Forte de Santo António da Barra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura outras edificações no Brasil, veja Forte de Santo Antônio da Barra.
Forte de Santo António da Barra
Forte de Santo António da Barra. 05-18 (01).jpg
Mapa de Portugal - Distritos plain.png
Construção Filipe II de Espanha (1590)
Estilo Abaluartado
Conservação Recuperado
Homologação
(IGESPAR)
IIP
(DL 129 de 29 de Setembro de 1977)
Aberto ao público
Site IHRU, SIPA6072
Site IGESPAR72759

O Forte de Santo António da Barra (também denominado como Forte de Santo António do Estoril, Forte Velho ou Forte de Salazar) localiza-se sobranceiro ao mar, na freguesia de Estoril, na povoação de São João do Estoril, concelho de Cascais, Distrito de Lisboa, em Portugal.

É considerado a principal fortificação entre a Cidadela de Cascais e o Forte de São Julião da Barra.

Caracterização[editar | editar código-fonte]

Fortificação marítima, apresenta planta poligonal irregular estrelada, com dois baluartes exteriores ligados por revelins em "V" rasgados por canhoneiras, e guaritas cilíndricas com cúpulas nos vértices. No centro do terrapleno ergue-se edificação acasamatada de planta também quadrada, com capela e casernas abobadadas, ao abrigo de uma segunda cintura de muralhas constituída por dois baluartes, ligados por revelins em ferradura. Entre as duas linhas de muralhas abre-se o fosso. A sua planimetria destaca-se pela sua diferença em relação às restantes fortalezas da Barra do Tejo.

História[editar | editar código-fonte]

Projeto e construção[editar | editar código-fonte]

A sua estrutura remonta à época da Dinastia Filipina, quando Filipe I incumbiu o engenheiro militar e arquiteto napolitano, frei Giovanni Vicenzo Casale, de elaborar uma planta de Cascais e de uma carta da costa até São Julião da Barra. Entre as preocupações do monarca estava a melhoria do sistema defensivo da barra de Lisboa (1586), zona pela qual se concretizou a campanha do Duque de Alba para tomar a capital e o trono portugueses[1], e da ameaça de corsários ingleses e holandeses. D. Filipe pretendia, portanto, evitar o acesso a Lisboa pelo rio e eventuais desembarques na linha de costa entre São Julião da Barra e Cascais.[2]

Exterior do forte vendo-se o fosso.

É Casale —também encarregado das obras de ampliação da Torre de Belém e do Forte da Cabeça Seca— o autor da traça desta fortificação, iniciada em 1590. Apesar da concordância do monarca acerca do primeiro esboço que lhe foi apresentado —uma fortificação de pequenas dimensões em taipa, revestida em madeira e alvenaria—, o mesmo foi substituído por um novo, mais ambicioso, que adaptou uma planta quase quadrangular, com quatro baluartes angulares nos vértices, dos quais os maiores ficariam virados para terra. Pelo lado do mar, foi erguida uma construção amuralhada de planta retangular, ao longo das faces internas dos baluartes, com a função de bateria baixa, com artilharia, o corpo da guarda e a entrada rasgados na parede sudoeste. O forte era envolvido por um fosso exterior, com contra-escarpa e estrada coberta. O interior da estrutura organizava-se em dois edifícios oblongos, separados por um pátio coberto estreito, os quartéis dos soldados, armazéns e outras dependências necessárias à sua vivência no espaço. Entre estes dois edifícios encontra-se a pequena capela em invocação de Santo António.[2]

A construção tardou pouco mais de um ano, sendo que o rei recebe uma correspondência de Casale, em 16 de fevereiro de 1591, informando-lhe de que «El castillo de Santo António como escrivi a V. Mag. está ja de manera que se puede meter gente y artilleria.»[2]

Guerra da Restauração e período de declínio[editar | editar código-fonte]

Posteriormente à época da Guerra da Restauração da independência, quando a Coroa portuguesa empreendeu uma ampla reforma das fortificações terrestres e marítimas, sob a direção do Conde de Cantanhede, D. António Luís de Meneses. O forte seria assim alvo de trabalhos de modernização e ampliação que alteraram o projeto inicial de modo a reforçar o poder de fogo existente.[3][1]

No entanto, e apesar da sua importância, a estrutura vai perdendo a função estratégica, sendo abandonadas e degradando-se com rapidez. Desta forma, e nas eras seguintes, seria intervencionado por diversas vezes, na maioria delas sofrendo reformas praticamente integrais.[2] Em finais do século XIX, já sem realizar quaisquer funções para as quais foi concebido, foi nele instalado um posto da Guarda Fiscal. Mais tarde, a partir de 1915, as suas instalações passaram a ser utilizadas como campo de férias do Instituto Feminino de Educação e Trabalho de Odivelas.

Divisão que António de Oliveira Salazar ocupou enquanto escritório pessoal.

Em meados do século XX foram executados serviços de remodelação das instalações, adaptadas como residência de verão do Presidente do Concelho de Cascais.

Um dos seus períodos mais emblemáticos resulta da escolha, por parte do presidente do Conselho de Ministros, António de Oliveira Salazar, de aí estabelecer a sua residência sazonal. Seria no forte que, em 3 agosto de 1968, Salazar sofreria um acidente doméstico, quando cai ao tentar sentar-se numa cadeira. Este episódio foi decisivo no processo de decadência do seu regime.[1] O agravamento do seu estado conduziria à nomeação, em 18 de setembro, do Prof. Marcello Caetano como Presidente do Conselho.

