Vice-Presidente. Palácio do Planalto. Consultado em 11 de abril de 2018.. Art 42 - Se no caso de vaga, por qualquer causa, da Presidência ou Vice-Presidência, não houverem ainda decorrido dois anos do período presidencial, proceder-se-á a nova eleição. 
  5. «Florianismo». Atlas Histórico do Brasil/FGV. Consultado em 11 de abril de 2018. 
  6. «História». Secretaria Municipal de Turismo, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico de Florianópolis. Consultado em 11 de abril de 2018. 
  7. Netto, João Natale (2008). Floriano, o marechal implacável. A história de Floriano Peixoto, soldado por vocação, herói da Guerra do Paraguai e Presidente da República aos 52 anos. [S.l.: s.n.] 255 páginas. ISBN 9788576791904 
  8. «Presidentes da Corte no Império e na República: 1808 – 1994». Brasília: Superior Tribunal Militar. 1994. p. 39–42. Consultado em 15 de abril de 2018. 
  9. «Floriano Peixoto – (Q6) – Inventário Sumário dos Documentos Textuais» (PDF). Arquivo Nacional (Brasil). 2010. Consultado em 18 de abril de 2018. 
  10. «Decreto Nº 3.371, de 7 de janeiro de 1865». Câmara dos Deputados do Brasil. p. 5. Consultado em 17 de abril de 2018. 
  11. Wiederspahn, Henrique Oscar (1956). Das guerras Cisplatinas às guerras contra Rózas e contra o Paraguai. Canoas: Regional 
  12. Barata, Carlos Eduardo de Almeida. «Ministros de Estado dos Presidentes da República (1889–2006) – Subsídios biográfico-genealógicos» (PDF). Colégio Brasileiro de Genealogia. Consultado em 18 de abril de 2018.  line feed character character in |titulo= at position 49 (ajuda)
  13. OURO PRETO, Visconde de, Advento da ditadura militar no Brasil, Imprimiere F. Pichon, Paris, 1891
  14. a b c Tiago Ferreira da Silva (17 de maio de 2010). «Governo de Floriano Peixoto». História Brasileira. Consultado em 23 de junho de 2012. 
  15. a b c d Cristiana Gomes (23 de fevereiro de 2007). «Governo de Floriano Peixoto». InfoEscola. Consultado em 28 de junho de 2012. 
  16. Villa, Marco Antônio. A história das constituições brasileiras. [S.l.: s.n.] 133 páginas 
  17. Redação. «Floriano Vieira Peixoto - Biografia». UOL Educação. Consultado em 29 de junho de 2012. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CAMÊU, Francolino, e VIEIRA PEIXOTO, Artur, Floriano Peixoto Vida e Governo, Editora Universidade de Brasília, 1983.
  • CASTRO, A. R. Gomes de, SÁ, Eduardo de, O Monumento a Floriano Peixoto Escultural Epopéia Cívica do Brasil, Editora Typ. Leuzinger, 1910.
  • CORRÊA, Serzedello, Páginas do Passado - Floriano Peixoto na Intimidade o Mesmo na Vida…, Editora Officinas Graphicas do Jornal do Brasil, 1919.
  • FAUSTO, Boris, HISTÓRIA DO BRASIL,-13. Ed.-São Paulo:Editora da Univeridade de São Paulo, 2009
  • KOIFMAN, Fábio, Organizador - Presidentes do Brasil, Editora Rio, 2001.
  • LARANJEIRA, Joaquim, Floriano Peixoto - Biografia romanceada, Editora Adersen, 1934.
  • MIRANDA, Salm de, Floriano Peixoto, Editora Biblioteca do Exército, 1963.
  • SILVA, Hélio, Floriano Peixoto - Segundo Presidente do Brasil - 1891 1894, Editora Três, 1983.
  • SILVA, Cyro, Floriano Peixoto - O consolidador da República, Editora Edaglit, 1963.
  • VIEIRA PEIXOTO, Artur, Biografia do marechal Floriano Peixoto, Volume 1 da Coleção “Floriano Memórias e Documentos”, 1ª edição, 1939, Edição do Serviço Gráfico do Ministério da Educação, Rio de Janeiro, 1939.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Manuel de Almeida Lobo d'Eça
Presidente da província de Mato Grosso
1884 — 1885
Sucedido por
José Joaquim Ramos Ferreira
Precedido por
Eduardo Wandenkolk
Ministro da Guerra do Brasil
1890 — 1891
Sucedido por
Antônio Nicolau Falcão da Frota
Precedido por
Vice-presidente do Brasil
26 de fevereiro de 1891 — 23 de novembro de 1891
Sucedido por
Manuel Vitorino
Precedido por
Deodoro da Fonseca
Brasil
2º.Presidente do Brasil

1891 — 1894
Sucedido por
Prudente de Morais