Forte Barão do Rio Branco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Forte Barão do Rio Branco
Brazilian States.PNG
Construção Getúlio Vargas (1938)
Conservação Bom
Aberto ao público Sim

Forte Barão do Rio Branco localiza-se ao norte da barra da baía de Guanabara, à alameda Marechal Pessoa Leal nr. 265, bairro de Jurujuba, município de Niterói, no estado brasileiro do Rio de Janeiro.

História[editar | editar código-fonte]

Este forte remonta à antiga Bateria de Santo Antônio da Praia de Fora. Pelo Decreto nº 3.329, de 25 de novembro de 1938, o conjunto defensivo integrado por essa antiga bateria, pelo Forte do Morro do Pico, e pelo Forte de São Luís, recebeu a designação atual de Forte Barão do Rio Branco. Estava guarnecido, ao final da década de 1950, pela 1ª Bateria de Óbus de Costa (BOC) (BARRETTO, 1958:211).

Em 1966, as suas instalações e armamentos passaram à guarda do 1ª/1º GACosM. A partir de 1992 o conjunto passou a abrigar parte do 8º Grupo de Artilharia de Costa Motorizado (GACosM), responsável ainda pela Fortaleza de Santa Cruz da Barra e pelo Forte D. Pedro II do Imbuí.

É a partir das suas instalações que se inicia a visitação, tanto do conjunto do Forte de São Luís / Forte do Pico, quanto do Forte do Imbuí. Do Forte de São Luís parte uma trilha pelo costão rochoso, que atinge a Fortaleza de Santa Cruz em uma caminhada de cerca de 40 minutos, atualmente fechada ao público por questão de segurança.

Atualmente este forte encontra-se guarnecido pelo 21º Grupo de Artilharia de Campanha, Grupo Monte Bastione (21 GAC).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BARRETO, Aníbal (Cel.). Fortificações no Brasil (Resumo Histórico). Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1958. 368 p.
  • GARRIDO, Carlos Miguez. Fortificações do Brasil. Separata do Vol. III dos Subsídios para a História Marítima do Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa Naval, 1940.
  • SOUSA, Augusto Fausto de. Fortificações no Brazil. RIHGB. Rio de Janeiro: Tomo XLVIII, Parte II, 1885. p. 5-140.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]