Françoise Giroud

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Françoise Giroud, 1998.

Françoise Giroud, nascida Lea France Gourdji (Lausanne, 21 de Setembro de 191619 de Janeiro de 2003), foi uma jornalista, escritora e política francesa.

Seu pseudônimo, [1] : 62 , 'Françoise Giroud', é quase um anagrama de Gourdji e foi inventado por Maurice Diamant-Berger, quando ela começou a trabalhar numa estação de rádio, por volta de 1938. Esse pseudônimo foi oficializado quando da publicação do decreto 76860/1976, no Journal officiel da República francesa[2] .

Além de ter sido uma figura de destaque do jornalismo, Giroud destacou-se também na política francesa, tendo sido vice-presidente do Partido Radical-Socialista e da União para a Democracia Francesa (UDF). Foi também secretária de Estado da Condição Feminina do Primeiro-ministro Jacques Chirac (de 16 de julho de 1974 a 24 de agosto de 1976) e secretária de Estado da Cultura do primeiro-ministro Raymond Barre (de 24 de agosto de 1976 – 30 de março de 1977), ambos durante a presidência de Giscard D'Estaing (1974-1981). Como ministra da Cultura, Françoise Giroud inaugurou, em fevereiro 1977, o Centre Georges Pompidou.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Lea France Gourdji era filha de Salih Gourdji[3] , diretor da Agence télégraphique ottomane em Genebra, e de Elda Farragi, ambos judeus mizrahim do Império Otomano »[4] .

Lea France Gourdji começou a trabalhar aos 14 anos de idade,mas deixou a escola. Após obter um diploma de datilografia na escola Remington, ela encontrou um emprego numa livraria do boulevard Raspail, em Paris, em maio de 1931[5] .

O cinema e os primeiros passos como jornalista[editar | editar código-fonte]

Graças às relações de amizade de sua família com Marc Allégret, este apresentou Françoise Giroud ao escritor André Gide, que empregou-a como secretária durante algum tempo. Ela começou então uma nova carreira cinematográfica em Paris. Desde 1935, o nome de "France Gourdji" aparece no filme Baccara de Yves Mirande. Em seguida, tornou-se a primeira mulher francesa autora do roteiro de um filme, o do diretor Marc Allégret (por quem ela se apaixonou, embora ele tivesse uma relação com André Gide[6] ) e de Jean Renoir, do qual tornou-se a assistente de direção a partir de 1937, depois de Jacques Becker, com quem escreveu roteiros em parceria, dessa vez assinando o nome Françoise Giroud. Essas diferentes atividades levaram-na a descobrir seu talento de escritora.

O jornalismo[editar | editar código-fonte]

Logo após a guerra, ela foi contratada por Hélène Lazareff como diretora da redação e criação dda a revista Elle, na época uma publicação moderna e feminista. Ela foi sua diretora de 1945 a 1953. Françoise Giroud também colaborou ao mesmo tempo com os jornais France Dimanche, L'Intransigeant e France Soir, escrevendo artigos biográficos. Suas convicções afirmaram-se e se revelaram através de seus posicionamentos contra a guerra da Argélia, quando ela fundou a revista L'Express, em 1953, com seu amante Jean-Jacques Servan-Schreiber. Seu apartamento foi então alvo de um atentado por carga explosiva em (1962).Mas ela continou dirigindo esta revista até 1974, como diretora da redação, em seguida da publicação, enfim como presidente do grupo Express-Union, entre 1970 e 1974.

Além de sua carreira jornalística, Françoise Giroud publica vários ensaios, como "La Nouvelle Vague, portrait de la jeunesse" en 1958, inventando esta expressão que serviu para qualificar, ulteriormente, o estilo dos novos cineastas vindos dos Cahiers du cinéma.

A política[editar | editar código-fonte]

Apesar de ser filiada ao Partido radical, cujo programa prometia a modernização social, Françoise Giroud apoiou François Mitterrand nas eleições presidenciais de 1974. O candidato Valéry Giscard d'Estaing foi eleito mas ele nomeou-a, mesmo assim, Secretária no gabinete do Primeiro ministro, encarregada da "Condição feminina". Ela exerceu este cargo entre julho de 1974 e agosto de 1976, período durante o qual lançou o programa "cento e uma medidas" em favor das mulheres (instituição de direitos relativos às mulheres, luta contra as discriminações, abertura das profissões ditas masculinas, etc). Em seguida, ela foi nomeada como "Secretária da Cultura" até março de 1977, tornando efetivas as decisões tomadas antes de sua nomeação como a lei sobre a arquitetura de 31 de janeiro de 1977 e a criação das Direções regionais das Atividades culturais( DRAC).

