Forças Armadas de Defesa de Moçambique

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Brasão de moçambique

As Forças Armadas de Defesa de Moçambique ou FADM são as forças armadas nacionais de Moçambique. Eles incluem o Estado-Maior das Forças Armadas e três ramos de serviço: Exército, Força Aérea e Marinha.

O FADM foi formado em meados de agosto de 1994, pela integração das Forças Populares de Libertação de Moçambique (FPLM) com a ala militar da RENAMO, após o fim da guerra civil.


História[editar | editar código-fonte]

As Forças Armadas de Defesa de Moçambique foram formadas em meados de agosto de 1994. Elas foram formadas por meio de uma comissão, a Comissão Conjunta para a Formação das Forças Armadas de Defesa e Segurança de Moçambique (CCFADM), presidida pela Organização das Nações Unidas a Moçambique ONUMOZ.[1] As novas forças armadas foram formadas integrando os soldados das ex-Forças Populares para a Libertação de Moçambique (FPLM) e os rebeldes, a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) que desejavam permanecer em uniforme. Foram nomeados dois generais para liderar as novas forças, uma da FRELIMO, o tenente-general Lagos Lidimo, que foi nomeado Chefe da Força de Defesa e Major General Mateus Ngonhamo da RENAMO como Vice-Chefe da Força de Defesa. O ex-Chefe do Exército (FPLM), o tenente-general Antonio Hama Thai, foi aposentado.

Em 20 de março de 2008, a Reuters informou que o presidente Guebuza havia demitido o chefe e o vice-chefe da força de defesa, o general de exercito Lagos Lidimo (FRELIMO) e o Tenente-General Mateus Ngonhamo (RENAMO), substituindo-os pelo brigadeiro Paulino Macaringue como Chefe do Estado Maior das Forças Armadas de Defesa de Moçambique e o Major General Olímpio Cambora como Vice-Chefe das FADM.[2]

Filipe Nyussi assumiu o cargo de Ministro da Defesa em 27 de março de 2008, sucedendo a Tobias Joaquim Dai.[3] O compromisso de Nyussi ocorreu quase exatamente um ano após um incêndio e as explosões resultantes de munições no armador de Malhazine em Maputo mataram mais de 100 pessoas e destruíram 14 mil lares. Uma comissão de investigação nomeada pelo governo concluiu que a negligência desempenhou um papel no desastre, e Dai "foi culpado por muitos por não agir a tempo para evitar a perda de vidas".[4] Embora nenhum motivo oficial tenha sido dado para a remoção de Dai, pode ter sido uma "reação tardia" ao desastre de Malhazine.[5]

Em abril de 2010, foi anunciado que a República Popular da China doou para o material FADM para agricultura no valor de 4 milhões de euros, incluindo caminhões, tratores, implementos agrícolas, cortadores e motos no âmbito da cooperação bilateral nos militares. Cooperação no campo militar, o Governo da China também prestará apoio ao Ministério da Defesa de Moçambique com cerca de 1 milhão de euros para as áreas de treinamento e logística. O protocolo para a concessão de auxílio às Forças Armadas para a Defesa de Moçambique (FADM) ) foi assinado pelo ministro da Defesa de Moçambique, Filipe Nyusi, e o responsável de negócios da embaixada chinesa em Maputo, Lee Tongli.[6]

Moçambique também esteve envolvido em muitas operações de manutenção da paz no Burundi (232 funcionários),[7] Comores, República Democrática do Congo, Timor-Leste e Sudão. Eles também participaram ativamente de operações militares conjuntas como Blue Hungwe no Zimbabwe em 1997 e Blue Crane na África do Sul em 1999. Tudo o que está tentando construir segurança e confiança na região da África Austral.

Forças terrestres[editar | editar código-fonte]

O Acordo Geral de Paz de 1992 estipulava que o tamanho do exército seria de 24 mil (igualmente tirado da FAM e da RENAMO), mas devido à falta de interesse (o pagamento e os futuros termos de serviço eram pobres), esse número nunca foi alcançado.

