Fralda para adultos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Uma fralda para adultos é uma fralda feita para ser usada por uma pessoa com um corpo maior do que o de um bebê ou criança pequena. As fraldas podem ser necessárias para adultos com várias condições, como incontinência, dificuldade de locomoção, diarreia grave ou demência.

As fraldas para adultos são feitas em várias formas, incluindo aquelas que se assemelham a fraldas infantis tradicionais, cuecas e absorventes para incontinência. O polímero superabsorvente é usado principalmente para absorver resíduos e líquidos corporais.

Mercado global[editar | editar código-fonte]

O tamanho do mercado de fraldas para adultos em 2016 foi de 9,8 bilhões de dólares, um aumento de 9,2 bilhões de dólares em 2015.[1] As vendas de fraldas para adultos nos Estados Unidos foram projetadas para aumentar 48% de 2015 a 2020, em comparação com 2,6% para fraldas infantis.[2] O mercado de incontinência adulta no Japão era de 1,8 bilhões de dólares em 2016, cerca de vinte por cento do mercado mundial.[2]

Usos[editar | editar código-fonte]

Cuidados de saúde[editar | editar código-fonte]

Pessoas com problemas de saúde que causam incontinência urinária ou fecal geralmente precisam de fraldas ou produtos semelhantes porque não conseguem controlar a bexiga ou os intestinos. Pessoas acamadas ou em cadeiras de rodas, incluindo aquelas com bom controle do intestino e da bexiga, também podem usar fraldas porque não conseguem acessar o banheiro por conta própria. Pessoas com comprometimento cognitivo, como demência, podem precisar de fraldas porque podem não reconhecer a necessidade de ir ao banheiro.

Fraldas para adultos e mulheres, sob a forma de cuecas

Os produtos absorventes para incontinência vêm em uma ampla variedade de tipos (coletores de gotas, absorventes, roupas íntimas e fraldas para adultos), cada um com capacidades e tamanhos variados. O maior volume de produtos consumidos se enquadra na faixa de produtos de menor absorção e, mesmo quando se trata de fraldas para adultos, as marcas mais baratas e menos absorventes são as mais utilizadas. Isso não ocorre porque as pessoas optam por usar as marcas mais baratas e menos absorventes, mas sim porque as instalações médicas são as maiores consumidoras de fraldas para adultos e precisam trocar de pacientes a cada duas horas. Como tal, eles selecionam produtos que atendem às suas necessidades de mudança frequente, em vez de produtos que podem ser usados por mais tempo ou com mais conforto.[3] Fraldas especiais são necessárias para natação ou terapia de piscina. Estes são conhecidos como fraldas de natação ou cuecas de natação de contenção. Destinam-se principalmente à incontinência fecal, mas também podem ser úteis para a contenção temporária da urina, para manter a dignidade durante a transferência do vestiário para a piscina. Fabricantes como Discovery Trekking, Splash About e Theraquatics geralmente utilizam um tecido elástico[4] para permitir maior ajuste para um ajuste confortável. Eles são laváveis e reutilizáveis.

Astronautas[editar | editar código-fonte]

Os astronautas usam fraldas semelhantes a um baú, chamadas de "Vestimentas de Absorção Máxima", durante a decolagem e pouso.[5] Em missões de ônibus espaciais, cada membro da tripulação recebe três fraldas — para lançamento, reentrada e uma sobressalente, caso a reentrada precise ser dispensada e julgada mais tarde.[6] O tecido superabsorvente usado em fraldas descartáveis, que pode suportar até quatrocentas vezes seu peso, foi desenvolvido para que os astronautas da Apollo pudessem permanecer em caminhadas espaciais e atividades extraveiculares por pelo menos seis horas.[7][8] Originalmente, apenas as astronautas femininas usariam vestimentas de absorção máxima, já que os dispositivos de coleta usados pelos homens eram inadequados para as mulheres; no entanto, relatos de seu conforto e eficácia acabaram convencendo os homens a começar a usar as fraldas também.[9] A conscientização pública sobre fraldas de astronautas aumentou significativamente após a prisão de Lisa Nowak, uma astronauta da NASA acusada de tentativa de homicídio, que ganhou notoriedade na mídia quando a polícia relatou que ela havia dirigido 1.400 quilômetros com uma fralda de adulto para que ela não parasse para urinar.[10] As fraldas se tornaram um recurso de muitos comediantes de televisão, além de serem incluídas em uma adaptação da história em Law & Order: Criminal Intent, apesar de que Nowak negasse que tenha usado.[11]

