Forças Armadas da Itália

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Forças Armadas Italianas
Forze Armate Italiane
Stemma araldico e distintivo dello Stato Maggiore Difesa.svg
Brasão das forças armadas do Estado maior do Ministério da Defesa Italiana
País  Itália
Fundação 4 de maio de 1861 (criação do "exército do Reino de Itália")
Ramos Coat of arms of the Esercito Italiano.svgExercito Italiano
Coat of arms of the Italian Air Force.svg Força Aérea Italiana
CoA Marina Militare Italiana.svgMarinha Italiana
Coat of arms of the Carabinieri.svg Carabineiros
CoA Guardia di Finanza.svgGuarda de Finanças
Sede(s) Roma[1]
Lideranças
Presidente Sergio Mattarella
Ministra da Defesa Roberta Pinotti
Chefe do Estado-Maior General Claudio Graziano
Pessoal ativo 347,927 (2017)[1]
  • Exército
    102,995
  • Marinha
    30,923
  • Força Aérea
    43,000
  • Arma dei Carabinieri
    103,893
  • Guarda de Finanças:
    68,134
Pessoal na reserva 41,867
Orçamento US$37.7 bilhões (2017)[2]

As Forças armadas da Itália são a defesa da República Italiana e estão sob o comando do Supremo Conselho de Defesa da Itália, presidida pelo Presidente da República Italiana. O número total de pessoas é cerca de 347,927 (2017).[1] A Itália tem um dos maiores orçamentos militares do mundo, gastando 37.7 bilhões de dólares (2017).[2]

Ramos das Forças Armadas Italianas[editar | editar código-fonte]

Coat of arms of the Italian Air Force.svgAeronautica Militare[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Força Aérea Italiana
Um EF 2000 em voo.

Nascida como Regia Aeronautica, a Aeronautica Militare é a terceira força armada do estado (em ordem cronológica de fundação), com um efetivo orgânico de cerca de 44 mil pessoas em 2012. Nela são desenvolvidas as operações de defesa aérea do território e dos interesses nacionais, assim como aquelas de transporte aéreo.

No passado também era a responsável pelo controle de tráfico aéreo sobre o espaço aéreo nacional. Para o desenvolvimento da defesa aérea, a Força Aérea Italiana tem a sua disposição cerca de uma centena de Eurofighter Typhoon. Para missões de ataque e reconhecimento, a instituição possui Panavia Tornados, AMX e o Aermacchi MB-339, aos quais no futuro se juntará os novos Lockheed Martin F-35 Lightning II. Par o transporte aéreo são utilizados os C-130J Hercules, C-27J Spartan e os novos Boeing KC-767A(no papel duplo de cargueiro e reabastecimento em voo.

A Força Aérea Italiana também possui veículos aéreos não tripulados (VANTs) a sua disposição atuando em reconhecimento de área e ataque ao solo.

A unidade de forças especiais da Aeronautica Militare é o 17º Stormo incursori.

Coat of arms of the Carabinieri.svgArma dos Carabineiros[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Arma dos Carabineiros
Um Alfa Romeo 159 dos carabineiros.

Nascida como Caraineiros Reais, a Arma dos Carabineiros é a quarta força armada da Itália em ordem de criação, mas a maior em número de efetivos, que atuam em grande parte com funções de polícia(previsto pela lei 118.000).[3] Fez parte do Exército Italiano como Arma até 2000, quando o decreto legislativo de 5 de outubro de 2000 n. 297 a elevou ao status de força armada. Segundo tal decreto "Contribui para a defesa integrada do território nacional. O concurso é definido, em acordo com o comandante general da Arma, com o chefe de estado maior da força armada, responsáveis pela preparação e emprego dos respectivos dispositivos de defesa." (art.5).

A dependência ao Chefe de Estado Maior da Defesa diz respeito somente as funções de polícia militar e aquelas com relação a pessoal emrpegado em operações militares fora da área. Para as tarefas restantes da instituição, a arma depende de outros departamentos do estado. Diferente das outras forças armadas, a Arma de Carabineiros não é comandada por um chefe de estado maior, mas sim por um comandante geral, o comandante geral da Arma dos Carabineiros, figura semelhante ao chefe de estado maior.