As informações sobre a estrutura do Exército de Moçambique são escassas. O IISS estimou em 1997-98 que consistiu em 5 infantários, 3 SF, 1 batalhão logístico e uma empresa de engenharia, com uma força de 4-5,000.[8]

Um oficial das Forças Armadas

O IISS estimou em 2007 que tem uma força total de 9-10.000, com 7 batalhões de infantaria, 3 batalhões de Forças Especiais, 2-3 baterias de artilharia, 2 batalhões de engenheiros e um batalhão de logística. Em meados de 2017,Eugènio Dias Da Silva foi nomeado como o chefe do Exército de Moçambique.[9]

Força aérea[editar | editar código-fonte]

Brasão da Força Aérea

A Força Aérea de Moçambique ou FAM fazia parte do exército nacional inicialmente, e de 1985 a 1990 era conhecida como Força Aérea Popular da Libertação. Devido à história de Moçambique, a força aérea tem uma história de uso de aeronaves portuguesas anteriores, desde a sua criação após a independência em 1975, apoiada por Cuba e a URSS, Houve uma entrada de aeronaves construídas na União Soviética para apoiar o governo na guerra civil até 1992. Na sequência do cessar-fogo naquele ano, a mudança nas políticas governamentais para a economia do estilo ocidental significou que o apoio cubano para a Força Aérea diminuiu e a maioria das aeronaves caíram em condições precárias nas três principais bases da Beira, Nacala e Nampula. O FAM agora é efetivamente uma força simbólica, e o orçamento de defesa foi reduzido para 1,5% do Produto Nacional Bruto de Moçambique.[10] O número de pessoas na Força Aérea é estimado em 4000.

Em 2011, a Força Aérea Portuguesa ofereceu a FAM dois Cessna FTB-337, atualizados com a mais recente tecnologia para uso em treinamento, evacuação aeromédica e operações de vigilância marítima. Esta é parte do programa permanente de cooperação técnico-militar (CTM) entre Portugal e Moçambique. No que se refere especificamente à FAM, a cooperação portugues-moçambicana também inclui outras ações como a formação de pilotos,e técnicos de aviação, a criação de medicina aérea e os centros de operações aéreas e o desenvolvimento das capacidades de busca e resgate e segurança de vôo. Além disso, vários cadetes oficiais moçambicanos participam da Academia da Força Aérea Portuguesa.

Em 2014, o ministro da Defesa do Brasil divulgou sua intenção de doar 3 Embraer EMB 312 Tucano e auxiliar no financiamento da compra do 3 Embraer EMB 314 Super Tucano.[11]



Referências

  1. Final Report of the Secretary-General on the United Nations Operation in Mozambique,’ S/1994/1449, 23 December 1994
  2. Editorial, Reuters. «Mozambique leader Guebuza sacks defence chiefs». U.S. (em inglês) 
  3. «Mozambique: New Ministers Sworn in». Agencia de Informacao de Mocambique (Maputo). 27 de março de 2008 
  4. http://www.thefreelibrary.com/Mozambique+defence+minister+axed+a+year+after+arms+depot+tragedy+-a01610947762
  5. «Mozambique: Guebuza Sacks Defence Minister». Agencia de Informacao de Mocambique (Maputo). 26 de março de 2008 
  6. «Cópia arquivada». Consultado em 9 de fevereiro de 2018. Arquivado do original em 27 de abril de 2010 
  7. Helmoed-Romer Heitman, 'Burundi mission at full strength,' Jane's Defence Weekly, 29 October 2003, 16.
  8. IISS Military Balance 1997-98, 252
  9. Indiablooms. «Sunil Lanba visits Mozambique, Tanzania | Indiablooms - First Portal on Digital News Management». Indiablooms.com (em inglês) 
  10. World Aircraft Information Files. Brightstar Publishing, London, File 340 Sheet 05
  11. http://www.janes.com/article/35844/brazil-seeks-to-boost-defence-exports-to-africa