Fome russa de 1921

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Vítimas da fome em Buzuluk, Região do Volga, ao lado de Saratov

A fome russa de 1921, também conhecido como fome Povolzhye, que começou no início da primavera daquele ano, e durou até 1922, foi uma grande fome que ocorreu na Rússia. A fome, que matou um número estimado de 5 milhões de seres humanos, afetando principalmente a região do Volga-Ural.[1][2][3][4]

A fome resultou do efeito conjugado da interrupção da produção agrícola, que já começou durante a Primeira Guerra Mundial, e continuou com os distúrbios da Revolução Russa de 1917 e a Guerra Civil Russa com a sua política do comunismo de guerra, especialmente prodrazvyorstka. Uma das secas intermitentes da Rússia, que aconteceu em 1921, agravou a situação ao nível da catástrofe nacional. Em muitos casos, a imprudência da administração local, que reconheceu os problemas só muito tarde, contribuíram para o problema. A fome era tão severa que era duvidoso que os grãos de sementes seriam plantados em vez de comidos. Os camponeses, muitas vezes tiveram que recorrer a ervas alimentares, alimentos substitutos e até ao canibalismo tentando guardar sementes para o plantio no outono.

As causas da fome[editar | editar código-fonte]

Os principais motivos foram:[5]

  • Seca severa de 1921: cerca de 22% de todas as safras morreram por causa da seca; em algumas áreas
  • A apropriação de alimentos realizada pelos bolcheviques, a destruição do comércio e do dinheiro, a política do comunismo de guerra
  • As consequências devastadoras da Guerra Civil Russa

Antes da fome, todos os lados durante a Guerra Civil Russa (os bolcheviques, os brancos, os anarquistas, as nacionalidades separatistas) se abasteciam apreendendo alimentos daqueles que os cultivavam, dando-os aos seus exércitos e simpatizantes, e negando-o aos seus inimigos. O governo bolchevique havia requisitado suprimentos do campesinato por pouco ou nada em troca. Isso levou os camponeses a reduzir drasticamente sua produção agrícola. Os camponeses ricos (kulaks) retinham seus grãos excedentes para vender no mercado negro.[6][7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. World's worst natural disasters since 1900
  2. Hoover Institution - Hoover Digest - Food as a Weapon
  3. «The German Colonies on the Volga River - Famine Years». Consultado em 5 de setembro de 2010. Arquivado do original em 28 de fevereiro de 2009 
  4. Adamets, Sergueï (2003). Guerre civile et famine en Russie. [S.l.]: Institut d'études slaves 
  5. Revolução e guerra civil na Rússia: 1917-1923. Enciclopédia em 4 volumes. (2008) T. 1, S. 446, p. 560
  6. Carr, EH, 1966, The Bolshevik Revolution 1917–1923, Part 2, p. 233.
  7. Chase, WJ, 1987, Workers, Society and the Soviet State: Labour and Life in Moscow 1918–1929 pp. 26–27.