Forte de São Domingos da Baralha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Forte de São Domingos da Baralha
Nomes alternativos Forte da Baralha
Tipo fortaleza militar
Construção século XVII
Início da construção possivelmente em 1665
Função inicial proteção
vigilância
Proprietário atual Estado Português
Função atual parte de percurso pedestre
turismo
Área 408 m²
Estado de conservação em ruínas
Geografia
País Portugal
Cidade Sesimbra
Distrito Setúbal
Localização do Forte da Baralha
Coordenadas 38° 24' 48" N 9° 11' 25" O

O Forte de São Domingos da Baralha ou Forte da Baralha localiza-se junto à Praia da Baleeira, entre o Cabo Espichel e Sesimbra, no Distrito de Setúbal, em Portugal. Terá sido construído no século XVII, no âmbito da estratégia defensiva do reino implementada por D. João IV, sendo iniciado já no reinado de D. Afonso VI, contribuindo assim para a proteção e vigilância da costa.[1][2]

Considerado à época como a primeira defesa da costa da Arrábida, este Forte atualmente encontra-se abandonado e em ruínas.[1][3]

História[editar | editar código-fonte]

No âmbito da reformulação da estratégia defensiva do reino implementada pelo Rei D. João IV, terá sido mandado construir no século XVII, sendo a sua construção iniciada no reinado de D. Afonso VI e concluída sob o reinado de D. Pedro II.[2] Teria como objetivo não só a proteção da costa deste ponto da Serra da Arrábida, mas também o controlo e vigilância das populações, contribuindo para a presença da Coroa neste local.[1]

Planta do Forte

Assim sendo, foi construído numa zona isolada, de implantação rural, a 27 metros acima do nível do mar, apresentando uma planta de forma retangular, com edificações de serviço e uma cisterna integrada na plataforma do edifício.[2] A sua superfície construída correspondia a 408 m² tendo um terreno adjacente de 10.392 m², perfazendo um total de 10.800 m².[4]

Estaria sob a jurisdição da Praça de Sesimbra, juntamente com a Fortaleza de Santiago, o Forte de São Teodósio, o Forte de Nossa Senhora do Cabo e o Forte de São Pedro das Areias Brancas (ou da Foz).[5][6]

No dia 21 de junho de 1808, no âmbito da Guerra Peninsular, sofreu um ataque de Inglaterra, aliados de Portugal contra os invasores franceses. Este ataque visava o bloqueio a qualquer ímpeto da Armada Francesa, procurando inutilizar este ponto fortificado da costa portuguesa que, eventualmente, poderia servir o inimigo francês. Depois do ataque ao Forte foram ainda deitadas ao mar as 8 peças de artilharia com que este estava equipado. Relativamente aos soldados desta fortificação, existem relatos que estes não tenham chegado a esboçar qualquer tentativa de defesa do Forte, uma vez que sabiam que os ingleses eram aliados de Portugal.[1]

Nos anos seguintes, o Forte é tido por abandonado, não tendo sido à época, devido a uma política de pouco cuidado com o Património, considerada razoável a sua conservação. Assim, com o decorrer do tempo, o Forte foi-se degradando, exposto às intempéries e à passividade do Homem.[1]

Na década de 1980, ainda se colocou a hipótese de cessão deste imóvel à Câmara Municipal de Sesimbra por parte da tutela. No entanto, tal não chegou a acontecer.[5] Assim sendo, num esforço para conservar a história deste Forte, a pedra de armas que encimava o portal da sua entrada foi retirada pelos serviços municipais, passando a integrar o espólio de reservas do Museu Municipal de Sesimbra.[1]

Atualmente, é usado como um ponto de paragem no itinerário pedestre Chã dos Navegantes (PR1-SSB), juntamente com as ruínas da Capela do Senhor Jesus dos Navegantes, que se localiza a cerca de 400 metros do Forte.[7] Neste percurso, é possível assim apreciar a imponência apresentada pelo pano de muralha e pela cisterna integrada na plataforma do Forte.[8]

Em novembro de 2021, numa reunião ordinária da Câmara Municipal de Sesimbra, o estado de degradação do Forte foi abordado por um vereador. Na sua intervenção, o Presidente da Câmara foi questionado sobre se existiam em curso iniciativas para passar o edificado para posse da autarquia de forma a que esta recupere o Forte ou se existia algum tipo de iniciativa que promovesse a recuperação e preservação do Forte junto da entidade competente.[9] Em resposta, o Presidente mencionou que a situação já era conhecida, nunca se tendo até então equacionado a reabilitação do Forte. Revelou ainda que o Forte estaria em domínio público marítimo apesar de os terrenos circundantes serem de propriedade privada. Todavia, no Programa da Orla Costeira (POC) Espichel–Odeceixe não estaria prevista nenhuma intervenção.[10]

Referências

  1. a b c d e f Martins Rodrigues, Henrique (2015). «Forte de São Domingos da Baralha» (PDF). Akra Barbarion - Sesimbra, cultura e património (1): 129-168. Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 16 de novembro de 2021 
  2. a b c fortalezas.org. «Fort of São Domingos da Baralha». Consultado em 16 de novembro de 2021 
  3. Portocarrero, Gustavo (2003). Sistemas de Defesa Costeira na Arrábida Durante a Idade Moderna: Uma Visão Social (PDF). Lisboa: Edições Colibri. ISBN 972-772-363-2 
  4. Vasconcellos e Sá, José Maria de (17 de agosto de 1891). Planta do Forte de S. Domingos da Baralha e do terreno adjacente que lhe pertence (Mapa). 1/400. Consultado em 28 de novembro de 2021 
  5. a b Martins Rodrigues, Henrique (2012). Fortaleza de Santiago e Outras Fortificações Costeiras da Região (PDF). [S.l.: s.n.] 
  6. Caetano Leitão, Marta Isabel (2018). «As Fortificações da Barra do Sado nos Séculos XVI e XVII» (PDF). Anuário do Património: boas práticas de conservação e reabilitação (3): 46-51. Consultado em 28 de novembro de 2021 
  7. Câmara Municipal de Sesimbra. «Percursos Pedestres no Cabo Espichel: Chã dos Navegantes - Pelo caminho do forte de S. Domingos da Baralha» (PDF). Consultado em 28 de novembro de 2021 
  8. Geo Circuito de Sesimbra. «Chã dos Navegantes». Consultado em 28 de novembro de 2021 
  9. Pólvora, Nélson (24 de novembro de 2021). Reunião Ordinária da Câmara Municipal de Sesimbra 24-11-2021. Sesimbra. Em cena em 27:33. Consultado em 28 de novembro de 2021 
  10. Jesus, Francisco (24 de novembro de 2021). Reunião Ordinária da Câmara Municipal de Sesimbra 24-11-2021. Sesimbra. Em cena em 51:16. Consultado em 28 de novembro de 2021 
Ícone de esboço Este artigo sobre Património de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre Forte de S. Domingos da Baralha:
Commons Categoria no Commons
Wikidata Base de dados no Wikidata