Fluminense Football Club

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o clube do Rio de Janeiro. Para outros significados, veja Fluminense.
Fluminense
Fluminense FC escudo.png
Nome Fluminense Football Club
Alcunhas Tricolor
Flu
Fluzão
Nense
Pó de Arroz (1914–atualidade)
Máquina Tricolor (1970–1986)
Time de Guerreiros (2009–atualidade)
Torcedor/Adepto Tricolor
Mascote Cartola/Cartolinha (1943–2015)
Guerreiro/Guerreirinho (2016–atualidade)
Principal rival Flamengo
Vasco da Gama
Botafogo[1]
Fundação 21 de julho de 1902 (116 anos)
Estádio Laranjeiras
Capacidade 8 000 pessoas
Localização Rio de Janeiro, Brasil
Mando de jogo em Maracanã
Capacidade (mando) 78 838 pessoas
Presidente Mário Bittencourt
Treinador Fernando Diniz
Material (d)esportivo Under Armour
Competição Campeonato Brasileiro - Série A
Campeonato Carioca - Série A
Copa do Brasil
Copa Sul-Americana
Ranking nacional Baixa 13.º lugar, 10 034 pontos[2]
Website www.fluminense.com.br
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Temporada atual
editar

Fluminense Football Club é uma agremiação poliesportiva e cultural sediada no bairro de Laranjeiras, Zona Sul da cidade do Rio de Janeiro, no Brasil, fundada em 21 de julho de 1902. É uma sociedade civil de caráter desportivo, que tem como principal atividade o futebol.

Um dos quatro grandes clubes do Rio de Janeiro, primeiro entre os doze maiores do Brasil a entrar em campo e a ostentar a palavra futebol no nome, o Fluminense é o clube que mais disputou campeonatos estaduais no Brasil, tendo sido a sua primeira participação em 1906 e a de 2018 a sua 114ª.[3] Tendo campo de jogo anteriormente e construído em seu lugar o primeiro estádio, estrutura de cimento, da América Latina, ainda em 1919,[4] abrigou os grandes jogos do futebol carioca e da Seleção Brasileira em seus primórdios,[5] tendo sido apontado em 1949 pelo presidente da FIFA, Jules Rimet, como a organização esportiva mais perfeita do mundo, com a FIFA reconhecendo o seu gigantismo e pioneirismo, essa última uma característica marcante do clube, ao parabenizar o Fluminense por ocasião de seu aniversário de 112 anos.[6][7][8][9][10][11]

Com os grandes títulos conquistados e a História construída desde a sua fundação, consolidou-se entre os 12 maiores clubes de futebol de um país com dimensão continental, onde 492 clubes já disputaram alguma divisão do Campeonato Brasileiro, 157 já tendo disputado a primeira divisão, com 17 deles tendo sido campeões, apenas 8 com pelo menos quatro títulos, sendo 7 na Era dos Pontos Corridos, entre eles, o Fluminense.[12][13][14][15][16] Por ter sido o clube que mais conquistou títulos estaduais no Rio de Janeiro no século XX, o Fluminense ostenta o título honorífico de campeão carioca do Século XX.[17][18] Em 2005 o Tricolor se tornou o primeiro clube do eixo Rio-São Paulo a conquistar 30 títulos estaduais, sem levar em consideração o título carioca extra de 1941.[19]

Entre as suas maiores glórias no futebol, destacam-se a Copa Rio de 1952, o vice-campeonato continental em 2008 e o da segunda competição continental em importância em 2009, os triunfos no Torneio Rio-São Paulo em 1957 e de 1960, as 4 conquistas do Campeonato Brasileiro em 1970, 1984, 2010 e 2012,[20] a Copa do Brasil de 2007 e a Primeira Liga de 2016, ostentando também títulos nacionais e internacionais de relevo em suas categorias de base e em esportes olímpicos e amadores, tendo como o maior de outros esportes, a Taça Olímpica de 1949.[21][22][23] Nos Jogos Olímpicos de 1920, o atleta tricolor Afrânio Antônio da Costa conquistou a primeira medalha olímpica da história para o Brasil, ao receber a medalha de prata na competição de tiro. Também neste dia, Afrânio e o também atleta tricolor, Guilherme Paraense, fizeram parte da equipe brasileira que conquistou a medalha de bronze por equipes na modalidade tiro-livre-pistola ou revólver, tendo ainda nesta Olimpíada Guilherme Paraense conquistado a primeira medalha de ouro para o Brasil.[24] Além de sediar e patrocinar o Campeonato Sul-Americano de Futebol em 1919 e 1922, igualmente o fez na realização dos Jogos Olímpicos Latino-Americanos de 1922, competição precursora dos Jogos Pan-Americanos, sendo esses dois últimos os maiores eventos comemorativos do Centenário da Independência do Brasil.[25][26]

Tem marcas importantes entre os seus principais jogadores, o goleiro Castilho, recordista de presenças, com 697 partidas em 18 anos de atuação entre os anos de 1947 e 1964, e que representou o clube em quatro edições da Copa do Mundo, entre 1950 e 1962,[27] e Waldo, o maior artilheiro de sua História, com 319 gols em 403 jogos,[28] a melhor média de gols por partida entre os maiores artilheiros dos grandes clubes do Rio de Janeiro.[29] Considerando as participações como jogador e como técnico, Pinheiro foi aquele que mais defendeu as cores do Fluminense, com 722 jogos, números que não incluem a sua relevante participação como técnico das categorias de base durante 9 anos,[30] e na relação de seus maiores artilheiros, o inglês Henry Welfare apresenta 161 gols em 165 jogos entre 1913 e 1924, uma média de quase um gol por partida.[31] A primeira partida do Campeonato Carioca foi disputada no dia 3 de maio de 1906 no Campo da rua Guanabara, no bairro de Laranjeiras, e o resultado foi Fluminense 7 a 1 Paissandu, com o primeiro gol da história sendo marcado pelo atacante tricolor Horácio da Costa, já Oswaldo Gomes, recordista em conquistas do Campeonato Carioca, foi o primeiro jogador a marcar gol pela Seleção Brasileira, Preguinho o primeiro brasileiro a marcar gol em uma Copa do Mundo, Thiago Neves o primeiro a marcar três gols em um jogo final da Copa Libertadores da América, Didi, o primeiro a marcar gol no Estádio do Maracanã, em 1950, e Fred, o primeiro a marcar gol no "Novo Maracanã", em 2013.[32][33][34][35][36]

Índice

História

Primeiros passos

Diferentemente de outras associações esportivas da época, o Fluminense não se agrupou em torno da aristocracia agrária ou da burocracia imperial, como também não era um clube exclusivo de imigrantes europeus. Embora o seu principal fundador, Oscar Cox, tenha sido um cidadão anglo-brasileiro, o Fluminense desde o princípio agrupou industriais, literatos, historiadores e profissionais liberais. Era o representante de uma parcela da sociedade que surgia então, não baseada na posse da terra, mas empreendedora e que se apoiava no intelecto e no desenvolvimento cultural e social, e a partir da fundação do clube também esportivo, como padrão de atuação e representação na sociedade.[37]

A primeira vitória esportiva veio antes da primeira partida de futebol, quando no dia 15 de agosto de 1902, o Fluminense disputou uma competição de atletismo em homenagem à coroação do Rei Eduardo VII do Reino Unido, promovida pelo Rio Cricket, clube da colônia britânica da cidade de Niterói, vencendo a prova de 100 jardas por meio de seu atleta Víctor Etchegaray.[38]

Uniforme utilizado pelo Fluminense no ano de 1905 em exposição.

O primeiro jogo foi disputado em 19 de outubro de 1902, contra o Rio Football Club, no campo do Payssandu, em Laranjeiras, com vitória do Fluminense por 8 a 0. Em 6 de setembro de 1903 aconteceu a estreia em jogos interestaduais, com três jogos no campo do Velódromo, em São Paulo, tendo como resultado um empate na primeira partida e posteriormente duas vitórias, nos dias 7 e 8. O empate, no dia da chegada à capital paulista, foi por 0 a 0 contra o Internacional local, seguido de vitórias sobre o Paulistano e São Paulo Athletic.[39]

Em 15 de julho de 1904, após leitura de carta de Oscar Cox e Mário Rocha, enviada da Inglaterra, na Assembleia Geral Extraordinária, o Fluminense trocou a camisa anterior, de cor cinza e branco, pela tricolor, devido à impossibilidade de conseguir tecido na cor cinza, porque ele existia em pouca quantidade no mercado. Então foram sugeridas as cores encarnado, branco e verde, a indicação foi posta em votação e aceita de imediato.[9][40]

A equipe que conquistou o primeiro Campeonato Carioca, em 1906.

Apesar dos inúmeros serviços prestados ao esporte e à cultura, foram as grandes conquistas nos gramados que alçaram o Fluminense à lista de um dos clubes mais populares do Brasil. Quando o futebol ainda engatinhava no país, o clube consolidou sua condição de elite esportiva com o tetracampeonato em 1906-1909, alcançando o tri em 1917-1919 e a Taça Ioduran em 1919, primeira competição interestadual oficial do Brasil,[41] época na qual brilharam os seus atacantes, o inglês Henry Welfare, autor de 48 gols em 40 jogos na campanha do tricampeonato[42][43] e Oswaldo Gomes, jogador recordista em conquistas do Campeonato Carioca com oito títulos (1906,1907,1908,1909,1911,1917,1918 e 1919) e autor do primeiro gol da Seleção Brasileira,[44] que marcou ainda o momento no qual o futebol do eixo Rio-São Paulo começou a atrair públicos relevantes.[45][46]

Tendo campo de jogo desde 1904, com arquibancadas de madeira para acomodar o público, em 1919 construiu no mesmo lugar o Estádio de Laranjeiras para 18.000 pessoas, estrutura de cimento, que foi inaugurado com a realização do Campeonato Sul Americano de Seleções daquele ano.[47][48] Em 1922, ampliou o seu estádio para receber 25.000 pessoas e as suas demais instalações esportivas a fim de sediar os Jogos Olímpicos Latino-Americanos e Campeonato Sul-Americano, grandes eventos comemorativos do Centenário da Independência do Brasil, tendo recebido pedido do Governo Federal para patrocinar e organizar os eventos, com a promessa de que seriam divididas as despesas, sem que recebesse o prometido posteriormente.[49][50][51][52][53][54][55]

O Fluminense se desprendeu da condição de ser um clube apenas da elite a partir da primeira metade da década de 1920, quando o futebol brasileiro finalmente penetrou na cultura das camadas mais populares, período no qual brilhou o seu multiatleta Preguinho, que em 1930 seria autor do primeiro gol brasileiro em uma Copa do Mundo,[56] tendo conquistado a sua primeira taça internacional em 1928, a Taça Vulcain, disputada contra o Sporting Clube de Portugal, e se tornado o principal baluarte pela profissionalização do futebol brasileiro em 1933, deixando de restringir o futebol aos associados ou aos falsos amadores de alguns clubes, que praticavam o chamado "profissionalismo marrom".[57][58][59]

Antes da Era Maracanã, o Fluminense conquistou 15 campeonatos cariocas, sendo o período de maior glória, entre 1935 e 1941, quando conquistou 5 títulos cariocas, o Torneio Aberto de 1935, o Torneio Municipal de 1938, o Torneio Extra de 1941, e os torneios início de 1940 e 1941, um total de 10 títulos oficiais em 7 anos, estando na liderança do Torneio Rio-São Paulo de 1940, quando da ocasião de sua paralisação. No Campeonato Carioca de 1941 o Fluminense fez 106 gols em 28 jogos, média de 3,78 por partida, e no Campeonato Carioca de 1946 faria 97 gols em 24 partidas, média de 4,04.[60][61][62][63][64] O ataque na campanha de 1941 era composto por Pedro Amorim, Romeu Pellicciari, Rongo, Tim e Carreiro, tendo o argentino Rongo terminado como principal artilheiro do time ao marcar 26 gols.[65] Na campanha do Campeonato Carioca de 1946, Rodrigues, 28 gols, e Ademir de Menezes, 25, foram os destaques ofensivos.[66]

Em 1949, o Fluminense foi agraciado pelo Comitê Olímpico Internacional com a Taça Olímpica, por sua destacada contribuição aos esportes olímpicos.[67][68][69]

Aqui termina o período anterior à inauguração do Estádio do Maracanã no ano de 1950, quando os clubes cariocas passariam a ter novos parâmetros de mobilização de público, de gastos e de recursos, entrando em uma nova era, e quase todos os primeiros 50 anos do Fluminense, que se complementariam com outra grande conquista, de relevo internacional.

Principais feitos

O Fluminense conquistaria o seu primeiro título no Maracanã ao se sagrar campeão carioca de de 1951, a primeira taça oficial levantada por um time que conquistaria uma grande glória no ano seguinte.

Em 1952, quando a população ainda lamentava a perda da Copa do Mundo de 1950, o Fluminense elevou a autoestima do povo carioca,[70][71][72] conquistando no Maracanã, de forma invicta, a Copa Rio de 1952, embrião da atual Copa do Mundo de Clubes da FIFA.[73] Com Castilho, Píndaro, Pinheiro, Bigode, Didi, Telê e Orlando Pingo de Ouro, entre outros, tendo o exponencial Zezé Moreira no comando, o Tricolor passou por Sporting, Grasshopper, Peñarol, Austria Wien e, ao vencer o Corinthians, conquistou essa importante taça para o Brasil.[74]

Em 1957 conquistaria o Torneio Rio São Paulo, embrião do Campeonato Brasileiro, invicto, e em 1960 chegaria ao segundo título, com apenas uma derrota, quando estes eram os campeonatos mais competitivos do Brasil.[75][76][77][78] Além da inacabada edição de 1940, chegaria a última rodada precisando apenas de uma vitória para ser campeão, em 1952 e 1954, sem ter conseguido o seu intento nestas ocasiões, alcançando o pioneirismo carioca em 1957.[79][80]

Além do time de 1951-1954 ter sido campeão da Copa Rio de 1952 e do Campeonato Carioca de 1951, foi vice carioca em 1952 e 1953 e do Torneio Rio-São Paulo de 1954. Merecem destaques também no time de 1956-1960, além dos dois títulos do Torneio Rio-São Paulo, a conquista do Campeonato Carioca de 1959, os vices em 1956, 1957 e 1960, tendo sido eliminado da Taça Brasil de 1960 na semifinal tomando um gol em chute de longe aos 44' do segundo tempo.[81] Castilho, Pinheiro e Telê jogaram durante toda a década de 1950, fazendo parte da base do time nos dois momentos mais vitoriosos dessa década, com Jair Marinho, Altair, Escurinho e Waldo, o maior artilheiro da História do Fluminense, brilhando no segundo momento.[82]

Os seus times mais vitoriosos na segunda metade do Século XX foram o de 1969-1971, campeão brasileiro de 1970, campeão carioca e da Taça Guanabara, então competição independente, de 1969 e 1971,[83] e o de 1983-1985, campeão brasileiro de 1984 e tricampeão carioca, tendo em vista apenas os principais títulos oficiais. Os dois times ficaram marcados pelo equilíbrio de suas linhas e pelo jogo coletivo de seus jogadores, entre os quais brilharam o meia Samarone e os atacantes Flávio e seu substituto por contusão, Mickey, além dos tricampeões mundiais pela Seleção Brasileira, Félix e Marco Antônio no time campeão brasileiro de 1970, e o meia paraguaio Romerito e a dupla ofensiva Assis e Washington no campeão brasileiro de 1984.[84][85] O período de 1975-1976 ficaria lembrado pela técnica refinada dos jogadores, bicampeões cariocas, duas vezes semifinalista do Campeonato Brasileiro e pelas conquistas de prestigiosos torneios amistosos no exterior, elenco que ostentava nomes como Félix, Carlos Alberto Torres, Miguel, Edinho, Marco Antônio, Paulo César Caju, Gil, Doval e Dirceu, entre outros.[86]

No Século XXI, destaca-se o período entre 2007 e 2012, quando o clube conquistou dois campeonatos brasileiros, uma Copa do Brasil e um Carioca, considerando-se os títulos mais importantes, chegando ainda a duas finais continentais. O meia argentino Conca e o centroavante Fred foram os grandes destaques do time nas conquistas dos campeonatos brasileiros de 2010 e de 2012, respectivamente, tendo brilhado também nesse período, nomes como Gum, Thiago Silva, Deco, Thiago Neves e Washington, entre aqueles mais conhecidos.[87] Ainda nesse século, conquistaria a Primeira Liga de 2016.[88]

Até o final da temporada de 2018, o time principal contava com um retrospecto histórico de 5.701 jogos, com 2.913 vitórias, 1.324 empates e 1.464 derrotas, tendo feito 11.225 gols e sofrido 7.003, em jogos contra 599 adversários diferentes.[89][90] Nesse período, o Fluminense disputou um total de 409 partidas contra clubes, seleções ou combinados estrangeiros, com 217 vitórias, 92 empates, 100 derrotas, 832 gols pró e 520 gols contra,[91] tendo jogado em 51 países diferentes de todos os continentes, exceto a Oceania, e apresentando como maiores destaques em competições da Conmebol, os vice-campeonatos da Copa Libertadores da América em 2008 e da Copa Sul-Americana em 2009.[92] Levantamento da revista Placar em 2017, apontou o Fluminense como o clube brasileiro com o segundo melhor aproveitamento contra times europeus, com 65,7% de aproveitamento nos 143 jogos disputados contra 108 times de 22 países, com 84 vitórias, sendo o quinto clube em número de partidas disputadas e o segundo em média de gols, 2,31 por partida até então.[93][94]

Seleção Brasileira

Bola utilizada na primeira partida da Seleção Brasileira exposta no Fluminense.

