Foch (R99)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
FS Foch em 1993.

Foch era o segundo porta-aviões de classe Clemenceau da Marinha Francesa. Era o segundo navio de guerra nomeado em homenagem a Ferdinand Foch. Servindo na Marinha Francesa de 1963 a 2000, o navio foi vendido para o Brasil e rebatizado de São Paulo.

O Foch foi estabelecido o 15 de novembro de 1957 e lançado o 23 de julho de 1960. O porta-aviões foi comissão o 15 de julho de 1963 com o número de identificação do navio R 99. Ironicamente Ferdinand Foch é famoso disse em 1911 que "os aviões são brinquedos interessantes, mas sem valor militar", embora esta fala tenho sido feita apenas oito anos após o primeiro voo humano motorizado.[1]

Dimensões[editar | editar código-fonte]

Os porta-aviões de classe Clemenceau têm um design CATOBAR convencional. O convés de voo tem 165,5 m de comprimento por 29,5 m de largura; a área de aterragem é angulada a 8 graus fora do eixo do navio. O elevador dianteiro da aeronave é para estibordo e o elevador traseiro é posicionado na borda da plataforma para economizar espaço do hangar. A frente de duas catapultas de 52 m é a porta na proa, a catapulta na popa está na plataforma de pouso angular. As dimensões do convés do hangar são de 152 m por 22-24 m com uma sobrecarga de 7 m.[2]

História[editar | editar código-fonte]

O projeto de estatuto, preparado pelo Estado-Maior da Marinha Francesa em 1949, pedia que quatro porta-aviões de 20 mil toneladas estivessem disponíveis em duas fases. Na sua reunião de 22 de agosto de 1949, o Conselho Supremo da Marinha foi ainda mais ambicioso, onde propuseram uma frota de seis porta-aviões. Em 15 de julho de 1952, a Marinha Francesa ainda queria de dois a cinco porta-aviões (não disponíveis para a OTAN). De acordo com a RCM 12, documento final da Conferência de Lisboa de 1952, a França deveria disponibilizar à OTAN um porta-aviões no dia D, dois no 30.º dia e três no 180.º dia. Mas a partir de 1953, a Marinha teve que rever suas ambições para baixo, com apenas três porta-aviões.

O PA 55 Clemenceau, previsto em 1953, foi adiado até novembro de 1955, o PA 55 Foch, previsto para 1955, foi adiado até fevereiro de 1957. Entre 1980 e 1981, foram realizados estudos para certificar a plataforma antes de catapultar aeronaves, AM-39 Exocet e bombas nucleares táticas. Como seu navio irmão Clemenceau, o Foch passou por uma modernização e reajuste, substituindo quatro de suas oito armas de 100 milímetros com dois sistemas de defesa aérea Crotale. Ao contrário do Clemenceau, o Foch também recebeu em 1997 dois lançadores Sadral (para 6 mísseis Mistral cada);[3] esses lançadores foram comprados pela França em 1994.[4]

O Dassault Rafale foi testado a partir do Foch (mas não do Clemenceau) após modificações de convés em 1992 e operado a partir deste transportador após 1995-6 modificações de deck adicionais.[5] Depois de 37 anos de carreira na Marinha Francesa, em 15 de novembro de 2000, foi vendida para a Marinha do Brasil e renomeada NAe São Paulo. Na Marinha Francesa, ela foi sucedida pelo Charles de Gaulle (R 91).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. ThinkExist.com Quotations. «Marshal Ferdinand Foch quotes». Thinkexist.com. Consultado em 4 de dezembro de 2013 
  2. «Clemenceau». GlobalSecurity.org. 10 de junho de 2013. Consultado em 24 de outubro de 2014 
  3. www.alabordache.fr (15 de novembro de 2000). «Porte-avions Foch». Alabordache.fr. Consultado em 20 de julho de 2015 
  4. Friedman, Norman (2006). The Naval Institute Guide to World Naval Weapon Systems 5 ed. [S.l.]: Naval Institute Press. 575 páginas. ISBN 1557502625. Consultado em 20 de julho de 2015 
  5. Bishop, Chris; Chant, Chris (2004). Aircraft Carriers. Leicester: Zenith Press. pp. 82–3. ISBN 0760320055 
Ícone de esboço Este artigo sobre Porta-aviões é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.