Candidata às eleições municipais francesas de 1977 em Paris, a pedido de Valéry Giscard d'Estaing e de Michel d'Ornano, ela esteve no centro de um escândalo: o senador Maurice Bayrou, Compagnon de la Libération (Companheiro da Liberação), deu queixa no tribunal por uso ilegal da Medalha da Resistência [7] . Djenane, irmã de Françoise, que criou e coordenou um dos primeiros movimentos de resistência em Clermont-Ferrand desde 1941, recebera essa medalha após haver sido internada no campo de Ravensbrück. Segundo Christine Ockrent e Laure Adler , uma carta recebida pela mãe delas, teria provado que a medalha havia sido atribuida às duas irmãs, mas que Françoise, que tinha se juntado ao movimento em 1944, não tinha ido buscar a sua[8]  · [9] . Em consequência desse escândalo, ela retirou sua candidatura às eleições parisienses e não foi nomeada novamente para o mesmo cargo no novo governo de Raymond Barre. Sua boa fé entretanto, acabou por ser reconhecida, e o procurador da República arquivou o processo em 1979[10] .

Françoise Giroud abandona a política em 1979 e, inspirando-se na sua experiência política, escreveu La Comédie du pouvoir ('A Comédia do poder') e, em seguida, Le Bon Plaisir (O Bom Prazer) em (1983), livro que foi adaptado para o cinema. Esse último livro, publicado pelas edições Mazarine, conta a história de um Presidente da República que dissimula a existência de um filho adulterina [11] . No entanto, ela ignorava a existência do filho oculto de François Mitterrand[12] .

Associada a um grupo de intelectuais franceses, entre os quais Bernard-Henri Lévy, Jacques Attali, Philippe Mahrer, Marek Halter, Alfred Kastler este Prêmio Nobel de física , Guy Sorman e Robert Sebbag, bem como a médicos, jornalistas e escritores, ela funda em 1979 a Associação Ação Contra Fome (ACF).

Ela era membro do comité de honra da “Associação pelo direito de morrer de maneira digna” (ADMD)[13] .

Retorno ao jornalismo[editar | editar código-fonte]

Quando Giroud deixou seu posto no governo , L'Express acabara de ser vendido a James Goldsmith, e Raymond Aron, editorialista da revista, se opõe à sua reintegração[14] [15] . Ela assina crônicas no Journal du Dimanche (JDD) , mas foi licenciada por haver criticado Paris Match que traía o segredo de François Mitterrand e Mazarine Pingeot. Em 1983, Jean Daniel lhe propôs o cargo de editorialista no Nouvel Observateur, revista na qual ela escreveu durante vinte anos crônicas de televisão. Ela produziu igualmente vária emissões de televisão e publicou ensaios, biografias e romances que tiveram bom sucesso. Ela foi então convidada para membro do júri do prêmio Femina em 1992. Ela também fez parte do comitê de patrocínio da Coordenação francesa para a Década da cultura da paz e da não-violência.

Em 16 de janeiro de 2003, ao sair da estréia de uma representação na Opéra-Comique, já enfraquecida por uma primeira queda na semana precedente, ela escorrega na grande escadaria e cai batendo com a cabeça no chão[16] [10] . No dia seguinte , ainda trabalha a tarde inteira, com Albina du Boisrouvray, na redação de um livro de entrevistas . Ao cair a noite, ela entra em coma, sendo levada ao Hospital Americano de Paris, onde morre no dia 19 de janeiro, sem ter recobrado a consciência. Foi incinerada em 22 de janeiro no crematório do cemitério Père-Lachaise. Conforme era sua vontade, a filha, Caroline Eliacheff, dispersou suas cinzas numa roseira [17] .

Vida privada[editar | editar código-fonte]

Françoise Giroud teve dois filhos: um menino (Alain-Pierre Danis, nascido em Nice em 1941[18] e morto em 1972 ,[19] [10] num acidente de ski, em Tignes[20] , e que era um filho oculto de Elie Nahmias, diretor de uma empresa petrolífera) e uma menina, Caroline Eliacheff, nascida em Boulogne em 1947, de seu casamento com o produtor de cinema Anatole Eliacheff.

No final dos anos 1950, quando ela esperava um filho de Jean-Jacques Servan-Schreiber, precisou abortar; em seguida, desenvolveu uma gravidez extrauterina e foi submetida a uma cirurgia, em consequência da qual, tornou-se estéril. Françoise Giroud acreditava que a sua esterilidade teria provocado a separação de Servan-Schreiber, que sempre se negara a se divorciar da primeira mulher para se casar com ela e que, afinal, deixou Giroud para se casar com uma estagiária de vinte anos, Sabine Becq de Fouquières. Desesperada, Françoise teria enviado cartas anônimas de teor antissemita ao casal e seus familiares.[6] . Entretanto, no seu livro Histoire d'une femme libre , publicado postumamente em 2013, ela nega ter enviado tais cartas. O rompimento com Servan-Schreiber também teria motivado Giroud a uma tentativa de suicídio, por ingestão de barbitúricos, em 1960[21]

Após a tentativa de suícidio, ela inicia, em 1963, uma nova fase, muito mais séria e intensa, de sua psicanálise, com Jacques Lacan[22] [23] .

