Fonologia do Holandês

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A fonologia holandesa é semelhante à de outras línguas germânicas ocidentais.

Enquanto a ortografia do holandês é oficialmente padronizada por uma organização internacional (a Dutch Language Union), a pronúncia não tem um padrão oficial e se baseia em um padrão de facto documentado em obras de referência como A fonética do inglês e do holandês por Beverley Collins e Inger M Mees, [1] A fonologia do holandês por Geert Booij, [2] Holandês por Carlos Gussenhoven, [3] Holandês belga padrão por Jo Verhoeven [4] ou dicionários de pronúncia como Uitspraakwoordenboek ("Dicionário de Pronúncia") por Josée Heemskerk e Wim Zonneveld. [5]

O Holandês padrão tem dois padrões principais de pronúncia: Norte e Belga. O holandês padrão do norte é o sotaque de maior prestígio nos Países Baixos. Está associado a alto status, educação e riqueza. Embora seus falantes pareçam estar concentrados nas províncias da Holanda do Norte, Holanda do Sul e Utrecht (especialmente na região de Randstad), ele não pode ser considerado um dialeto regional. Muitas vezes é impossível dizer onde seus falantes nasceram ou foram criados. O holandês padrão belga é usada pela grande maioria dos jornalistas flamengos. [6] [7]

Consoantes[editar | editar código-fonte]

A tabela a seguir mostra as consoantes do holandês:

Labial Alveolar Pós- alveolar Dorsal Glotal
Nasal m n ŋ
Plosiva Surda p t k ( ʔ )
Sonora b d ( ɡ )
Fricativa Surda f s ( ʃ ) x
Sonora v z ( ʒ ) ɣ ɦ
Aproximante ʋ l j
Rótica r

Ensurdecimento e assimilação final[editar | editar código-fonte]

A dessonorização final do holandês de todos as consoantesobstruintes no final das palavras, como é parcialmente refletido na ortografia. O "z" sonoro no plural huizen [ˈɦœy̑zə] torna-se huis [ɦœy̑s] ('casa') no singular. Além disso, duiven [ˈdœy̑və] se torna duif [dœy̑f] ('pombo'). Os outros casos são sempre escritos com a consoante sonora, mas um surdo é na verdade pronunciado: o "d" no plural baarden [ˈbaːrdə] é retido no singular baard ('barba'), mas a pronúncia do último é [baːrt], e o plural ribben [ˈrɪbə] tem singular rib ('costela'), pronunciado [rɪp].

Devido a assimilação, o inicial /v z ɣ/ da próxima palavra é também muitas vezes surdo: het vee ('gado') é [(ɦ)ət feː]. O oposto pode ser verdadeiro para outras consoantes: ik ben ('eu sou') [ɪg bɛn].

Vogais[editar | editar código-fonte]

O holandês possui um extenso inventário de vogais, consistindo de treze vogais simples e pelo menos três ditongos. As vogais podem ser agrupadas como frental não arredondada, frontal arredondada, central e traseira. Eles também são tradicionalmente distinguidos pelo comprimento ou tensão. As vogais /eː, øː, oː/ estão incluídas em um dos mapas de ditongos mais abaixo, porque no holandês do Norte as percebem como ditongos, mas elas se comportam fonologicamente como os outros monotongos longos.

Monotongos[editar | editar código-fonte]

Monotongos do holandês padrão do norte, de Gussenhoven (1999)
Monotongos do holandês belga padrão, de Verhoeven (2005). O schwa /ə/ não é mostrado.
Alofones holandeses de monotongos não arredondados, de Collins & Mees (2003). As vogais pretas ocorrem antes de /r/ no holandês padrão e no holandês Randstad, e a vogal vermelha ocorre antes de /ɫ/.[8]
Alofones holandeses de monotongos arredondados, de Collins & Mees (2003). As vogais petras ocorrem antes de /r/ no holandês padrão e no holandês Randstad, e a vogal azul ocorre antes de /ŋ/.[9]
Nativo [10] [11] [12]
Anterior Central Posterior
não arredondada arredondada
relaxada tensa relaxada tensa relaxada tensa
Fechada ɪ i ʏ y (ʊ) u
Média ɛ øː ə ɔ
Aberta ɑ
Não-nativo [11] [13] [14]
Anterior Posterior
não arredondada arredondada
oral nasal oral nasal oral nasal
Fechada
Média ɛː ɛ̃ː (œː) (œ̃ː) ɔː ɔ̃ː
Aberta (ɑː) ɑ̃ː

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Collins & Mees (2003).
  2. Booij (1999).
  3. Gussenhoven (1999).
  4. Verhoeven (2005).
  5. Heemskerk & Zonneveld (2000).
  6. Collins & Mees (2003), pp. 4–5.
  7. «VRT-Nederlands». ANW (Algemeen Nederlands Woordenboek) (em Dutch) 
  8. Collins & Mees (2003), pp. 92, 130, 132, 234.
  9. Collins & Mees (2003), pp. 98, 130, 132, 234.
  10. Booij (1999), p. 5.
  11. a b Gussenhoven (1999), pp. 75–76.
  12. Collins & Mees (2003), pp. 127–128, 132–133.
  13. Booij (1999), p. 6.
  14. Collins & Mees (2003), pp. 137–138.