Foi o seu Estádio de Laranjeiras a primeira sede da seleção nacional, onde ela permaneceu invicta em 18 jogos disputados entre 1914 e 1932, e onde conquistou os seus dois primeiros títulos relevantes, as edições da Campeonato Sul-Americano de Seleções, atual Copa América, de 1919 e 1922,[95] sendo o Fluminense o clube que mais cedeu técnicos e comissões técnicas a Seleção Brasileira, com oito técnicos e 10 comissões cedidas até os dias atuais.[96]

Também no primeiro título internacional relevante conquistado pela Seleção Brasileira no exterior, o Campeonato Pan-Americano de 1952 disputado no Chile, apenas dois anos após a traumática perda da Copa do Mundo de 1950, o Fluminense contribuiu com o seu técnico Zezé Moreira e com os jogadores Castilho, Pinheiro e Didi, titulares nas cinco partidas disputadas pela seleção canarinho, além de Bigode, no mesmo ano em que o Flu conquistaria a Copa Rio, tendo sido ainda representado por seus atletas em quatorze Copas do Mundo, fora os atletas e treinadores formados no Fluminense que serviram a Seleção após terem saído do Tricolor, entre os quais se destacam nomes como Telê Santana e Carlos Alberto Parreira, sem contar João Havelange, torcedor, ex-atleta e presidente de honra do Fluminense, que presidiria ainda a CBD e a FIFA.[97]

O Fluminense é o quinto clube que mais jogadores cedeu à Seleção Brasileira de Futebol em Copas do Mundo, com trinta e uma convocações,[98] tendo tido um total de 92 jogadores apenas considerando-se os que atuaram em jogos oficiais da Seleção Brasileira principal, ou 97, considerando os que atuaram em jogos contra clubes, combinados ou seleções regionais, isso sem mencionar a destacada contribuição tricolor para as seleções olímpicas (23 jogadores cedidos) ou pan-americanas (25 jogadores cedidos), números estes que não incluem outros jogadores que tenham participado de amistosos, torneios preparatórios ou competições seletivas por essas seleções.[99] Três deles foram eleitos por 250 jornalistas de todo o mundo reunidos durante a Copa do Mundo de 1998 para a Seleção de Futebol da América do Sul do Século XX: Carlos Alberto Torres, Didi e Roberto Rivellino.[100][101]

Projeto internacional

O Fluminense, através de projeto lançado em 2015, adquiriu um clube de futebol da Eslováquia, o ŠTK Šamorín, para passar a ser representado também na Europa,[102] alterando o nome do clube eslovaco para FC ŠTK Fluminense Šamorín em 2017 e passando a usar uniformes inspirados nos do Fluminense.[103] O time usou a estrutura do Xbionic Sphere, apontado como um dos melhores centros de treinamento da Europa e utilizado por grandes clubes do continente, tendo uma área de cerca de 1 milhão de metros quadrados.[104]

Em 24 de janeiro de 2018, o clube alegou que não conseguiu investidores e anunciou o fim do projeto internacional,[105] e em 25 de junho de 2019 o ŠTK Šamorín anunciou que tiraria o Fluminense do nome do clube.[106]

Símbolos

Nome

Escudo em destaque na Loja do Fluminense.

O nome Fluminense surgiu na reunião de fundação do clube, em 21 de julho de 1902. Apesar de a ideia inicial ter recaído sobre Rio Football Club, acabou prevalecendo Fluminense, derivado do latim flūmen, que significa "rio". O termo também é usado para se referir aos nativos do Estado do Rio de Janeiro (Flūmen Januarii, em latim), desde a Constituição brasileira de 1891.[107]

As três estrelas sobre o escudo.

Escudo

Com relação ao formato, o tipo de escudo do Fluminense segue o padrão suíço dos século XVIII e XIX, tendo Oscar Alfredo Cox estudado neste país no século XIX antes de voltar ao Brasil para introduzir o futebol de forma organizada no Rio de Janeiro, o que parece indicar de forma ainda mais segura, a origem da inspiração para a formação do escudo tricolor, que tem grafadas as iniciais do clube entrelaçadas em seu conteúdo.[108] O estilo das letras é gótico, tipo Old English, cuja origem remonta ao Norte dos Alpes, na região hoje com o nome de Alemanha, fronteira com a Suíça.[109]

As três estrelas

Cscr-featured.png Cscr-featured.png Cscr-featured.png

As três estrelas acima do escudo do Fluminense simbolizam os três tricampeonatos cariocas conquistados (1917/1918/1919, 1936/1937/1938 e 1983/1984/1985), não incluindo o conquistado no tetracampeonato (1906/1907/1908/1909).[110]

Cores

A primeira bandeira do Fluminense criada em 1903, aqui redesenhada.
Atual bandeira tricolor.

Assim, o Estatuto do Fluminense descreve as cores oficiais do clube:

Art. 144 – As cores oficiais do FLUMINENSE são: encarnado, branco e verde, e obedecerão os padrões definidos nas classificações do Atlas de Hicktier, elaborado segundo a "Escala Europa", e o Atlas de Munsell.

a) De acordo com a Escala Europa, o encarnado é composto de:

- 50% de ciano (azul ciano) - 90% de magenta (vermelho púrpura) - 80% de amarelo - 20% de preto

De acordo com o Atlas de Munsell, a classificação é: 5R 2/8.

b) De acordo com a Escala Europa, o verde é composto de:

- 90% de ciano (azul ciano) - 50% de magenta (vermelho púrpura) - 80% de amarelo - 10% de preto

De acordo com o Atlas de Munsell, a classificação é: 5 BG 2/4.

§ 1º - Para impressão gráfica (CMYK), as definições das cores são:

a) Encarnado

C – 0 Y - 65 M – 100 K – 47

b) Verde

C – 100 Y - 83 M – 0 K - 47

Art. 145 - O pavilhão, a flâmula, os uniformes oficiais e os distintivos do FLUMINENSE terão as cores oficiais descritas no art. 144 e deverão estar de acordo com os modelos aprovados pelo Conselho Deliberativo, sendo permitida a inserção de propaganda comercial nos uniformes, independentemente de consulta ao Conselho Deliberativo.

§ 1º - O FLUMINENSE poderá criar uniformes não oficiais, com cores diferentes das oficiais, desde que os modelos, previamente apresentados, sejam aprovados pelo Conselho Deliberativo.

§ 2º - Os uniformes não oficiais somente poderão ser usados em jogos amistosos ou torneios não oficiais.

Art. 146 - O pavilhão do FLUMINENSE é constituído de duas partes iguais, encarnada a superior e verde a inferior, separadas por uma faixa branca e tendo no meio, traçados em branco, o escudo e o monograma do Clube.

Mascote

Homenagem da Cervejaria Brahma ao Fluminense, o Time de Guerreiros.

O Tricolor sempre se caracterizou por possuir torcedores ilustres e famosos, presidentes, cantores e cantoras, artistas, personalidades ligadas a cúpula do futebol mundial e, desta forma, surgiu a ideia de um outro símbolo tricolor - O Cartola.[111]

Idealizado pelo grande caricaturista argentino Lorenzo Mollas, o Cartola surgiu elegante, de fraque e cartola com sua imponente piteira, passando a imagem da aristocracia tricolor. Por isso, o cartola simboliza os fundadores do clube: os aristocratas cariocas, que representavam a fidalguia e a nobreza de atitudes.[112]

Em sua versão infantil, o mascote tricolor era representado pelo personagem Cartolinha, que em de 2013, vestiu a sua armadura e se transformou no Guerreirinho, para representar o espírito de superação dos jogadores do clube, traduzido em tantas conquistas emocionantes do Fluminense.[113]

No Campeonato Brasileiro de 2009, após uma grande sequência de resultados, com sete vitórias e quatro empates, que o tirou da zona do rebaixamento quando tinha 99% de chances matemáticas de cair, o Fluminense passou a ser chamado e cantado pela sua torcida como "Time de Guerreiros", fama consolidada no ano seguinte com a conquista do título do Campeonato Brasileiro.[114][115][116] A partir de 2016 o Fluminense passou a adotar o Guerreirinho como mascote único.[117][118]

Padroeiros

A ligação do Fluminense, um clube laico conforme o seu estatuto, com símbolos religiosos entranhados na cultura brasileira é considerável, pois mesmo o Cristo Redentor, uma das imagens mais conhecidas do mundo e que ajuda a divulgar o Rio de Janeiro e o Brasil no exterior, teve no estádio do Fluminense a sua missa de inauguração, fato ocorrido no dia 12 de outubro de 1931, com o clube, a exemplo de outros, seguindo a tradição de apontar santos padroeiros.[119][120]

Imagem de Nª. Sra. da Glória no Fluminense.

São santos padroeiros do Fluminense:

Nossa Senhora da Glória
Papa João Paulo II[121]

A relação da torcida do Fluminense para com o Papa João Paulo II começou em 1980, quando o então pontífice visitou o Rio de Janeiro e recebeu uma camisa do clube das mãos de um garoto de 10 anos, passando a adotar essa música desde então, sendo ela um símbolo da conquista do Campeonato Carioca de 1980.[122]

Desde então, a claque tricolor entoa a música A Bênção, João de Deus durante as partidas, sobretudo durante momentos difíceis nos jogos. Na final do Campeonato Carioca de 2005, o gol do título saiu aos 47 minutos do segundo tempo, enquanto a torcida cantava essa canção. Em 2010 acabaria sendo nomeado padroeiro do clube carioca, ao lado de Nossa Senhora da Glória.[122]

Talvez inspirado por esta relação, o Fluminense entregou ao Papa Francisco uma camisa tricolor, quando ele aterrissou de helicóptero no Estádio das Laranjeiras, para participar de evento relacionado à Jornada Mundial da Juventude.[123]

Hinos

O Fluminense possui um hino oficial e um popular. O primeiro hino teve a letra composta por Coelho Neto sobre a música de Jack Judge e Harry WilliamsIt's a Long Way to Tipperary — e foi cantado pela primeira vez na solenidade de inauguração da 3ª sede do clube, a 23 de julho de 1915.[124]

O hino oficial possui letra e música de Antônio Cardoso de Menezes Filho, tendo sido criado em 1916 para tomar o lugar do primeiro hino do clube, criado em 1915, e que estava sendo motivo de paródias.

O hino popular do Fluminense Football Club, intitulado de Marcha Popular, foi composto na década de 1940 por Lamartine Babo, um dos mais importantes compositores populares do Brasil. A letra foi composta pelo maestro Lyrio Panicali. Sem dúvida, dos três, é o mais conhecido, e tem a particularidade de ser o único hino, dentre os de todos os grandes clubes brasileiros, em tom menor.

O primeiro hino
Hino Oficial do Fluminense Football Club
  • Letra: Antônio Cardoso de Menezes Filho
Gravação original da Marcha (Hino Popular)

A gravação original, histórica, rara e preciosa, foi feita na década de 1940 pelo Trio Melodia que era formado por três tricolores famosos: Paulo Tapajós, Nuno Roland e Albertinho Fortuna, destaques da Rádio Nacional em sua época. O acompanhamento é da orquestra do maestro Lyrio Panicali.

Paulo Tapajós, figura das mais queridas do Flu em sua época, é benemérito do clube e foi vice-presidente social nas gestões de vários presidentes.

A remasterização desta gravação e transformação para o formato MP3, resgata a letra correta da marcha, alterada em diversas gravações posteriores, e recupera a terceira estrofe, relativa ao "branco", abandonada em muitas dessas outras gravações.

Hino do Fluminense Football Club (Popular)

Reconhecimentos

Ver artigo principal: Taça Olímpica

Ainda na década de 1920, o Fluminense foi considerado entidade de utilidade pública federal pelo Decreto 5 044, de 28 de outubro de 1926, conforme publicado no Diário Oficial da União de 10 de novembro de 1926.

Já no Século XXI, a Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro aprovou em 12 de maio de 2007 o Decreto Oficial que cria o Dia do Fluminense e dos Tricolores, que é comemorado no dia 21 de julho, data de aniversário do clube. No âmbito estadual o Dia do Fluminense é comemorado em 12 de novembro, de acordo com a Lei nº 5 094 de 27 de setembro de 2007,[125] data escolhida para coincidir com a data de aniversário de um dos ídolos tricolores, Assis.[126]

A torcida do Fluminense foi reconhecida como patrimônio imaterial da cidade do Rio de Janeiro pelo decreto nº 35 877 de 5 de julho de 2012, assim como o clássico Fla-Flu, pelo decreto nº 35 878, publicado na mesma data.[127]

Destaca-se, entre as glórias tricolores, a conquista da Taça Olímpica, honraria atribuída pelo Comitê Olímpico Internacional ao Fluminense em 1949, por ter sido o clube então um modelo de organização desportiva para todo o mundo. Somente o Fluminense, como clube polidesportivo, possui esse título, o que o torna único no cenário esportivo mundial neste quesito, dividindo esta honraria com países, federações esportivas e comitês olímpicos, entre outras instituições de destaque no cenário desportivo mundial.[128]