Fetichismo e infantilismo[editar | editar código-fonte]

As fraldas também podem ser usadas por infantilistas e fetichistas de fraldas para conforto, gratificação sexual, moda ou por razões emocionais.[12]

Outro[editar | editar código-fonte]

Outras situações em que as fraldas são usadas porque o acesso a um banheiro não está disponível ou não é permitido por mais tempo do que uma bexiga urinária normal pode suportar incluem:[13]

  • Guardas que devem permanecer em serviço e não têm permissão para deixar seus postos; isso às vezes é chamado de "mictório do vigia".[7][8]
  • Há muito se sugere que os legisladores usem uma fralda antes de uma obstrução prolongada, com tanta frequência que já foi chamada de "tirar a fralda".[7][8][14][15]
  • Alguns condenados à morte que estão prestes a ser executados usam "fraldas de execução" para coletar os fluidos corporais expelidos durante e após sua morte.[7][8][16]
  • Pessoas que mergulham com roupas de mergulho (antigamente, muitas vezes com escafandros) podem usar fraldas porque ficam debaixo d'água continuamente por várias horas.[7][17]
  • Da mesma forma, os pilotos podem usá-los em voos longos.[7][8][18]
  • Em 2003, a revista Hazards relatou que trabalhadores de várias indústrias estavam começando a usar fraldas porque seus patrões lhes negavam intervalos para ir ao banheiro durante o expediente. Uma mulher disse que estava tendo que gastar 10% do seu salário em absorventes para incontinência por esse motivo.[19][20]
  • A mídia chinesa noticiou em 2006 que as fraldas são uma forma popular de evitar longas filas nos banheiros dos trens durante a temporada de viagens do Ano-Novo Chinês.[21]
  • Na Alemanha, os pacientes mais jovens em coma embriagado são colocados em fraldas hospitalares.[22][23]
  • Em 2020, durante a pandemia de COVID-19, a Administração da Aviação Civil da China recomendou que os comissários de bordo usassem fraldas descartáveis para adultos para evitar o uso dos banheiros, exceto em circunstâncias especiais, para evitar riscos de infecção durante o trabalho a bordo de aeronaves.[24][25][26][27]

"As fraldas são algo que as pessoas não querem ver, mas se você torná-las atraentes, as pessoas poderão aprender sobre elas mais facilmente."

—Kiyoko Hamada do Aging Lifestyle Research Center, um dos principais organizadores do desfile de fraldas de Tóquio em 2008.[28]

O mercado de fraldas para adultos no Japão está crescendo.[29] Em 25 de setembro de 2008, os fabricantes japoneses de fraldas para adultos realizaram o primeiro desfile de moda só para fraldas do mundo, dramatizando muitos cenários dramáticos informativos que abordavam várias questões relevantes para pessoas mais velhas em fraldas. "Foi ótimo ver tantos tipos diferentes de fraldas ao mesmo tempo", disse Aya Habuka, de 26 anos. "Aprendi muito. Esta é a primeira vez que as fraldas são consideradas moda".[30] Em maio de 2010, o mercado japonês de fraldas para adultos se expandiu para ser usado como uma fonte alternativa de combustível. As fraldas usadas são trituradas, secas e esterilizadas para serem transformadas em pellets de combustível para caldeiras. As pelotas de combustível representam 1/3 do peso original e contêm cerca de cinco mil quilocalorias de calor por quilograma.[31] Em setembro de 2012, a revista japonesa SPA! descreveu a tendência de uso de fraldas entre as mulheres japonesas.[32][33] Há quem acredite que as fraldas são uma alternativa preferível a usar o banheiro. De acordo com o Dipak Chatterjee, do jornal Daily News and Analysis de Bombaim, os banheiros públicos são tão anti-higiênicos que é realmente mais seguro para as pessoas - especialmente mulheres - vulneráveis a infecções usarem fraldas para adultos.[34] Seann Odoms, da revista Men's Health, acredita que usar fraldas pode ajudar pessoas de todas as idades a manter a função intestinal saudável. Ele próprio afirma usar fraldas em tempo integral para esse suposto benefício à saúde. “As fraldas”, afirma ele, “nada mais são do que uma forma de roupa íntima mais prática e saudável. São a forma de vida segura e saudável".[35] O autor Paul Davidson argumenta que deveria ser socialmente aceitável para todos usar fraldas permanentemente, alegando que elas proporcionam liberdade e removem o incômodo desnecessário de ir ao banheiro, assim como o avanço social ofereceu soluções para outras complicações. Ele escreve: "Faça com que os idosos finalmente se sintam abraçados em vez de ridicularizados e remova a provocação da equação adolescente que afeta tantas crianças de forma negativa. Dê a cada pessoa neste mundo a oportunidade de viver, aprender, crescer e urinar em qualquer lugar e a qualquer hora sem pressão da sociedade para "se conter".[36]

