Fortim de São Tiago

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ficheiro:Planta do Forte de São Tiago (Vitória).jpg
Forte de São Tiago: Fachada e Planta por José António Caldas. (c.1764)

O Fortim de São Tiago localizava-se na ilha de Santo Antônio (hoje ilha de Vitória), dentro dos limites urbanos da vila de Nossa Senhora da Vitória (hoje cidade da Vitória), no litoral do atual estado brasileiro do Espírito Santo.

História[editar | editar código-fonte]

O vice-rei e capitão-general de mar-e-terra do Estado do Brasil, D. Vasco Fernandes César de Meneses (1720-1735), comissionou o engenheiro Nicolau de Abreu Carvalho para proceder aos reparos necessários às fortificações da baía do Espírito Santo, entre as quais esta (OLIVEIRA, 1975:188). SOUZA (1885) apenas cita o nome desta fortificação (op. cit., p. 100). GARRIDO (1940) atribui a este governante, em 1726, a construção da estrutura, complementando que a mesma sofreu reparos em 1764 (op. cit., p. 100).

Dela existia planta colorida, no Arquivo Militar, no Rio de Janeiro: "Planta e prospecto do fortinho de S. Thiago que está situado dentro da vila da Vitória, capital da Capitania do Espírito Santo. Levantada por José António Caldas em 1767 por ordem do Conde de Azambuja e Capitão-General." (MARQUES, 1878:31-32)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BARRETO, Aníbal (Cel.). Fortificações no Brasil (Resumo Histórico). Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1958. 368p.
  • GARRIDO, Carlos Miguez. Fortificações do Brasil. Separata do Vol. III dos Subsídios para a História Marítima do Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa Naval, 1940.
  • MARQUES, César Augusto. Diccionario Historico, Geographico e Estatistico da Província do Espírito Santo. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1878. 248p.
  • OLIVEIRA, José Teixeira de. História do Estado do Espírito Santo (2ª ed.). Vitória: Fundação Cultural do Espírito Santo, 1975. 602p. il.
  • SOUSA, Augusto Fausto de. Fortificações no Brazil. RIHGB. Rio de Janeiro: Tomo XLVIII, Parte II, 1885. p. 5-140.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]