Principais títulos

Honorários
Competição Títulos Temporadas
Terra.png Olympic rings without rims.svg Taça Olímpica(1) 1 1949
Brasão do estado do Rio de Janeiro.svg Campeão Carioca do Século XX(2) 1 1906–2000
Intercontinentais
Competição Títulos Temporadas
CopaRio1952.png Copa Rio Internacional 1 1952Cscr-featured.png
Nacionais
Competição Títulos Temporadas
Cbf brazilian championship trophy.svg Cbf brazilian championship trophy 02.svg Campeonato Brasileiro 4 1970(3), 1984, 2010 e 2012
CBF Brazilian Cup.png Copa do Brasil 1 2007
Trofeu Camp Brasileiro serie C.jpg Campeonato Brasileiro - Série C 1 1999
Interestaduais
Competição Títulos Temporadas
Primeira Liga do Brasil - Logo.png Primeira Liga 1 2016
Rio-SãoPaulo.png Torneio Rio-São Paulo 2 1957Cscr-featured.png e 1960(4)
Trophy (transp. Simón Bolívar Cup).png Taça Ioduran 1 1919
CBF - Taça Brasil.svg Taça Brasil - Zona Sul 1 1960
Estaduais
Competição Títulos Temporadas
Br RJ 2.png Campeonato Carioca 31 1906, 1907(5), 1908Cscr-featured.png, 1909Cscr-featured.png, 1911Cscr-featured.png, 1917, 1918, 1919, 1924, 1936, 1937, 1938, 1940, 1941, 1946(6), 1951, 1959, 1964, 1969, 1971, 1973, 1975, 1976, 1980, 1983, 1984, 1985, 1995, 2002, 2005 e 2012
Bandeira da cidade do Rio de Janeiro.svg Torneio Aberto do Rio de Janeiro 1 1935(7)
Bandeira da cidade do Rio de Janeiro.svg Torneio Municipal do Rio de Janeiro 2 1938 e 1948(7)
Bandeira da cidade do Rio de Janeiro.svg Torneio Extra 1 1941(7)
Br RJ 2.png Taça Guanabara - Competição independente 3 1966Cscr-featured.png, 1969 e 1971
Br RJ 2.png Copa Rio Estadual 1 1998
Br RJ 2.png Torneio Início 9 1916Cscr-featured.png, 1924Cscr-featured.png, 1925Cscr-featured.png, 1940Cscr-featured.png, 1941Cscr-featured.png, 1943Cscr-featured.png, 1954Cscr-featured.png, 1956Cscr-featured.png e 1965Cscr-featured.png(8)
Turnos de campeonatos estaduais
Competição Títulos Temporadas
Br RJ 2.png Taça Guanabara 7 1975, 1983Cscr-featured.png, 1985Cscr-featured.png, 1991, 1993Cscr-featured.png, 2012 e 2017Cscr-featured.png(9)
Br RJ 2.png Taça Rio 3 1990, 2005 e 2018Cscr-featured.png
Br RJ 2.png Outros turnos do Campeonato Carioca 5 1970, 1972, 1973Cscr-featured.png, 1976Cscr-featured.png e 1980(10)
Outros estaduais
Competição Títulos Temporadas
Rio de Janeiro Taça Eficiência 13 1941, 1948, 1951, 1952, 1953, 1957, 1959, 1963, 1964, 1969, 1970, 1976 e 1984
Rio de Janeiro Taça Disciplina 7 1946, 1948, 1956, 1958, 1963, 1972 e 1977
Rio de Janeiro Troféu Luiz Penido 1 2012
Torneios internacionais
Competição Títulos Temporadas
França Torneio de Paris 2 1976Cscr-featured.png e 1987Cscr-featured.png
Espanha Torneio Teresa Herrera 1 1977Cscr-featured.png
Ucrânia Torneio de Kiev 1 1989Cscr-featured.png
Japão Copa Kirin 1 1987Cscr-featured.png
Coreia do Sul Torneio de Seul 1 1984Cscr-featured.png
Chile Torneio Viña del Mar 1 1976Cscr-featured.png
Brasil Torneio Internacional de Verão do Rio de Janeiro 1 1973Cscr-featured.png

Cscr-featured.png Campeão invicto.

(1) O Fluminense é o único clube de futebol no mundo a ter conquistado a Taça Olímpica e a única instituição brasileira a ter seu nome inscrito nela.
(2) Por ter sido o clube carioca com maior número de títulos estaduais no século passado.
(3) Título reconhecido em 2010 pela CBF, apesar de já ser listado pela antiga CBD como campeonato nacional em seus boletins oficiais entre 1971 e 1973.
(4) Em 1940 a competição foi interrompida com Fluminense e Flamengo na liderança, sem que a CBD oficializasse o título.
(5) Título compartilhado com o Botafogo.
(6) Esta edição da competição ficou conhecida como Supercampeonato Carioca.
(7) O Rio de Janeiro na época tinha o status de Distrito Federal.
(8) Em 1927, tendo conquistado o título no campo, o Fluminense pediu a sua anulação em virtude de ter infringido o regulamento, ao incluir em seus quadros, dois substitutos, em ofício enviado à AMEA.
(9) Como competição independente do Campeonato Carioca, apenas em 1966, 1969 e 1971.
(10) Primeiro Turno de 1970, Troféu Fadel Fadel (2º Turno de 1972), Taça Francisco Laport (2° turno de 1973), Taça Amadeu Rodrigues Sequeira (3° turno de 1976) e Taça João Coelho Netto (1º Turno de 1980).

Estatísticas

Campanhas de destaque

Fluminense Football Club 1906-2018
Torneio Campeão Vice-campeão Terceiro colocado Quarto colocado
Globo terraqueo 3.gif Copa Rio Internacional 1 (1952) Não possui Não possui Não possui
Globo terraqueo 3.gif Torneio Octogonal Rivadavia Corrêa Meyer Não possui Não possui Não possui 1 (1953)
Flags of the Union of South American Nations.gif Copa Libertadores da América Não possui 1 (2008) Não possui Não possui
Flags of the Union of South American Nations.gif Copa Sul-Americana Não possui 1 (2009) 1 (2018) Não possui
Brasil Campeonato Brasileiro 4 (1970, 1984, 2010, 2012) Não possui 5 (1960, 1975, 1988, 2001, 2011) 6 (1966, 1976, 1991, 1995, 2002, 2007)
Brasil Copa do Brasil 1 (2007) 2 (1992, 2005) 2 (2006, 2015) Não possui
Brasil Campeonato Brasileiro – Série C 1 (1999) Não possui Não possui Não possui
Brasil Torneios dos Campeões Não possui 2 (1920, 1937) Não possui Não possui
Brasil Primeira Liga do Brasil 1 (2016) Não possui Não possui Não possui
Rio de Janeiro-São Paulo Torneio Rio-São Paulo 2 (1957, 1960)(1) 1 (1954) 2 (1952, 1963) 1 (2001)
Rio de Janeiro Campeonato Carioca[129] 31 vezes 24 vezes 23 vezes 18 vezes
Rio de Janeiro Torneio Extra 1 (1941) Não possui Não possui Não possui
Rio de Janeiro Torneio Municipal 2 (1938, 1948) 3 (1943, 1945, 1946) Não possui 3 (1944, 1947, 1951)
Rio de Janeiro Torneio Aberto 1 (1935) 1 (1936) Não possui Não possui
Rio de Janeiro Torneio Relâmpago Não possui 2 (1943 e 1946) Não possui 1 (1945)
Rio de Janeiro Taça Guanabara (competição independente) 3 (1966, 1969, 1971) 1 (1970) 2 (1965, 1968) Não possui
Rio de Janeiro Copa Rio Estadual 1 (1998) 2 (1992, 1994) Não possui Não possui
Rio de Janeiro Torneio Início 9 (1916, 1924, 1925, 1927, 1940, 1941, 1943, 1954, 1956, 1965)(2) 4 (1918, 1919, 1931, 1960) 6 (1926, 1938, 1942, 1953, 1957, 1963) 5 (1929, 1947, 1951, 1962, 1977)

(1) Em 1940 a competição foi interrompida com Fluminense e Flamengo na liderança, sem que a CBD oficializasse o título.
(2) Em 1927, tendo conquistado o título no campo, o Fluminense pediu a sua anulação em virtude de ter infringido o regulamento, ao incluir em seus quadros, dois substitutos, em ofício enviado à AMEA.

Participações

Ver artigo principal: Temporadas do Fluminense

Clube isoladamente com mais participações no Campeonato Carioca,[130] o Fluminense é o oitavo clube com mais participações no Campeonato Brasileiro Série A.[131]

Participações em 2019
Bastões de conquistas do Campeonato Carioca.
Competição Temporadas Melhor campanha Estreia Última P Aumento R Baixa
Rio de Janeiro Campeonato Carioca 115 Campeão (31 vezes) 1906 2019
Torneio Extra 4 Campeão (1941) 1934 1990
Torneio Municipal 9 Campeão (1938, 1948) 1938 1996
Torneio Aberto 3 Campeão (1935) 1935 1937(1)
Torneio Relâmpago 4 Vice-campeão (1943 e 1946) 1943 1946
Taça Guanabara (independente) 8 Campeão (1966, 1969, 1971) 1965 1980
Copa Rio (estadual) 6 Campeão (1998) 1991 1998
Torneio Início 48 Campeão (9 vezes)(2) 1916 1977
Rio de Janeiro São Paulo Torneio Rio-São Paulo 24 Campeão (1957, 1960)(3) 1933 2002
Brasil Primeira Liga 2 Campeão (2016) 2016 2017
Brasil Campeonato Brasileiro 53 Campeão (4 vezes) 1960 2019 1
Série B 1 19º colocado (1998) 1998 1998 1
Série C 1 Campeão (1999) 1999 1999 1
Copa do Brasil 23 Campeão (2007) 1992 2019
Torneios dos Campeões 4 Vice campeão (1920 e 1937) 1920 2002
Flags of the Union of South American Nations.gif Copa Libertadores 6 Vice-campeão (2008) 1971 2013
Copa Sul-Americana 8 Vice-campeão (2009) 2003 2019
Copa Conmebol 3 9º colocado (1992) 1992 1996
Flag of the United Nations.svg Copa Rio (torneio internacional) 1 Campeão (1952) 1952 1952

(1) Em 1937 a competição foi encerrada antes de seu final por conta da pacificação do futebol carioca, antes dividido em duas ligas.
(2) Em 1927, tendo conquistado o título no campo, o Flu pediu a anulação em virtude de ter infringido o regulamento, ao incluir em seus quadros, dois substitutos, em ofício enviado à AMEA.
(3) Em 1940 a competição foi interrompida com Fluminense e Flamengo na liderança, sem que a CBD oficializasse o título.
Observação: O Fluminense disputou ainda uma outra competição estadual oficial, o Torneio Preparatório, que teve apenas uma inconclusa edição, em 1932, com o clube vindo a terminar em primeiro lugar de seu grupo.

Vista parcial da Sala de Troféus.

Principais rankings históricos

Ranking Posição Pontos
Ranking Histórico de clubes brasileiros da revista Placar - 2018 10º 271[132]
Ranking Histórico de clubes brasileiros do jornal Folha de São Paulo - 2018 10º 663[133]
Ranking Histórico Brasileiro de Clubes Chance de Gol - baseado em critérios matemáticos - 2018 10º 1414[134]
Ranking Histórico Mundial de Clubes Chance de Gol - baseado em critérios matemáticos - 2018 39º 1414[135]

Retrospecto em competições nacionais

Painel do Torneio Rio-São Paulo na Sala de Troféus do Fluminense.

Situação em 31 de dezembro de 2018.[136][137]

Fluminense Football Club 1906-2018
Competição Temporadas Títulos Pts J V E D GP GC SG
Brasil Campeonato Brasileiro 52 4 1.763 1.358 523 378 457 1.809 1.637 172
Série B 1 11 10 2 5 3 12 12 0
Série C 1 1 48 22 15 3 4 38 20 18
Copa do Brasil 21 1 243 135 69 36 30 243 154 89
Primeira Liga 2 1 14 9 4 2 3 13 12 1
Torneio Rio-São Paulo 24 2 283 213 79 46 88 374 374 0
Campeonato Carioca 114 31 4.303 2.239 1.314 453 472 4.846 2.554 2.292
Totais 215 40 6.665 3.986 2.006 923 1.057 7.335 4.763 2.572

Retrospecto em competições continentais

A Conmebol divulgou em 21 de dezembro de 2016 a atualização de seu ranking de clubes sul americanos, e até então o Fluminense ostentava a vigésima sexta colocação no ranking geral, a nona entre os clubes brasileiros e a primeira entre os clubes cariocas.[138][139][140]

Fluminense Football Club 1971-2018
Competição Temporadas MC Pts J V E D GP GC SG
Flags of the Union of South American Nations.gif Copa Libertadores 6 91 54 27 11 16 77 54 23
Copa Sul-Americana 7 74 44 21 11 12 60 43 17
Copa Conmebol 3 7 6 2 1 3 8 13 -5
Totais 16 NA 172 104 50 23 31 145 110 35

MC Melhor colocação, Pts Pontos obtidos, NA Não aplicável, J Jogos, V Vitórias, E Empates, D Derrotas, GP Gols pró, Gc Gols contra e SG Saldo de Gols.

  • Nota: Contabilizado como vitória o empate por 3 a 3 contra o Vasco da Gama, por conta da situação irregular do atleta vascaíno Gersinho, decisão promulgada pela Conmebol em 31 de agosto de 1985, com o placar não tendo sofrido alteração.[141][142][143]

Recordes

Ídolos do Fluminense homenageados pelo clube (1902-2002).
Jogadores com mais partidas[144]
Jogador Jogos
Brasil Castilho 697
Brasil Pinheiro 603
Brasil Telê Santana 559
Brasil Altair 551
Brasil Escurinho 489
Brasil Rubens Galaxe 465
Brasil Denílson 433
Brasil Gum 414
Brasil Assis (zagueiro) 412
10º Brasil Waldo 403
Jogador Jogos
11º Brasil Marcão 397
12º Brasil Bigode 394
13º Brasil Clóvis 392
14º Brasil C. A. Pintinho 381
15º Brasil Lula 375
16º Brasil Paulo Vítor 360
17º Brasil Edinho 359
18º Brasil Oliveira 346
19º Brasil Cafuringa 337
20º Brasil Jair Santana 331
Artilheiros[145][146]
Waldo atuando no Maracanã.
Jogador Gol marcado Gols Período(s)
Brasil Waldo 319 1954–1961
Brasil Orlando Pingo de Ouro 184 1945–1954
Brasil Fred 172 2009–2016
Brasil Hércules 165 1935–1942
Brasil Telê Santana 164 1951–1960
Inglaterra Welfare 161 1913–1924
Argentina Russo 149 1933–1944
Brasil Preguinho 128 1925–1938
Brasil Washington 124 1983–1989
Brasil Magno Alves 1998–2002 e 2015–2016
Jogador Gol marcado Gols Período(s)
11º Brasil Ézio 119 1991–1995
12º Brasil Jair Francisco 106 1956–1962
13º Brasil Zezé 102 1915–1928
Brasil Lula 1965–1974
15º Brasil Rodrigues Tatu 101 1945–1950
16º Brasil Simões 96 1944–1953
17º Brasil Didi 95 1949–1956
18º Brasil Flávio Minuano 93 1969–1971
19º Brasil Romeu 91 1941–1942
20º Brasil Alfredinho 86 1926–1937
Técnicos com o maior número de partidas[147][148]
Busto de Castilho no Fluminense.
Técnico Jogos
Brasil Zezé Moreira 467
Brasil Abel Braga 329
Uruguai Ondino Vieira 300
Brasil Renato Gaúcho 202
Brasil Tim 166
Brasil Nelsinho Rosa 156
Brasil Carlos Alberto Parreira 146
Brasil Sylvio Pirillo 138
Brasil Luís Vinhaes 137
10º Brasil Paulo Emílio 126
Maiores goleadas em jogos oficiais[149]
Welfare, seis gols contra o Bangu em 1917.
Col. Data Adversário Placar Campeonato
9 de setembro de 1906 Football & Athletic 11 – 0 Campeonato Carioca de 1906
5 de julho de 1908 Riachuelo Campeonato Carioca de 1908
21 de junho de 1936 Serrano 12 – 2 Torneio Aberto de 1936
9 de dezembro de 1917 Bangu 11 – 1 Campeonato Carioca de 1917
3 de abril de 1936 Leopoldina Railway Torneio Aberto de 1936
21 de setembro de 1946 Bangu Campeonato Carioca de 1946
23 de maio de 1937 Oceano Torneio Aberto de 1937
13 de junho de 1909 Haddock Lobo 10 – 0 Campeonato Carioca de 1909
27 de setembro de 1936 Portuguesa-RJ Campeonato Carioca de 1936
10º 23 de maio de 1909 Bangu 9 – 0 Campeonato Carioca de 1909
29 de setembro de 1935 Modesto Campeonato Carioca de 1935
20 de julho de 1941 São Cristóvão Campeonato Carioca de 1941
24 de abril de 1976 Goytacaz Campeonato Carioca de 1976

Clássicos e rivalidades

Bustos de Assis e Washington, o "Casal 20", heróis em clássicos.