Em 1984, a morte do seu último companheiro, o editor Alex Grall, que ela ajuda a morrer dignamente, leva-a novamente à depressão.[24] .

Relação com o judaísmo[editar | editar código-fonte]

Católica por circunstância e ateia por convicção, Françoise Giroud negou seu judaísmo durante toda a vida, obedecendo à vontade de sua mãe. Ela só revelaria sua origem ao seu neto Nicolas (nascido do casamento de Caroline Eliacheff com o realizador Robert Hossein), o futuro rabino Aaron Eliacheff, na primavera de 1988. [25] . Ela se explicará sobre este assunto num romance póstumo, Les Taches du léopard (Fayard, 2003). [26]  · [27] .

Condecorações[editar | editar código-fonte]

Obras[editar | editar código-fonte]

Publicações[editar | editar código-fonte]

  • Françoise Giroud vous présente le Tout-Paris, coll. L'Air du temps, Gallimard, 1952. Préface de Marcel Achard
  • Nouveaux Portraits Première édition : Gallimard, 1953. Deuxième édition : Gallimard, coll. « L'Air du temps » numéro35, 1954, 287 p. BNF|321706525
  • La Nouvelle Vague, portraits de la jeunesse, coll. L'Air du temps, Gallimard, 1958
  • « L'Aventurier du journalisme » in Entretiens, Roger Vailland, éditions Subervie, 1970
  • Si je mens, Stock, 1972
  • Une Poignée d'eau, Robert Laffont, 1973
  • La Comédie du Pouvoir, Fayard, 1977
  • Ce que je crois, Grasset, 1978
  • Une femme honorable, Fayard, 1981 ; biografia de Marie Curie[28]
  • Le Bon Plaisir, éditions Mazarine, 1983
  • Christian Dior, Éditions du Regard, 360 pages,1987, 500 illustrations ISBN 2-903370-32-X
  • Ecoutez-moi: Paris-Berlin, aller-retour avec Günter Grass, Maren Sell, 1988
  • Alma Mahler, ou l'art d'être aimée, Robert Laffont, 1988
  • Leçons particulières, Fayard, 1990
  • Jenny Marx ou la Femme du diable, Robert Laffont, 1992, prix Gabrielle d'Estrées
  • Le Journal d'une Parisienne, Le Seuil, 1994
  • Mon très cher amour, Grasset, 1994
  • Les Hommes et les femmes', avec Bernard-Henri Lévy, Orban, 1994
  • Cœur de tigre, Plon-Fayard, 1995
  • Cosima la sublime, Plon-Fayard, 1996
  • Chienne d'année : 1995, Journal d'une Parisienne vol. 2 , Le Seuil, 1996
  • Gais-z-et contents: 1996, Journal dune Parisienne vol 3, Le Seuil, 1997
  • Arthur ou le bonheur de vivre, Fayard, 1997
  • Deux et deux font trois, Grasset, 1998
  • Les Françaises, de la Gauloise à la pilule, Fayard, 1999
  • La Rumeur du monde, journal 1997 et 1998 , Fayard 1999
  • C’est arrivé hier. Journal 1999, Fayard, 2000
  • Histoires (presque) vraies Fayard, 2000
  • Profession journaliste, conversation avec Martine de Rabaudy, Hachette Littératures, 2001
  • On ne peut pas être heureux tout le temps, Fayard, 2001
  • Lou, histoire d'une femme libre, Fayard, 2002
  • Demain déjà, journal 2002-2003, Fayard 2003
  • Les Taches du léopard, Fayard, 2003
  • Histoire d'une femme libre, Gallimard, 2013

Textos de canções[editar | editar código-fonte]

A partir das músicas de Loulou Gasté:

  • Le Petit Chaperon Rouge, criada por Lisette Jambel, (1944)
  • Un par un vont les Indiens, interpretada por Lisette Jambel, Josette Daydé, les Sœurs Étienne, (1944)
  • Quand Betty fait Boop (palavras escritas com a colaboração de Louis Gasté para o filme Le Roi des resquilleurs), criação de Josette Daydé (1945)
  • Ce n'était pas original, interpretada por Jacqueline François (1945)

A partir de uma música de Georges van Parys, 1944 :

