Fortim de Palheiros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou seção foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Fortim de Palheiros
Wlm 73661.jpg
Fortim de Palheiros
Mapa de Portugal - Distritos plain.png <div style="position:absolute;top:Erro de expressão: Operador * inesperadopx; left:Erro de expressão: Operador * inesperadopx; width:3px; height:3px; background:#FF0000" title="Localização" onmouseover="width:5px;height:5px;">
Construção Miguel I de Portugal ()
Estilo
Conservação Mau
Homologação
(IGESPAR)
IIP
(DL 45.327 e 47.508 de 25 de outubro de 1963 e 24 de janeiro de 1967)
Aberto ao público
Site IHRU, SIPA2636
Site IGESPAR73661

O Fortim de Palheiros, também referido como Fortim da Praia, Fortim do Centro e Reduto Central da Praia, localiza-se na vila de Buarcos, freguesia de Buarcos, concelho de Figueira da Foz, distrito de Coimbra, em Portugal.

História[editar | editar código-fonte]

A sua construção é geralmente atribuída às forças de D. Miguel, no contexto da Guerra Civil Portuguesa (1828-1834), embora algumas fontes indiquem ser-lhe anterior, do período manuelino.

Em 1909, no governo de Manuel II de Portugal, o fortim foi colocado em hasta pública, tendo sido arrematado, por quinhentos mil e cem reis, por Joaquim Sotto-Mayor.

Os seus restos encontram-se classificados como Imóvel de Interesse Público pelo Decreto nº 45.327, publicado em 25 de outubro de 1963 e pelo Decreto nº 47.508, publicado em 24 de janeiro de 1967. A construção da urbanização do Parque do Palácio Sotto-Mayor aumentou-lhe o estado de degradação.

Características[editar | editar código-fonte]

Em posição dominante sobre a povoação, constituía-se em uma bateria de planta semi-circular, com parapeitos, guarnecida com dez peças de artilharia, cruzando fogos com a Fortaleza de Buarcos e o Forte de Santa Catarina, na defesa da enseada de Buarcos. A sua acção era conjugada com o apoio da infantaria e da cavalaria impedindo eventuais desembarques. Dispunha de uma Casa da Guarda.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BORGES, José Pedro de Aboim. Figueira da Foz. Lisboa: 1991.
Ícone de esboço Este artigo sobre Património de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.