Mais tarde, o forte foi classificado como Imóvel de Interesse Público através do Decreto nº 129, de 29 de Setembro de 1977.

Século XXI[editar | editar código-fonte]

Interior do forte em novembro de 2017. Escadarias de acesso ao segundo piso.

Na sequência do despacho de 2013 que ditou o encerramento do Instituto de Odivelas no final do ano letivo de 2014/2015[4], o local foi encerrado e abandonado. Na sequência deste evento, a Câmara Municipal de Cascais assinou um protocolo que visava a transferência das competências de exploração do local do governo central para o município. Paralelamente, a autarquia definiu um plano que veria instalado no local um centro de investigação ligado ao mar.[5]

As primeiras notícias acerca da decadência do local dão-se em 2016, quando é relatado um incêndio num dos compartimentos do forte.[6] O forte volta a surgir em primeiro plano com uma reportagem do semanário Expresso, de dezembro de 2017, que denuncia o abandono do local.[7] Pouco tempo depois, o artigo da Wikipédia é também editado por um utilizador anónimo de forma a incluir fotografias do local, e com um sumário de edição semelhante ao utilizado pelo jornal na sua galeria de fotos.[8][9] Após esta reportagem, outros meios de comunicação decidem também relatar a questão, caso da SIC[10] e RTP[11].

Interior do piso superior do edifício, que funcionava como sala de jantar.

Na sequência das denúncias efetuadas no programa Linha da Frente da RTP1, em fevereiro de 2018, o Ministério da Defesa Nacional procedeu à colocação de avisos no perímetro do forte, sem no entanto levar a cabo quaisquer reparações que evitem a entrada não autorizada no local.[12] Por sua parte, a Câmara Municipal de Cascais lamentou a falta de iniciativa para a recuperação do forte[13], que estima em 6 milhões de euros[14], e a causa chega ao Parlamento[15] e à justiça.[16]

A 13 de março de 2018, e durante um ano, o imóvel foi entregue pelo Ministério da Defesa à Câmara Municipal de Cascais, que procedeu à recuperação do forte.[17] O primeiro evento público no local consistiu nas celebrações do 25 de abril.[18]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • AZEVEDO, Carlos de; FERRÃO, Julieta; GUSMÃO, Adriano de. Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa. Lisboa, 1963.
  • GODINHO, Helena Campos; MACEDO, Silvana Costa; PEREIRA, Tereza Marçal. Levantamento do património concelhio de Cascais. 1975 - Herança do património arquitectónico europeu. Cascais: Arquivo de Cascais, 1990.
  • MOREIRA, Rafael. A arquitectura militar. in: História da Arte em Portugal - O Maneirismo (v. 7). Lisboa: 1986.

Referências

  1. a b c Henriques, João Miguel (2014). Cascais: 650 anos de história (PDF). Cascais: Câmara Municipal de Cascais. ISBN 978-972-637-258-5 
  2. a b c d Magalhães Ramalho, Margarida (2010). Fortificações Marítimas (PDF). Col: Roreiros do Património de Cascais. 3. [S.l.]: Câmara Municipal de Cascais. pp. 38–43 
  3. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome :1
  4. Lusa (10 de setembro de 2012). «"Ensino militar regular concentrado no Colégio Militar até 2015"». Jornal Público. Consultado em 20 de setembro de 2013. 
  5. Alves, Marco (2 de janeiro de 2017). «O Estado Novo está como novo». Revista Sábado 
  6. Pinheiro, Valdemar (26 de maio de 2016). «Fogo deflagrou no Forte de Santo António da Barra». JN 
  7. «Vandalizado forte que assistiu à queda de Salazar». Jornal Expresso 
  8. «As 15 fotografias que mostram a destruição do Forte de Santo António da Barra». Jornal Expresso 
  9. «Histórico de edições de "Forte de Santo António da Barra"». Wikipédia, a enciclopédia livre 
  10. «Um forte e cinco séculos de história ao abandono em Cascais». SIC Notícias 
  11. RTP, RTP, Rádio e Televisão de Portugal -. «Forte de Santo António da Barra continua a ser vandalizado» 
  12. «Linha da Frente (XX) - Episódio 5 - RTP Play - RTP». RTP Play 
  13. «Cascais. Câmara lamenta falta de iniciativa para recuperar forte de Santo António da Barra». PÚBLICO 
  14. Group, Global Media (11 de fevereiro de 2018). «Nacional - Câmara de Cascais estima em 6ME reabilitação do forte de Santo António da Barra». DN 
  15. SOL, Jornal. «CDS quer esclarecimentos sobre degradação do Forte de Santo António da Barra». Semanario SOL 
  16. «Forte de Forte de Santo António da Barra vai a tribunal por estar ao abandono» 
  17. «Saiba o que já foi feito no Forte de Santo António | Câmara Municipal de Cascais». www.cascais.pt. Consultado em 24 de março de 2018. 
  18. RTP, RTP, Rádio e Televisão de Portugal -. «Forte de Santo António da Barra reabriu ao público» 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]