Força Aérea Afegã

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Força Aérea Afegã
د افغانستان هوائي قوا
Afghan Air Corps Mi-35 helicopters.jpg
Dois helicópteros Mi-35 afegãos.
País  Afeganistão
Corporação Forças Armadas Afegãs
Missão Defesa Aérea
Criação 1924
Logística
Efetivo 5 000 militares
111 aeronaves
Insígnias
Insígnia 1 Afghan National Army emblem.svg
Comando
Comandante Major-general Abdul Wahab Wardak

A Força Aérea Afegã (pashto: دافغانستان هوائی قوا; dari: قوای هوائی افغانستان) é o braço aéreo das forças armadas do Afeganistão.[1] Ela é dividida em três ramos: a 1ª Ala em Cabul (onde fica o comando), a 2ª em Kandahar e a 3ª em Shindand.[2]

A força aérea afegã foi fundada em 1924 sob o regime do rei Amanullah e atualizada extensivamente no governo do monarca Zahir Shah na década de 1960. Nos anos 80, a União Soviética armou e financiou os militares afegãos, que eram liderados por Mohammad Najibullah. Na guerra para derrotar os mujahidins, a nova força aérea afegã possuía mais de 400 aeronaves, incluindo 200 jatos soviéticos. O colapso do governo comunista de Najibullah em 1992 e a continuação da guerra civil durante a década de 1990 reduziu severamente a força aérea do país, que passou a possuir pouquíssimas aeronaves. Em 2001, os Estados Unidos invadiram o Afeganistão e derrubaram o governo Talibã. Havia pouquíssimos aviões que ainda podiam voar naquela época.[3]

A partir de 2007, a força aérea do Afeganistão começou a ser expandida, para lutar contra a insurgência talibã. As forças armadas afegãs começaram a comprar mais equipamentos militares americanos e russos.[4] Atualmente, a força aérea possui cerca de 100 aeronaves e ao menos 5 000 combatentes. Planos futuros pretendem dobrar o seu tamanho.[5] No começo de 2012, o governo americano afirmou que compraria algumas aeronaves A-29 Super Tucano, de fabricação brasileira, para serem usados pelos afegãos contra os terroristas da al-qaeda.[6]

Fotos[editar | editar código-fonte]

Referências