Os maiores clássicos do Fluminense são o Fla-Flu, o Clássico dos Gigantes e o Clássico Vovô, embora as partidas disputadas contra o America e contra o Bangu também tenham apelo histórico, assim como os confrontos interestaduais contra os outros grandes clubes do Brasil, notadamente o clássico disputado contra o Corinthians.[150][151][152]

Partidas históricas

Em 116 anos disputando jogos importantes e campeonatos relevantes, o Fluminense foi coparticipante de muitas decisões de títulos e jogos marcantes em competições do futebol brasileiro e internacional que ficaram registrados em sua História.

Estádios

Estádio de Laranjeiras

Ver artigo principal: Estádio de Laranjeiras
Painel na Sala de Troféus do Fluminense.

O Estádio Manoel Schwartz é mais conhecido como Estádio (do bairro) de Laranjeiras, Estádio das Laranjeiras, ou também Estádio da Rua Álvaro Chaves, devido ao nome da rua onde se situa a sua entrada principal.

Foi o local onde o tricolor carioca mandou seus jogos durante décadas, porém, por motivos de segurança, em função da grande demanda de público em seus jogos, não o faz mais, jogando atualmente no Maracanã.

Laranjeiras, todavia, continua como sede oficial do clube e é o campo onde o time de futebol realiza seus treinamentos.

Em 14 de agosto de 1904, foi realizado o primeiro jogo interestadual no Campo da Rua Guanabara, que ficava no mesmo local do Estádio de Laranjeiras, apenas com o gramado em posição diferente, contra o Paulistano.

Havia uma distinção entre conceitos de estruturas no início do século XX, de modo que o Campo da Rua Guanabara, com as suas arquibancadas de madeira, ainda não era considerado um estádio, sendo o Estádio de Laranjeiras o primeiro a ser totalmente construído de cimento na América Latina.

Já a primeira partida do Flu no Estádio de Laranjeiras, foi na vitória por 4 a 1 sobre o Vila Isabel em 13 de julho de 1919, pelo Returno do Campeonato Carioca, com os gols tricolores tendo sido marcados por Henry Welfare (3) e Machado.

O tradicional estádio foi palco de grandes conquistas do Tricolor, de muitas decisões de campeonatos, com o Flu tendo conquistado 18 títulos em seu estádio (incluindo 6 torneios início). Foi também a primeira casa da Seleção Brasileira, onde a canarinho ganhou os seus primeiros títulos oficiais relevantes e se tornou conhecida no mundo.

Inaugurado em 1919 com capacidade para 18.000 pessoas e tendo tido sua capacidade ampliada para 25.000 pessoas já a partir de 1922, em alguns jogos este estádio teve públicos estimados maiores que a sua capacidade, mas aparentemente o recorde de público pagante foi na partida Fluminense 3 a 1 Flamengo, em 14 de junho de 1925, quando 25.718 espectadores pagaram ingressos, embora nos dias de hoje se desconheça o público da partida do Fluminense contra o Sporting, realizada em 15 de julho de 1928, na disputa da Taça Vulcain, com o estádio lotado e mais 2.000 cadeiras sendo colocadas na pista de atletismo para comportar o público presente.[157]

O Estádio das Laranjeiras recebeu iluminação artificial já em 21 de junho de 1928, tendo sido ela inaugurada na partida disputada entre a Seleção Carioca de Futebol e o Motherwell, da Escócia.[158]

Atualmente a sua capacidade é de 8.000 pessoas, após a demolição de parte de suas arquibancadas em 1961 e medidas para garantir a segurança e o conforto de eventuais assistentes, já que o estádio está desativado para jogos oficiais.

Por conta disso, o Fluminense não manda seus compromissos futebolísticos no seu estádio, pois esse não tem mais condições de segurança e capacidade para receber eventos de grande porte, sendo atualmente usado apenas para treinos e pequenos eventos comemorativos.

O Fluminense disputou em Laranjeiras 859 partidas, com 539 vitórias, 163 empates e 157 derrotas, 2.142 gols pró e 1034 gols contra, até o último jogo oficial disputado, em 26 de fevereiro de 2003, no empate de 3 a 3 contra o Americano, pelo Campeonato Carioca, e até o centenário do estádio, comemorado em 11 de maio de 2019.[159]

Estádio do Maracanã

Ver artigo principal: Estádio do Maracanã
Maracanã ao fim de jogo do Fluminense contra o Liverpool (URU) em 5 de abril de 2017.

O Estádio Jornalista Mário Filho, mais conhecido como Maracanã, se localiza na cidade do Rio de Janeiro e foi inaugurado em 16 de junho de 1950 com capacidade para receber 200 mil pessoas, tendo sido utilizado na Copa do Mundo daquele ano. Na partida de inauguração, entre as seleções carioca e paulista, o primeiro gol foi marcado pelo meia tricolor Didi.[160]

Desde então, o Maracanã foi palco de grandes momentos do futebol brasileiro e mundial, como finais do Campeonato Carioca de Futebol, Torneio Rio-São Paulo, Campeonato Brasileiro, Copa Libertadores da América, Mundial de Clubes da FIFA e da Copa Rio, além de competições internacionais entre seleções nacionais e partidas amistosas da Seleção Brasileira.

O Maracanã foi também um dos locais de competição dos Jogos Pan-Americanos de 2007, recebendo as partidas de futebol e as suas cerimônias de abertura e de encerramento.

Ao longo do tempo, no entanto, o estádio também passou a assumir caráter de espaço multiúso ao receber outros eventos como espetáculos e partidas de outros esportes, como o voleibol em uma oportunidade.

Após diversas obras para modernização, conforto e segurança, a capacidade do estádio era de cerca de 86 mil espectadores antes da paralisação para as obras visando a Copa do Mundo de 2014, sendo reduzida ainda mais após o fim das obras, para 78.838 torcedores,[161] o que não lhe tirou o título de maior estádio do Brasil, embora tenha perdido no fim do século anterior, o título de maior estádio do mundo.

Maracanã ao fim de jogo do Fluminense contra o São Paulo em 29 de abril de 2018.

O Fluminense atualmente manda seus jogos no Maracanã, que mesmo não sendo de propriedade do clube, e sim do Governo do Estado do Rio de Janeiro, é a casa da Torcida Tricolor, tendo o Fluminense conquistado 37 títulos de campeão apenas considerando a categoria de profissionais, no grande e mítico estádio, além de outras tantas campanhas inesquecíveis disputadas nele, tais como as dos vice-campeonatos da Copa Libertadores da América e da Copa Sul-Americana, ou o desfile de craques da equipe conhecida como a Máquina Tricolor.[162][163]

No dia 10 de julho de 2013, o Fluminense assinou contrato de 35 anos de uso do Maracanã com o consórcio administrador do estádio. Além de ter o jogador que marcou o primeiro gol da história no estádio, Didi, e o primeiro na inauguração oficial com Fred, foi o primeiro a entrar em acordo e oficializar o uso do estádio em jogos onde o mando de campo é do Flu. Por conta disto, foi determinado no contrato que em todo jogo, onde o mando de campo for do Fluminense, a torcida irá se posicionar no Setor Sul.

O Fluminense disputou no Maracanã 1 683 partidas, com 822 vitórias, 427 empates e 434 derrotas, 2 778 gols pró e 1 822 gols contra, até o fim do ano de 2017.[164]

Estádio do Engenhão

Vista externa do Engenhão.
Ver artigo principal: Estádio do Engenhão

A partir de 8 de setembro de 2010, quando o Maracanã foi fechado para obras, até a sua reabertura definitiva após os grandes eventos internacionais que abrigou, o Fluminense realizou a maioria de seus jogos no Estádio Olímpico João Havelange, conhecido como Engenhão.

O Engenhão, construído pela Prefeitura do Rio, foi inaugurado em um Clássico Vovô, quando o Fluminense, que tinha o mando de campo, jogou contra o Botafogo em partida válida pelo Campeonato Brasileiro de 2007, com o jogador Alex Dias, do Flu, tendo sido o autor do primeiro gol, onde em 2010 o Tricolor foi campeão brasileiro - sendo este o primeiro título relevante conquistado por um clube carioca neste novo palco.

Neste estádio, o Flu conquistou além do Campeonato Brasileiro de de 2010, o Campeonato Carioca de 2012, considerando apenas os títulos mais importantes.

Até o fim de 2018, o Fluminense disputou neste estádio 106 jogos, com 48 vitórias, 32 empates e 26 derrotas, 167 gols a favor e 115 contra, disputando nele as partidas pelas Libertadores de 2011, 2012 e 2013.[165]

Estádios com mais jogos

Pacaembu, estádio com mais jogos fora do RJ.

Situação em 19 de dezembro de 2018, respeitados os dados e critérios da fonte em referência.[166]

Estádio Jogos
Maracanã 1708
Laranjeiras 842
São Januário 200
General Severiano 114
Raulino de Oliveira 110
Engenhão 106
Pacaembu 101
Campos Sales 76
Estádio Jogos
Moça Bonita 63
10º Caio Martins 59
10º Mineirão 59
12º Figueira de Melo 53
13º Fonte Nova 51
13º Morumbi 51
15º Rua Bariri 50

A Torcida Tricolor

No Brasil

Maiores concentrações da Torcida Tricolor.
População do Brasil estimada em 2014: 202.768.562 habitantes.[167]
Considerando a pesquisa com menor margem de erro (0,68%), o Fluminense teria algo entre 2.271.007 e 5.028.659 torcedores em 2014, concentrados nas classes A, B e C,[168] com a maior taxa de torcedores com nível superior entre os clubes do Brasil, tendo 22,3% de seus torcedores concluído o ensino superior,[169] concentrados principalmente nas capitais, onde chega a ser a oitava maior torcida brasileira, com 4,2% do total das populações dessas somadas.[170][171]
Pesquisas de maiores torcidas de futebol brasileiras divulgadas, com no máximo 1,0% de margem de erro.
Pos. Instituto - ano - margem de erro Torcida (%) Torcida (numericamente)
11º Datascript - 2014 - 1,0% 1,8% 3.649.833[172]
11º Ibope - 2014 - 1,0% 1,8% 3.649.833[173]
11º Pluri - 2013 - 0,68% 1,8% 3.649.833[174]
14º Paraná - 2013 - 1,0% 1,6% 3.244.296[175]

Por regiões

A Torcida Tricolor contra o São Paulo em 2007.
Como tem torcedores nos outros estados da Região Sudeste, mais concentrados no Estado do Espírito Santo e na Zona da Mata Mineira, limítrofes ao Estado do Rio de Janeiro, o Fluminense totaliza 2,4% dos torcedores da região mais rica do país, podendo pela margem de erro da pesquisa da Pluri (0,68%) chegar a 3,08% (2.621.156 torcedores em 2014),[176] tendo pelo menos 1% dos torcedores em todas as regiões do Brasil.[177]
Região Torcida (%)
Região Sudeste 2,4%
Região Norte 1,9%
Região Nordeste 1,6%
Região Centro Oeste 1,6%
Região Sul 1,0%

No Estado do Rio de Janeiro

Torcida recebendo o time contra o Liverpool (URU) em 2017.
População do Estado do Rio de Janeiro estimada em 2014: 16.460.000.[178]
Em trinta e quatro pesquisas realizadas no Estado do Rio de Janeiro entre 1948 e 2014, a torcida do Fluminense foi apontada como a terceira maior na grande maioria, tendo sido apontada sete vezes como a segunda e duas vezes como a quarta, com os percentuais das pesquisas da década de 2010, com margem de erro até 1%, variando entre 10,6% e 12,9%,[179] números parecidos com os apurados no limítrofe Estado do Espírito Santo.[180][181]
Considerando a pesquisa com menor margem de erro (0,68%), o Fluminense teria algo entre 1.632,832 e 1.856.688 torcedores em 2014, com o máximo da pesquisa da Pluri praticamente encontrando o mínimo da margem de erro do Ibope (1,0%), 1.911.006, fazendo crer que o Fluminense tinha cerca de 1.900.000 torcedores apenas no Estado do Rio de Janeiro em 2014.
Pesquisas de maiores torcidas do Estado do Rio de Janeiro divulgadas na década de 2010, com no máximo 1,0% de margem de erro.
Pos. Instituto - ano - margem de erro Torcida (%) Torcida (numericamente)
Ibope - 2014 - 1,0% 12,9% 2.123.340[182]
Pluri - 2013 - 0,68% 10,6% 1.744.760[183]

Na Região Metropolitana do Rio de Janeiro

Torcida incentivando o time durante o jogo contra o Liverpool em 2017.
População da Região Metropolitana do Rio de Janeiro estimada em 2014: 11.973.505.[184]
Em oito pesquisas realizadas na Região Metropolitana do Rio de Janeiro entre 1983 e 2014, a torcida do Fluminense foi apontada como a terceira maior em todas, com os percentuais das pesquisas variando entre 11,7% e 18,0%.[185][186]
Considerando a pesquisa com menor margem de erro (1,0%), o Fluminense teria algo entre 1.532.608 e 1.772.078 torcedores em 2014.
Pesquisas de maiores torcidas da Região Metropolitana do Estado do Rio de Janeiro divulgadas na década de 2010, com no máximo 1,0% de margem de erro.
Pos. Instituto - ano - margem de erro Torcida (%) Torcida (numericamente)
Ibope - 2014 - 1,0% 13,8% 1.652.343[186]

Nas redes sociais

Atualizado em 4 de junho de 2019.
Torcida contra o Atlético Nacional em 2019.
O Fluminense é o 11º colocado entre os clubes brasileiros com mais seguidores nas redes sociais, sem considerar o caso especial da Chapecoense, que ganhou mais de 5 milhões de seguidores depois da queda do avião que vitimou a sua equipe de futebol em 2016.[187]
Rede social Seguidores
Facebook 1.452.148
Twitter 1.244.434
Instagram 466.377
Youtube 142.354
Combinado 3.305.313

Sócios torcedores

Fila para eleição do presidente em 2016.
Atualizado em 2 de março de 2019.[188]
O Fluminense é o 8º colocado entre os clubes brasileiros com mais sócios torcedores, não estando incluído no resultado as suas outras categorias de associação, tendo o clube importantes atividades sociais, culturais e de prática de outros esportes em sua grade de atuação.
Posição Sócios torcedores
42.320

Público nos estádios

O Fluminense é o 11º colocado em presença de público na História do Campeonato Brasileiro, números que não consideram a presença de público não pagante, dadas as questões de gratuidades por lei vigentes no Rio de Janeiro desde a inauguração do Estádio do Maracanã e que eventualmente poderiam lhe colocar melhor ranqueado.[189] Por três vezes o Fluminense foi o clube que mais levou público aos estádios no Campeonato Brasileiro, em 1970, 2000 e 2002, sendo um dos únicos dez clubes a ser listado como campeão de público na história dessa competição, um dos seis por pelo menos três vezes.[190] A sua melhor média de público foi em 1976, com 43.541 pagantes por partida, a 8ª melhor média da história de público por clube no campeonato nacional.[191]
Torcida do Fluminense contra o Santos em 2017.
Posição Ingressos vendidos (1971-2012)
11º 8.204.251 (média: 15.992)

Considerando a presença de público pagante em campeonatos e copas nacionais e internacionais entre 2009 (segundo semestre) e 2018 (primeiro semestre), o Fluminense é o 86º colocado no mundo, 21º do continente americano, 9º entre os clubes brasileiros, 2º entre os clubes cariocas, e 8º brasileiro nas competições internacionais nesse período, segundo levantamento da Pluri Consultoria, lembrando que o Maracanã andou fechado para obras visando a realização da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos em boa parte desse período.[192][193][194]

Posição Ingressos vendidos (2009-2018)
5.568.869 (média: 16.331)

Maiores públicos exceto estaduais

Aonde não constam relacionados os públicos presentes e pagantes, a referência é apenas aos pagantes, não incluídos confrontos estaduais.[195]
  1. Fluminense 1–1 Corinthians São Paulo, 146.043, C. Brasileiro, 5 de dezembro de 1976, Maracanã.[nota 1]
  2. Fluminense 1–1 Atlético Mineiro Minas Gerais, 132.000, T. R. G. Pedrosa, 20 de dezembro de 1970, Maracanã (112.403 p.).[nota 2]
  3. Fluminense 0–0 Corinthians, 118.370, C. Brasileiro, 20 de maio de 1984, Maracanã.[nota 3]
  4. Fluminense 3–0 Porto Portugal, 101.745, Amistoso, 17 de junho de 1956, Maracanã (94.616 pagantes).
  5. Fluminense 0–2 Internacional Rio Grande do Sul, 97.908, C. Brasileiro, 7 de dezembro de 1975, Maracanã.
  6. Fluminense 0–0 Santos São Paulo, 87.872, T. R. G. Pedrosa, 26 de outubro de 1969, Maracanã.
  7. Fluminense 1–0 Bayern de Munique Alemanha, 87.000, Amistoso, 10 de junho de 1975, Maracanã (60.137 pagantes).[nota 4]
  8. Fluminense 3–1 LDU Quito Equador, 86.027, Copa Libertadores, 2 de julho de 2008, Maracanã (78.918 pagantes).[nota 5]
  9. Fluminense 3–1 Boca Juniors Argentina, 84.632, Copa Libertadores, 4 de junho de 2008, Maracanã (78.856 pagantes).
  10. Fluminense 0–1 Bragantino São Paulo, 80.449, C. Brasileiro, 26 de maio de 1991, Maracanã (74.781 pagantes).

