Forte de Santiago de Sesimbra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.
Forte de Santiago
Fortaleza de Santiago.JPG
Forte de Santiago de Sesimbra: vista da praia
Mapa de Portugal - Distritos plain.png
Construção D. João IV (1648)
Estilo
Conservação Bom
Homologação
(IGESPAR)
IIP
(DL 129 de 29 de Setembro de 1977.)
Aberto ao público Sim

O Forte de Santiago da Vila de Sesimbra, também conhecido como Forte da Marinha, Forte da Praia e Fortaleza de Santiago, localiza-se na vila litorânea do mesmo nome, no Distrito de Setúbal, em Portugal.

Localizado sobre a praia em Sesimbra, povoação tradicionalmente dedicada à pesca, tinha a função de proteger a vila e o seu ancoradouro.

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes: o Forte quinhentista.[editar | editar código-fonte]

A primeira estrutura defensiva neste local remonta muito provavelmente a um forte quinhentista, erguido durante o reinado de D. Manuel I (1495-1521). Esta fortificação foi atacada à época da Dinastia Filipina por navios da armada inglesa (Junho de 1602), tendo sofrido pesados danos, a par do episódio de represamento de uma nau (a São Valentim) provinda das Índias Orientais carregada de mercadoria valiosa.

O actual Forte de Santiago[editar | editar código-fonte]

Fortaleza de Santiago de Sesimbra: Vista para o mar
Fortaleza de Santiago

A actual estrutura remonta à época da Restauração da independência, quando no reinado de D. João IV (1640-1656) se determinou a sua edificação. O seu projecto ficou a cargo de João Cosmander, jesuíta holandês ao serviço daquele soberano, estando concluída em 1648.

Utilizada como balneário ou colónia de férias para os filhos bastardos de D. João V (1706-50) (os Meninos de Palhavã), a partir de 1712 foi utilizada como sede do Governo das Armas da região, a que se subordinavam as restantes defesas costeiras, a saber: o Forte de Santiago do Outão, o Forte de Santa Maria da Arrábida, o Forte de São Teodósio da Ponta do Cavalo, o Forte de São Domingos da Baralha e o Forte de Nossa Senhora do Cabo, no Espichel. O Forte de São Pedro das Areias Brancas (ou da Foz), já se encontrava bastante deteriorado nesta época.

No século XIX, tendo perdido a função defensiva diante da evolução dos meios bélicos, foi desguarnecido e desartilhado em 1832. Posteriormente as suas instalações foram cedidas para uso da Alfândega (1886) até que, desde 1879, passou a abrigar o quartel da Guarda Fiscal.

Considerado como Monumento Nacional por Decreto de 29 de Setembro de 1977, actualmente encontra-se em bom estado de conservação, aberto à visitação turística.

Características[editar | editar código-fonte]

Fortaleza de Santiago de Sesimbra: Brasão real

A estrutura alonga-se em linhas abaluartadas no sentido longitudinal da praia, com uma ampla esplanada para a artilharia. Os pátios interiores abrigam as dependências de serviço: Casa de Comando (residência do Governador das Armas), Quartel da Tropa, paiol, Capela, depósitos, masmorras e cisterna.

O portão é encimado por um escudo real, onde se inscreve a data da fundação do forte: 1648.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Fortaleza de Santiago de Sesimbra: Vista do interior

No pátio existiu uma pintura sobre madeira, remontando aos meados do século XVII, figurando Santiago, a cavalo empunhando a espada, investindo sobre um grupo de mouros.

Juntamente com o Castelo de S. Filipe e o Castelo de Palmela, está representado no símbolo do Vitória de Setúbal, que inclui um castelo com estas três torres.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Forte de Santiago de Sesimbra