Francesco Borromini

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Francesco Borromini
Nascimento 25 de setembro de 1599
Bissone
Morte 3 de agosto de 1667 (67 anos)
Roma
Sepultamento San Giovanni dei Fiorentini
Cidadania Suíça
Ocupação arquiteto, escultor, engenheiro, canteiro, desenhista
Prêmios
Obras destacadas San Carlo alle Quattro Fontane
Movimento estético barroco

Francesco Borromini (Bissone, nas margens do lago Lugano, hoje pertencente à Suíça, 25 de setembro de 1599Roma, 3 de agosto de 1667)[1] foi um arquiteto italiano nascido no moderno cantão suíço de Ticino.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Oratório de São Filipe Neri
Sant'Ivo alla Sapienza, pátio e fachada.

Com seus contemporâneos Gian Lorenzo Bernini e Pietro da Cortona, foi uma figura importante no surgimento da arquitetura barroca romana.[3]

Estudioso da arquitetura de Michelangelo e das ruínas da Antiguidade, Borromini desenvolveu uma arquitetura inventiva e distinta, embora um tanto idiossincrática, empregando manipulações de formas arquitetônicas clássicas, fundamentos geométricos em seus planos e significados simbólicos em seus edifícios. Ele parece ter tido um conhecimento sólido das estruturas, o que talvez faltasse a Bernini e Cortona, que foram treinados principalmente em outras áreas das artes visuais. Seus desenhos de chumbo suave são particularmente distintos. Ele parece ter sido um estudioso autodidata, acumulando uma grande biblioteca até o final de sua vida.

Sua carreira foi limitada por sua personalidade. Ao contrário de Bernini, que facilmente adotou o manto de cortesão charmoso em sua busca por encomendas importantes, Borromini era melancólico e de temperamento explosivo, o que resultou em sua retirada de certos empregos,[4] e sua morte foi por suicídio.

Provavelmente porque seu trabalho foi idiossincrático, sua influência subsequente não foi generalizada, mas é aparente nas obras piemontesas de Guarino Guarini e, como uma fusão com os modos arquitetônicos de Bernini e Cortona, na arquitetura barroca tardia do norte da Europa.[5] Críticos posteriores do barroco, como Francesco Milizia e o arquiteto inglês Sir John Soane, foram particularmente críticos do trabalho de Borromini. Do final do século XIX em diante, o interesse renasceu pelas obras de Borromini e sua arquitetura passou a ser apreciada por sua inventividade.

Referências

  1. «Borromini [Castelli], Francesco». Oxford Art Online (em inglês). Consultado em 22 de setembro de 2021 
  2. "Francesco Borromini." Encyclopædia Britannica. Web. 30 Oct. 2010.
  3. um.edu.mt - pdf
  4. Blunt, Anthony (1979), Borromini, Harvard University Press, Belknap, p. 21
  5. Blunt,(1979), p. 213-7
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Francesco Borromini