Elenco atual

Soccerball current event.svg Última atualização: 9 de fevereiro de 2019.


Elenco atual do Fluminense Football Club[198][199]
N.º Pos. Nome N.º Pos. Nome N.º Pos. Nome
1 G Brasil Marcos Felipe 14 Z Brasil Léo Santos 29 M Brasil Allan
2 LD Brasil Gilberto 15 V Brasil Dodi 30 A Brasil Brenner
3 Z Brasil Matheus Ferraz 16 LE Brasil Mascarenhas 32 A Brasil Portugal Marcos Paulo
4 Z Brasil Paulo Ricardo 17 M Brasil Léo Artur 33 Z Brasil Nino
5 V Brasil Airton 18 A Brasil Luciano 34 V Brasil Caio
6 V Brasil Yuri 19 M Brasil Caio Henrique 35 A Brasil Ewandro
7 A Brasil Pablo Dyego 20 M Brasil Daniel 38 V Brasil Zé Ricardo
8 V Brasil Bruno Silva 21 LD Brasil Igor Julião 39 G Brasil Rodolfo
9 A Brasil Pedro 22 A Brasil Kelvin 40 Z Brasil Luan
10 M Brasil Ganso 23 A Brasil João Pedro
11 A Colômbia Yony González 25 G Brasil Agenor
12 LE Brasil Marlon 26 Z Brasil Digão
13 Z Brasil Frazan 28 M Brasil Guilherme

Técnico: Brasil Fernando Diniz

Uniformes

A camisa tricolor é muito marcante, tendo sido descrita pelo jornalista argentino Luis Paz, como "La camiseta más linda del mundo", em matéria para o jornal portenho Página/12 em 2015.[200]

Uniformes titulares
  • 1º - Camisa com listras verticais em encarnado, branco e verde, calção e meias brancas.
  • 2º - Camisa branca , calção encarnado e meias encarnadas.
  • 3º - Camisa azul, calção azul e meias azul.
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
1º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
2º Uniforme
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
3º Uniforme

Uniformes dos goleiros

  • Camisa azul, calção e meias azuis;
  • Camisa verde, calção e meias verdes;
  • Camisa amarela, calção e meias amarelas:
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
'

Patrocinadores

O Fluminense manteve com um de seus antigos patrocinadores e com a sua anterior fornecedora de materiais esportivos, as mais duradouras relações do futebol brasileiro, período em que a Unimed, entre 1999 e 2014, aumentou o número de segurados de 238.000 para 1.200.000,[201] saltando no mesmo período de quarto lugar entre as seguradoras de saúde do Brasil, para o de maior seguradora deste ramo.[202][203] Com a Adidas, o Fluminense manteve relacionamento entre 1996 e 2015, vendendo uma média de 300.000 camisas por ano.[204]

Fornecedores de Material Esportivo
Período Fornecedor
1976–1980 Alemanha Adidas
Brasil Rainha
1981–1985 França Le Coq Sportif
1985–1994 Brasil Penalty
1994–1996 Inglaterra Reebok
1996–2015 Alemanha Adidas
2016–2017 Canadá Dryworld
2017– Estados Unidos Under Armour
Patrocinadores
Período Patrocinador
1984 Suíça Mondaine
Brasil Banco Nacional
Estados Unidos Kodak
1985 Brasil Tavares Roupas
Brasil Sul América Seguros
1986 Estados Unidos Heart Line
1987 Brasil 1001 Turismo
1987–1994 Estados Unidos Coca-Cola
1995 Brasil Projeto Ame o Rio
1995–1996 Coreia do Sul Hyundai
Brasil SporTV
1997 Brasil NET
Brasil SporTV
1997–1998 Brasil SporTV
Portugal Oceânica Seguros
Brasil MTV Brasil[205]
1999 Inglaterra Sonrisal
Brasil MTV Brasil[206]
1999–2014 Brasil Unimed
2015–2017 Brasil Viton 44[207]
2015– Brasil Frescatto[208]
Brasil Voxx Suplementos
2016 China TCL
2017 Estados Unidos Universal Orlando Resort[209]
2018 Brasil Vale Express[210]
Parcerias
Período Parceiros
2008 Brasil Estados Unidos Traffic[211]
2010 Alemanha Volkswagen Volksbus[212]
2010 Brasil IPHAN / IPPP[213]
2010 Brasil AmBev[214]
2011 Itália TIM[215]
Atualmente Brasil Bioleve[216]
Atualmente Brasil Ortobom
2012– Brasil Nutrilatina[217]
2013– Estados Unidos Gatorade[218][219]
2014– Alemanha Volkswagen Caminhões e Ônibus / MAN Latin America[220]
2014– Portugal Universidade de Coimbra[221]
2016– Brasil Projeto SOS Mata Atlântica
2017– Brasil 99Taxis

Presidentes

Treinadores

O Fluminense é o clube que mais cedeu técnicos e comissões técnicas a Seleção Brasileira. Nomes de destaque na carreira como Abel Braga, Carlos Alberto Parreira, Ondino Viera, Telê Santana e Zezé Moreira tem ligação histórica relevante com o clube.[222]

Esportes olímpicos e amadores

Quadra de tênis do Fluminense em 1931.
Departamentos ativos do Fluminense
Football pictogram.svg Basketball pictogram.svg Basketball pictogram.svg
Futebol Basquetebol (masculino) Basquetebol (feminino)
Football pictogram.svg Volleyball (indoor) pictogram.svg Volleyball (indoor) pictogram.svg
Futebol 7 Voleibol (masculino) Voleibol (feminino)
Futsal pictogram.svg Water polo pictogram.svg Water polo pictogram.svg
Futsal Polo aquático (masculino) Polo aquático (feminino)
Beach soccer pictogram.svg American football pictogram.svg American football pictogram.svg
Futebol de areia Futebol americano (masculino) Futebol americano (feminino)


O Fluminense inclui entre suas principais atividades esportivas desde o Polo aquático, esporte no qual detém muitos títulos e feitos relevantes, ao Showbol, além de ser um dos clubes que mais revelam talentos para o futebol, sendo vitorioso em suas categorias de base tanto em competições nacionais quanto em torneios internacionais.

No quadro ao lado, há uma grade representativa dos atuais departamentos abrangidos pelo Fluminense, vários dos quais com textos próprios no item Esportes Olímpicos, disponível neste artigo e também na própria grade.

O Fluminense já praticou, ao longo de sua história, os seguintes esportes: atletismo, basquetebol, esgrima, hóquei, futebol, futebol de mesa, ginástica olímpica, ginástica rítmica desportiva, handebol, levantamento de peso, nado sincronizado, natação, patinação, patinação artística, nado sincronizado, saltos, showbol, taekwondo, tênis, tênis de mesa, tiro, voleibol, polo aquático e xadrez, além de ter sido representado em autobol, beach soccer, body boarding, futebol americano, futebol americano de praia, futebol de praia e futevôlei.[223]

Olympic rings without rims.svg Esportes olímpicos

Vista parcial da área de esportes olímpicos e amadores do Fluminense, parque aquático ao longe.

Além do futebol, esporte mais popular do país, o Fluminense tem em suas raízes outras modalidades esportivas que fizeram parte da história do clube. Diversos atletas se destacaram no decorrer dos anos e suas conquistas foram traçadas desde o início nos campos e quadras do clube das Laranjeiras, defendendo as cores do Fluminense. O clube obteve sucesso em muitas modalidades, inclusive o livro "Fluminense Football Club - Um Século de Vitrine Esportiva", do jornalista Ricardo Souza, lista 1.407 títulos do Fluminense no esporte amador até 2002.

Foi no Stand de Tiro do Fluminense, que a equipe olímpica brasileira se preparou para conquistar as primeiras medalhas brasileiras em Olimpíadas, nos Jogos Olímpicos de Verão de 1920, competição na qual os atletas tricolores Guilherme Paraense e Afrânio da Costa conquistaram três medalhas – ouro (Paraense) e prata (Afrânio) individuais, e bronze por equipes.[224]

A equipe de polo aquático masculina disputou 104 partidas estaduais, nacionais e internacionais sem derrotas entre 1951 e 1962, a de Basquetebol masculino foi campeã por 8 anos consecutivos entre 1920 e 1927, a de Basquetebol feminino foi campeã brasileira adulta em 1998 sob o comando de Hortência, a equipe de natação masculina foi campeã por 23 anos consecutivos entre 1941 e 1963 e a equipe feminina por 13 entre 1938 e 1950, a equipe de Saltos Ornamentais foi campeã por 13 anos consecutivos entre 1919 e 1931, a equipe de Tiro foi campeã por 7 anos consecutivos entre 1952 e 1958, a equipe de Esgrima tem 133 títulos, a de Tênis 145 e a de Tiro ao Alvo 200, entre os números que chamam maior atenção.

Troféus destacados nos esportes olímpicos.
Limite entre o estádio e as demais áreas esportivas e busto do Patrono Arnaldo Guinle.

Basketball pictogram.svg Basquete

Olympic pictogram Water polo.png Polo aquático

Olympic pictogram Volleyball.png Vôlei

Tennis pictogram.svg Tênis

2006
  • Campeão em 22 etapas estaduais.
  • Campeão em 5 etapas nacionais
2007
  • Campeão em 31 etapas estaduais
  • Campeão em 8 etapas nacionais
  • Campeonato Brasileiro
Copa Gerdau (2008)
  • Campeão em 2 etapas estaduais
  • Campeão em 3 etapas nacionais
Ranking
  • 2 atletas entre os 15 do Brasil
  • 9 atletas top 10 do RJ
  • 4 atletas top 5 do RJ
  • 2 atletas número 1 do RJ

Outros esportes

Futsal pictogram.svg Futebol 7

American football pictogram.svg Futebol americano

Beach soccer pictogram.svg Futebol de areia

Futsal pictogram.svg Futsal

Ver artigo principal: Fluminense Football Club (futsal)

Futsal pictogram.svg Showbol

Sedes

Football pictogram.svg Sede social e esportiva

Estádio de Laranjeiras em 1919, ano de sua inauguração.

Sua sede social no bairro Laranjeiras faz parte da História do Rio de Janeiro pelos seus bailes, festas e eventos culturais que marcaram várias gerações. Além disso, é uma obra de arquitetura europeia de grande beleza, idealizada pelo arquiteto catalão Hypolito Pujol e adornada com elegantes vitrais belgas, em sua fachada.

No ano de 1904, o Fluminense mandou construir uma pequena arquibancada de madeira para acomodar o público e cobrou pela primeira vez entradas em seus jogos.

Em 1907, o Fluminense inaugurou a sua primeira quadra de Tênis, em 1909 já possuía três e em 1911, quatro. Um grande destaque nos anos iniciais deste esporte foi o grande aviador e inventor brasileiro Santos Dumont, associado honorário nº 11 do Tricolor, que durante anos frequentou o clube, sendo árbitro em vários jogos de tênis.[225]

Terceira sede do clube. Esse prédio não existe mais.

Em 1915, o Fluminense amplia significativamente a sua sede, incluindo um aumento da capacidade de suas arquibancadas para 5.000 pessoas, e o Paulistano, cujos ideais eram iguais aos seus, considera como sócios-temporários os sócios do Fluminense de passagem por São Paulo.

Foi em seu Estádio de Laranjeiras, inaugurado em 1919, que a Seleção Brasileira conquistou os seus primeiros títulos relevantes, tendo disputado um total de dezoito partidas, com quinze vitórias e três empates.[95] Esse estádio também foi palco de várias decisões de títulos, não só do Fluminense e da Seleção Brasileira, como também de outros clubes e seleções estaduais.[226]

Em 1919, também foram inaugurados o Parque Aquático e o Stand de Tiro.

Na tarde de 28 de maio de 1921, o Fluminense apresentou em seu Salão Nobre, o primeiro vesperal de Arte e Teatro nos moldes dos realizados em grandes salões da Europa, o que se repetiria por muitos anos.

Entrada do Parque infantil.

Em 1922, o Brasil comemorou o Centenário de sua Independência, e mais uma vez o governo brasileiro recorreu ao Fluminense, cujas instalações eram, à época, as mais modernas do continente americano, para assumir a responsabilidade pelo financiamento e organização do Campeonato Sul-Americano de Seleções e dos Jogos Olímpicos Latino-Americanos, um dos precursores dos Jogos Pan-Americanos.

O Fluminense respondeu ao governo brasileiro que não tinha condições de assumir tal responsabilidade, pois demandava um custo muito alto adaptar suas instalações para comportar dois eventos de tal magnitude, mas o governo brasileiro assumiu por escrito grande parte da responsabilidade e o clube aceitou, embora mais tarde os governantes de então não tenham cumprido sua parte e o Fluminense tenha arcado sozinho com a organização destes dois grandes eventos.

Planta baixa do Fluminense.

O grande esforço patriótico do Flu deu resultado, pois as duas competições foram um sucesso, o time das laranjeiras ampliou seu estádio, suas instalações e construiu um ginásio, tendo dado provavelmente a maior contribuição do país para os festejos da Independência e sido sede dos dois primeiros títulos relevantes do selecionado nacional.[227]

No ano de 1926, o clube inaugurou o Teatro Fluminense, palco de grandes artistas e espetáculos durante décadas.

No ano de 1961, o Flu daria outra grande demonstração de espírito público ao concordar com a desapropriação de parte de seu estádio para o alargamento da rua Pinheiro Machado, o que lhe trouxe um prejuízo técnico e financeiro incalculável com o passar dos anos, pois tornou o seu histórico estádio obsoleto, em troca da melhora do trânsito no bairro Laranjeiras e em toda a cidade, pois desembocam pelo viaduto da rua Pinheiro Machado milhares de carros por dia, muitos vindo do Túnel Santa Bárbara, que liga o Centro à Zona Sul.

Diving pictogram.svg Water polo pictogram.svg Parque Aquático Jorge Frias de Paula

Em 1919, o Fluminense inaugurou o seu parque aquático, contando com quatro piscinas, sendo duas olímpicas, uma de salto ornamental e outra de polo aquático, como forma de reconhecimento aos atletas de desportos aquáticos do clube, que à época formavam a base da Seleção Olímpica.

Shooting pictogram.svg Estande de tiro

Planta baixa parcial do Fluminense.

O estande de tiro, fundado em agosto de 1919, na gestão de Arnaldo Guinle, é composto por 6 postos de 5 a 50 metros.

O clube foi um dos principais pioneiros do esporte no Brasil. Por ele ser um dos mais tradicionais e respeitados pelas principais entidades desportivas mundiais, era praticado pelas "elites" do Rio de Janeiro e militares em seus primórdios.