Questões de dignidade[editar | editar código-fonte]

O uso de fraldas para adultos[37] pode ser uma fonte de constrangimento,[38] os produtos são frequentemente comercializados sob eufemismos, como absorventes para incontinência.

Em 2006, dezessete alunos do curso de farmacoterapia geriátrica participaram de um exercício voluntário de "experiência com fraldas" para ajudá-los a compreender o impacto da incontinência em adultos mais velhos. Os alunos, que usaram fraldas para adultos por um dia antes de escreverem um artigo sobre isso, descreveram a experiência como "desconhecida" e "fisicamente desafiadora", observando que usar fraldas teve um impacto muito negativo sobre eles e que soluções melhores para a incontinência são necessárias. No entanto, eles elogiaram o exercício por lhes dar uma visão sobre a incontinência e o efeito que tem na vida das pessoas.[39] Em 2008, o Ministro da Saúde de Ontário, George Smitherman, revelou que estava pensando em usar fraldas para adultos para testar sua absorção, após queixas de que residentes de asilos eram forçados a permanecer com fraldas inalteradas por vários dias. A proposta de Smitherman rendeu-lhe críticas de sindicatos, que argumentaram que a prioridade não era a capacidade das fraldas, mas sim a falta de pessoal que afetava a frequência com que eram trocadas, e ele mais tarde se desculpou.[40][41][42][43]

