Foodservice

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O serviço de alimentação (inglês americano) ou o setor de catering (inglês britânico) definem os negócios, instituições e empresas responsáveis por qualquer refeição preparada fora de casa. Esta indústria abrange restaurantes, lanchonetes de escolas e hospitais, operações de catering e muitos outros formatos.[1]

Estatística[editar | editar código-fonte]

O sistema alimentar, incluindo serviços alimentares e varejo de alimentos, forneceu US$ 1,24 trilhão em alimentos em 2010 nos EUA, dos quais US$ 594 bilhões foram fornecidos por instalações de serviços alimentares, definidos pelo USDA como qualquer lugar que prepara alimentos para consumo imediato no local, incluindo locais que não estão principalmente envolvidos na distribuição de refeições, como instalações recreativas e lojas de varejo.[2] Muitos restaurantes, incluindo fast food, adicionaram mais saladas e ofertas de frutas e, seja por escolha ou em resposta à legislação local, forneceu rotulagem nutricional.[2] Nos EUA, a FDA está caminhando para estabelecer diretrizes uniformes para a rotulagem de fast food e restaurantes, as regras propostas foram publicadas em 2011 e regulamentos finais publicados em 1 de dezembro de 2014 que substituiram as disposições de rotulagem de menus estaduais e locais, entrando em vigor em 1 de dezembro de 2015.[2]

De acordo com a National Restaurant Association, uma tendência crescente entre os consumidores dos EUA para a indústria de foodservice é a culinária global, com 66% dos consumidores dos EUA comendo mais amplamente em 2015 do que em 2010, 80% dos consumidores que comem cozinhas 'étnicas' pelo menos uma vez por mês e 29% experimentando uma nova cozinha "étnica" no último ano.[3][4]

O tamanho de mercado do distribuidor Foodservice é de 2015 US$ 231 bilhões nos EUA; o mercado nacional de linha ampla é controlado pela US Foods e pela Sysco, que juntas têm 60-70% de participação do mercado e foram impedidas de se fundir pela FTC por razões de poder de mercado.[5]

Preocupações com a saúde[editar | editar código-fonte]

Os alimentos de serviço alimentar tendem a ser, em média, mais elevados em calorias e menores em nutrientes essenciais do que os alimentos preparados em casa.[6] Muitos restaurantes, incluindo fast food, adicionaram mais saladas e ofertas de frutas e, seja por escolha ou em resposta à legislação local, forneceu rotulagem nutricional.[6]

Nos EUA, a FDA está caminhando para estabelecer diretrizes uniformes para a rotulagem de fast food e restaurantes, as regras propostas foram publicadas em 2011 e regulamentos finais publicados em 1 de dezembro de 2014 que substituiram as disposições de rotulagem de menus estaduais e locais, entrando em vigor em 1 de dezembro de 2015.[6][7] A pesquisa mostrou que os novos rótulos podem influenciar as escolhas dos consumidores,mas principalmente se ele fornece informações inesperadas e que os consumidores conscientes da saúde são resistentes às mudanças de comportamentos com base na rotulagem de menus[7] Restaurantes de fast food são esperados pelo ERS para fazer melhor sob a rotulagem do novo menu do que restaurantes de serviço completo, como restaurantes de serviço completo tendem a oferecer alimentos muito mais calóricos e densos, com 50% das refeições de fast food sendo entre 400 e 800 calorias e menos de 20% acima de 1000 calorias, em contraste, restaurantes de serviço completo 20% das refeições estão acima de 1.400 calorias.[7] Quando os consumidores estão cientes da contagem de calorias em restaurantes de serviço completo 20% escolhem opções de calorias mais baixas e os consumidores também reduzem sua ingestão calórica durante o resto do dia.[7]

Comer uma refeição fora de casa a cada semana traduz-se em 2 quilos extras a cada ano ou um aumento diário de 134 calorias e uma diminuição na qualidade da dieta em 2 pontos no Índice de Alimentação Saudável.[8]

Referências

  1. «Food Service Industry». USDA Economic Research Service. Consultado em 27 de agosto de 2015 
  2. a b c «Food Service Industry Market Segment». USDA ERS. Consultado em 27 de agosto de 2015 
  3. «Global Palates 2015». Restaurant.org. Consultado em 27 de agosto de 2015 
  4. «New research finds Americans embrace global cuisine». Restaurant.org. Consultado em 27 de agosto de 2015 
  5. Hamburger, John. «Sysco and US Foods: The Aftermath». Foodservice News. Consultado em 27 de agosto de 2015 
  6. a b c «Food Service Industry -Recent Issues». USDA ERS. Consultado em 27 de agosto de 2015 
  7. a b c d Stewart, Hayden; Morrison, Rosanna Mentzer. «New Regulations Will Inform Consumers About Calories in Restaurant Foods». USDA ERS. Consultado em 27 de agosto de 2015. Arquivado do original em 5 de setembro de 2015 
  8. Todd, Jessica E.; Mancino, Lisa; Lin, Biing-Hwan. «The Impact of Food Away From Home on Adult Diet Quality - Report Summary». USDA ERS. Consultado em 27 de agosto de 2015. Arquivado do original em 7 de setembro de 2015