No Brasil o tiro desportivo conta com mais de 100 anos e teve como um dos seus alicerces o Fluminense Football Club.

Em 1934, devido a grande quantidade de praticantes, o clube tomou uma medida para aumentar o estande, tornando-o sede de competições nacionais e internacionais.

O estande possibilita aos seus frequentadores perfeita prática do tiro desportivo, nas distâncias de 5 a 50 metros, com vinte postos modernos localizados em dois andares.

Tennis pictogram.svg Quadra de tênis central Nélson Vaz Moreira

Depois desta quadra, inaugurada em 1907, o Tênis, que já atraia cada vez mais praticantes cariocas do esporte branco, referência aos uniformes dos jogadores,[228] tradicionalmente aristocrático, passou a fazer parte da eclética grade esportiva tricolor, o que culminou com a construção de uma segunda quadra em 1908, número que subiria para quatro a partir de 1911, colocando de vez o Fluminense no cenário tenístico nacional.

A evolução do Tênis no Fluminense atingiu sua fase áurea em 1929, com a construção da quadra central, para o 9º campeonato Sul-americano em disputa da Taça Miltre.

A partir de então, as quadras do Fluminense foram palcos de muitas das maiores partidas internacionais realizadas no Brasil durante décadas.

Football pictogram.svg CT Pedro Antônio

Ver artigo principal: CT Pedro Antônio
Pedro Antonio Ribeiro da Silva, que empresta o nome ao CT.

Este novo Centro de Treinamento, localizado na Barra da Tijuca, é utilizado para treinamentos e abrigará toda estrutura do time profissional de futebol do Fluminense, com 39,3 mil metros quadrados de área e custo de US$10 milhões de dólares, obra financiada e conduzida por Pedro Antônio Ribeiro da Silva, vice-presidente de projetos especiais.[229][230]

Visando uma melhor preparação física e técnica para o futuro, o Centro de Treinamento do Fluminense tem dois campos oficiais (o terceiro será construído posteriormente), área de suporte (lavanderia, garagem, depósito para materiais) e área do futebol (vestiários, departamento médico, fisioterapia, musculação, piscinas e recuperação dos atletas). Possuirá também área de hospedagem (hotel, estrutura administrativa do futebol, sala de imprensa e refeitório), conhecida por torre de cinco andares e ficará para ser concluída em um segundo momento, tendo sido apontado em sua inauguração como o mais moderno CT do Brasil.[229]

O CT começou a ser construído em meados de 2015 e ficou parcialmente pronto para as primeiras atividades do futebol profissional já em setembro de 2016, tendo tido a sua inauguração oficial em 21 de julho de 2016, no aniversário de 114 anos do Fluminense.[229]

No dia 29 de outubro de 2016, Peter Siemsen definiu em reunião do conselho o nome do Centro de Treinamento, Pedro Antônio Ribeiro da Silva, em homenagem a um dos principais responsáveis pela obra do Centro de Treinamento.[231]

Football pictogram.svg CT Vale das Laranjeiras

Ver artigo principal: CT Vale das Laranjeiras
Taça do Campeonato Brasileiro de Futebol Sub-20 de 2015, o primeiro sob organização da CBF.

Xerém, distrito da cidade de Duque de Caxias, é o local onde treinam as categorias de base do Fluminense, em um espaço de 130.000 metros quadrados, ao pé da Serra de Petrópolis.

Em 15 de junho de 2007, o Fluminense inaugurou o Hotel Telê Santana neste complexo. O Hotel Telê Santana tem 26 quartos, piscina, restaurante, bar, sala para preleções e extensa área verde em seu redor.[232]

Distribuídos no Centro de Treinamento Vale das Laranjeiras, também conhecido como CT de Xerém, estão 6 campos para treinos e 1 campo para jogos. O campo principal possui dimensões máximas oficiais (110x76 m) e normalmente é utilizado apenas em jogos oficiais das categorias de base. Este campo conta com uma arquibancada capaz de receber cerca de 2.000 torcedores.

Os outros seis campos são utilizados para a realização dos treinamentos técnicos das diversas categorias, sendo um deles especialmente para o treinamento dos goleiros.

O Flu orgulha-se do trabalho desenvolvido em Xerém não só pela conquista de importantes títulos internacionais, difundindo pelo mundo a tradição tricolor, mas, principalmente, pelo desenvolvimento da formação de atletas e cidadãos.

Segue a lista de alguns jogadores revelados em Xerém: Roger, Carlos Alberto, Roberto Brum, Arouca, Diego Souza, Thiago Silva, Jancarlos, Júnior César, Antônio Carlos, Rodolfo, Fernando Henrique, Toró, Marcelo, Lenny, Digão, Dalton, Tartá, Alan, Maicon, Wellington Nem, Fábio, Rafael, Marcos Júnior, Samuel, Lucas Patinho, Kenedy e Gérson.[233]

Projetos sociais e esportivos

Cerimônia de encerramento da Flu Camp 2018.
Fluminense Social

O Fluminense Social faz visitas a instituições carentes além de fazer doações para diversas campanhas. As doações visam a melhorar a vida das pessoas e das comunidades que são visitadas.[234]

Flu Camp

Meninos e meninas vivem a rotina de um jogador de futebol durante uma semana.

Flu Educação Esportiva

O programa Flu Educação esportiva representa um modelo de desenvolvimento esportivo, sendo implantado em todo o território nacional. Possui, como seu principal alicerce, a defesa de uma política sócio-esportivo, na qual o Fluminense se torna digno representante da cultura do esporte olímpico.

Guerreiros Solidários

Ação do Fluminense que visa incentivar a doação de sangue por parte de seus atletas e torcedores.

Projeto Escola de Esporte

Baseado em esporte e educação, propõe a montagem de escolas desportivas para atender todas as classes sociais.

Projeto Flu Performance

Oferece uma continuidade aos prováveis atletas com talentos, proporcionando a consequente seleção e promoção de talentos esportivos, incluindo treinamento diferenciado e torneio preparatório, para ingressarem nas equipes de base do Fluminense Football Club.

Michael Johnson Performance

O Fluminense mantém convênio de cooperação com empresa do nadador norte americano quatro vezes campeão olímpico, para melhorar a performance de seus jogadores da base.[235]

Convênios internacionais

Com o intuito de expandir a marca Fluminense pelo mundo, a atual diretoria traçou um plano de convênios de cooperação[236] com clubes de diversos países, visando intercâmbio de jogadores, disputa de torneios e amistosos, além de troca de conhecimentos técnicos e esportivos.

Estadio José Amalfitani do Vélez Sarsfield em 2006.

O Fluminense possui convênios ativos com os seguintes clubes estrangeiros:

