Fortepiano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fortepiano de Paul McNulty, segundo modelo de Walter & Sohn, ca. 1805.

O fortepiano é um instrumento musical de teclas, antecessor do piano atual. Foi inventado pelo fabricante de instrumentos musicais italiano Bartolomeo Cristofori por volta de 1700, e foi construído e vendido por toda a Europa até o século XIX, quando inovações técnicas levaram ao desenvolvimento do instrumento moderno.

Johann Andreas Stein foi um dos mais famosos construtores de fortepianos. Nascido em Augsburg, na Alemanha,[1] Stein desenvolveu o chamado mecanismo de acção “vienense”, muito popular nos pianos vienenses até meados do século 19.[2] Anton Walter foi outro fabricante importante de pianos vienenses.[3] O forte-piano Walter do próprio Mozart encontra-se actualmente no Museu de Mozart em Salzburgo, na Áustria. Haydn também possuía um piano Walter, e Beethoven expressou o desejo de comprar um.[4] Conrad Graf (1782-1851) foi o fabricante de pianos mais famoso nos primeiros anos do romantismo. Foi ele quem construiu o último piano de Beethoven.[5] Os seus instrumentos foram tocados por Chopin, Mendelssohn e Schumann. Johannes Brahms preferia os pianos de Johann Baptist Streicher.[6] Entre os construtores de pianos ingleses encontram-se Johannes Zumpe, Robert Stodart e John Broodwood. Entre os fabricantes de pianos franceses durante a era do forte-piano encontramos os ilustres Érard, Pleyel (o fabricante favorito de Chopin)[7] e Boisselot (o favorito de Liszt).[8]

A partir de meados do século XIX, o forte-piano passou por um amplo desenvolvimento tecnológico com vista à sua produção por novos métodos industriais (detalhes, consulte Piano). No final do século XIX, o antigo instrumento deixa de ser fabricado. Na segunda metade do século XX, os instrumentos da época voltaram a despertar muito interesse, nomeadamente o cravo e o forte-piano. Alguns dos mais ilustres construtores de forte-piano incluídos neste reflorescimento do forte-piano no século XX foram Philip Belt,[9] Margaret F. Hood, Christopher Clark e Paul McNulty.[10]

O ressurgimento do forte-piano permitiu a execução de obras do século 18 e início do século 19 nos instrumentos para os quais foram criadas, proporcionando assim uma nova visão sobre esta música. Existem cada vez mais escolas de música a iniciar estudos em forte-piano. Existem igualmente vários concursos de forte-piano, tais como a Competição MA, em Bruges (Bélgica) e o Concurso Internacional de Chopin em Instrumentos da Época, realizado pelo Instituto Frédéric Chopin, em Varsóvia (Polónia).[11]

Vários cravistas e pianistas modernos incluindo Paul Badura-Skoda, Malcolm Bilson, Andras Schiff, Kristian Bezuidenhout, Ronald Brautigam, Alexei Lubimov, duo Katie e Marielle Labeque, Yuan Sheng, Gary Cooper, Jörg Demus, Richard Egarr, Richard Fuller, Robert Hill, Geoffrey Lancaster, Vladimir Feltsman, Robert Levin, Steven Lubin, Bart van Oort, Trevor Pinnock, Viviana Sofronitsky, Andreas Staier, Melvyn Tan, Jos van Immerseel e Olga Pashchenko ganharam destaque pelos seus recitais de forte-piano.

Referências

  1. «Stein, Johann (Georg) Andreas». Grove Music Online (em inglês). doi:10.1093/gmo/9781561592630.article.26631. Consultado em 6 de julho de 2021 
  2. Huber, Alfons (2002). "Was the 'Viennese Action' Originally a Stossmechanik?".
  3. «Walter, (Gabriel) Anton». Grove Music Online (em inglês). doi:10.1093/gmo/9781561592630.article.29863. Consultado em 6 de julho de 2021 
  4. Ludwig van Beethoven, Brief an Nikolaus Zmeskall, Wien, November 1802, Autograph
  5. Conrad Graf, Echtheitsbestätigung für den Flügel Ludwig van Beethovens, Wien, 26. Juni 1849, Autograph
  6. August, 1887. Litzmann, Berthold, 1906. Clara Schumann, ein Künstlerleben. Leipzig: Breitkopf & Härtel, vol 3, pp.493–94.
  7. Chopin's letters. By Chopin, Frédéric, 1810-1849; Voynich, E. L. (Ethel Lillian), 1864-1960; Opienski, Henryk, 1870-1942
  8. Alan Walker, Franz Liszt: The Weimar years, 1848-1861. Cornell University Press, 1987
  9. Obituary. «Philip R. Belt». Palladium-Item (em inglês). Consultado em 6 de julho de 2021 
  10. Adlam, Derek (2003). Palmieri, Robert; Palmieri, Margaret W.; Kipnis, Igor (eds.). Early piano: replication. Encyclopedia of keyboard instruments. 2. Taylor and Francis. p. 114.
  11. «I Międzynarodowy Konkurs Chopinowski na Instrumentach Historycznych». iccpi.eu (em inglês). Consultado em 6 de julho de 2021 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Craw, Howard (1964) A Biography and Thematic Catalog of the works of J.L. Dussek, Los Angeles: University of Southern California.
  • Good, Edwin M. (1982) Giraffes, black dragons, and other pianos: a technological history from Cristofori to the modern concert grand, Stanford, Calif. : Stanford University Press.
  • Marshall, Robert (2003) 18th Century Piano Music, Routledge.
  • Parakilas, James (1999) Piano roles: three hundred years of life with the piano. New Haven, CT: Yale University Press.
  • Pollens, Stewart (1995) The Early Pianoforte. Cambridge: Cambridge University Press.
  • Ripin, Edwin M. (1986) "Piano", 1986 Encyclopædia Britannica
  • Ripin, Edwin M. (2001). "Fortepiano (i)". The New Grove Dictionary of Music and Musicians, ed. S. Sadie and J. Tyrrell. London: Macmillan. Also in Grove Music Online, ed. L. Macy (Accessed 19 June 2008), (subscription access)
  • Ripin, Edwin M., Stewart Pollens, Philip R. Belt, Maribel Meisel, Alfons Huber, Michael Cole, Gert Hecher, Beryl Kenyon De Pascual, Cynthia Adams Hoover, Cyril Ehrlich, And Edwin M. Good (2001). "Pianoforte I: History of the Instrument". The New Grove Dictionary of Music and Musicians, ed. S. Sadie and J. Tyrrell. London: Macmillan. Also in Grove Music Online, ed. L. Macy (visitado em 19-6-2008), (acesso pago)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre instrumento musical é um esboço relacionado ao Projeto Música. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.