A tarefas unicamente militares são dedicados menos de 5 mil carabineiros, mesmo que essas tarefas contribuam para toda a organização territorial.[4] Dentro dela, está presente uma unidade que faz parte das forças especiais italianas: o Gruppo di intervento speciali (G.I.S.).

CoA Guardia di Finanza.svgGuarda de Finanças[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Guarda de Finanças

A Guarda de Finanças é uma gendarmaria sob o controle do Ministro de Economia e Finanças da Itália, atua vigiando fronteiras e o território nacional italiano, combate a crimes no meio cibernético, combate ao terrorismo e tráfico de narcóticos.

Coat of arms of the Esercito Italiano.svgExército Italiano[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Exército italiano

Nascido como Regio Esercito, da unificação do Exército Real Sardo com os outros exércitos dos estados italianos antigos, por decreto de 4 de maio de 1861,[5] O exército contava em 2009 com um efetivo de 111.233, número superior ao de 2010 com 108.360 pessoas.[6]


CoA Marina Militare Italiana.svgMarina Militare[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Marinha italiana

Nascida como Regia Marina a partir da fusão da Marinha do Reino de Sardenha, da Marinha Real do Reino das Duas Sicílias com as outras marinhas de estados italianos pré-união, a Marinha italiana contava com 32,000 efetivos em 2012. A ela são delegadas as funções de controle e conduta das operações navais nas águas territoriais e internacionais. Junto a isso, ela também possui o dever de patrulhar a costa, por meio do Corpo das Capitanias dos Portos - Guarda Costeira. A frota é composta por 75 unidades principais e outros 11 navios escola, 1 navio oceanográfico, 7 navios cisterna, 2 navios para experiência e tecnologia, 3 navios hidrográficos e oceanográficos, 5 navios que servem como faróis, 1 navio de salvamento, 6 navios costeiros de transporte e 32 navios rebocadores. A unidade das forças especiais italianas da Marina Militare é o G.O.I. - Gruppo Operativo Incursori do COMSUBIN - Raggruppamento subacquei ed incursori "Teseo Tesei".

Visão Geral[editar | editar código-fonte]

Mapa de países nos quais a Itália possui tropas em serviço.

A Itália é membro da OTAN e tem o 8° maior índice de poder militar[7] segundo a Credit Suisse e a 11° maior capacidade de guerra segundo a Global Firepower,[8] tendo um trabalho importante para a segurança internacional e principalmente, na região do Mediterrâneo, realizando patrulhas aéreas e sendo parte de missões internacionais de apoio a paz, segundo o Ministério de Defesa Italiano, as Forças Armadas Italianas participam em 26 missões ao redor do mundo.[9] As Forças Armadas desenvolveram várias capacidades militares, a partir da década de 1960, buscou desenvolver armas nucleares,[10][11] abandonando o programa em favor de fazer parte do programa de compartilhamento de armas nucleares da OTAN. Com isso as Força Armadas Italianas tem absoluto controle e custódia das armas nucleares.[12] Bombas termonucleares B61 mod 3 e mod 4[13] são mantidas em duas localizações, 50 na Base Aérea de Aviano e 20-40 na Base Aérea de Ghedi em 2015.[14][15] Os vetores das armas seriam os Panavia Tornados da Força Aérea Italiana, e no futuro, o F-35 provavelmente substituirá a frota de tornados nessa função.[16] Atualmente a Força Aérea Italiana possui 557 aeronaves, das quais 209 são aviões de combate.[17] A Marinha Italiana possui dois porta aviões Giuseppe Garibaldi e Cavour, navios de superfície como as fragatas Classe Bergamini e submarinos, dentro os quais, alguns da Classe 212 (desenvolvidos em parceria com os alemães). A Marina Militare foi caracterizada como um marinha de águas azuis regional por "Liu Huaqing"[18] e uma "marinha de projeção de poder multi/pluri regional" por Daniel Todd e Michael Lindberg.[19] Ela também regularmente faz parte das operações anti pirataria na Oceano Índico e Golfo Pérsico como na Operação Ocean Shiled e Operação Atalanta.[20] A Itália possui duas bases militares em solo estrangeiro:


Referências

  1. a b c «Documento Programmatico Pluriennale per la Difesa per il triennio 2014-16» (pdf) (em Italian). Italian Ministry of Defence. 13 de junho de 2014. Consultado em 8 de janeiro de 2015. 
  2. a b «Attribuzione e Ripartizione degli stanziamenti» (pdf) (em italiano). Italian Ministry of Defence. 13 de junho de 2014. p. 2. Consultado em 8 January 2015.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  3. http://www.carabinieri.it/Internet/Concorsi/Reclutamento/  Parâmetro desconhecido |titolo= ignorado (|titulo=) sugerido (ajuda); Parâmetro desconhecido |accesso= ignorado (|acessodata=) sugerido (ajuda); Parâmetro desconhecido |sito= ignorado (|website=) sugerido (ajuda); Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  4. http://www.difesa.it/APPROFONDIMENTI/ARCHIVIOAPPROFONDIMENTI/LIBRO_BIANCO/Pagine/Parte_II.aspx  Parâmetro desconhecido |titolo= ignorado (|titulo=) sugerido (ajuda); Parâmetro desconhecido |accesso= ignorado (|acessodata=) sugerido (ajuda); Parâmetro desconhecido |sito= ignorado (|website=) sugerido (ajuda); Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  5. http://www.esercito.difesa.it/root/storia/storia1bis1.asp  Parâmetro desconhecido |titolo= ignorado (|titulo=) sugerido (ajuda); Parâmetro desconhecido |urlarchivio= ignorado (ajuda); Parâmetro desconhecido |dataarchivio= ignorado (ajuda); Parâmetro desconhecido |accesso= ignorado (|acessodata=) sugerido (ajuda); Parâmetro desconhecido |sito= ignorado (|website=) sugerido (ajuda); Parâmetro desconhecido |urlmorto= ignorado (ajuda); Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  6. Andrea Nativi, Bilancio 2010 Difesa: Se potessi avere...un miliardo all'anno!, Rivista Italiana Difesa, gennaio 2010, p. 36
  7. O’Sullivan, Michael; Subramanian, Krithika (17 de outubro de 2015). The End of Globalization or a more Multipolar World? (Relatório). Credit Suisse AG. Consultado em 14 de julho de 2017. 
  8. https://www.globalfirepower.com/
  9. http://www.difesa.it/Content/Documents/nota_aggiuntiva/01_DPP_2014_2016.pdf
  10. http://legislature.camera.it/_dati/leg05/lavori/stenografici/sed0073/sed0073.pdf
  11. [1]
  12. https://www.nato.int/cps/en/natohq/topics_50068.htm
  13. http://www.lastampa.it/2007/09/15/italia/cronache/in-italia-bombe-atomiche-usa-hGvIvG9GAzLYyi3z7LiKnM/pagina.html
  14. Kristensen, Hans M.; Norris, Robert S. (2015). «US nuclear forces, 2015». Bulletin of the Atomic Scientists. pp. 107–119 
  15. http://www.panorama.it/news/oltrefrontiera/armi-nucleari-italia/
  16. Kierulf, John (2017). Disarmament under International Law. Montreal: McGill-Queen's University Press. p. 64 
  17. Aeromobili Aeronautica Militare.
  18. The Chinese Navy: Expanding Capabilities, Evolving Roles?, 2012 (Footnote no. 16, page 139)
  19. Todd, Daniel; Lindberg, Michael (1996). Navies and Shipbuilding Industries: The Strained Symbiosis. [S.l.]: Greenwood Publishing Group. pp. 56–57. ISBN 9780275953102. Consultado em 30 de novembro de 2015. 
  20. Marina Militaire – Operations, marina.difesa.it, (em italiano)
  21. «Cambio comando della Task Force Air che si sposta da Al Bateen a Al Minhad». www.difesa.it 
  22. «Djibouti Bases – Magnet for Military Effect». www.oceanuslive.org 
  23. «Base militare tricolore a Gibuti» 

Ver também[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre a Itália é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.