Bibliografia

Ver artigo principal: Livro:Fluminense Football Club

Referências

  1. GloboEsporte.com (10 de julho de 2012). «Corinthians é visto como o maior rival no futebol nacional, diz pesquisa (apontando as principais rivalidades para cada clube, não a importância dos clássicos).». GloboEsporte.com. Consultado em 15 de junho de 2017 
  2. CBF (5 de dezembro de 2018). «RNC - Ranking Nacional dos Clubes 2019» (PDF). Cópia arquivada (PDF) em 4 de dezembro de 2017 
  3. RSSSF Brasil - Recordes em campeonatos estaduais, página editada em 29 de setembro de 2017 e disponível em 3 de outubro de 2018.
  4. BARRETO BERWANGER, Alexandre Magno (11 de julho de 2014). «O estádio (sede) das Laranjeiras». CAMPEÕESDOFUTEBOL.com. Consultado em 5 de março de 2019 
  5. 100 anos do Estádio de Laranjeiras (dados de João Cláudio Bolthauser, co-autor de livros do Flumemória), página editada e disponível em 10 de maio de 2019.
  6. BARRETO BERWANGER, Alexandre Magno (18 de julho de 2014). «Fluminense- O caminho até a Taça Olímpica». CAMPEÕESDOFUTEBOL.com. Consultado em 31 de janeiro de 2019 
  7. RSSSF BRASIL - Todos os títulos oficiais decididos em Laranjeiras (exceto torneios início), página editada em 15 de março de 2009 e disponível em 28 de fevereiro de 2017.
  8. «TORRES, Fagner - Site ESPN - 2016 e o sonho de jogar nas Laranjeiras. Será?, página editada em 12 de março de 2015 e disponível em 31 de dezembro de 2016.». Consultado em 31 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 1 de janeiro de 2017 
  9. a b Site oficial do FLUMINENSE FOOTBALL CLUB - A fundação do clube, página disponível em 31 de dezembro de 2016.
  10. Site CAMPEÕES DO FUTEBOL - 114 anos de Fluminense Football Club, página disponível em 31 de dezembro de 2016.
  11. Jornal "Extra" - Fifa parabeniza o 'gigante e pioneiro' Fluminense pelos 112 anos, página editada em 21 de julho de 2014 e disponível em 23 de março de 2019.
  12. TARGINO, Maurício (18 de maio de 2012). «O G-12 brasileiro.». Site deprimeira. Consultado em 31 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 27 de outubro de 2016 
  13. Site ESPN.COM.BR - Os maiores clubes do Brasil no Século XXI, página editada em 17 de março de 2015 e disponível em 31 de dezembro de 2016.
  14. «Site da revista PLACAR - Livro sobre camisa dos 12 grandes clubes do Brasil ganha versão atualizada, página editada em 13 de dezembro de 2016 e disponível em 31 de dezembro de 2016.». Consultado em 31 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 3 de agosto de 2018 
  15. RSSSF Brasil - Classificação dos Clubes de Futebol Brasileiros, página editada em 9 de novembro de 2007 e disponível em 31 de dezembro de 2016.
  16. Ranking de clubes brasileiros, página editada em 8 de dezembro de 2016 e disponível em 31 de dezembro de 2016.
  17. Site FUTBOX - Fluminense, página disponível em 28 de fevereiro de 2017.
  18. Site FLUNOMENO - Campeão Carioca do Século XX, página disponível em 28 de fevereiro de 2017.
  19. Site FUTEBOLRJ, página disponível em 18 de março de 2017.
  20. Jornal LANCE! - CBD apontou o Fluminense como campeão brasileiro de 1970.[ligação inativa]
  21. Site oficial do FLUMINENSE FOOTBALL CLUB, Lista de títulos, página disponível em 18 de março de 2017.
  22. Site oficial do Fluminense Football Club - Conquistas, página disponível em 5 de março de 2019.
  23. SANDER, Roberto - Livro 1952 - Fluminense campeão do mundo, páginas 19 a 23.
  24. Site OBSERVATÓRIO DO FLUMINENSE - Um pouco de história para quem não sabe quem é o FLUMINENSE FOOTBALL CLUB (por Bruno Carril - MR21), página editada em 26 de novembro de 2015 e disponível em 23 de março de 2019.
  25. CANCELLA, Karina - E o Rio de Janeiro já foi quase “olímpico”…, página editada em 15 de agosto de 2016 e disponível em 28 de maio de 2018.
  26. IG ESPORTE - Confederação revalida Jogos Olímpicos Latino-americanos de 1922, página editada em 22 de setembro de 2012 e disponível em 28 de maio de 2018.
  27. Site oficial do FLUMINENSE FOOTBALL CLUB - Castilho, página disponível em 25 de novembro de 2016.
  28. Livro Waldo, o Artilheiro.
  29. RSSSF - Brasil - Maiores artilheiros de clubes do Brasil, página editada em 3 de dezembro de 2012 e disponível em 13 de fevereiro de 2019.
  30. Site Memórias do Esporte - UOL, pagina editada em 11 de janeiro de 2018 e disponível em 2 de março de 2019.
  31. RAUPP, Ivan - Site Globoesporte.com - Maior artilheiro do Flu, Waldo luta contra o Alzheimer e não lembra que foi jogador, página editada em 29 de setembro de 2017 e disponível em 13 de fevereiro de 2019.
  32. Site da Associação Brasileira de Imprensa - 104 anos de emoções no campeonato do RJ, página editada em 8 de fevereiro de 2010 e disponível em 6 de março de 2019.
  33. Jornal EXTRA/LANCEPRESS - De Oswaldo Gomes a Fred, o Fluminense na história da Seleção, página editada em 15 de junho de 2013 e disponível em 5 de março de 2019.
  34. Site oficial da CBF - Oswaldo Gomes, autor do 1º gol da Seleção, foi presidente da CBD, página editada em 21 de julho de 2014 e disponível em 6 de março de 2019.
  35. MONTEIRO, Marcelo - Site Globoesporte.com - Thiago Neves é o primeiro a marcar três gols em um jogo final de Libertadores, página editada em 3 de julho de 2008 e disponível em 6 de março de 2019.
  36. Site da ESPN - Fred faz o primeiro gol do 'novo' Maracanã, página editada em 2 de junho de 2013 e disponível em 6 de março de 2019.
  37. Fluminense 1902-2002 - 100 Anos de Glórias (livro oficial do centenário), página 24, por Pedro da Cunha e Menezes e outros autores, Andrea Jakobsson Estúdio Editorial Ltda (2003).
  38. Revista Grandes Clubes Brasileiros - Fluminense, página 124, Rio Gráfica e Editora S.A. (1972).
  39. Livro Fluminense Football Club História, Conquistas e Glórias no Futebol, página 10, por Antônio Carlos Napoleão (2003).
  40. Revista Grandes Clubes Brasileiros - Fluminense, Rio Gráfica e Editora S.A. (1972).
  41. Livro História do futebol no Brasil, texto referente ao ano de 1919, por Thomaz Mazzoni (1950).
  42. Livro Um jogo inteiramente diferente, página 170, por Aidam Hamilton (2001).
  43. Site PANORAMA TRICOLOR - Um tanque chamado Welfare (da Redação), página editada em 24 de novembro de 2015 e disponível em 5 de setembro de 2017.
  44. ALLIATTI, Alexandre - Site GLOBOESPORTE.com- Oswaldo em façanhas e dores: quem foi o autor do primeiro gol da Seleção, página editada em 21 de julho de 2014 e disponível em 8 de abril de 2018.
  45. RSSSF Brasil - Os maiores públicos do Fluminense - Item 9, ano de 1917, citando comentário do historiador paulista Thomaz Mazzoni, publicado em seu livro História do Futebol no Brasil, sobre a crescente popularidade do futebol brasileiro a partir do ano de 1917.
  46. Livro Footballmania, a partir da página 134, de Leonardo Affonso de Miranda Pereira, editado no ano de 2000.
  47. LUCENA, Felipe - Diário do Rio - História do Estádio das Laranjeiras, Sede do Fluminense, página editada em 11 de agosto de 2016 e disponível em 13 de abril de 2018.
  48. BOLTHAUSER, João Claudio - Blog do Bolt - As laranjeiras imortais, página editada em novembro de 2017 e disponível em 13 de abril de 2018.
  49. SPORTV - Com Rio 2016, Brasil sediará grande evento multiesportivo pela oitava vez, página editada em outubro de 2015 e disponível em 28 de maio de 2018.
  50. CANCELLA, Karina - E o Rio de Janeiro já foi quase “olímpico”…, página editada em 15 de agosto de 2016 e disponível em 28 de maio de 2018.
  51. IG ESPORTE - Confederação revalida Jogos Olímpicos Latino-americanos de 1922, página editada em 22 de setembro de 2012 e disponível em 28 de maio de 2018.
  52. Livro Jogos Olímpicos Latino-americanos: Rio de Janeiro 1922 , por César R. Torres.
  53. FERREIRA, Eduardo - Site TIROFLU, 1922 - Jogos Olímpicos Latino-americanos, página disponível em 28 de maio de 2018.
  54. Livro História do Fluminense 1902/2002, por Paulo Coelho Netto (2003).
  55. BOLTHAUSER, João Claudio - JOGOS LATINO-AMERICANOS - AS LARANJEIRAS IMORTAIS, página editada em 30 de novembro de 2017 e disponível em 28 de maio de 2018.
  56. Site CAMPEÕES DO FUTEBOL - Preguinho - o autor do primeiro gol da Seleção Brasileira em Copas do Mundo, página editada em 21 de junho de 2008 e disponível em 10 de abril de 2018
  57. Tese de Mestrado da FGV FLUMINENSE FOOTBALL CLUB A construção de uma identidade clubística no futebol carioca (1902-1933)[ligação inativa]
  58. Tese da USP A desmontagem das acusações de racismo partidas de falsos amadores
  59. Depoimento de Marcos Carneiro de Mendonça no Correio da Manhã de 15 de agosto de 1967 (página 2), sobre os motivos econômicos do início do profissionalismo no futebol brasileiro
  60. RSSSF Brasil - Cronologia dos títulos oficiais do Fluminense, página editada em 20 de julho de 2013 e disponível em 15 de março de 2017.
  61. RSSSF Brasil - Principais títulos do Fluminense Football Club (RJ), página editada em 27 de outubro de 2013 e disponível em 15 de março de 2017.
  62. RSSSF Brasil - Torneio Rio-São Paulo de 1940, página editada em 26 de agosto de 2008 e disponível em 15 de março de 2017.
  63. TOLIVIA, Emiliano -Site Globoesporte.com - Torneio Rio-São Paulo de 1940: taça dividida de Fla e Flu é esquecida, página editada em 5 de julho de 2012 e disponível em 18 de março de 2017.
  64. RSSSF Brasil - Campanha e públicos do Fluminense no Campeonato Carioca de 1946.
  65. Livro Fluminense Football Club, História, Conquistas e Glórias no futebol, página 89, por Antonio Carlos Napoleão (2003).
  66. Livro Fluminense Football Club, História, Conquistas e Glórias no futebol, página 92, por Antonio Carlos Napoleão (2003).
  67. Site GLOBOESPORTE.COM - Clube comemora 60 anos da conquista da Taça Olímpica, página editada em 24 de abril de 2009 e disponível em 10 de junho de 2018.
  68. Site CAMPEÕES DO FUTEBOL - Fluminense - o caminho até a Taça Olímpica, página editada em 18 de julho de 2014 e disponível em 10 de junho de 2018.
  69. Site TAÇA OLÍMPICA - 60 anos da Taça Olímpica, página editada em 2009 e disponível em 10 de junho de 2018.
  70. LOPES, Everardo (5 de agosto de 1952). «Vitória do Fluminense, alegria da cidade». Jornal dos Sports, página 5. Consultado em 4 de abril de 2017 
  71. NETTO, Vargas (5 de agosto de 1952). «Copa Rio». Jornal dos Sports, página 5. Consultado em 4 de abril de 2017 
  72. RODRIGUES, Mario Julio (5 de agosto de 1952). «Com o Fluminense venceram também o football carioca e brasileiro». Jornal dos Sports, página 5. Consultado em 4 de abril de 2017 
  73. UOL, Equipe do site (27 de janeiro de 2017). «Jornal: Nova Fifa diz que campeões mundiais de clubes são a partir de 2000». Site UOL. Consultado em 23 de fevereiro de 2017 
  74. Site oficial do FLUMINENSE FOOTBALL CLUB - Mundial Interclubes 1952, página disponível em 28 de fevereiro de 2017.
  75. GARCIA, Diego - Site TERRA - Entrevista com CUNHA, Odir (ler a resposta para a segunda pergunta sobre ser a competição de melhor nível técnico do Brasil nos anos 1950 e 1960) - Autor de dossiê rechaça unificação do Rio-São Paulo: "não tem chance", página editada em 30 de dezembro de 2010 e disponível em 28 de fevereiro de 2017.
  76. Site BOLA NA ÁREA - Torneio Rio-São Paulo, página disponível em 28 de fevereiro de 2017.
  77. Site oficial do FLUMINENSE FOOTBALL CLUB, Torneio RJ x SP 1957, página disponível em 18 de março de 2017.
  78. Site oficial do FLUMINENSE FOOTBALL CLUB, Torneio RJ x SP 1960, página disponível em 18 de março de 2017.
  79. RSSSF Brasil Torneio Rio-São Paulo 1952, página editada em 1 de setembro de 2008 e disponível em 1 de abril de 2017.
  80. RSSSF Brasil Torneio Rio-São Paulo de 1954, página editada em 2 de janeiro de 2009 e disponível em 1 de abril de 2017.
  81. RSSSF Brasil - Fichas técnicas do Fluminense na Taça Brasil, página editada em 27 de outubro de 2013 e disponível em 20 de agosto de 2017.
  82. RSSSF Brasil - Fichas técnicas de jogos do Fluminense - 1951-1960, página editada em 8 de agosto de 2006 e disponível em 20 de agosto de 2017.
  83. Livro Taça de Prata de 1970: O Campeonato Brasileiro mais difícil de todos os tempos, conquistado pelo Fluminense, por Roberto Sander, Editora Maquinária (2010)
  84. Site IMORTAIS DO FUTEBOL - Esquadrão Imortal - Fluminense 1983-1985, página editada em 6 de agosto de 2012 e disponível em 19 de agosto de 2017.
  85. Livro A verdadeira Máquina Tricolor: A história do time que ganhou o Campeonato Brasileiro de 1984 e o tricampeonato carioca de 1983-84-85, por Sergio Trigo (2011).
  86. Site IMORTAIS DO FUTEBOL - Esquadrão Imortal - Fluminense 1975-1976, página editada em 20 de março de 2012 e disponível em 21 de agosto de 2017.
  87. Site IMORTAIS DO FUTEBOL - Esquadrão Imortal – Fluminense 2007-2012, página editada em 13 de julho de 2017 e disponível em 19 de agosto de 2017.
  88. DA SILVA, Sidney Barbosa (22 de abril de 2016). «Copa Primeira Liga 2016». Site Campeões do Futebol. Consultado em 19 de junho de 2019 
  89. Site Estatísticas do Fluminense - Informações gerais do Fluminense, página disponível em 18 de dezembro de 2018.
  90. Site Futebol 80, página disponível em 11 de junho de 2019.
  91. Livro Fluminense Football Club - O time de meu coração, somados os números aos jogos realizados até o final de 2017.
  92. Livro Bíblia do Fluminense, por Sérgio Trigo (2014), páginas 24, 124 e 125.
  93. MELLO, Lucas (24 de maio de 2017). «Qual clube brasileiro tem o melhor desempenho contra europeus?». Revista Placar. Consultado em 27 de maio de 2017 
  94. MELLO, Lucas (24 de maio de 2017). «A história do Fluminense contra times europeus». Revista Placar. Consultado em 27 de maio de 2017 
  95. a b Jogos da Seleção Brasileira no Estádio das Laranjeiras.
  96. DE ARRUDA, Marcelo Leme (27 de julho de 2016). «Clubes que cederam os técnicos da Seleção Brasileira». RSSSF Brasil. Consultado em 30 de julho de 2016 
  97. Site CAMPEÕES DO FUTEBOL - Jogadores do Fluminense na Seleção Brasileira, página editada em 21 de abril de 2010 e disponível em 28 de fevereiro de 2017.
  98. MARQUES, Bruno; GONÇALVES, Igor e QUINTELLA, Thiago (7 de maio de 2014). «Copa: Botafogo segue líder entre clubes que mais cederam jogadores à Seleção». GLOBOESPORTE.com - NUMERÓLOGOS. Consultado em 16 de fevereiro de 2017 
  99. Jogadores do Fluminense na Seleção Brasileira
  100. «World Team of the 20th Century» (em inglês). InfoPlease. 10 de junho de 1998. Consultado em 27 de dezembro de 2014 
  101. «Ramos, Balboa named to MasterCard CONCACAF 20th Century team» (em inglês). International Soccer Times. 15 de maio de 1998. Consultado em 27 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 6 de agosto de 2017 
  102. Página oficial do FLUMINENSE FOTBALL CLUB - O projeto Flu-Europa (STK Fluminense Samorin), página disponível em 18 de maio de 2017.
  103. DE SÁ, Edgar Maciel e WERLANG, Hector - Site Globoesporte - Flu Samorin lança nova camisa e escudo nesta sexta-feira; confira as novidades, página editada em 15 de setembro de 2017 e disponível em 24 de setembro de 2017.
  104. HUBER, Fred - Site Globoesporte - Flu Samorin fecha parceria e vai usar um dos melhores CTs da Europa, página editada em 9 de setembro de 2016 e disponível em 24 de setembro de 2017.
  105. WERLANG, Hector e RAUPP, Ivan - Site Globoesporte - Sem efetivar patrocínios, Fluminense decide encerrar projeto no Samorin, página editada e disponível em 24 de janeiro de 2019.
  106. Zmena prichádza po ukončení spolupráce s Fluminense FC. - Site oficial do ŠTK Šamorín, página editada em 25 de junho de 2019 e disponível em 26 de junho de 2019.
  107. Livro Fluminense Football Club História, Conquistas e Glórias no Futebol, página 7, por Antônio Carlos Napoleão (2003).
  108. Livro Os distintivos de futebol mais curiosos do mundo, de Luiz Fernando Bindi e José Renato Sátiro Santiago Júnior, E. Panda Books, 2011, páginas 15 e 175.
  109. «Site InfoAmérica: Tipos Góticos.» (PDF). Consultado em 26 de setembro de 2011. Arquivado do original (PDF) em 8 de janeiro de 2009 
  110. MUNDO ESTRANHO, Redação - Qual o significado das estrelas nos uniformes dos times brasileiros? - página editada em 18 de abril de 2011 e disponível em 12 de dezembro de 2016.
  111. FLUMINENSE FOOTBALL CLUB, Site oficial - Outros símbolos, página disponível em 24 de novembro de 2015.
  112. Livro Fluminense Football Club História, Conquistas e Glórias no Futebol, página 28, por Antônio Carlos Napoleão (2003).
  113. Site oficial Dia das Crianças tem reinauguração do parquinho e nova identidade do mascote, matéria editada em 12 de outubro de 2013.
  114. «2009-2010. Site SOU MAIS FLU - O Time de Guerreiros, página disponível em 15 de julho de 2018.». Consultado em 15 de julho de 2018. Arquivado do original em 15 de julho de 2018 
  115. Site SPORTV - Para escritor, Fluminense provou ser um 'time de guerreiros' em 2009, página editada em 29 de agosto de 2012 e disponível em 15 de julho de 2018.
  116. RIMOLI, Cosme - Site R7- O time de guerreiros do Fluminense orgulhou o Brasil. Essa classificação é dedicada aos trogloditas do Argentinos Juniors. E a Muricy Ramalho…, página editada em 21 de abril de 2011 e disponível em 15 de julho de 2018.
  117. Saiba o motivo que fez o Fluminense mudar de mascote em 2016, página editada em 9 de março de 2016 e disponível em 22 de setembro de 2016
  118. Flu muda mascote para se livrar da imagem "pejorativa" de cartola, página editada em 9 de março de 2016 e disponível em 22 de setembro de 2016.
  119. Jornal Lance! (7 de maio de 2019). «Laranjeiras 100 anos: a missa de inauguração do Cristo Redentor.». Consultado em 3 de junho de 2019 
  120. CUSTODIO, Vinicius (21 de junho de 2014). «Exposição apresenta os santos padroeiros dos principais times do Brasil.». Consultado em 3 de junho de 2019 
  121. Fluminense.com.br: Papa João Paulo II é o novo padroeiro do Fluminense
  122. a b GloboEsporte.com: Fluminense oficializa João Paulo II como seu padroeiro
  123. «Revista Veja Rio - Papa Francisco recebe camisa personalizada do Fluminense». Consultado em 26 de julho de 2013. Arquivado do original em 28 de julho de 2013 
  124. «Hinos do Fluminense Football Club - Site de Ubiratan Iorio.». Consultado em 26 de setembro de 2011. Arquivado do original em 7 de agosto de 2008 
  125. Lei nº 5 094 - Dia do Fluminense Football Club.
  126. FREITAS, Franklin Lopes de - DATAS COMEMORATIVAS - 44 Datas comemorativas em novembro (12/11), página disponível em 12 de novembro de 2016.
  127. Site da revista VEJA RIO - TORCIDAS DO RIO DE JANEIRO, página editada 26 de fevereiro de 2015 e disponível em 7 de janeiro de 2016.
  128. Site oficial do FLUMINENSE FOOTBALL CLUB - Taça Olímpica 1949, página disponível em 1 de março de 2017.
  129. BOLTHAUSER, João Claudio - Estatísticas do Fluminense no Campeonato Carioca – parte 1, página disponível em 11 de junho de 2019.
  130. Livro História dos Campeonatos Cariocas de Futebol 1906/2010, por Clovis Martins e Roberto Assaf, páginas 17, 18 e 43.
  131. Revista PLACAR Guia do Brasileirão 2017
  132. Revista Placar número 1434 de dezembro de 2017 páginas 72 a 77
  133. Em jejum, São Paulo perde liderança do Ranking Folha para o Flamengo, página editada em 31 de dezembro de 2017 e disponível em 3 de março de 2018
  134. Ranking Histórico Brasileiro de Clubes baseado em critérios matemáticos - 2017
  135. Ranking Histórico Mundial de Clubes baseado em critérios matemáticos - 2017
  136. Site Futebol 80, página disponível em 11 de junho de 2019.
  137. Site Estatísticas do Fluminense, página disponível em 11 de junho de 2019.
  138. Jornal O DIA - Conmebol divulga ranking e Fluminense é o melhor colocado entre os cariocas, página editada e disponível em 9 de fevereiro de 2017.
  139. Site Futebol 80, página disponível em 11 de junho de 2019.
  140. Site Estatísticas do Fluminense, página disponível em 11 de junho de 2019.
  141. (10 de junho de 2007) Em 1985, Vasco e Fluminense empatavam pela Libertadores (em português). NetVasco.com. Visitado em 27 de maio de 2014
  142. BONSANTI, Bruno (13 de fevereiro de 2015). «Os 10 maiores clássicos da história da Libertadores». Trivela.com. Consultado em 21 de agosto de 2016 
  143. DE FREITAS LIMA, Ricardo. «Estatísticas Fluminense >> Especiais >> Campeonatos >> Consulta campeonato - Selecionar competição». Fluzão.info. Consultado em 27 de agosto de 2016 
  144. Jornal Lance! - Em meio à críticas e quase barração, Gum chega a 350 jogos pelo Tricolor, página editada e disponível em 23 de outubro de 2016.
  145. SITE OFICIAL DO FLUMINENSE (com lista dos 15 maiores artilheiros do Fluminense em 28/11/2012), Waldo, maior artilheiro da história do Flu com 319 gols, visita as Laranjeiras, página editada em 28 de novembro de 2012 e disponível em 4 de fevereiro de 2016.
  146. RODRIGUES, RODOLFO - Fred se torna o 3º maior artilheiro do Fluminense na história, página editada em 11 de fevereiro de 2016 e disponível em 6 de março de 2016.
  147. «Recordes do Fluminense Football Club, Site SOUMAISFLU, página disponível em 24 de outubro de 2016.». Consultado em 23 de outubro de 2016. Arquivado do original em 23 de outubro de 2016 
  148. Site Globoesporte - Abel pede demissão, deixa o Flu e justifica: "Desgaste tem sido muito grande", página editada e disponível em 16 de junho de 2018.
  149. DE FREITAS, Ricardo Lima - Site Estatísticas do Fluminense - Especiais - Goleadas - Goleadas em jogos oficiais, página disponível em 23 de outubro de 2016.
  150. TARGINO, Maurício (18 de maio de 2012). «O G-12 brasileiro.». Site deprimeira. Consultado em 25 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 27 de outubro de 2016 
  151. RODRIGUES, Rodolfo e GINI, Paulo Villena (3 de agosto de 2009). «Livro A história das camisas dos 12 maiores times do Brasil». Panda Books. Consultado em 26 de dezembro de 2013. Arquivado do original em 2 de abril de 2014 
  152. GloboEsporte.com (10 de julho de 2012). «Corinthians é visto como o maior rival no futebol nacional, diz pesquisa (apontando as principais rivalidades para cada clube, não a importância dos clássicos).». GloboEsporte.com. Consultado em 18 de março de 2018 
  153. Livro “Fla-Flu… E as Multidões Despertaram”, de Nelson Rodrigues e Mário Filho, Editora Europa, 1987
  154. Stein, Leandro (8 de fevereiro de 2014). «O jogo que eternizou a grandeza do Fla-Flu: 194 mil no Maracanã em 1963». Site Trivela. Consultado em 19 de fevereiro de 2018 
  155. BENEVENUTTE, Thiago (6 de maio de 2015). «Raio-x dos confrontos brasileiros na Libertadores tem 155 jogos e só um invicto». Globoesporte.com. Consultado em 19 de fevereiro de 2018 
  156. BARRETO BERWANGER, Alexandre Magno (3 de dezembro de 2014). «Grandes clássicos mais antigos do futebol do Brasil de do continente americano». Site Campeões do Futebol. Consultado em 19 de fevereiro de 2018 
  157. Decisões de títulos no Estádio das Laranjeiras.
  158. Livro Hei de torcer até morrer, de José Rezende, página 76.
  159. 100 anos do Estádio de Laranjeiras (dados de João Cláudio Bolthauser, co-autor de livros do Flumemória), página editada e disponível em 10 de maio de 2019.
  160. Site Imortais do Futebol - Maracanã - Templo do Futebol, página editada em 29 de janeiro de 2018 e disponível em 16 de junho de 2018.
  161. Site Globoesporte - Maracanã ganha nova roupagem para a Copa do Mundo de 2014, página editada em 1 de junho de 2010 e disponível em 16 de junho de 2018.
  162. Site RSSSF Brasil - Jogos que decidiram títulos para o Fluminense no Estádio do Maracanã.
  163. Site RSSSF Brasil - Jogos que decidiram títulos para o Fluminense em Torneios Início.
  164. Site Estatísticas do Fluminense - Especiais - Estádio - Todos os jogos em estádio - Maracanã, página disponível em 31 de dezembro de 2017.
  165. - Especiais - Estádios - Todos os jogos em estádio - Site Estatísticas do Fluminense, disponível em 31 de dezembro de 2017.
  166. DE FREITAS, Ricardo Lima - Site Estatísticas do Fluminense - Especiais - Estádios - 15 estádios que mais jogamos, página disponível em 19 de dezembro de 2018.
  167. Jornal Folha de S.Paulo - População brasileira atinge 202,7 milhões de habitantes, calcula IBGE, página editada em 28 de agosto de 2014 e disponível em 25 de dezembro de 2016.
  168. FERNANDEZ, Renato Lanna - Tese de Mestrado FLUMINENSE FOOT-BALL CLUB - A construção de uma identidade clubística no futebol carioca (1902-1933), página 9 (incluindo observações abaixo dela), página disponível em 31 de outubro de 2015
  169. Revista Pesquisa LANCE!IBOPE, 5ª edição, editada em 2 de junho de 2015, página 9
  170. «O tamanho das torcidas brasileiras nas capitais». Globoesporte.com. 19 de setembro de 2016. Consultado em 26 de agosto de 2017 
  171. «Atlético x Cruzeiro e os vieses de pesquisa: qual é a maior torcida? - Citação da margem de erro.». Instituto Focus. 5 de setembro de 2014. Consultado em 13 de abril de 2016 
  172. «Atlético x Cruzeiro e os vieses de pesquisa: qual é a maior torcida?». Instituto Focus. 5 de setembro de 2014. Consultado em 13 de abril de 2016 
  173. «Pesquisa LANCE! Ibope: Flamengo segue com a maior torcida do Brasil.». Ibope. 27 de agosto de 2014. Consultado em 25 de dezembro de 2016 
  174. «Em nova pesquisa de torcidas, Vasco ultrapassa Palmeiras.». GloboEsporte.com. 26 de março de 2013. Consultado em 25 de dezembro de 2016 
  175. Pesquisa de maiores torcidas do Brasil da Paraná Pesquisas, divulgada em 18 de dezembro de 2013 e disponível em 24 de dezembro de 2016.
  176. IBGE - ESTIMATIVAS DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS COM DATA DE REFERÊNCIA EM 1 DE JULHO DE 2014, página disponível em 4 de janeiro de 2016
  177. GONÇALVES, Emerson - Site GLOBOESPORTE - Panorama nacional das torcidas pela pesquisa Pluri Stochos, página editada em 18 de abril de 2013 e disponível em 1 de janeiro de 2016
  178. Revista CARTA CAPITAL - IBGE População brasileira passa dos 200 milhões, página editada em 28 de agosto de 2014 e disponível em 27 de dezembro de 2016.
  179. Histórico de pesquisas sobre torcidas no Estado do Rio de Janeiro, pesquisa editada em 26 de junho de 2015 e disponível em 26 de dezembro de 2016.
  180. Site Campeões do Futebol - As maiores torcidas do futebol no Rio de Janeiro (1948 a 2012), página editada em 18 de abril de 2012 e disponível em 8 de outubro de 2018.
  181. Histórico de pesquisas de torcidas no Estado do Espírito Santo, página editada em 15 de maio de 2009 e disponível em 26 de dezembro de 2016.
  182. Jornal NOTÍCIAS DO DIA (SC) - Flamengo tem quase a metade da torcida do RJ, página editada em 29 de agosto de 2014 e disponível em 28 de dezembro de 2016.
  183. ZIRPOLI, Cassio - DIÁRIO DE PERNAMBUCO - A força das torcidas brasileiras dentro e fora de casa, página editada em 20 de março de 2012 e disponível em 28 de dezembro de 2016.
  184. IBGE - Estimativas da população dos municípios brasileiros com data de referência em 1 de julho de 2014 - Regiões metropolitanas, página editada em 28 de agosto de 2014 e disponível em 8 de abril de 2017.
  185. Histórico de pesquisas sobre torcidas no Estado do Rio de Janeiro, pesquisa editada em 26 de junho de 2015 e disponível em 8 de abril de 2017.
  186. a b Revista LANCE! Pesquisa Lance! IBOPE - 5ª edição, página 16 (2014).
  187. Ranking digital dos clubes brasileiros de futebol – Jun/2019, página editada e disponível em 4 de junho de 2019.
  188. «Site TORCEDÔMETRO, página disponível em 2 de março de 2019.». Consultado em 1 de janeiro de 2017. Arquivado do original em 3 de novembro de 2015 
  189. Site CAMPEÕES DO FUTEBOL - Total de ingressos vendidos por clubes no Campeonato Brasileiro da Série A (1971 A 2012), página editada em 8 de janeiro de 2013 e disponível em 3 de março de 2018
  190. Revista PLACAR Guia do Brasileirão 2017 páginas 51 e 58
  191. RSSSF Brasil - Maiores médias de público por clube no Campeonato Brasileiro, página disponível em 3 de março de 2018
  192. Site NETFLU - Ranking de público no mundo: saiba a colocação do Flu nos últimos 10 anos, página editada e disponível em 15 de julho de 208
  193. Site TORCEDORES.COM - Top-50: veja as maiores médias de público do Brasil nos últimos 10 anos, página editada em 1 de junho de 2018 e disponível em 15 de julho de 2018.
  194. ZIRPOLI, Cassio - 4 clubes do Nordeste no top 200 do ranking mundial de público, via Pluri, página editada em 25 de maio de 2018 e disponível em 15 de julho de 2018.
  195. RSSSF Brasil, Maiores públicos do Fluminense, página editada em 28 de julho de 2016, disponível em 30 de julho de 2016.
  196. «FILHO, Paulo Cezar - FLUNEWS - Maiores públicos de clubes brasileiros contra clubes estrangeiros, página editada em agosto de 2008 e disponível em 24 de agosto de 2016.». Consultado em 24 de agosto de 2016. Arquivado do original em 25 de agosto de 2016 
  197. VICTOR - Site BLABLAGOL - Sobre o valor dos ingressos – Fluminense x LDU, página editada em 21 de junho de 2008 e disponível em 24 de agosto de 2016
  198. «Futebol – Elenco». Fluminense.com. Consultado em 29 de abril de 2017 
  199. «Com novidades, Fluminense divulga numeração oficial para a temporada». Lance.com. 16 de janeiro de 2017. Consultado em 29 de abril de 2017 
  200. PAZ, Luis (17 de dezembro de 2015). «Tricolor - La camiseta más linda del mundo y el futuro de la indumentaria.» (em espanhol). Página 12. Consultado em 20 de dezembro de 2015 
  201. «Site Netflu, editado e disponível em 26 de fevereiro de 2014, autor: Leandro Dias.». Consultado em 26 de fevereiro de 2014. Arquivado do original em 6 de março de 2014 
  202. Revista PLACAR nº 1375 Fev 2013 pág.77.
  203. História dos uniformes do Fluminense.
  204. Site Globoesporte.com - Fluminense confirma rescisão com a Adidas e acerto com nova fornecedora, página editada e disponível em 30 de dezembro de 2015.
  205. Jornal Folha de São Paulo - Uma nova carta da MTV, página editada em 26 de julho de 1997 e disponível em 16 de junho de 2018.
  206. Site Torcedores.com - Camisa do Fluminense já teve até patrocínios em emissoras de TV, página editada em 15 de maio de 2015 e disponível em 16 de junho de 2018.
  207. «Peter Siemsen anuncia Viton 44 como patrocinador master do Fluminense». Fluminense.com. 11 de dezembro de 2014. Consultado em 10 de fevereiro de 2015 
  208. «Frescatto é a nova patrocinadora do Fluminense» (PDF). Frescatto.com. Consultado em 10 de fevereiro de 2015 
  209. Flu inicia parceria e anuncia patrocínio da Universal Orlando Resort até novembro.
  210. «Veja a relação atualizada de patrocinadores e parceiros do Fluminense». 5 de abril de 2018. Consultado em 5 de abril de 2018 
  211. Análise da parceria com a Traffic.[ligação inativa]
  212. Flu ganha ônibus Volksbus para o transporte de jogadores.
  213. Site oficial do Fluminense.
  214. Fluminense fecha acordo com companhia de bebidas.
  215. Unimed também patrocinará o Centro de Treinamento.[ligação inativa]
  216. Departamento de Marketing FFC (9 de janeiro de 2013). «Ocupação 41 organiza ajuda para vítimas das enchentes em Xerém.». Fluminense.com. Consultado em 16 de março de 2015 
  217. COSTA, Tiago & ZANELLI, Leonardo (Assessoria de Imprensa – FFC) (28 de setembro de 2012). «Nutrilatina fornecerá suplementos para futebol profissional e base». Fluminense.com. Consultado em 16 de março de 2015 
  218. Comunicação Institucional FFC (28 de outubro de 2013). «Flu fecha parceria com Gatorade aos moldes do futebol americano». Fluminense.com. Consultado em 16 de março de 2015 
  219. GloboEsporte.com (29 de outubro de 2013). «Fluminense assina contrato de patrocínio com a Gatorade». GloboEsporte.com. Consultado em 16 de março de 2015 
  220. Comunicação Institucional FFC (9 de abril de 2014). «Fluminense recebe novo ônibus, customizado com as cores do clube». Fluminense.com. Consultado em 16 de março de 2015 
  221. Comunicação Institucional FFC (13 de fevereiro de 2014). «Fluminense firma parceria com a Universidade de Coimbra de Portugal». Fluminense.com. Consultado em 15 de fevereiro de 2014 
  222. DE ARRUDA, Marcelo Leme (27 de julho de 2016). «Clubes que cederam os técnicos da Seleção Brasileira». RSSSF Brasil. Consultado em 19 de março de 2018 
  223. BERWANGER, Alexandre Magno Barreto (27 de outubro de 2013). «Principais títulos do Fluminense Football Club». RSSSF Brasil. Consultado em 1 de março de 2014 
  224. Jornal O Fluminense, página editada em 4 de março de 2016 e disponível em 23 de abril de 2018
  225. «A História do Fluminense Football Club». Consultado em 18 de outubro de 2014. Arquivado do original em 25 de março de 2014 
  226. Jogos que decidiram títulos no Estádio das Laranjeiras
  227. «Título sul-americano do Brasil em 1919». Consultado em 5 de março de 2007. Arquivado do original em 29 de setembro de 2007 
  228. WERNECK, José Inácio - Site ESPN - O tênis parece ser um esporte especialmente sujeito às malandragens de apostadores, página editada em 18 de setembro de 2008 e disponível em 20 de maio de 2019.
  229. a b c GLOBOESPORTE.COM - "Melhor do Brasil" e "nível Europa": Flu inaugura CT e pode treinar em 15 dias, página editada e disponível em 21 de julho de 2016.
  230. «Site FLUNEWS - Inauguração de CT muda patamar do Fluminense, diz presidente, página editada e disponível em 21 de julho de 2016.». Consultado em 21 de julho de 2016. Arquivado do original em 17 de agosto de 2016 
  231. Site Globoesporte - Peter Siemsen define nome do CT em reunião do Conselho: Pedro Antonio, página editada em 21 de outubro de 2016 e disponível em 16 de junho de 2018.
  232. Reportagem do JS sobre a inauguração do hotel Telê Santana
  233. Sonho de Peter CT de Xerém em 2014
  234. «Programa Fluminense Social entrega itens arrecadados na Campanha do Agasalho». Fluminense Football Club (oficial). 4 de julho de 2008. Consultado em 4 de maio de 2001 
  235. RADAR LANCEPRESS (5 de junho de 2015). «Fluminense firma parceria com a Michael Johnson Performance». lancenet.com. Consultado em 5 de junho de 2015 
  236. Fluminense fecha convênio de cooperação com o Cádiz da Espanha.
  237. Comunicação institucional FFC (10 de junho de 2014). «NSCAA Coaches Course: Flu amplia seu leque de negócios nos EUA». Fluminense.com. Consultado em 29 de agosto de 2014 
  238. AUSTIN, Kurt (28 de agosto de 2014). «Sporting KC enters strategic partnership with four-time Brazilian champions Fluminense FC» (em inglês). SportingKC.com. Consultado em 29 de agosto de 2014 
  239. PIRES, Micheline - Site VAVEL - Fluminense fecha parceira com time da Finlândia, página editada em 19 de outubro de 2013 e disponível em 25 de dezembro de 2016.