Referências

  1. «Global Diaper Industry». www.simavita.com. Consultado em 1 de fevereiro de 2019 
  2. a b Steger, Isabella (28 de janeiro de 2019). «The next big innovation in Japan's aging economy is flushable adult diapers». Quartz (em inglês). Consultado em 1 de fevereiro de 2019 
  3. 80% of people with incontinence are wearing the wrong products, Finnegan Medical Supply
  4. «Discovery Trekking Outfitters - SOSecure Containment Swim Brief». Consultado em 26 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 2 de novembro de 2011 
  5. «Behind the Scenes: Training» 
  6. Los Angeles Times (9 de fevereiro de 2007). «NASA diapers become topic No. 1». latimes.com 
  7. a b c d e f Davis, Merlene (11 de fevereiro de 2007). «I Did My Research on Adult Diapers». Lexington Herald-Leader. p. C1 
  8. a b c d e Merlene Davis (11 de fevereiro de 2007). «The Lexington Herald-Leader, Ky., Merlene Davis Column: I Did My Research on Adult Diapers». RedOrbit. Consultado em 16 de dezembro de 2007 
  9. Gekas, Alexandra (18 de fevereiro de 2007). «What's The Deal With The Diapers?». Newsweek (em inglês). Consultado em 18 de fevereiro de 2019 
  10. «NASA Astronaut Lisa Nowak Charged With Attempted Murder in Bizarre Love Triangle». Fox News. Consultado em 15 de setembro de 2008. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2008 
  11. «Archived copy». Consultado em 15 de setembro de 2008. Cópia arquivada em 29 de junho de 2007 
  12. Pretlow, Robert A. «The internet can reveal previously unknown causes of medical conditions, such as attraction to diapers as a cause of enuresis and incontinence». Mednet 2002. Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2006 
  13. Fisher, Adam. «adult diaper for the politically active». GENKAKU-AGAIN (adam fisher). Consultado em 30 de junho de 2014 
  14. «Peeing During Filibusters, Explained». Mother Jones (em inglês). Consultado em 8 de agosto de 2018 
  15. «Wayne Morse Sets Filibuster Record». www.senate.gov. Consultado em 9 de março de 2021 
  16. [1] Arquivado em 2008-05-15 no Wayback Machine
  17. Harris, Richard (dezembro de 2009). «Genitourinary infection and barotrauma as complications of 'P-valve' use in drysuit divers». Diving and Hyperbaric Medicine. 39 (4): 210–2. PMID 22752741. Consultado em 4 de abril de 2013. Cópia arquivada em 26 de maio de 2013 
  18. «While they bombed, diapers kept Sukhoi pilots dry». The New Indian Express 
  19. «Hazards 81 extended briefing: Toilet breaks». Hazards. Consultado em 18 de dezembro de 2007. Cópia arquivada em 27 de dezembro de 2007 
  20. «Hazards: Loo Break A Right Not A Privilege». UnionSafe. 25 de fevereiro de 2003. Consultado em 18 de dezembro de 2007. Cópia arquivada em 29 de agosto de 2007 
  21. Xinhua News Agency. (2006). http://news.xinhuanet.com/english/2006-01/24/content_4094641.htm
  22. «Nachrichten - BerlinOnline.de». Consultado em 3 de abril de 2010. Cópia arquivada em 5 de maio de 2010 
  23. Melina Rademacher, Klasse 10b. «"Neue Zustnde" und Windeln im Krankenhaus». Consultado em 3 de abril de 2010. Cópia arquivada em 29 de abril de 2010 
  24. Marcus, Lilit. «China flight attendants advised to wear diapers for Covid protection». CNN (em inglês). Consultado em 9 de março de 2020 
  25. Deerwester, Jayme. «Chinese agency advises flight crews to wear diapers to reduce COVID-19 risk in lavatory: reports». USA TODAY (em inglês). Consultado em 9 de março de 2021 
  26. Musto, Julia (10 de dezembro de 2020). «China advises cabin crew to wear diapers on risky coronavirus flights». FOXBusiness (em inglês). Consultado em 9 de março de 2021 
  27. «Chinese Cabin Crew Advised To Wear Nappies To Avoid Bathroom Use». Simple Flying (em inglês). 10 de dezembro de 2020. Consultado em 9 de março de 2021 
  28. «Archived copy». Consultado em 26 de setembro de 2008. Arquivado do original em 29 de setembro de 2008 
  29. «P&G seeks buyer for Japan adult diaper brand». Reuters. 15 de fevereiro de 2007 
  30. «Diaper Fashion Show Hits the Catwalk». Fox News. Consultado em 26 de setembro de 2008. Cópia arquivada em 29 de setembro de 2008 
  31. «Used Adult Diapers - The Fuel Of Tomorrow, Today!». InventorSpot.com (em inglês). Consultado em 9 de março de 2021 
  32. «Archived copy» ズボラの最終形か? オムツ女子の生態. 日刊SPA! (em japonês). 28 de setembro de 2012. Consultado em 14 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 20 de outubro de 2012 
  33. Chittley, Jordan (8 de outubro de 2012). «Adult diapers a surprising new trend among Japanese women». Daily Buzz. Consultado em 14 de outubro de 2012 
  34. Chatterjee, Dipak (11 de fevereiro de 2007). «Docs advise diapers over public loos». DNA. Consultado em 18 de dezembro de 2007 
  35. Jerry Kennard. «Men Wearing Nappies». About 
  36. «Adult Diapers For The Rest Of Us - Paul Davidson Dot Net - Under Construction» 
  37. W., John (18 de março de 2011). «Incontience». Cauda Equina Syndrome Resource Center. Consultado em 17 de setembro de 2014 
  38. Stack, Jennie Borodko (fevereiro de 2001). «When You've Gotta Go, You've Gotta Go». Muscular Dystrophy Association. Consultado em 3 de janeiro de 2008. Cópia arquivada em 28 de outubro de 2007 
  39. Boyce, Eric.; Dolder, Christian (5 de outubro de 2006). «Active Learning in a Geriatrics Pharmacotherapy Course: Outcomes Associated with a Diaper Experience Exercise». American Association of Colleges of Pharmacy, Sheraton San Diego Hotel & Marina, San Diego, California. Consultado em 18 de dezembro de 2007 
  40. Jordana Huber (28 de fevereiro de 2008). «Smitherman considers wearing diaper». National Post. Consultado em 20 de maio de 2008 [ligação inativa] 
  41. The Canadian Press (27 de fevereiro de 2008). «Ont. health minister prepared to don adult diaper». CTV Television Network. Consultado em 20 de maio de 2008 
  42. John Turley-Ewart (27 de fevereiro de 2008). «John Turley-Ewart: On George Smitherman and his dirty diaper». National Post. Consultado em 20 de maio de 2008 [ligação inativa] 
  43. Rob Ferguson (28 de fevereiro de 2008). «I'm sorry, Smitherman says». Toronto: The Star.com. Consultado em 20 de maio de 2008. Cópia arquivada em 2 de junho de 2008