  • Il avait le charme slave, interpretada por Andrex

Françoise Giroud também compôs canções para Danielle Darrieux e Tino Rossi

  • Cinema
    • 1932 : Fanny, de Marc Allégret
    • 1937 : La Grande Illusion, de Jean Renoir
    • 1942 : Promesse à l'inconnue
    • 1943 : Le Secret de Madame Clapain
    • 1945 : L'Ange qu'on m'a donné
    • 1945 : Marie la Misère
    • 1946 : Au petit bonheur
    • 1947 : Fantômas, de Jean Sacha
    • 1947 : Antoine et Antoinette
    • 1949 : Ce siècle a cinquante ans
    • 1949 : Dernier Amour
    • 1950 : La Belle que voilà
    • 1951 : Les Petites Cardinal
    • 1952 : L'Amour, Madame
    • 1952 : Une fille sur la route
    • 1953 : Julietta
    • 1959 : La Loi (La Legge)
    • 1985 : Le 4e pouvoir
    • 1991 : Marie Curie, une femme honorable

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Ockrent, Christine. Françoise Giroud, une ambition française, Fayard, 2003
  • Adler, Laure. Françoise, Grasset, 2011
  • Saint-André, Alix de. Garde tes larmes pour plus tard, Gallimard, 2013

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Ockrent, Christine. Françoise Giroud, une ambition française, Fayard, 2003, Fayard, 2003
  2. Ficha da ministra Françoise Giroud. Decreto 76860. Fac-símile do J.O. de 10 de setembro de 1976, de 9 de setembro de 1976, p. 5457
  3. Françoise Giroud conta no seu livro Leçons particulières (Fayard, 2003) como seu pai, que se refugiara em Paris por ter se recusado a colocar sua agência à disposição dos alemães, fundou na capital francesa um jornal político, La Turquie nouvelle (A Turquia Nova), em 1908.
  4. Doan Bui e Isabelle Monnin, Ils sont devenus français (Eles se tornaram franceses), J.-C. Lattès, 2010, pp. 107 et suiv.
  5. Françoise Giroud: Leçons particulières, Fayard,1990, página 35, ISBN 2-213-02598-8
  6. a b « Francoise-Giroud -La journaliste amoureuse », entrevista de Laure Adler em Paris Match, 9 de janeiro de 2011. Erro de citação: Invalid <ref> tag; name "Match" defined multiple times with different content
  7. Jacqueline Remy, « Le roman d'une Parisienne », L'Express, 23 de janeiro de 2003.
  8. Ockrent, Christine. Françoise Giroud, une ambition française, Fayard, 2003
  9. Laure Adler, Françoise, Grasset, 2011. Laure Adler, entrevistada por Laurent Ruquier, durante o programa On n'est pas couché de 15 de janeiro de 2011.
  10. a b c Jacqueline Remy, « Le roman d'une Parisienne » (O romance de uma Parisiense), L'Express, 23 janvier 2003. Erro de citação: Invalid <ref> tag; name "roman" defined multiple times with different content
  11. «DSK : "porque eles não disseram nada", Le Figaro, 27 de maio de 2011.
  12. Alix de Saint-André, Garde tes larmes pour plus tard, Gallimard 2013, pp. 58-59.
  13. Página « Comité de honra », no site da ADMD.
  14. Segundo ela mesma, no seu discurso de recepção do título de comendador da Légion d’honneur
  15. Exceptionnelles — Françoise Giroud: l’ambition faite femme. Le Mauricien, 7 de julho de 2012.
  16. Laure Adler, Françoise, pp. 484-485.
  17. Alix de Saint-André, Garde tes larmes pour plus tard, p. 21.
  18. Grávida durante a guerra, ela tentou em vão abortar e, afinal, deu à luz esse menino, que foi adotado por Pierre Danis.
  19. Françoise Giroud, entre ombre et lumière. France Soir, 22 de janeiro de 2011
  20. Alix de Saint-André, Garde tes larmes pour plus tard, p. 268-269..
  21. Françoise Giroud, Histoire d'une femme libre, Gallimard 2013, pp. 199 - 211.
  22. F. Giroud, Arthur ou Le bonheur de vivre, Fayard, Paris, 1997.
  23. F. Giroud, Leçons particulières, Le Livre de poche, , Fayard, Paris, 1990, 218 p.
  24. Valérie Grall, Latour-Maubourg, éd. Grasset, 2008.
  25. Alix de Saint-André, Garde tes larmes pour plus tard, Gallimard, 2013, páginas 263-264.
  26. "Ma mère, Françoise Giroud". Le Journal du Dimanche. 
  27. Jean Paul Guetny (1º de setembro de 2003). "Bloc-Notes". LeMonde des Religions. 
  28. Filme feito para TV, baseado no livro.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Françoise Giroud