Fome soviética de 1932–1933

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A fome soviética de 1932-1933 afetou as principais áreas produtoras de grãos da União Soviética, que incluía a Ucrânia, o Cáucaso do Norte, a Região do Volga e o Cazaquistão,[1] os Urais Sul, o Oeste da Sibéria.[2][3] A manifestação da fome na República Socialista Soviética da Ucrânia é conhecida como "Holodomor". Ao contrário da grande fome russa de 1921, as informações sobre a fome de 1932-1934 foram deliberadamente suprimidas da historiografia soviética pelas autoridades da União Soviética, não só pelo regime de Stalin, mas também pelos seus sucessores até a perestroika e a glasnost, as reformas políticas e econômicas lançadas por Mikhail Gorbachev entre 1986-1987 que puseram fim à União Soviética no início dos anos 1990.

Contexto[editar | editar código-fonte]

A coletivização forçada da agricultura pelo governo soviético é considerada por alguns como uma das principais razões para a fome,[4] por ter causado caos no sistema produtivo no campo.

Isso incluiu a destruição de seus bens pelos camponeses, a venda e matança dos cavalos por medo de que seria apreendidos, e abstenção dos agricultores de trabalhar a terra. As autoridades culparam os kulaks (camponeses ricos) e kolkhozs (agricultores coletivizados), acusando-os de sabotagem.

O sinólogo e historiador Lucien Bianco compara fome na China nos anos de 1958-1962 com a fome Soviética de 1931-1933 na Ucrânia e sul da Rússia, apesar desta ter sido mais " modesta", com seis milhões de mortes. citando que Stalin usou a fome para punir o povo ucraniano por sua insolência nacionalista.[5]

Estimativas de perda de vidas[editar | editar código-fonte]

  • O livro The Years of Hunger: Soviet Agriculture, 1931–33 escrito por RW Davies e SG Wheatcroft (2004), dá uma estimativa de 5,5 a 6,5 ​​milhões de mortes.[6]
  • A Encyclopædia Britannica estima que de 6 a 8 milhões de pessoas morreram de fome na União Soviética durante este período, dos quais 4 a 5 milhões de ucranianos.[7]
  • Norman Naimark em sua obra Stalin's Genocides (2010) estima que 3 a 5 milhões de ucranianos morreram de fome.[8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Engerman, David. Modernization from the Other Shore. [S.l.: s.n.] 
  2. «Famine on the South Siberia» 
  3. «Demographic aftermath of the famine in Kazakhstan» 
  4. Ibiblio public library and digital archive (ed.). «Ukrainian Famine». Soviet exhibit. Consultado em 29 de novembro de 2015 
  5. - Lucien Bianco, La récidive, Révolution russe, révolution chinoise. acessado em 29 de novembro de 2015
  6. Davies, RW; Wheatcroft, SG (2004), The Years of Hunger: Soviet Agriculture, 1931–33, p. 401  Harrison, Davies, Wheatcroft 2004 (PDF) (review), UK: Warwick 
  7. «Ukraine – The famine of 1932–33». Encyclopædia Britannica. Consultado em 26 de junho de 2008 
  8. Naimark, Norman M (2010), Stalin's Genocides (Human Rights and Crimes against Humanity), ISBN 0-691-14784-1, Princeton University Press, p. 131 .