Folding@home

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde janeiro de 2016).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Folding@Home
F@H Logo 2012.png
Autor Vijay S. Pande[1]
Desenvolvedor Pande Laboratory
Lançamento 1 de outubro de 2000 (16 anos)
Idioma(s) Inglês
Sistema operacional Windows, macOS, Linux, Android
Página oficial folding.stanford.edu

O Folding@home é um projeto de computação distribuída desenhado para realizar simulações de enrolamentos de proteínas. O projecto foi lançado a 1 de Outubro de 2000 e é atualmente gerido pelo Grupo Pande, do departamento de Quimica da Universidade de Stanford, sob a supervisão do professor Vijay S. Pande.[1] Quando foi lançado, tornou-se o segundo maior projecto depois do SETI@Home. Em 8 de Março de 2004, o Genome@Home terminou e foi unido ao Folding@home. Atualmente é o maior projeto do gênero, à frente do BOINC.

Importância do Projeto[editar | editar código-fonte]

A simulação exata do enrolamento das proteínas e das suas deformações permite à comunidade científica entender melhor o desenvolvimento de variadas doenças, como Alzheimer, BSE (mal da vaca louca) e a fibrose quística. Até agora, o Folding@home conseguiu simular o enrolamento na ordem dos 5-10 microssegundos — uma escala de tempo milhares de vezes maior do que a que antes se pensava ser possível.

Muitos jornais científicos publicaram o trabalho do projecto. Os artigos estão listados aqui (inglês).

Como funciona?[editar | editar código-fonte]

O Folding@home não conta com poderosos supercomputadores para o processamento; em vez disso, os colaboradores principais para o projecto são milhares de computadores pessoais que têm instalado um pequeno programa (cliente). O cliente é executado em background, e faz uso do processador do computador quando este não está ocupado.

Nos computadores pessoais mais modernos, o processador raramente é usado na sua totalidade; o cliente Folding@home usa apenas parte que não está a ser utilizada pelo processador para poder trabalhar.

O cliente Folding@home conecta-se periodicamente a um servidor para transferir uma Work Unit (unidade de trabalho), pacotes de dados sobre os quais executa os cálculos. Cada work unit completada é devolvida ao servidor.

O cliente do Folding@home utiliza versões modificadas de quatro programas de simulação molecular para o cálculo: Tinker, Gromacs, AMBER, e QMD.

Cada colaborador do Folding@home têm um nome de utilizador para seguirem as suas contribuições. Cada utilizador deve correr o cliente em um ou mais processadores; por exemplo, um utilizador doméstico com dois computadores pode executar um cliente em cada um deles. Utilizadores podem também contribuir para uma ou mais equipas. Vários utilizadores podem juntar-se para criar uma equipa. Os colaboradores têm pontos que indicam o número e a dificuldade das unidades de trabalho, chamadas em inglês de "work units", completas. A lista dos melhores colaboradores e outras estatisticas são colocados no site do Folding@home.

Desenvolvimento e Futuro[editar | editar código-fonte]

A 1 de Agosto de 2005, mais de 180.000 processadores estavam a participar activamente no Folding@home, num total de mais de 1.300.000 processadores registados no projecto. Com este nível de participação, o Folding@home é um dos mais poderosos computadores no mundo, capaz de cerca 175 Teraflops em termos computacionais.

Há nesta altura cooperação entre o Folding@home e os laboratórios do Google. Neste caso, chama-se Google Compute.

Está também a ser desenvolvida uma nova maneira de acelerar o poder computacional usando a unidade de processamento gráfico, em adição ao processador.

O Folding@home está actualmente a desenvolver uma versão do BOINC com a esperança de atrair mais utilizadores.

Vale lembrar que não somente computadores pessoais podem contribuir para o processamento mas também uma parceria com a empresa Sony permite que, através de uma conexão com a internet, os usuários do console mais atual da empresa, o Playstation 3, também pode utilizar seu processador Cell para colaborar no projeto.

Atualmente o grupo Clube do Hardware é o grupo mais atuante e melhor grupo do Hemisfério Sul do Planeta[2], embora existam outras equipes brasileiras no ranking.

O ranking de equipes e usuários podem ser vistos no site extreme overclockers e kakaostats.

Referências

  1. a b «About - Folding@home» (em inglês). Folding@Home. Consultado em 31 de Agosto de 2017 
  2. «Team Rankings». Consultado em 12 de outubro de 2013 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]