Notas

  1. O Jornal do Brasil de 6 de dezembro de 1976 informou que dos 50.000 corintianos estiveram no Rio de Janeiro naquele final de semana. Dos 52 mil ingressos enviados a São Paulo para a torcida do Corinthians, 10.000 foram devolvidos, sendo 700 cadeiras vendidos na hora do jogo.
  2. Publicou O Estado de S. Paulo, de 22 de dezembro de 1970, em sua página 32: "Mais de 130.000 pessoas - 112.403 que pagaram ingressos e mais de 20 mil que entraram de graça - proporcionando a renda recorde de Cr$ 525.419,50, assistiram ao jogo entre Fluminense e Atlético Mineiro...".
  3. O Jornal do Brasil, de 22 de maio de 1984, informou que no dia do jogo um caminhão da firma que faz a limpeza do estádio colidiu com o muro do Maracanã, derrubando-o, entrando por ali milhares de torcedores sem pagarem por ingressos. No dia 24 de maio, em sua página 24, o JB divulgou que a capacidade do Maracanã nesta época era de 161.428, incluídos 6.983 portadores de cadeiras perpétuas e cativas), vagas nas tribunas, dirigentes e imprensa.
  4. Como o Fluminense e a administração do Maracanã não esperavam uma afluência de público tão grande, mandaram abrir os portões com o jogo iniciado. Algumas estimativas apontaram a possibilidade de 100.000 pessoas terem estado presentes.[196]
  5. Os ingressos disponíveis para venda esgotaram-se em pouco tempo, deixando multidões nas filas em diversos pontos da cidade do Rio de Janeiro sem ingressos.[197]

Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Wikiquote Categoria no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Categoria no Wikinotícias
Precedido por
Central Council of Physical Recreation
Campeão da Taça Olímpica
1949
Sucedido por
Comitê Olímpico Belga
Precedido por
Palmeiras
Campeão da Copa Rio Internacional
1952
Sucedido por
Não houve