Forma diferencial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde fevereiro de 2011)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Em geometria diferencial, é um objeto matemático pertencente a um espaço vetorial que aparece no cálculo multivariável, cálculo tensorial ou em física. Comumente uma forma diferencial pode ser entendida como um operador multilinear antissimétrico definido sobre o espaço vetorial tangente a uma variedade diferenciável. Em um espaço ou variedade de dimensão n, podem definir-se 0-formas, 1-formas, ... e n-formas. Pela propriedade da antissimetria, as k-formas para k > n são identicamente nulas.

O conceito de forma diferencial é uma generalização sobre idéias prévias como o gradiente, a divergência, o rotacional, etc. Essa generalização e a moderna notação usada no estudo das formas diferenciais se deve a Elie Cartan.

0-formas, 1-formas e k-formas[editar | editar código-fonte]

O exemplo não trivial mais notável de uma forma diferencial é constituido pelas 1-formas, também chamadas formas pfaffianas. Estas formas são a maneira rigorosa de tratar os diferenciais das funções reais sobre uma variedade (para funções ordináras a variedade é simplesmente o espaço euclidiano, \mathbb{R}^n). As 1-formas também aparecem em física, assim por exemplo as "diferenciais" das variáveis de estado usadas em termodinâmica são de fato 1-formas (ainda que o tratamento informal das mesmas despreza esse fato). Na geometria diferencial o estudo das variedades diferenciáveis, as 1-formas atuam como funções lineares reais definidas sobre o espaço vetorial tangente à variedade diferencial que se está considerando. Assim pois o conjunto de todas as 1-formas definidas em um ponto da variedade é isomorfo ao espaço dual do espaço vetorial tangente neste ponto.

Outro exemplo, um tanto trivial são as funções reais definidas sobre uma variedade, que podem ser tratadas formalmente como 0-formas. O nome é justificado porque existe um operador denominado diferencial exterior, que aplica k-formas em k+1-formas, dado que a diferencial exterior de uma função real é 1-forma, é conveniente se chamar 0-formas aos objetos matemáticos, como as funções reais, cuja diferencial é uma 1-forma. Assim por exemplo as funções de estado da termodinâmica, o lagrangiano da mecânica lagrangiana ou o hamiltoniano da mecânica hamiltoniana são de fato 0-formas definidas sobre os respectivos espaços de configuração ou espaços de fases do sistema físico.

Finalmente e usando o maior nivel de generalidade se definem as k-formas. Uma forma de grau k ou k-forma é uma seção diferenciável da k-ésima potencia exterior do fibrado cotangente da variedade. Em qualquer ponto P em uma variedade, uma k-forma resulta uma função multilinear desde a potência cartesiana k-ésima do espaço tangente em P a ℝ.

Algumas definições formais[editar | editar código-fonte]

  1. O conjunto de todas as k-formas definidas no espaço vetorial tangente de um ponto x de uma variedade se chama \Lambda_x^k.
  2. O conjunto de todas as formas diferenciais sobre uma variedade de dimensão n, que resulta ser \Lambda_x = \Lambda_x^0 \oplus \Lambda_x^1 \oplus \dots \oplus \Lambda_x^n , é o álgebra de Grassmann da variedade e é em si mesma um espaço vetorial de dimensão 2n.
  3. Existe um operador, chamado diferencial exterior d: \Lambda_x^{k-1} \to \Lambda_x^{k} \qquad 1 \le k \le n
  4. Uma k-forma diferencial \omega \, se chama fechada se seu diferencial exterior é zero, ou seja, d\omega = 0 \,.
  5. Uma k-forma diferencial \alpha \, se denomina exata se existe outra uma (k-1)-forma \beta \, tal que sua derivada exterior é precisamente \alpha \,, ou seja, \alpha = d\beta \,.

Integração das formas[editar | editar código-fonte]

Em uma variedade diferenciável de dimensão n \ge k pode-se definir o análogo da longitude de uma curva, a área de uma superfície, o volume, ou em geral o k-volume.

Cada um dos conceitos métricos anteriores é calculado como a integração de uma forma diferencial sobre um subconjunto da variedade diferenciável. Assim o conceito de longitude está associado com 1-formas, o de área com 2-formas (elemento de área), o de volume com 3-formas (elemento de volume), etc.

Matematicamente, as formas diferenciáveis de grau k podem ser integradas sobre cadeias k dimensionais ou mais geralmente conjuntos de dimensão topológica k. Se k = 0, isto é simplesmente a avaliação de funções nos pontos. Outros valores de k = 1, 2, 3 correspondem às integrais de linha, às integrais superficiais, às integrais de volume, etc. Um resultado muito importante, relacionado com a integração de formas se chama teorema de Stokes (do qual a regra de Barrow para integrais ou o teorema da divergência são casos particulares).

Operações em formas[editar | editar código-fonte]

O conjunto de todas as k-formas em uma variedade são um espaço vetorial. Além disso, há duas outras operações: "cunha" e derivada exterior. Ver cohomologia de Rham para mais detalhes.

A relação fundamental entre a derivada exterior e a integração é dada pelo teorema de Stokes generalizado, que também proporciona a dualidade entre a cohomologia de Rham e a homologia de cadeias.

Formas diferenciais em física[editar | editar código-fonte]

Em física, o uso de formas diferenciais é comum em várias áreas, por exemplo, a termodinâmica e a teoria da relatividade.

Em termodinâmica é prática comum chamar formas pfaffianas às 1-formas. Lamentavelmente, a maior parte dos manuais recorre ao uso convencional destes objetos de uma forma pouco ou nada rigorosa. Igualmente se pode chamar diferenciais exatas às 1-formas exatas.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bachman, David (2006), A Geometric Approach to Differential Forms, Birkhauser, ISBN 978-0-8176-4499-4
  • Flanders, Harley (1989), Differential forms with applications to the physical sciences, Mineola, NY: Dover Publications, ISBN 0-486-66169-5
  • Fleming, Wendell H. (1965), "Chapter 6: Exterior algebra and differential calculus", Functions of Several Variables, Addison-Wesley, pp. 205–238 . Este livro texto em cálculo multivariável introduz a álgebra exterior algebra de formas diferenciais no cálculo de nível superior
  • Morita, Shigeyuki (2001), Geometry of Differential Forms, AMS, ISBN 0-8218-1045-6
  • Rudin, Walter (1976), Principles of Mathematical Analysis, New York: McGraw-Hill, ISBN 0-07-054235-X
  • Spivak, Michael (1965), Calculus on Manifolds, Menlo Park, CA: W. A. Benjamin, ISBN 0-8053-9021-9
  • Zorich, Vladimir A. (2004), Mathematical Analysis II, Springer, ISBN 3-540-40633-6

Ligações externas[editar | editar código-fonte]