Forma extraordinária do Rito Romano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

"Uma forma extraordinária do Rito Romano" é uma frase utilizada pelo papa Bento XVI em seu motu proprio, Summorum Pontificum, para descrever a liturgia do Missal Romano de 1962, amplamente chamada de Missa Tridentina. A frase distingue claramente a liturgia deste missal, publicado pelo papa João XXIII, da utilizada pelo missal revisado pelo papa Paulo VI em 1969, que, segundo ele, "obviamente é e continua a ser a forma normal — a forma ordinária — da liturgia eucarística"[1]. A liturgia deste missal distingue-se também, mas menos fortemente, das edições anteriores da Missa Tridentina, revistas pelo papa Pio XII (sobretudo na liturgia da Semana Santa), o papa Pio X, e outros, a partir da edição original do papa Pio V.[2][3]

Utilização da frase[editar | editar código-fonte]

No primeiro artigo do motu proprio, o papa designou a forma de 1962 como uma "forma extraordinária da Liturgia da Igreja" e como "uma expressão extraordinária da mesma lex orandi da Igreja"[4] e, em sua carta anexa aos bispos, ele afirmou que o missal de 1962 "poderá agora ser utilizado como uma forma extraordinária da celebração litúrgica".[1]

Referências