Forças Armadas Angolanas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Forças Armadas Angolanas
País  Angola
Fundação 9 de outubro de 1991 (30 anos)
Ramos Exército
Força Aérea
Marinha
Lideranças
Comandante-em-Chefe Presidente João Lourenço
Ministro da Defesa Nacional e Veteranos da Pátria João Ernesto dos Santos
Chefe do Estado-Maior General António Egídio de Sousa Santos
Pessoal ativo 107 000
Orçamento US$ 6,1 mil milhões (2013)

As Forças Armadas Angolanas (FAA) é a designação dada aos vários ramos da instituição militar de Angola. A sua estrutura constitucional, nos moldes vigentes na atualidade, remontam a 9 de outubro de 1991, tempo cronológico em que foram fundadas.

O Chefe do Estado Maior General das FAA é o General de Exército António Egídio de Sousa Santos. A indicação e nomeação do general Egídio de Sousa Santos, em substituição de Geraldo Sachipengo Nunda, ocorreu na reunião da Conselho de Segurança Nacional de abril de 2018.[1]

Os investimentos em modernização, equipamentos e treinamentos das FAA devem-se às grandes receitas petrolíferas de Angola.[2] Estes investimentos têm-lhe permitido actualizar os equipamentos militares do país nos últimos anos. Nas suas fileiras servem 107 000 soldados. Quanto a gastos, esses cifraram-se, em 2013, na ordem dos 6,1 mil milhões de dólares.[2]

Histórico[editar | editar código-fonte]

As FAA são o resultado da transformação, em 1991, das então forças armadas regulares do Estado angolano monopartidário (sob comando único do Movimento Popular de Libertação de Angola), as Forças Armadas Populares de Libertação de Angola (FAPLA), com a aglutinação de todas tropas restantes do Exército de Libertação Nacional de Angola (ELNA) — ligado à Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA). Naquele momento alguns elementos das Forças Armadas de Libertação de Angola (FALA) — ligadas à União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) — também foram integrados.[3]

Em 2002 as últimas unidades beligerantes das FALA integraram-se às FAA;[3] em 2006, por sua vez, foi a vez da integração da maior parte das Forças Armadas de Cabinda (FAC) — ligadas à Frente para a Libertação do Enclave de Cabinda (FLEC).

Em 2014 Luzia Inglês Van-Dúnem tornou-se a primeira mulher angolana a ser promovida ao cargo de general das Forças Armadas Angolanas; a promoção foi decretada pelo presidente José Eduardo dos Santos.[4][5]

Referências

  1. Presidente da República nomeia novo Chefe do Estado Maior General das Forças Armadas. Jornal de Angola. 23 de abril de 2018.
  2. a b Angola lidera despesas militares na África subsaariana. DW. 14 de abril de 2014.
  3. a b Agostinho, Feliciano Paulo. Guerra em Angola: As heranças da luta de libertação e a Guerra Civil. Lisboa: Academia Militar. Setembro de 2011.
  4. «Presidente angolano promove uma mulher a oficial general». dn.pt. 2014. Consultado em 12 de janeiro de 2021 
  5. «Luzia Inglês». Rede Angola. 22 de outubro de 2014. Consultado em 12 de janeiro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]